Você está na página 1de 7

LINGUAGENS, CÓDIGOS

E SUAS TECNOLOGIAS
FRENTE: REDAÇÃO
EAD – MEDICINA
PROFESSOR(A): DANIEL VICTOR

AULA 15

ASSUNTO: O TÍTULO E A TESE

Tese → é o posicionamento ou ponto de vista do participante


diante do tema e da situação-problema apresentada pelos textos
Resumo Teórico motivadores. Assim, tese é a ideia que você vai defender no seu
texto. Ela deve estar relacionada ao tema e apoiada em argumentos
Pontos relevantes em uma redação, o título e a tese são os ao longo da redação.
desafios iniciais de um elaborador durante o processo de criação
textual. Essa árdua tarefa se dá logo após o entendimento da proposta Importante:
e tipologia exigidas pela banca examinadora e necessita de algumas Sua tese deve ser apresentada, na redação, logo no primeiro
habilidades, como: criatividade e capacidade de sintetizar e julgar. parágrafo (introdução), em forma de um período simples ou composto.
Neste encontro, você terá informações mais específicas que o ajudarão Observe o modelo abaixo:
a lograr êxito nessa etapa da prova de redação.
(1) O aumento dos casos de dengue, no Brasil, não pode ser
Importante: visto, hodiernamente, como um mero problema de saúde.
(2) Em face disso, entende-se essa situação como uma mazela
• Toda dissertação se caracteriza, essencialmente, por uma tese. O
texto pode até não apresentar um título, mas nunca deixará de social da qual se sabem os efeitos nefastos, mas, infelizmente,
apresentar uma tese. não há uma cultura efetiva da própria nação em erradicá-la.

Título → Trata-se de um recurso de linguagem com a finalidade (3) Destarte, além de ações profiláticas, urgem práticas eficazes
de apresentar, resumidamente, um texto a um examinador ou a um no combate a essa doença.
leitor.
Legenda
Nas redações de exames, os títulos geralmente são opcionais,
fato que ocorre no ENEM. Porém, quando há obrigatoriedade desse (1) – Apresentação do tema
recurso, a banca coloca em letras garrafais tal informação: “Dê um
título a seu texto”. Há, também, casos em que a banca dá um título (2) – Tese
expresso ao candidato, devendo este, obrigatoriamente, ser colocado,
na linha 01 (um), centralizado, ou em um local específico para ele. (3) – Fechamento do parágrafo
Já no caso de o elaborador criar o próprio título, é determinante que
aquele siga algumas instruções. Veja: Para construir uma boa tese, são necessárias algumas ações,
1. Seja criativo; tais como:
2. Seu título não precisa de verbo, podendo ser uma frase nominal.  Fazer uma ampla pesquisa sobre o tema a ser discutido;
Nesse caso, não convém colocar ponto final;  Coletar informações e transformá-las em argumentos que
3. Um título é sempre uma frase-resumo, pois sua ideia é sintetizar sustentem sua tese;
todas as informações presentes em seu texto;  Reconhecer as diferentes opiniões sobre o tema e usá-las a seu
4. Pode-se retirar o título do próprio texto; favor;
5. Escreva o texto primeiro e a partir dele é que se deve criar um  Elencar fatos e a partir deles criar uma tese;
título, daí a expressão clichê “o título é a cereja do bolo”;  Distinguir juízo de fato × juízo de valor.
6. O título deve estar em consonância com a tipologia textual;
Juízo
7. Neologismos são aceitos, porém use aspas;
8. Coloque pontuação no final sempre que seu título for uma oração; Juízo de Fato Juízo de Valor
9. Em caso de frases nominais como título, é válida a seguinte regra:
Se houver pontuação no meio da frase nominal, é necessário ponto Evidencia como as coisas Emite opinião, julgamento sobre
realmente são algo
no final da frase;
10. Quanto ao uso de letras maiúsculas, siga a seguinte orientação: Se Não há como fazer a defesa de Uma opinião ou um julgamento
for uma expressão ou frase nominal, use maiúsculas em todas as um fato pode ser defendido
palavras que possuem sílaba tônica; caso o título seja uma oração, Sua existência não está subor-
use maiúscula apenas na palavra inicial e em nomes próprios; Meio subjetivo de analisar o fato
dinada a quem o escreve
11. O título deve ser breve e estar centralizado na linha 01 (um);
Ex.: Equacionar o problema da
12. Não pule linhas para isolar o título; Ex.: A corrupção é um dos
corrupção no Brasil é inadiável, pois
13. Não repita a proposta de redação dada pela banca como seu título, elementos responsáveis pelo
a continuidade de práticas ilícitas
exceto se esta exigir que isso seja feito; atraso social no Brasil.
contribui para o atraso nacional.

F B O NLINE.COM.BR OSG.: 120002/17

//////////////////
MÓDULO DE ESTUDO

se afogava em desesperança. Eu que não era marinheiro nem


pássaro – sem barco e asa.
Exercícios Um dia aprendi com Lili a decifrar as letras e suas somas.
E a palavra se mostrou como caminho poderoso para encurtar
distância, para alcançar onde só a fantasia suspeitava, para permitir
01. (Fuvest) Leia o texto a seguir e responda ao que se pede. silêncio e diálogo. Com as palavras eu ultrapassava a linha do
horizonte. E o meu coração de menino se afagava em esperança.
Tem-se discutido muito sobre as funções essenciais da Ao virar uma página do livro, eu dobrava uma esquina,
escalava uma montanha, transpunha uma maré.
linguagem humana e a hierarquia natural que há entre elas.
Ao passar uma folha, eu frequentava o fundo dos oceanos,
É fácil observar, por exemplo, que é pela posse e pelo uso da transpirava em desertos para, em seguida, me fazer hóspede de
linguagem, falando oralmente ao próximo ou mentalmente a outros corações.
nós mesmos, que conseguimos organizar o nosso pensamento Pela leitura temperei a minha pátria, chorei sua miséria,
e torná-lo articulado, concatenado e nítido; é assim que, nas provei de minha família, bebi de minha cidade, enquanto,
crianças, a partir do momento em que, rigorosamente, adquirem pacientemente, degustei dos meus desejos e limites.
o manejo da língua dos adultos e deixam para trás o balbucio e Assim, o livro passou a ser o meu porto, a minha porta,
o meu cais, a minha rota. Pelo livro soube da história e criei os
a expressão fragmentada e difusa, surge um novo e repentino avessos, soube do homem e seus disfarces, soube das várias
vigor de raciocínio, que não só decorre do desenvolvimento do faces e dos tantos lugares de se olhar. (...) Ler é aventurar-se pelo
cérebro, mas também da circunstância de que o indivíduo dispõe universo inteiro.
agora da língua materna, a serviço de todo o seu trabalho de Bartolomeu Campos de Queirós, Sobre ler, escrever e outros diálogos.
atividade mental. Se se inicia e desenvolve o estudo metódico Belo Horizonte: Autêntica, 2012, p. 63.
dos caracteres e aplicações desse novo e preciso instrumento, vai,
concomitantemente, aperfeiçoando-se a capacidade de pensar, A) No trecho “Assim, o livro passou a ser o meu porto, a minha
da mesma sorte que se aperfeiçoa o operário com o domínio e o porta, o meu cais, a minha rota”, há metáforas que expressam
a experiência do autor com a leitura. Escolha uma dessas
conhecimento seguro das ferramentas da sua profissão. E é este, metáforas e explique-a, considerando seu sentido no texto.
e não outro, antes de tudo, o essencial proveito de tal ensino. B) O texto mostra que a experiência de leitura promove uma
J. Mattoso Câmara Jr., Manual de expressão oral e escrita. Adaptado. importante mudança subjetiva. Explique essa mudança e cite
dois trechos nos quais ela é explicitada.
A) Transcreva o trecho em que o autor trata da relação da
linguagem com o pensamento. • (UnB) Texto para a próxima questão.
B) Transcreva o trecho em que o autor trata da relação da
linguagem com a fisiologia. AONDE VOCÊ VAI?
C) Segundo o autor, qual é o “essencial proveito” do ensino da Para quem não sabe aonde vai qualquer caminho serve.
língua? Só que o indeciso perde muito tempo. E tempo é o bem mais
escasso. Definir a rota de primeira ajuda a ganhar pontos.
02. (UFRN) Articule, coerentemente, as três orações listadas abaixo A rota é o objetivo.
em um só período. Dad Abi Chahine Squerisi. Correio Braziliense, Cidades,
18/12/96, p.6 (com adaptações)
– O professor não é a árvore da sabedoria. (oração principal)
• Na questão a seguir, assinale os itens corretos e os itens
– O professor possui grandes conhecimentos. (oração incorretos usando (V) e (F).
subordinada)
– O p ro f e s s o r t a m b é m a p re n d e c o m s e u s a l u n o s . 04. (UnB) Considerando o parágrafo retirado do Correio Braziliense
(oração subordinada) como parte de um texto dissertativo, que deve primar pela
objetividade, pela clareza, pela coerência e pelo tratamento
Para isso, considere as seguintes orientações: consistente da ideia principal escolhida, julgue os itens a seguir.
– a oração principal e as subordinadas já estão previamente ( ) Por apresentar mais de três ideias diferentes, esse parágrafo
definidas, não podendo haver permuta entre elas; faz parte do desenvolvimento de uma argumentação.
– a ordem em que as orações surgirão no período é livre; ( ) Nesse parágrafo, não há conectivo ou outro elemento de
– as orações subordinadas, necessariamente, deverão assumir coesão.
uma forma desenvolvida (não reduzida). ( ) A coerência desse parágrafo baseia-se no processo de
repetição de algumas palavras-chave; por exemplo, “tempo”
e “rota”.
Lembre-se de que, ao articular as orações, pode ser necessário
fazer certos ajustes no que se refere à flexão verbal e à coesão.
05. (UFU) Como é usual no desenvolvimento de novas tecnologias, os
03. (Unicamp/2015) No texto abaixo, há uma presença significativa
1
drones também brotaram de centros militares. Mas no Exército
de metáforas que auxiliam na construção de sentidos. eles têm outro nome: veículos aéreos não tripulados (os 2vants). São
aeronaves autônomas, guiadas a distância por pilotos ou que navegam
ENTRE SILÊNCIOS E DIÁLOGOS sozinhas, e que podem medir de poucos centímetros a dezenas de
metros de comprimento. No começo dos anos 2000, passaram a
Havia uma desconfiança: o mundo não terminava onde
ser utilizadas regularmente em missões do governo americano, e
os céus e a terra se encontravam. A extensão do meu olhar não
podia determinar a exata dimensão das coisas. Havia o depois. gradualmente substituem pilotos no campo de batalha. Se em 2009
Havia o lugar do sol se aninhar enquanto a noite se fazia. Havia um 3% da tropa da Força Aérea dos Estados Unidos guiava os vants, agora
abrigo para a lua enquanto era dia. E o meu coração de menino a parcela é de ao menos 10%, e há queixas de que não é o suficiente.

F B O NLINE.COM.BR 2 OSG.: 120002/17

//////////////////
MÓDULO DE ESTUDO

E se no início eles substituíam soldados em tarefas arriscadas, na sequência narrativa. A expressão coesiva responsável por essa
agora solucionam até dilemas morais típicos de situações sequência é
de guerra, e que antes só humanos conseguiam resolver. A) “qualquer coisa”.
Às 3 máquinas foram atribuídas decisões deontológicas. B) “das eleições”.
Quando foram concebidos, os vants eram totalmente guiados por C) “de cada um”.
um controle remoto. Tudo que a 4máquina fazia era responder aos D) “e depois”.
comandos de um humano. Mas cada vez mais o homem se mostra E) “o que”.
dispensável. Os drones militares da década de 2010 contam com
softwares dotados de algoritmos capazes de não só guiá-los, mas • Texto para a próxima questão.
de identificar alvos e decidir se é preciso abatê-los. Um ex-operador
de 5drones militares dos Estados Unidos revelou recentemente O texto a seguir foi extraído do livro de memórias
que as 6aeronaves rastreavam, sozinhas, o celular de um inimigo e do escritor e jornalista carioca, que nasceu em 1926,
indicavam se era necessário executá-lo, mesmo que ele não fosse Carlos Heitor Cony.
o dono do 7aparelho, e com risco real de matar civis ao redor. Israel Um livro de memórias é “relato que alguém faz,
também divulgou a realização de testes com um programa que fará frequentemente, na forma de obra literária, a partir de
com que drones solucionem dilemas éticos. Exemplo: se o dano acontecimentos históricos dos quais participou ou foi testemunha,
colateral, a morte de civis, for matematicamente mais prejudicial do ou que estão fundamentados em sua vida particular”. Não deve
que a execução de um alvo de menor relevância, a máquina cancela ser confundido com autobiografia.
o ataque. Fórmulas matemáticas, em vez de humanos, podem passar
a reger o campo de batalha. O SUOR E A LÁGRIMA
THOMAS, Jennifer Ann. Veja, 14 de fevereiro, 2015, p. 173. (Fragmento)
Fazia calor no Rio, quarenta graus e qualquer coisa,
quase quarenta e um. No dia seguinte, os jornais diriam que
No fragmento, uma das relações de coesão se estabelece por
fora o dia mais quente deste verão que inaugura o século e o
meio de
milênio. 2Cheguei ao Santos Dumont, o voo estava atrasado,
A) metonímia: o termo drones (ref. 1) constitui uma parte de vants
decidi engraxar os sapatos. Pelo menos aqui no Rio são raros
(ref. 2). 3
esses engraxates, só existem nos aeroportos e em poucos lugares
B) hiperonímia: a relação existente entre um termo mais genérico,
avulsos.
máquinas (ref. 3) e um mais específico, drones (ref. 5).
Sentei-me 4naquela espécie de cadeira canônica, de coro
C) catáfora: o termo aeronaves (ref. 6) substitui o termo máquina
(ref. 4). de abadia pobre, que também pode parecer o trono de um rei
D) anáfora: o termo drones (ref. 1) aponta para o termo aparelho desolado de um reino desolante.
(ref. 7). O engraxate era gordo e estava com calor — o que me
pareceu óbvio. Elogiou 7meu sapato, cromo italiano, fabricante
06. (Uema) O texto a seguir foi transcrito integralmente da obra ilustre, os Rossetti. 6Uso-o pouco, em parte para poupá-lo, em
Quarto de despejo: diário de uma favelada, de Carolina Maria parte porque quando posso estou sempre de tênis.
de Jesus. Leia-o com atenção e observe o mecanismo de coesão Ofereceu-me o jornal que eu já havia lido e começou seu
entre as frases no último parágrafo. ofício. Meio careca, o suor encharcou-lhe a testa e a calva. 5Pegou
aquele paninho que dá brilho final nos sapatos e com ele enxugou
30 DE OUTUBRO
o próprio suor, que era abundante.
(...) Com o mesmo pano, executou com maestria aqueles
Eu comecei a fazer as contas quando levar os filhos movimentos rápidos em torno da biqueira, mas a todo o instante
na cidade quanto eu vou gastar de bonde. 3 filhos e eu, o usava para enxugar-se — caso contrário, o suor inundaria o
24 cruzeiros ida e volta. Pensei no arroz a 30 o quilo. meu cromo italiano.
Uma senhora chamou-me para dar-me papeis. Disse-lhe E foi assim que a testa e a calva do valente filho do povo
que devido ao aumento da condução a polícia estava nas ruas. ficaram manchadas de graxa e o meu sapato adquiriu um brilho de
Ela ficou triste. Percebi que a notícia do aumento entristece todos. espelho, à custa do suor alheio. Nunca tive sapatos tão brilhantes,
Ela disse-me: tão dignamente suados.
– Eles gastam nas eleições e depois aumentam Na hora de pagar, alegando não ter nota menor, deixei-
qualquer coisa. O Auro perdeu, aumentou a carne. lhe um troco generoso. Ele me olhou espantado, retribuiu a
O Adhemar perdeu, aumentou as passagens. gorjeta me desejando em dobro tudo o que eu viesse a precisar
Um pouquinho de cada um, eles vão recuperando o que no resto dos meus dias.
gastam. Quem paga as despesas das eleições é o povo! Saí daquela cadeira com um baita sentimento de culpa.
JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: Que diabo, meus sapatos não estavam tão sujos assim, por
Diário de uma favelada. 9. ed. São Paulo: Ática, 2007. 45 míseros tostões fizera um filho do povo suar para ganhar
seu pão. 1Olhei meus sapatos e tive vergonha daquele brilho
O discurso direto, reproduzido no fragmento em destaque, é humano salgado como lágrimas.
marcado por um encadeamento semântico-discursivo que resulta CONY, Carlos Heitor. In: Eu aos pedaços: memórias.
São Paulo: Leya, 2010. p. 114-115.

120002/17
3 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////
MÓDULO DE ESTUDO

07. (Uece) Escreva (V) ou (F), conforme seja verdadeiro ou falso C) elo de coesão que remete a todo um contexto anterior.
o que se afirma sobre referenciação e relações sintático- D) elemento referencial que tem função localizadora.
semânticas. E) forma remissiva que faz referência temporal a um constituinte
( ) O trecho “No dia seguinte, os jornais diriam que fora o dia do universo textual.
mais quente deste verão que inaugura o século e o milênio”
09. (Enem) Gripado, penso entre espirros em como a palavra gripe
constitui, na narrativa, uma digressão cuja função discursiva é
nos chegou após uma série de contágios entre línguas. Partiu
comprovar o que se afirma em “Fazia calor no Rio, quarenta da Itália em 1743 a epidemia de gripe que disseminou pela
graus e qualquer coisa, quase quarenta e um.” Europa, além do vírus propriamente dito, dois vocábulos virais:
( ) A expressão “esses engraxates” (ref. 3) justifica-se, no texto, o italiano influenza e o francês grippe. O primeiro era um
pela relação indireta com o verbo “engraxar”: o ato de termo derivado do latim medieval influentia, que significava
engraxar pressupõe um agente, no caso, um profissional — “influência dos astros sobre os homens”. O segundo era
um engraxate — “esses engraxates”. apenas a forma nominal do verbo gripper, isto é, “agarrar”.
( ) Nas expressões “(n)aquela espécie de cadeira canônica [...]” Supõe-se que fizesse referência ao modo violento como o vírus
se apossa do organismo infectado.
(ref. 4) e “Pegou aquele paninho que dá brilho [...]” (ref.
RODRIGUES, S. “Sobre palavras”. Veja, São Paulo, 30 nov. 2011.
5), ao usar o pronome aquele(a), o enunciador não aponta
para nenhum elemento da superfície textual, mas aposta
Para se entender o trecho como uma unidade de sentido, é
no conhecimento de mundo do enunciatário; em algo que
preciso que o leitor reconheça a ligação entre seus elementos.
acredita estar na memória dele. Nesse texto, a coesão é construída predominantemente
( ) Nas palavras do cronista, “Uso-o pouco, em parte para pela retomada de um termo por outro e pelo uso da elipse.
poupá-lo, em parte porque quando posso estou sempre de O fragmento do texto em que há coesão por elipse do sujeito é:
tênis.” (ref. 6), o pronome o(lo) substitui a expressão o meu A) “[…] a palavra gripe nos chegou após uma série de contágios
sapato, (ref. 7), funcionando como elemento de coesão entre línguas.”
entre o enunciado em pauta e o enunciado anterior. B) “Partiu da Itália em 1743 a epidemia de gripe […]”.
C) “O primeiro era um termo derivado do latim medieval influentia,
que significava ‘influência dos astros sobre os homens’.”
Está correta, de cima para baixo, a seguinte sequência:
D) “O segundo era apenas a forma nominal do verbo gripper
A) V – V – V – V. B) F – V – F – F. […]”.
C) F – F – V – F. D) V – F – F – V. E) “Supõe-se que fizesse referência ao modo violento como o
vírus se apossa do organismo infectado.”
• Texto para a próxima questão.
10. (Enem) Em junho de 1913, embarquei para a Europa a fim de
GUARDIÃO DA BRASILIDADE NA AMÉRICA
me tratar num sanatório suíço. Escolhi o de Clavadel, perto
de Davos-Platz, porque a respeito dele me falara João Luso,
Na primeira vez em que esteve no Brasil, o historiador
que ali passara um inverno com a senhora. Mais tarde vim a
Thomas Cohen não estava entendendo nada. Logo ao chegar,
tinha um encontro com um renomado professor de história saber que antes de existir no lugar um sanatório, lá estivera
da Universidade de São Paulo. O professor chegou uma hora por algum tempo Antônio Nobre. “Ao cair das folhas”, um de
e meia atrasado e anunciou que precisava viajar em seguida. seus mais belos sonetos, talvez o meu predileto, está datado
2
Convidou o jovem Cohen, então com 25 anos, para de “Clavadel, outubro, 1895”. Fiquei na Suíça até outubro de
acompanhá-lo à cidade de Franca, onde passaria o fim de 1914.
semana dando palestras. Cohen pensou que o professor BANDEIRA, M. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.
fizera o convite apenas para compensá-lo pelo desencontro
e, polidamente, recusou. 1 “Só depois descobri que os No relato de memórias do autor, entre os recursos usados para
brasileiros são assim mesmo, disponíveis, espontâneos” diz organizar a sequência dos eventos narrados, destaca-se a
3
Cohen, que acabou encantando-se com a informalidade dos
A) construção de frases curtas a fim de conferir dinamicidade ao
intelectuais brasileiros, e hoje, passados trinta anos, entende
texto.
muito do Brasil. Já visitou o país dezenas de vezes, é fluente em
B) presença de advérbios de lugar para indicar a progressão dos
português, especialista na obra do padre Antônio Vieira (1608-
1697) e guardião de uma preciosidade: a única biblioteca dedicada fatos.
exclusivamente às coisas do Brasil e de Portugal em solo americano C) alternância de tempos do pretérito para ordenar os
— a “The Oliveira Lima Library.” [...] acontecimentos.
D) inclusão de enunciados com comentários e avaliações pessoais.
Andre Petry. Revista Veja São Paulo Abril. Edição 2317.
Ano 46. N° 16. 17 de abril de 2013, p. 93. E) alusão a pessoas marcantes na trajetória de vida do escritor.

08. (UEPB) Na primeira linha, a expressão “Na primeira vez”, pode 11. (Enem)
ser entendida como TAREFA
A) a forma nominalizante que remete a argumentos da oração
subsequente. Morder o fruto amargo e não cuspir
B) elemento não referencial, pois não faz referência a nenhum Mas avisar aos outros quanto é amargo
elemento do grupo nominal. Cumprir o trato injusto e não falhar

F B O NLINE.COM.BR 4 OSG.: 120002/17

//////////////////
MÓDULO DE ESTUDO

Mas avisar aos outros quanto é injusto B) enquanto tem um significado alternativo, porque conecta
Sofrer o esquema falso e não ceder duas opções possíveis para serem aplicadas no jogo.
Mas avisar aos outros quanto é falso C) no entanto tem significado de tempo, porque ordena os fatos
Dizer também que são coisas mutáveis... observados no jogo em ordem cronológica de ocorrência.
D) mesmo traz ideia de concessão, já que “com mais posse de
E quando em muitos a não pulsar
bola”, ter dificuldade não é algo naturalmente esperado.
– do amargo e injusto e falso por mudar – E) por causa de indica consequência, porque as tentativas
então confiar à gente exausta o plano de ataque do Flamengo motivaram o Botafogo a fazer um
de um mundo novo e muito mais humano. bloqueio.
CAMPOS, G. Tarefa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.
14. (Enem) Os filhos de Ana eram bons, uma coisa verdadeira
e sumarenta. Cresciam, tomavam banho, exigiam para si,
Na organização do poema, os empregos da conjunção “mas”
malcriados, instantes cada vez mais completos. A cozinha era
articulam, para além de sua função sintática, enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor
A) a ligação entre verbos semanticamente semelhantes. era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando.
B) a oposição entre ações aparentemente inconciliáveis. Mas o vento batendo nas cortinas que ela mesma cortara
C) a introdução do argumento mais forte de uma sequência. lembrava-lhe que se quisesse podia parar e enxugar a testa,
D) o reforço da causa apresentada no enunciado introdutório. olhando o calmo horizonte. Como um lavrador. Ela plantara as
sementes que tinha na mão, não outras, mas essas apenas.
E) a intensidade dos problemas sociais presentes no mundo.
LISPECTOR, C. Laços de família. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

12. (Enem) Cultivar um estilo de vida saudável é extremamente A autora emprega por duas vezes o conectivo mas no fragmento
importante para diminuir o risco de infarto, mas também como apresentado. Observando aspectos da organização, estruturação
e funcionalidade dos elementos que articulam o texto, o conectivo
de problemas como morte súbita e derrame. Significa que manter
mas expressa o mesmo conteúdo nas duas situações em que
uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente aparece no texto.
já reduz, por si só, as chances de desenvolver vários problemas. A) expressa o mesmo conteúdo nas duas situações em que aparece
Além disso, é importante para o controle da pressão arterial, no texto.
B) quebra a fluidez do texto e prejudica a compreensão, se usado
dos níveis de colesterol e de glicose no sangue. Também ajuda a
no início da frase.
diminuir o estresse e aumentar a capacidade física, fatores que, C) ocupa posição fixa, sendo inadequado seu uso na abertura da
somados, reduzem as chances de infarto. Exercitar-se, nesses frase.
casos, com acompanhamento médico e moderação, é altamente D) contém uma ideia de sequência temporal que direciona a
conclusão do leitor.
recomendável.
E) assume funções discursivas distintas nos dois contextos de uso.
ATALIA, M. Nossa vida. Época. 23 mar. 2009.
15. (Enem)
As ideias veiculadas no texto se organizam estabelecendo relações O MUNDO É GRANDE
que atuam na construção do sentido. A esse respeito, identifica-
se, no fragmento, que O mundo é grande e cabe
A) a expressão “Além disso” marca uma sequenciação de ideias. Nesta janela sobre o mar.
B) o conectivo “mas também” inicia oração que exprime ideia de
O mar é grande e cabe
contraste.
C) o termo “como”, em “como morte súbita e derrame”, introduz Na cama e no colchão de amar.
uma generalização. O amor é grande e cabe
D) o termo “Também” exprime uma justificativa. No breve espaço de beijar
E) o termo “fatores” retoma coesivamente “níveis de colesterol
e de glicose no sangue”. ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia e prosa.
Rio de Janeiro. Nova Aguilar 1983.

13. (Enem) O Flamengo começou a partida no ataque, enquanto o Neste poema, o poeta realizou uma opção estilística: a reiteração
Botafogo procurava fazer uma forte marcação no meio campo e de determinadas construções e expressões linguísticas, como o
tentar lançamentos para Victor Simões, isolado entre os zagueiros uso da mesma conjunção para estabelecer a relação entre as
rubro-negros. Mesmo com mais posse de bola, o time dirigido frases. Essa conjunção estabelece, entre as ideias relacionadas,
por Cuca tinha grande dificuldade de chegar a área alvinegra por um sentido de
causa do bloqueio montado pelo Botafogo na frente da sua área. A) oposição.
No entanto, na primeira chance rubro-negra, saiu o gol. B) comparação.
Após cruzamento da direita de Ibson, a zaga alvinegra rebateu C) conclusão.
a bola de cabeça para o meio da área. Kléberson apareceu na D) alternância.
jogada e cabeceou por cima do goleiro Renan. Ronaldo Angelim E) finalidade.
apareceu nas costas da defesa e empurrou para o fundo da rede
quase que em cima da linha: Flamengo 1 a 0.
Disponível em: <http://momentodofutebol.blogspot.com> (adaptado).
O texto, que narra uma parte do jogo final do Campeonato
Carioca de futebol, realizado em 2009, contém vários conectivos,
sendo que
A) após é conectivo de causa, já que apresenta o motivo de a
zaga alvinegra ter rebatido a bola de cabeça.

120002/17
5 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////
MÓDULO DE ESTUDO

Resolução 06. o discurso da senhora, apenas a expressão “e depois” é


responsável por encadeamento de orações. Todas as orações que
ela produz em seguida seguem a noção de temporalidade, sem
01. que o elemento coesivo seja repetido.
A) “...é pela posse e pelo uso da linguagem (...) que conseguimos Resposta: D
organizar o nosso pensamento e torná-lo articulado,
concatenado e nítido.” 07.
B) “...nas crianças, a partir do momento em que, rigorosamente I. Verdadeiro, pois digressão é um comentário paralelo
adquirem o manejo da língua dos adultos e deixam para trás ao discurso, uma divagação relacionada ao tema. Há, no
o balbucio.” texto, um comentário paralelo (“os jornais diriam que fora
o dia mais quente deste verão...”) que reforça o discurso
C) Segundo Mattoso Câmara Jr., a partir do estudo da linguagem,
(“Fazia calor no Rio...”)
aperfeiçoa-se a capacidade de pensar, “da mesma sorte que se
II. Verdadeiro, pois o cronista já havia mencionado a decisão de
aperfeiçoa o operário com o domínio e o conhecimento seguro engraxar os sapatos e a referência ao agente dessa ação se dá
das ferramentas de sua profissão”. pelo pronome demonstrativo “esses”, anafórico.
III. Verdadeiro, apontando outro emprego do pronome
02. Embora possua grandes conhecimentos, o professor não é a demonstrativo. Neste caso, o cronista pretende fazer referência
árvore da sabedoria, porque ele também aprende com seus ao conhecimento de mundo do leitor, seu enunciatário, ou seja,
alunos. o destinatário do discurso.
IV. Verdadeiro, pois o pronome pessoal do caso reto faz
03. referência a um elemento já mencionado, o sapato.
A) As metáforas presentes no texto exemplificam a clássica Ao empregar o pronome de modo anafórico, mantém o texto
relação “A é B”. Considerando os sentidos construídos coeso sem repetir os termos.
no texto, a metáfora do livro como uma porta remete à Resposta: A
possibilidade de o livro ser um meio de acesso (assim como
uma porta) para experiências emocionais, sociais, sensoriais
08. É correta a alternativa E, pois a expressão “Na primeira vez” faz
diversificadas e para a ampliação do conhecimento de mundo
remissão a outro(s) elemento(s) do universo textual, constituindo
do leitor e do conhecimento de si mesmo e dos outros. A
elemento catafórico, ou seja, antecipa algo que vai ser dito
metáfora do livro como cais/porto remete à possibilidade de
posteriormente.
o livro ser o ponto de partida/chegada para as “viagens”
(experiências diversificadas e conhecimento ampliado sobre o Resposta: E
mundo, sobre si e sobre os outros) que a leitura proporciona.
A metáfora do livro como rota remete à possibilidade 09. Na frase da opção E, existe elipse do sujeito na oração “que fizesse
de o livro fazer o leitor experimentar emoções diversas, referência ao modo violento” para evitar a repetição do segmento
percorrendo caminhos imaginários que lhe proporcionam anterior a que se refere: “a forma nominal do verbo gripper, isto
vivências significativas e a ampliação da sua visão de mundo. é, “agarrar”.
B) A mudança subjetiva vivenciada pelo autor encontra-se
Resposta: E
resumida nos dois primeiros parágrafos do texto. Em um
primeiro momento, o autor tinha desconfianças em relação 10. O autor usa verbos no pretérito perfeito (“embarquei”,
aos limites do mundo, à dimensão das coisas e aos “lugares” “vim” e “fiquei”) para relatar tempos passados e concluídos,
aos quais não tinha acesso. Em função desse sentimento alternando-os com verbos no pretérito mais-que-perfeito
de desconfiança, sentia-se “afogado em desesperança”. (“passara”, e “estivera”) para descrever ações que tinham
Depois de seu aprendizado da leitura, ele descobre acontecido antes daqueles primeiros. Assim, o recurso usado
que a palavra (a leitura) é um caminho para a vivência pelo autor para organizar a sequência de eventos é a alternância
de experiências diversificadas, para o alargamento de tempos do pretérito, como se afirma em [C].
de sua visão de mundo e de sua capacidade criativa.
Passa então a se “afagar em esperança”. Há inúmeros Resposta: C
trechos ao longo do texto que exemplificam as experiências
e os conhecimentos novos possibilitados pela leitura. 11.
A) A conjunção mas não tem esta função sintática de ligar verbos,
04. F – F – V mas orações ou ideias contrárias.
B) A conjunção vai ligar ideias opostas, mas em nenhum
05. As opções [A], [C] e [D] são incorretas, pois momento, neste caso, inconciliáveis, pelo contrário.
A) a metonímia, relação semântica entre uma palavra que contém C) Correta. A conjunção mas liga um verso que expressa uma
o significado de uma parte e outra com significado de um todo fatalidade, algo que pode acontecer na história de vida de
em relação à primeira, não acontece entre os termos “drones” qualquer pessoa, com outro verso que vai expressar o que
e “vants”, que são sinônimos; deve ser feito o que pode ser feito, qual a tarefa que deve ser
C) o termo “aeronaves” substitui o termo “drones” e não realizada a fim de melhorar o mundo em que se vive.
“máquina”; D) Não há enunciado introdutório no poema.
D) o termo “aparelho” aponta, cataforicamente, para o termo E) A conjunção não liga a intensidade dos problemas do mundo,
“celular”. nem seria esta sua função sintática.
Resposta: C
Resposta.: B

F B O NLINE.COM.BR 6 OSG.: 120002/17

//////////////////
MÓDULO DE ESTUDO

12. A e x p re s s ã o “ a l é m d i s s o ” a c re s c e n t a i n f o r m a ç õ e s
(“é importante para o controle da pressão arterial, dos níveis
de colesterol e de glicose no sangue”) ao que havia sido
anteriormente sobre as atitudes recomendáveis para se ter
um estilo de vida benéfico à saúde (“manter uma alimentação
saudável e praticar atividade física regularmente”).
Resposta: A

13. A conjunção subordinativa “mesmo” indica concessão, pois


estabelece uma relação de oposição ao que seria esperado. Apesar
de o Flamengo ter maior posse de bola, tinha dificuldade em
chegar à área alvinegra. “Mesmo” ser substituído por “embora”
ou “ainda que”. “Após” e “enquanto” estabelecem circunstância
de tempo, “no entanto”, adversidade e “por causa de”, causa,
o que invalida as outras opções.
Resposta: D

14. Na primeira ocorrência, a conjunção subordinativa “mas”


expressa oposição (“O calor era forte...”, ‘ O vento batendo
nas cortinas...lembrava-lhe que se quisesse podia parar”).
Na segunda, a palavra enfatiza, realça a ideia de que são “essas
apenas” e “não outras” que “ela plantara”, sendo usada como
partícula expletiva ou de realce.
Resposta: E

15. A o i n c l u i r t e r m o s d e g r a n d e â m b i t o s i g n i f i c a t i v o
(“mundo”, “mar” e “amor”) em espaços reduzidos
(“janela”, “cama”, “colchão” e ação de beijar) o poeta usa a
conjunção coordenativa “e” com valor adversativo, estabelecendo
oposição entre as orações.
Resposta: A

SUPERVISOR/DIRETOR: MARCELO PENA – AUTOR: DANIEL VICTOR


DIG.: ZILMAR – REV.: Amélia

120002/17
7 F B O N L I NE .C O M . B R
//////////////////