Você está na página 1de 3

Doenças com Herança monogênica autossômica recessiva

Herança monogênica
• Determinada por um gene apenas, apresentando genótipos e fenótipos distribuídos
conforme padrões característicos.
Tipos básicos de herança:
• Autossômica
• Cromossomos sexuais
• Mitocondrial

Alelos
• Dominante: produz o mesmo fenótipo em dose simples ou dupla (heterozigose ou
homozigose).
• Recessivo: produz um fenótipo apenas quando em dose dupla.

Heredograma: esquema que permite o estudo da herança de uma característica.

Segregação independente

Quadro punnett
Herança monogênica autossômica recessiva
• Ha salto de gerações.
• Afetados podem ter progenitores normais.
• Progenitores afetados -> toda descendência afetada

Consanguinidade
Frequentemente identificada em pacientes com doenças raras, ex. Xeroderma
pigmentoso >20% em casamento entre primos.
Para doenças frequentes como FC ha um grande numero de heredogramas sem
consanguinidade.

Risco de doenças genéticas por consanguinidade


• Primos de primeiro grau: Prole anormal (doenças autossômicas recessivas,
natimortos, obtidos neonatais e malformações congênitas): 2-5% , em casal sem
consanguinidade é de 2-3%.
• Primos quinto grau: Sem relevância

Doenças de Herança monogênica autossômica recessiva


• Ocorre em homozigotos
• Principalmente distúrbios da faixa de idade pediátrica.

Teste do pezinho: Fenilcetonúria, Hipotireoidismo Congênito, Doença Falciforme e


outras hemoglobinopatias, Fibrose Cística, Hiperplasia Adrenal Congênita e
Deficiência de Biotinidase.

Fibrose cística
Distúrbio Autossômico Recessivo do transporte epitelial de íons causado por
mutações no gene regulador de condutância transmembranar (CFTR).
• Anormalidade na secreção exócrina, incluindo enzimas pancreáticas e duodenais
• 1:20-23 para heterozigotos
• Mutação do gene 7q31, gene CFTR
•Doença pulmonar crônica, insuficiência pancreática exócrina, aumento da
concentração de cloreto no suor e acúmulo de secreções nos pulmões, no trato
digestivo e em outras partes do corpo

Classe 1: Alelos nulos. Nenhum polipeptídeo é produzido. Essa classe inclui alelos
com códon de parada (stop codon) ou que geram RNAs instáveis.
Classe 2: Prejudicam o dobramento da proteína, impedindo sua maturação.
Classe 3: Permitem a distribuição normal da proteína à superfície da célula, mas
interrompem a sua função.
Classe 4: estão localizadas nos domínios de membrana, resultando na condução
defeituosa de íons cloreto.
Classe 5: Reduzem o número de transcritos de CFTR
Classe 6: são sintetizadas normalmente, mas instáveis na superfície celular.

Anemia falciforme
Mutação de ponto no gene da subunidade β (11p15) tem uma mutação de mudança
de sentido causando a substituição de glutamina por valina no sexto aminoácido.
• Ha/Hs: hemoglobina a e hemoglobina siclemia – dois alelos são produzidos.
• Sintomas da anemia falciforme: Dor forte provocada pelo bloqueio do fluxo
sanguíneo e pela falta de oxigenação nos tecidos; Dores articulares; Fadiga intensa;
Palidez e icterícia; Atraso no crescimento; Feridas nas pernas; Tendência a
infecções; Cálculos biliares; Problemas neurológicos, cardiovasculares, pulmonares
e renais; Priapismo.

Albinismo
• Alelo dominante vs alelo recessivo que nada produz: faltando a enzima tirosinase,
portanto não há transformação de tirosina em dopa, acarretando na falta de
produção de melanina