Você está na página 1de 7

REVISÃO – PROCESSO PENAL III – 2ºBIMESTRE

-- PRINCÍPIOS IMPORTANTES:

- Princípio da Fungibilidade Recursal: quando o advogado interpõe um recurso errado, pode o juiz aceitar
um recurso pelo outro, desde que não haja má-fé processual.

- Princípio da NO REFORMATIO IN PEJUS: vedação da reforma para pior em caso de recurso exclusivo da defesa, não
pode, portanto o tribunal agravar a situação do acusado quando apenas ele recorreu.

 Se o MP recorrer ou tiver previsão legal de recurso de ofício é possivel piorar a situação do réu.

- Princípio da NO REFORMATIO IN PEJUS INDIRETA: se a sentença penal impugnada for anulada em recurso exclusivo da
defesa, em caso de novo processo o juiz estará vinculado a pena aplicada no 1º processo, não podendo o juiz tornar a
situação do acusado mais gravosa do que aquela proferida na decisão inicial tomada sem efeito.

- Princípio da REFORMATIO IN MELLIUS: em caso de recurso exclusivo da acusação, poderá o tribunal melhorar
a situação do acusado, em 2º grau.

PRESSUPOSTOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL

 Condições que devem ser preenchidas para que o recurso seja recebido e apreciado.

A análise de admissibilidade é feita pelo juízo a quo. Excepcionalmente o juízo ad quem pode fazer a análise dos
pressupostos de admissibilidade.

Juízo ad quem é responsável pelo mérito recursal.

Conhecimento = recebimento do recurso.

Provimento = julgamento do mérito recursal de forma favorável a parte que recorreu.

Pressupostos objetivos de admissibilidade:

1. CABIMENTO – só é possível recurso se existe dispositivo legal prevendo seu cabimento.


2. ADEQUAÇÃO – deve-se observar qual o recurso adequado – princípio da unirrecorribilidade.
3. TEMPESTIVIDADE – deve ser observado o prazo previsto em lei para a interposição.
a. Dies a quo – dia do início da contagem do prazo.
b. Dies ad quem – último dia do prazo.
i. CONTAGEM:
1. Exclui-se o primeiro dia e inclui o último.
2. Passa a ser contado da intimação.

Pressupostos subjetivos de admissibilidade:

1. LEGITIIMIDADE RECURSAL – apenas partes envolvidas no processo.


2. INTERESSE – de entrar com recurso.
EFEITOS DOS RECURSOS:

  OBSTATIVO – obsta a ocorrência da preclusão temporal (impede o trânsito em julgado).


 DEVOLUTIVO – transferência da matéria recursal ao órgão jurisdicional que irá julgar o recurso.

 SUSPENSIVO – impossibilidade da decisão produzir efeitos regulares enquanto não houver apreciação do
recurso interposto.

 REGRESSIVO – consiste na devolução da matéria impugnada para fins de reexame ao mesmo órgão
que prolatou a decisão recorrida, isto é, ao juízo a quo – também chamado de JUÍZO DE RETRATAÇÃO.

 EXTENSIVO – estender os efeitos do resultado favorável do recurso por um dos acusados a outro que não
 recorreu em caso de concurso de agentes que o fundamento não seja em caráter exclusivamente pessoal.
 SUBSTITUTIVO – decisão proferida no recurso substitui a decisão impugnada.

RECURSOS EM ESPÉCIE

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO – 2 dias para interposição pelo CPP – 5 dias nos juizados especiais, STF e STJ.

Serve para fazer uma correção, adequação ou esclarecer uma decisão que está uma porcaria, mal regida
pelo magistrado.

-- Hipóteses de cabimento:

  AMBIGUIDADE
  OBSCURIDADE
  CONTRADIÇÃO
 OMISSÃO

Pode ser interposto por petição nos autos, já com as razões recursais inclusas.

 Exceção: JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL – Pode ser feito de forma oral.



-- A parte contrária não deverá ser intimada para apresentar contrarrazões aos embargos de declaração.

-- A competência para julgar os embargos de declaração é juízo a quo, não rerá remetido ao juízo ad quem.

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO – RESE

Somente cabível contra decisões interlocutórias do rol taxativo do Art. 581 CPP – proferidas por juiz singular
antes da sentença.

Aplicação RESIDUAL – se parte de uma sentença penal apresentar trecho que jusitificaria a interposição do
RESE deverá ser interposta APELAÇÃO.

A interposição pode ser por PETIÇÃO quanto por TERMO NOS AUTOS com prazo de 5 DIAS e razões devem
ser apresentadas em 2 dias após a intimação da interposição.
Art. 581 – Caberá recurso em sentido estrito, da decisão, despacho ou senteça:

I. Que não receber a denúncia ou a queixa;


a. Rejeição da denúncia ou queixa é decisão interlocutória mista terminativa, portanto cabe RESE.

II. Que concluir pela incompetência do juízo;


a. Decisão que conclui a juízo incompetente cabe RESE.

III. Que julgar procedentes as exceções, salvo a de suspeição;


a. Exceções que implicam no término do processo, salvo suspeição, cabe RESE.

IV. Que pronunciar o réu;


a. Pronúncia é decisão que encerra 1ª fase do JURI, cabe RESE.

V. Que conceder, negar, arbitrar, cassar ou julgar inidônea a fiança, indeferir requerimento de
prisão preventiva ou revogá-la, conceder liberdade provisória ou relaxar a prisão em flagrante;
a. Decisão que INDEFERE prisão preventiva. Se decreta prisão preventiva NÃO cabe RESE, pois não está
no rol.

VI. Que julgar quebrada a fiança ou perdido o seu valor;

VII. Que conceder ou negar a ordem de habeas corpus;

VIII. Que conceder, negar ou revogar a suspensão condicional da pena;

IX. Que anular o processo da instrução criminal, no todo ou em parte;

X. Que denegar a apelação ou julgar desera;

XI. Que ordenar a suspensao do processo, em virtude de questão prejudicial;


a. Questões prejudiciais são matérias que discutem no processo, uma vez ordenada a suspensão do
processo a parte que não concordar pode interpor RESE. Mas da decisão que INDEFERE a decisão
NÃO cabe RESE;

XII. Que decidir o incidente de falsidade;


a. É quando uma das partes suspeitam de prova falsa.

EFEITOS DO RESE:

1. REGRESSIVO – juízo de retratação;


2. DEVOLUTIVO
3. EXTENSIVO
4. EM REGRE, NÃO TEM SUSPENSIVO.

A APELAÇÃO exerce preferência sobre o RESE, então, quanto couber os dois, utilizar-se-á APELAÇÃO.
APELAÇÃO:

Trata-se de recurso de efeito devolutivo mais amplo no processo penal, permite ao tribunal o reexame integral da
matéria e de fundamenteção livre pelas partes. Em regra, pode devolver toda a matéria para reexame integral, tanto
matéria fático probatória como matéria de direito.

Hipóteses de cabimento de Apelação:

I. Das sentenças definitivas de condenação ou absolvição proferidas por juiz singular


o Absolvição sumária fundamentada pelo art. 397, IV o recurso adequado é RESE, pois tem natureza
declaratória e não absolutória.

II. Das decisões definitivas, ou com força de definitivas, proferidas por juiz singular nos casos não
previstos no Capítulo anterior:
o Das decisões interlocutórias mistas que podem ser questionadas pela apelação – Hipótese residual.

III. Das decisões do Tribunal do Júri, quando:


o Situação sobre decisão do juiz presidente, e não sobre o que decidiram os jurados.
a. Ocorrer nulidade posterior à pronúncia.
b. For a sentença do juiz-presidente contrária à lei expressa ou à decisão dos jurados.
c. Houver erro ou injustiça no tocante à aplicação da pena ou da medida de segurança.
d. For a decisão dos jurados manifestamente contrária à prova dos autos.

Forma de interposição da Apelação:

-- Pode ser por petição ou por termo nos autos e deve ser interposta perante o juízo recorrido.

 Se acaso a apelação for denegada o apelante pode interpor RESE sobre a denegação.

 O prazo para interposição é de 5 dias, a começar da data da intimação da apelação, se passar os 5 dias o
recurso será intempestivo. O prazo das razões e contrarrazões da apelação é de 8 dias depois da intimação.



-- A competência para julgamento da APELAÇÃO é do tribunal de 2º grau de jurisdição TJ ou TRF.

 Apelação do JECRIM – competência da Turma Recursal.

Efeitos da Apelação:

  DEVOLUTIVO
  EXTENSIVO
 SUSPENSIVO (em regra)

-- Na apelação não há efeito regressivo, pois o juiz que prolatou a sentença não pode alterá-la em razão da
interposição de recurso.

-- A parte que interpõe a apelação poderá declarar no próprio ato de interposição o seu interesse em apresentar as
razões recursais, diretamente ao tribunal competente para o julgamento.
AGRAVO EM EXECUÇÃO

É um recurso específico para se insurgir em decisões proferidas em âmbito de execução penal. Trata-se de recurso
próprio para impugnação das decisões proferidas em fase de execução penal, ou seja, durante o cumprimento da
pena. Para haver seu cabimento tem que ter o transito em julgado.

Forma de interposição:

-- Tento por termos nos autos quanto por petição, facultando o recorrente a apresentação das razões em momento
subsequente a interposição ou imediatamente a juntada.

MESMAS REGRAS DO RESE

 5 dias para interposição e 2 dias para razões.

Hipóteses de Cabimento: TODA E QUALQUER decisão proferida em âmbito de execução penal.

Efeitos do Agravo em Execução:

  DEVOLUTIVO
 REGRESSIVO – pois há juízo de retratação pelo próprio juiz de execução.

-- Em regra não tem efeito suspensivo.

-- Não tem efeito extensivo, pois a pena é PERSONALÍSSIMA.

CARTA TESTEMUNHÁVEL

É o recurso destinado a garantir que o tribunal ad quem conheça e examine o recurso cujo processamento foi
obstado pelo órgão a quo.

Hipóteses de Cabimento:

  Da decisão que denegar o recurso.


 Da decisão que, admitindo embora o recurso, obstar a sua expedição e seguimento para o juízo ad quem.



-- Trata-se de recurso para dar seguimento a outro recurso que o juízo ad quem não deu seguimento.

 Tem finalidade de encaminhar o RESE ou AGRAVO para o tribunal – destravando o recurso parado.

Lembrar:

  DECISÃO QUE DENEGA APELAÇÃO CABE O RESE;


 DECISÃO QUE DENEGA O RESE CABE CARTA TESTEMUNHÁVEL;
Prazo de interposição da carta testemunhável é de 48 horas a partir do mandado de intimação.

A interposição deve ser feita com as razões recursais inclusas.

O recorrente na carta testemunhável é chamado de testemunhante.

O endereçamento da Carta Testemunhável é ao CHEFE DA SECRETARIA NA JUSTIÇA FEDERAL OU ESCRIVÃO NA


JUSTIÇA ESTADUAL.

EFEITOS DA CARTA TESTEMUNHÁVEL:

  DEVOLUTIVO;
 REGRESSIVO – juízo de retratação;

-- Não tem efeito suspensivo.

-- Se for uma carta testemunhável num RESE, há possibilidade de efeito extensivo.

EMBARGOS INFRINGENTES OU DE NULIDADE

A diferenciação se o embargo é infringente ou de nulidade depende da matéria que estou discutindo, mas o nome
sempre será INFRINGENTES OU DE NULIDADE.

Trata-se de recurso destinado a impugnação de decisões proferidas em 2º grau (acórdão) quando estiver julgando
APELAÇÃO, RESE ou AGRAVO EM EXECUÇÃO desfavorável ao réu que a votação NÃO FOI UNÂNIME (decisões
plurâmines – pelo menos um voto divergente).

Trata-se de recurso EXCLUSIVO DA DEFESA – acórdão com divergência desfavorável ao réu.

Prazo de interposição:

-- 10 dias corridos contados da publicação do acórdão, e sua interposição só pode ser feita por meio de petição,
devendo ser interposto já com as razões recursais que nesse caso será baseada nas razões do voto divergente.

A competência

 É do próprio tribunal que prolatou o acórdão.

EFEITOS DOS EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE

  DEVOLUTIVO;
  SUSPENSIVO;
  REGRESSIVO;
 EXTENSIVO;
CORREIÇÃO PARCIAL

Trata-se de instrumento processual destinado a impugnação de decisões ou despachos judiciais que importem na
inversão tumultuária do processo, cabível quando não houver a previsão de recurso específico, é o recurso que serve
quando o juiz acha que é o dono do processo.

RESIDUAL – somente é cabível se não cabe nenhum outro recurso.

Prazo de 5 dias no TJ.

Competência de julgamento para o tribunal de 2ª instância, e poderá ter efeito suspensivo.

REVISÃO CRIMINAL

NÃO é recurso – trata-se de AÇÃO AUTÔNOMA de impugnação de competência originária dos tribunais, a
ser ajuizada após o transito em julgado de sentença penal condenatória ou absolutória imprópria, visando a
desconstituição da coisa julgada, ou seja, exclusivamente em favor do réu.

Pedidos possíveis:

  ABSOLVIÇÃO
  ALTERAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO JURÍDICA DO DELITO
  MODIFICAÇÃO DA PENA
  ANULAÇÃO DO PROCESSO
 INDENIZAÇÃO

Cabe a REVISÃO CRIMINAL o entendimento de que em caso de procedência será realizado um novo JURI.

Hipóteses de Cabimento:

 Contrariedade ao texto expresso em lei penal.



 Contrariedade a evidência dos autos – quando todas as evidências mostram que o cara não participou do
 crime, mesmo assim foi condenado.
 Sentença fundada em depoimento, exame ou documento comprovadamente falso.

 Descoberta de prova nova após a sentença que comprove a inocência do condenado ou de circunstância que
 autorize a diminuição de pena.
 Causa de nulidade no processo.



-- Não possui prazo decadencial.

-- Não é dotada de efeito suspensivo.