Você está na página 1de 3

Disciplina: Psicologia da Educação I

Professor: Adilson Alves da Silva

Aluna (o): Welliton Conceição da Silva

Curso: Filosofia

1. Como foi o desenvolvimento do ser humano ao longo da história da


Humanidade?

Para adquirirmos a estrutura que hoje possuímos, foi necessário um longo


processo de desenvolvimento, um exausto processo de adaptação, isto é,
sobrevivência e aceitação do mundo. De acordo com o autor, o atual “esquema
de pensamento” do ser humano capacita-o a sistematizar o mundo material e
social, o mundo espontâneo e o desorganizado, isto graças ao seu
desenvolvimento ao longo da história. Graças a tal desenvolvimento, o homem
possui uma complexa capacidade de reflexão da realidade.

2. O que é a ciência?

Podemos falar em duas partes. Primeiro lugar, a ciência é a forma moderna e


avançada de pensar o mundo com a finalidade de compreender certa parte da
realidade. Em segundo lugar, podemos falar no que a caracteriza.
Diferentemente de uma especulação solta, a ciência possui método cientifico,
linguagem rigorosa, sistematização, produção de conhecimento, validade das
evidencias e, por último, uma constante preocupação com os seus fundamentos.

3. Como o autor descreve o pensamento moderno?


O autor descreve o pensamento moderno como um “movimento” ou uma espécie
de “ascensão”, se contrapondo ao mundo antigo. Em suas palavras, “o mundo foi
posto em movimento”. Podemos observar que dentro desse movimento ou
ascensão o autor coloca: “a multiplicação da produção” - a “dessacralização da
natureza” com finalidades especificas, a revolução cientifica - “a terra deu lugar
ao sol como centro do universo” – “a ideia do homem livre” e “uma incessante
busca de autonomia e objetividade cientifica”. Para o autor, o homem moderno se
transformou num sujeito epistêmico e supervaloriza a técnica.

4. O autor afirma que a Psicologia é uma ciência. Por quê?

Nas palavras do autor, a Psicologia configura-se como uma ciência, a justificativa


está em seu objeto de pesquisa, a saber, a subjetividade.

5. O capitalismo trouxe a ideia dos sujeitos pensados como livres.


Explique.

A liberdade traga pelo capitalismo está relacionada a liberdade individual de


consumo, como lemos na afirmação do autor: “livres para vender a força de
trabalho para compra-la e para consumir mercadorias com base em escolhas
individuais”. O sujeito moderno é levado a pensar que é livre devido essa relação
de troca mercadológica, isto é, a relação de compra e venda.

6. Defina a subjetividade na psicologia.

De acordo com o autor, nós possuímos duas dimensões, a saber, a subjetiva e


objetiva, em outras palavras, somos seres singulares e sociais. O sujeito e o
mundo se constituem no mesmo processo, mas que não sejam a mesma coisa,
reitera o autor. A subjetividade é, então, a princípio, um dos âmbitos da realidade.
Mais especificamente, nas palavras do autor: “a subjetividade é o âmbito dos
registros de memória, dos sentimentos, emoções, palavras e sentidos, imagens
que vão produzindo o processo ao longo do tempo” - podemos afirmar que a
subjetividade está incluída no processo de humanização.
7. O que é a dimensão subjetiva da realidade?

De acordo com o autor, a dimensão subjetiva da realidade é a dimensão do


sujeito, é uma realidade que foi e é construída por nós, humanos. Uma realidade
carregada de humanidade, uma realidade humanizada. É o mundo construído a
nossa imagem e semelhança.