Você está na página 1de 14

Engenharia de

Métodos

Aula 1 – Produtividade e Competitividade

Professor: Ormeu Coelho da Silva Júnior


APRESENTAÇÃO PESSOAL
Formação
 Engenheiro de Produção pela Universidade Federal de Ouro Preto.
 Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Minas Gerais.
 Doutorando em Engenharia de Produção Pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Experiência Profissional
 Diretor pedagógico do Curso Pré-vestibular “Pré-UFOP” (UFOP).
 Professor de Física e Matemática pela rede Anglo/Equipe.
 Pesquisador/Consultor pelo BIT (UFMG) na empresa Jabil Manufatura Eletroeletrônica.
 Pesquisador/Consultor pelo LORD/NEXO (UFRJ/PUC).

Áreas de Interesse
 Pesquisa Operacional aplicada à Logística e à Engenharia Industrial.
O QUE É PRODUTIVIDADE?

Três formas de se definir produtividade:

1. PRODUTIVIDADE = SAÍDAS / ENTRADAS

2. PRODUTIVIDADE = PRODUÇÃO / TEMPO


(PRODUTIVIDADE TAYLORISTA)

3. PRODUTIVIDADE = FATURAMENTO / CUSTO


(PRODUTIVIDADE ECONÔMICA)
O QUE É PRODUTIVIDADE?

Outra definição:

4. PRODUTIVIDADE = SAÍDA / CAPITAL INVESTIDO


(PRODUTIVIDADE DO CAPITAL)
O QUE É PRODUTIVIDADE?

Por estas definições a produtividade cresce se:

1. Aumenta a quantidade de carga transportada por km


rodado.

2. Aumenta o número de impressoras produzidas por


hora.

3. Diminuem os custos para uma mesma quantidade


produzida (ao mesmo preço de venda).

4. Quantidade de itens produzidos por uma máquina


aumenta.
FATORES QUE INFLUENCIAM A
PRODUTIVIDADE
 Desenvolvimento tecnológico dos equipamentos e
ferramentas.

 Divisão social do trabalho.

 Especialização e escolaridade.

 Qualidade das matérias-primas.

 Organização e controle da produção.

 Etc...
ALGUNS QUESTIONAMENTOS

 É difícil quantificar globalmente a produtividade do


trabalho, pois ela varia significativamente de acordo
com a região e as empresas consideradas.

 O aumento da produtividade devido a melhorias


tecnológicas pode causar desemprego em setores
específicos.

 Na visão marxista o aumento da produtividade coincide


com um aumento da exploração da mão-de-obra, pois
há maior produção de mais valia.
DIMENSÕES DA COMPETITIVIDADE

 Qualidade

 Prazo

 Flexibilidade

 Inovatividade

 Atendimento

 Outros...
CRITÉRIOS COMPETITIVOS

Critérios Competitivos: Qualificadores


•Qualidade
•Custos
•Velocidade de entrega
•Confiabilidade de Prazos Ganhadores de Pedidos
•Flexibilidade

Fonte: Flexa (2009)


CRITÉRIOS COMPETITIVOS

Exemplos:

1. No segmento de carros populares, por exemplo, o custo (preço


de venda, consumo de combustível e custo de manutenção) é um
critério qualificador. Qualidade (Design, acabamento interno,
conforto, acessórios) e velocidade de entrega (entrega do
produto, serviços de assistência).

2. Flexibilidade e qualidade são critérios qualificadores para um


salão de beleza (médio preço), enquanto custo e velocidade de
entrega podem ser vistos como ganhadores de pedido.
CRITÉRIOS COMPETITIVOS

Custos
 Utilização adequada dos recursos, evitando:
 Diretamente: demissão, admissão, subcontratação, horas extras,
ociosidade, etc.;
 Indiretamente: redução das taxas de produtividade e qualidade
decorrentes da instabilidade do processo;
 Níveis adequados de estoque, evitando:
 custo de manutenção/falta de estoques;
 omissão de ineficiências do processo;
 Cumprimento dos prazos, evitando:
 multas contratuais;
 perda de reputação;
CRITÉRIOS COMPETITIVOS

Qualidade
 Diretamente:controle (registros) de itens defeituosos;
 Indiretamente: identificação das imperfeições dos processos;

Velocidade de entrega
 Altos níveis de estoques de produtos acabados.
 Velocidade de fluxo;
 redução das atividades especulativas;
 melhores previsões (horizontes menores);
 exige menores estoques em processo;
CRITÉRIOS COMPETITIVOS

Confiabilidade de entrega
 Planejamento antecipado das atividades;
 previsão de eventos inesperados (cenários);
 respeito às restrições reais (não programar para superutilizar);
 Monitoramento do andamento da produção;
 tomada de medidas corretivas “a tempo”;

Flexibilidade (capacidade de resposta a mudanças não planejadas)


 Habilidade em reprogramar a produção;
 Dimensionamento adequado dos níveis de estoque;
 Capacidade de re-roteamento da produção;
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 CAMPOS, V. F., 2004, Controle da Qualidade Total: no estilo japonês, 8 ed.


Belo Horizonte, INDG.
 SANDRONI, P., 1994, Novo Dicionário de Economia. São Paulo, Best
Seller.