Você está na página 1de 12

1

CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS


www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

LÓGICA

SOBRE O JUÍZO

Joseph Gredt. Elementos de Filosofia Aristotélico-Tomista, nn. 36-38.

§ 6. Sobre a enunciação

Enuntiationis notio. – Enuntiatio 39 Noção de enunciação – A enunciação


definitur: oratio verum vel falsum define-se como a oração que significa o
significans indicando (cf. textus). verdadeiro ou o falso indicando (cf. texto).
“Oratio” ponitur loco generis; Põe-se “oração” como gênero; “que significa
“significans verum vel falsum” loco o verdadeiro ou o falso” como a diferença
differentiae, qua distinguitur enuntiatio a pela qual a enunciação se distingue das
ceteris orationibus sive imperfectis sive outras orações, seja das imperfeitas, seja das
perfectis non significantibus verum vel perfeitas que não significam o verdadeiro ou
falsum seu iudicium; in solo enim iudicio falso, ou antes, o juízo; pois somente no
habetur veritas logica. “Indicando” juízo há verdade lógica. Diz-se “indicando”,
dicitur, i. e. asserendo, quod fit per isto é, asserindo, porque se faz pelo verbo no
verbum indicativi modi. modo indicativo.
Enuntiatio propositio dicitur, quatenus A enunciação diz-se proposição enquanto é
pars est syllogismi. Logica enuntiationem parte do silogismo. A lógica considera a
principaliter considerat tamquam enunciação principalmente como
propositionem seu tamquam proposição, ou antes, como instrumento do
instrumentum ratiocini, quia eius opus raciocínio, porque sua obra principal é o
princi-pale est ratiocinium (cf. n. 4). raciocínio (cf. n. 4).
Materia propositionis (simplicis) sunt A matéria da proposição (simples) são os
2
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

termini: S et P; forma est copula; S, P, C termos: sujeito e predicado; a forma é a


in omni propositione necessario cópula; o sujeito, o predicado e a cópula são
requiruntur, etsi interdum non omnia requeridos necessariamente em toda
explicite ponuntur (cf. n. 22). In omni proposição, embora às vezes nem todos
propositione, sive affirmativa sive sejam postos explicitamente (cf. n. 22). Em
negativa (excepta reduplicativa, in qua toda proposição, seja afirmativa, seja
comprehensio Si coarctatur; cf. n. 40), S negativa (com exceção da reduplicativa, na
intelligitur secundum totam qual a compreensão do sujeito é restringida;
comprehensionem. In propositione cf. n. 40), o sujeito é inteligido em toda a
affirmativa P quoad totam sua compreensão. Na proposição afirmativa,
comprehensionem non vero quoad totam o predicado, atribui-se ao sujeito em toda a
extensionem S° attribuitur. S subicitur P°, sua compreensão, mas não em toda a sua
quia a P° determinationem et denomina- extensão. O sujeito sujeita-se ao predicado,
tionem recipit. Ideo S comprehensione porque recebe do predicado a determinação
maius est P°; nam praeter suas notas e a denominação. Portanto, a compreensão
etiam eas complectitur, quas enuntiat P; P do sujeito é maior que a do predicado; pois,
vero extensione maius est. Quare S sub além das suas notas, também compreende
extensione Pi continetur et P “supponit” aquelas que o predicado enuncia; mas a
particulariter, i. e. in ipsa propositione extensão do predicado é maior. Portanto, o
adhibetur particulariter tantum. Res sujeito está contido sob a extensão do
declaratur exemplo: predicado, e o predicado “supõe”
particularmente, isto é, na própria
proposição se estende apenas
particularmente. A matéria se declara pelo
exemplo:

S P S P
Homo est mortalis: S continetur sub Pi; O homem é mortal: o sujeito contém-se sob
S (homo) continetur sub extensione P, o predicado;
quod secundum se latius patet (praeter O sujeito (O homem) contém-se sob a
homines sunt alia entia mortalia), quod extensão do predicado, que, em si, se estende
3
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

tamen in ipsa propositione supponit mais amplamente, mas, na proposição, supõe


particulariter, i. e. sumitur pro ea tantum particularmente, isto é, é tomado como
parte mortalium, quaehomines sunt. Hae somente aquela parte dos mortais que são
propositiones dicuntur naturales seu o r d homens. Estas proposições dizem-se
i -n a t a e . Quodsi ordo iste naturalis naturais ou ordenadas. Caso esta ordem
invertitur, propositio diciturinnaturalis, natural seja invertida, a proposição diz-se
inordinata, indirecta; est propositio não natural, desordenada, indireta; é uma
distorta: proposição distorcida:
S P S P
Aliquod mortale est homo; aliqua pars Si Algum mortal é homem; alguma parte do
continetur sub P°. sujeito contém-se sob o predicado.
In propositione negativa, S subicitur P° Na proposição negativa, o sujeito sujeita-se
negative, i. e. removetur P universaliter ao predicado negativamente, isto é, o
secundum omnem suam extensionem a predicado é removido universalmente
S°. Quare in his propositionibus P segundo toda a sua extensão do sujeito.
supponit universaliter. Non autem Portanto, nessas proposições, o predicado
removetur P quoad totam suam supõe universalmente. Mas não se remove o
comprehensionem, si notae ipsius predicado em toda sua compreensão, se as
considerantur divisive, sed partialiter suas notas são consideradas divisivamente,
tantum; si vero notae considerantur mas apenas parcialmente; mas se as notas se
collective, P quoad totam consideram coletivamente, o predicado é
comprehensionem removetur a S°. removido em toda a sua compreensão do
Interdum de facto S et P secundum sujeito.
extensionem suam aeque late patent Às vezes o sujeito e o predicado têm a
(propositio convertibilis), cum definitio mesma extensão (proposição convertível),
praedicatur de definito: Homo est animal como quando a definição é predicada do
rationale; homo est animal risibile definido: o homem é o animal racional; o
(definitio per proprium), aut propter homem é o animal risível (definição pelo
factum contingens. At simplex propositio próprio), ou por causa de um fato
hoc numquam enuntiat, sed requiritur contingente. E a proposição simples nunca
nova propositio et novum iudicium,quo enuncia isso, mas se requer uma nova
4
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

enuntietur S aeque late patere quam P, P proposição e um novo juízo, pelo qual se
esse definitionem Si. Propositio autem enuncie que o sujeito e o predicado têm a
exclusiva: Solus homo est animal risibile; mesma extensão, que o predicado é uma
omnes homines sunt omnia animalia definição do sujeito. Mas a proposição
risibilia, est occulte composita. exclusiva “Somente o homem é risível;
todos os homens são todos os animais
risíveis” é ocultamente composta.

Propositionis divisio. – Propositiones 40 Divisão da proposição – As proposições


dividuntur: 1. ratione forma i. e. ratione dividem-se: (1) em razão da forma, isto é,
copulae manifestantis compositionem vel em razão da cópula que manifesta a
divisionem, propositiones dividuntur in composição ou divisão, em categóricas
categoricas (simplices) et hypotheticas (simples) e hipotéticas (compostas). A
(compositas). Categorica est, quae ope categórica é a que, pela cópula verbal, une o
copulae verbalis P coniungit S° seu predicado ao sujeito, ou antes, o predicado
praedicat de S°; ideo etiam praedicativa dele; portanto, também se diz predicativa
(categorica) dicitur. Hypothetica est, quae (categórica). A hipotética é a que, pelas
ope particularum “et”, “aut” (“vel”), “si” partículas “e”, “ou”, “se”, une proposições
integras coniungit propositiones ad inteiras entre si. Desse modo, constrói outra
invicem. Hoc modo aliam construit verdade, distinta das verdades das
veritatem distinctam a veritatibus categóricas. Pois, assim como a categórica
categoricis. Nam sicut categorica fert faz juízo sobre a conjunção do sujeito com o
iudicium de coniunctione Si cum P°, ita predicado, a hipotética faz juízo da
hypothetica iudicium fert de ipsa conjunção mesma entre as várias
coniunctione plurium categoricarum sive categóricas, seja copulativa, seja disjuntiva,
copulativa sive disiunctiva sive condi- seja condicional, que assere ser ou não ser.
tionali, quam asserit esse vel non esse. Como essa nova verdade depende das
Quia haec nova veritas pendet a verdades categóricas, a proposição diz-se
veritatibus categoricis, propositio dicitur hipotética.
hypothetica. A proposição hipotética, ou antes, composta,
Propositio hypothetica seu composita est é ou aberta, ou ocultamente composta. As
5
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

aut aperte composita aut occulte. Species espécies de proposição abertamente


propositionis aperte compositae composta são: copulativa, disjuntiva,
sunt:copulativa, disiunctiva, coniunctiva, conjuntiva e condicional, como é patente a
conditionalis, ut patet ex supra-dictis. partir do que foi dito. A proposição
Propositio copulativa est, quae plura copulativa é a que conecta vários sujeitos,
subiecta vel praedicata vel plures integras predicados ou várias proposições inteiras
propositiones conectit particulis pelas partículas conjuntivas “e” e “nem”
coniunctivis “et”, “nec” (explicite vel (explícita ou implicitamente postas): Pedro e
implicite positis): Petrus et Paulus Ro- Paulo foram mortos em Roma. Ora, a
mae mortui sunt. Unitas autem et unidade e a multiplicidade do sujeito e do
multiplicitas subiecti et praedicati non ex predicado é tomada não da unidade e da
unitate et multiplicitate vocum, quibus multiplicidade dos sons vocais pelos quais
significantur subiectum et praedicatum, são significados o sujeito e o predicado, mas
sed ex unitate et multiplicitate rei desu- da unidade e multiplicidade da coisa. Assim
menda est. Ita “homo est animal “o homem é o animal racional” é uma
rationale” est propositio simplex, “homo proposição simples, mas “o homem é o
est animal rationale risibile” est animal racional que ri” é uma proposição
propositio composita. Etiam propositio composta. Também a proposição
subordinata non impedit simplicitatem, subordinada não impede a simplicidade,
dummodo ne superaddat novam enquanto não acrescenta uma nova realidade
realitatem S° vel P°. Ita propositio “Homo ao predicado ou ao sujeito. Assim, a
est animalquod est rationale” est proposição “O homem é o animal que é
propositio simplex. Propositio disiunctiva racional” é uma proposição simples. A
est, quae plures propositiones particulis proposição disjuntiva é a que conecta várias
disiunctivis «aut», «vel» conectit. proposições pela partícula disjuntiva “ou”.
Distinguendum est inter propositionem Devem ser distinguidas as proposições
proprie etimproprie disiunctivam: própria e impropriamente disjuntivas:
improprie disiunctiva est, quae mediante impropriamente disjuntiva é a que mediante
partícula “vel” sa1tem unum membrum a partícula “ou” afirma ao menos um
verum esse affirmat; proprie autem membro ser verdadeiro; propriamente
disiunctiva est, quae mediante particula disjuntiva é a que mediante a partícula “ou”,
6
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

“aut” unum membrum verum esse afirma um membro ser verdadeiro e exclui
affirmat, ceteris exclusis. Propositio os outros. A proposição conjuntiva é a que
coniunctiva est, quae enuntiat duo P non enuncia que dois predicados não podem
posse simul convenire eidem S° (A non convir simultaneamente ao mesmo sujeito
potest simul esse B et C). Propositio (A não pode ser simultaneamente B e C). A
conditionalis est, quae coniungit proposição condicional é a que une as
propositiones ope particulae conditionalis proposições pela partícula condicional “se”.
“si”. Propositio disiunctiva et coniunctiva As proposições disjuntivas, conjuntivas e
et conditionalis aliquomodo iam condicionais já são de algum modo
argumentationes sunt et ratiocinium argumentações e exprimem um raciocínio
exprimunt (cf. n. 55). “cf. n. 55).
Species propositionum occulte As espécies de proposições ocultamente
compositarum sunt: propositioexclusiva, compostas são: proposição exclusiva,
exceptiva, reduplicativa. exceptiva e reduplicativa.
Propositio exclusiva ea est, cuius A proposição exclusiva é aquela cujo sujeito
subiectum vel praedicatum afficitur ou predicado é afetado pelas partículas
particula exclusiva “solum”, “tantum” exclusivas “somente”, “apenas” etc.:
etc.: Solus Deus est aeternus. Somente Deus é eterno.
Propositio exceptiva ea est, qua aliquid A proposição exceptiva é aquela pela qual
sub extensione subiecti contentum algo contido sob a extensão do sujeito é
excipitur a participatione praedicati per exceptuado da participação do predicado
partículasexceptivas “praeter”, “nisi” etc.: pelas partículas exceptivas “exceto”,
Omne ens praeter Deum estcontingens. “senão” etc.: Todo ente exceto Deus é
Propositio reduplicativa ea est, quae contingente.
subiectum replicat per particulas A proposição reduplicativa é aquela que
geminantes “ut”, “quatenus” etc,: Homo dobra o sujeito pela partícula duplicante
ut homo ratiocinatur. Propositiones “enquanto”: o homem, enquanto homem,
occulte compositae etiam exponibiles raciocina. As proposições ocultamente
dicuntur, quia, cum resolvuutur, compostas também se dizem exponíveis,
exponuntur: Deus est aeternus; nullum porque, quando se resolvem, são expostas:
ens, iquod non est Deus, est aeternuni. Deus é eterno; nenhum ente, que não é Deus,
7
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

Omnia entia sunt contingentia ;Deus non é eterno. Todos os entes são contingentes;
est contingens. Homo ratiocinatur ; ratio, Deus não é contingente. O homem raciocina;
cur homo ratiocinetur, est humana natura. a razão porque o homem raciocina é a
Interdum particula reduplicans sumitur natureza humana.
“specificative”. Tunc non exprimit Às vezes, a partícula reduplicante é tomada
causam, cur P tribuendum sit S°, sed “especificativamente”. Então, não exprime a
declarat P spectaread essentiam Si, ut si causa porque o predicado deve ser atribuído
dicas: Homo, inquantum homo, est ao sujeito, mas declara que o predicado diz
animal. respeito à essência do sujeito, como se
Propositio categorica ratione formae disseres: O homem, enquanto homem, é
subdividitur in affirmativam et negativam, animal1.
quatenus P de S° affirmatur aut negatur. A proposição categórica, em razão da forma,
Etiam haec divisio ex parte formae est, subdivide-se em afirmativa e negativa,
quia negatio copulam afficit, dicitur enquanto o predicado é afirmado ou negado
tamen ratione qua1itatis, i. e. essentialis. do sujeito. Também essa divisão é de parte
Divisio in affirmativam et negativam est da forma, porque a negação afeta a cópula,
subdivisio categoricae tantum, non mas diz-se em razão da qualidade, isto é,
hypotheticae. Nam negatio non potest essencial. – A divisão em afirmativa e
cadere super copulamhypotheticam “si”, negativa é subdivisão somente da categórica,
“aut”, “et”, secus ipsa coniunctio não da hipotética. Pois a negação não pode
categoricarum cessaret ac proinde etiam cair sobre a cópula hipotética “se”, “ou” e
hypothetica propositio destrueretur. “e”, porque assim a conjunção mesma das
Divisio propositionum in categoricas et proposições categóricas cessaria, e, portanto,
hypotheticas, afirmativas et negativas também a proposição hipotética seria
essentialis est, i. e. generis in species, destruída. A divisão das proposições em
quia fit ratione formae seu compositionis categóricas e hipotéticas, afirmativas e
constituentis ipsam essentiam negativas, é essencial, isto é, de gênero em
propositionis. Ceterae divisiones espécies, porque se faz em razão da forma,

1
Também certas proposições, pelas quais se “quantifica” o predicado, seriam proposições ocultamente
compostas. A quantificação do predicado foi introduzida na lógica por Hamilton (1788 – 1856): Todos os
homens são todos os que riem; todos os homens são alguns animais etc. Mas essa quantificação é contra a
natureza do predicado e leva a proposições ambíguas e até falsas. Já S. Tomás (In Perih. I lect. 10 n.. 23 sq.)
rejeita esse modo de formular proposições (cf. J. Mariitati, Élements de Philosophiee. Petie Logique p. 252sqq.).
8
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

accidentales sunt, quia fiunt ratione ou antes, da composição que constitui a


alicuius, quod accidit propositioni neque essência mesma da proposição. As outras
eius essentiam constituit. divisões são acidentais, porque se fazem em
2. Propositiones dividuntur ratione razão de algo que é acidental à proposição e
materiae. Materia propositionis sunt não constitui a sua essência.
termini, quatenus considerantur 2. As proposições dividem-se em razão da
secundum habitudinem ad invicem. matéria. A matéria das proposições são os
Materia triplex est: naturalis (necessaria), termos, enquanto são considerados segundo
contingens,remota, quatenus P necessario a relação entre si. A matéria é tripla: natural
convenit S° aut contingenter tantum aut (necessária), contingente e remota, enquanto
repugnat S°. Ratione materiae propositio o predicado convém ao sujeito
dividitur in necessariam, contingentem, necessariamente, ou apenas
impossibilem. Propositio necessaria est, contingentemente, ou o repugna. Em razão
quae enuntiat aliquid, quod aliter esse non da matéria, a proposição divide-se em
potest: Homo est animal.Propositio necessária, contingente ou impossível. A
contingens est, quae enuntiat aliquid, proposição necessária é aquela que enuncia
quod aliteresse potest: Homo est albus. algo que de não pode ser de outro modo: o
Propositio impossibilis est, quaeenuntiat homem é animal. A proposição contingente
aliquid, quod esse non potest: Homo est é a que enuncia algo que pode ser de outro
lapis. In materia naturali omnis propositio modo: o homem é branco. A proposição
afirmativa est necessaria, negativa vero impossível é a que enuncia algo que não
impossibilis; in materia remota omnis pode ser: o homem é pedra. Em matéria
propositio affirmativa est impossibilis, natural, toda proposição afirmativa é
negativa necessaria; in materia necessária, e negativa é impossível; em
contingenti tam afñrmativa quam matéria remota toda proposição afirmativa é
negativa propositio contingens est. impossível, e negativa necessária; em
3. Ratione quantitatis propositiones matéria contingente, tanto a proposição
dividuntur in universales, particulares, afirmativa como a negativa são contingentes.
singulares, indefinitas, quatenus S est 3. Em razão da quantidade, as proposições
terminus universalis, particularis, dividem-se em universais, particulares,
singularis, indefinitus, i. e. indeterminatus singulares e indefinidas, enquanto o sujeito
9
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

quoad quantitatem, ut cum dicitur: Homo é um termo universal, particular, singular ou


est risibilis. Si materia propositionis indefinido, isto é, indeterminado quanto a
indefinitae est naturalis aut remota, quantidade, como quando se diz: o homem
propositio aequivalet universali (Homo ri. Se a matéria da proposição indefinida é
non est lapis = nullus homo est lapis); si natural ou remota, a proposição equivale à
vero materia est contingens, universal (O homem não é pedra = nenhum
aequivaletparticulari seu singulari (Homo homem é pedra); mas se a matéria é
currit = aliquis homo currit). contingente, equivale à particular ou à
4. Ratione qualitatis accidentalis singular (O homem corre = algum homem
propositio multipliciter dividitur corre).
secundum diversas qualitates accidentales 4. Em razão da qualidade acidental, a
propositionis. Praecipuae qualitates sunt proposição divide-se de vários modos,
veritas et falsitas et modalitas. Ratione segundo as diversas qualidades acidentais da
veritatis propositiones sunt verae et proposição. As qualidades principais são a
falsae. Ratione modalitatis propositiones verdade e a falsidade e a modalidade. Em
dividuntur in propositiones de inesse razão da verdade, as proposições são
(quae a recentibus etiam categoricae verdadeiras e falsas. Em razão da
dicuntur), quibus simpliciter enuntiatur P modalidade, as proposições dividem-se em
inesse vel non inesse S°: Petrus est proposições de inesse (que pelos modernos
doctus, et propositiones modales,quibus também é dita categórica), pela qual
enuntiatur modus, quo P inest vel non simplesmente se enuncia que o predicado é
inest S°. ou não é no sujeito: Pedro é culto, e
5.Ratione originis propositiones proposições modais, pelas quais se enuncia o
dividuntur: a) in propositiones analyticas modo pelo qual o predicado é ou não é no
et syntheticas. Propositio est analytica, si sujeito.
habitudo inter subiectum et praedicatum 5. Em razão da origem, as proposições
dignoscitur ex subiecti analysi: Homo est dividem-se: a) em proposições analíticas e
rationalis. Propositio est synthetica, si sintéticas. A proposição é analítica se a
habitudo inter subiectum et praedicatum relação entre o sujeito e o predicado é
ex experientia cognoscitur: Petrus currit. conhecida através da análise do sujeito: o
b) in propositiones immediatas (per se homem é racional. A proposição é sintética
10
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

notas) et mediatas (non per se notas), se a relação entre o sujeito e o predicado é


quatenus habitudo praedicati ad conhecida pela experiência: Pedro corre. b)
subiectum immediate ex ipsis terminis vel em proposições imediatas (per se notae) e
non immediate est cognoscibilis. mediatas (não per se notae), enquanto a
Nota. Propositio relativa reducitur ad relação entre o predicado e o sujeito é
copulativam aut ad causalem: Homo, cognoscível imediatamente a partir dos
quem video, currit = video hominem, et termos mesmos ou não.
homo currit; homo, qui est iustus, solvit Nota. A proposição relativa reduz-se à
debita sua — quia homo est iustus, solvit copulativa ou à causal: o homem, que vejo,
debita sua. Similiter propositio corre = vejo o homem, e o homem corre; o
adversativa: Ego laboro, ipse autem homem que é justo paga suas dívidas – como
dormit == ego laboro, et ipse dormit o homem é justo, paga suas dívidas.
(innuit tamen forma adversativa praeter Similarmente, a proposição adversativa: Eu
compositionem, oppositionem quandam trabalho, mas ele dorme (mas a forma
in praedicatis); hic est malefactor, colit adversativa indica, além da composição,
tamen B. Virginem = hic est malefactor, certa oposição nos predicados); este é um
hoc ei non est causa non colendi B. malfeitor, mas venera a Bem Aventurada
Virginem (causalis negata). Ipsa Virgem = este é um malfeitor, isto não é
propositio causalis, sicut etiam rationalis, causa para ele não venerar a Bem
stricte propositiones non sunt, sed Aventurada Virgem (causal negada). A
argumentationes (cf. n. 55). Similiter proposição causal mesma, assim como a
ceterae propositiones, quae a grammaticis racional, não é estritamente uma proposição,
recensentur, reduci possunt ad praedictas, mas sim uma argumentação (cf. n. 55).
ut temporales, finales etc Similarmente, outras proposições, que são
enumeradas pelos gramáticos, como as
temporais, as finais etc., podem ser
reduzidas às mencionadas.
11
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

Divisão essencial da proposição

Copulativa
Disjuntiva
Abertamente
Conjuntiva
Hipotética Condicional
(composta) Exclusiva
Ocultamente
Exceptiva
Proposição (Exponível)
Reduplicativa
Afirmativa
Categórica
(simples)
Negativa
12
CONFRARIA DE ARTES LIBERAIS
www.artesliberais.com.br
___________________________________________________________________________

QUESTIONÁRIO

1. Que diferença há entre a enunciação e a proposição?


2. Que diferença há entre as proposições naturais e as não naturais?
3. Como se dividem as proposições em razão da forma?