Você está na página 1de 7

Índice

1. Introdução .............................................................................................................................. 3

1.2. Objectivos ........................................................................................................................... 3

1.3. Metodologia ........................................................................................................................ 3

2. Objectivos e métodos usados na psicologia da motivação .................................................... 4

2.1. Breves considerações sobre a psicologia da motivação ...................................................... 4

2.1.2. Definição de motivação ................................................................................................... 4

3. Objectivos e Objecto de estudo.............................................................................................. 5

4. Métodos de estudo da motivação ........................................................................................... 5

5. Conclusão............................................................................................................................... 7

6. Referencias ............................................................................................................................. 8
3

1. Introdução

A presente pesquisa da cadeira de motivação ira sustentar acerca de objectivos da motivação e


métodos de estudo da psicologia da motivação. Primeiramente o trabalho ira tratar de breves
considerações sobre a psicologia da motivação que é um termo largamente usado em
compêndios de psicologia e, como aprendizagem, é usado em diferentes contextos com
diferentes significados. Posteriormente estarão uma gama de definições da motivação e
diversas perspectivas, porem objectivando a pesquisa ira sustentar a prior de objectivos de
psicologia da motivação que constitui em linhas geras a base conceitualização da aplicam e
dos respectivos métodos usados no campo da psicologia da motivação.

1.2. Objectivos

1.2.1. Gerais

 Estudar os objectivos da motivação e os métodos usados para estudar o campo da


psicologia da motivação.

1.2.3. Específicos

 Analisar os objectivos do campo do estudo e respectivos métodos usados na psicologia


da motivação;
 Compreender os objectivos e métodos de estudo da motivação;
 Explicar da psicologia da motivação, objectivos e métodos de estudo de motivos.

1.3. Metodologia
Quanto aos procedimentos técnicos utlizados será do tipo Bibliográfica, porque será
elaborado a Partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de
periódicos e actualmente com material disponibilizado na Internet, LAKATOS &
MARICONI (2009).
4

2. Objectivos e métodos usados na psicologia da motivação

2.1. Breves considerações sobre a psicologia da motivação

Motivação, assim como aprendizagem, é um termo largamente usado em compêndios de


psicologia e, como aprendizagem, é usado em diferentes contextos com diferentes
significados. O mesmo autor pode empregar o termo de maneira diversa num mesmo
parágrafo.

VERNON (1973) faz isso logo na primeira página do primeiro capítulo de seu livro
“Motivação Humana”: “A motivação é encarada como uma espécie de força interna que
emerge, regula e sustenta todas as nossas acções mais importantes. Contudo, é evidente que
motivação é uma experiência interna que não pode ser estudada directamente (VERNON,
1973:11). Porque a motivação é uma força interna que nos leva a agir, e por ser interna só
nós mesmos a podemos sentir.

Um outro exemplo interessante de como o termo motivação pode assumir diferentes


significados em um mesmo texto está em BERGAMINI (1997): no início do século, o desafio
era descobrir aquilo que se deveria fazer para motivar as pessoas, mais recentemente tal
preocupação muda de sentido. Passa-se a perceber que cada um já traz, de alguma forma,
dentro de si, suas próprias motivações.

2.1.2. Definição de motivação

A que considerar as fontes da diversidade do conceito da motivação, encontrada na literatura


de diversos autores que fazem referências da motivação. Na presente pesquisa não houve
intenção de usar alguns princípios organizados na sequência dos exemplos da motivação mas
excepto a cronologia; as definições que serão propostas irão indicar as variedades de
abordagens na psicologia da motivação humana, que são:

i. Motivação: é o termo geral que descreve o comportamento regulado por necessidade


e instinto com respeito a objectivos (DEESE, 1964:404);
ii. Motivação: é um termo como aprendizagem no sentido de que tem sido usado de
numerosas maneiras, com vários graus de precisão. Não nos preocuparemos com seu
5

sentido exacto, principal mente porque tem sido usado de maneira precisa neste
contexto (LOGAN & WAGNER, 1965:91);
iii. Entendem por algo que incita o organismo à acção ou que sustenta ou dá direcção à
acção quando o organismo foi activado (HILGARD & ATKINSON, 1967:118);
iv. Em linhas gerais a psicologia da motivação estuda comportamentos dos indivíduos
suportados pelas suas motivações.

3. Objectivos e Objecto de estudo

O objecto de estudo da psicologia da motivação é o comportamento dos indivíduos


suportados por suas motivações (VERNON, 1973:11). Porque quando o individuo está
motivado a dedução mas prática é de desencadear o comportamento ou um certo grau de
atitude. Mas no mesmo grau de atitude ou de comportamento depende do estímulo que o
individuo vai ter. Por exemplo:

 Se um individuo pratica uma determinada disciplina A ou B ´é porque há um estímulo


que ele sente pela disciplina. Se a disciplina não lhe criar nenhum interesse ou não lhe
estimular ele não irá participar. Razão pela qual o objecto é comportamento dos
indivíduos suportados pelas suas motivações

O estudo da motivação é a investigação das influências sobre a activação, força e direcção do


comportamento (ARKES & GARSKE, 1977:3).

Mudanças na significância de estímulos são a preocupação básica do estudo da motivação”.


(CATANIA, 1979:61).

4. Métodos de estudo da motivação

Numa primeira perspectiva a que sustentar que existem vários métodos para o estudo de
psicologia da motivação que procuram alavancar esta área de saber que são:

Observação: é um método largamente utilizado nas ciências para a obtenção de dados que
serão posteriormente analisados por outros métodos;

Método longitudinal: é um método usado para avaliar as mudanças em uma mostra ao longo
do tempo;
6

Método experimental: é normalmente considerado como sendo o mais científico de todos os


métodos, o método “escolha” cuja utilização em Psicologia permitiu que esta fosse
reconhecida como ciência;

Método psicanalítico: trata-se de uma conversa que, mais ou menos estruturada, é orientada
pelo psicólogo, baseado numa atitude compreensiva (procurar compreender o interlocutor) e
também interventiva (procurar ajudar o entrevistado a compreender-se);

Método psicométrico: teve a função de medir a inclinação de cada individuo;

A observação ocasional: distingue-se da observação sistemática no sentido em que, como o


próprio nome indica, pode ser realizada sem qualquer tipo de planeamento prévio.
7

5. Conclusão

Portanto existem diversos conceitos com relação a motivação, pois o desafio nos séculos
anteriores era descobrir o que deveria fazer-se para motivar as pessoas, mais recentemente tal
preocupação mudou de sentido. Porque passa-se a perceber que cada um já traz, de alguma
forma, dentro de si, suas próprias motivações. Aquilo que mais interessa, então, é encontrar e
adoptar recursos organizacionais capazes de não sufocar as forças motivacionais inerentes às
próprias pessoas, como também não existe o pequeno génio da motivação que transforma
cada um de nós em trabalhador zeloso ou nos condena a ser o pior dos preguiçosos. Em
realidade, a desmotivação não é nenhum defeito de uma geração, nem uma qualidade pessoal,
pois ela está ligada a situações específicas. A respeito de objectivos tanto como métodos de
estudo estão envolvidos no comportamento ou atitude dos indivíduos suportados pelas suas
motivações pios que podem ser observados, medidos, comparados e analisados em um
laboratório.
8

6. Referencias
 VERNON, M. D. Tradução de L. C. Lucchetti. Petrópolis: Vozes. 1973;
 DEESE, J. Boston: Allyn & Bacon. 1964;
 LOGAN, F. A. & WAGNER, A. R. Boston: Allyn and Bacon. 1965;
 HILGARD, E. R. & ATKINSON, R. C. New York: Harcourt, Brace &World. 1967;
 ARKES, H. R. & GARSKE, J. P. Monterey: Brooks/Cole. 1977;
 Catania, A. C. Englewood Cliffs: Prentice-Hall. 1979.