Você está na página 1de 4

BETA-LACTÂMICOS

SÃO ANTIBIÓTICOS QUE INIBEM A SÍNTESE DA PAREDE CELULAR, IMPEDINDO QUE AS


LIGAÇÕES CRUZADAS ENTRE AS FITAS DE PEPTÍDEOGLICANO SE FORMEM.

MECANISMO DE AÇÃO :
• AS BACTÉRIAS PRECISAM FORMAR ESTRUTURAS EXTERNAS RESISTENTES PARA
SUPORTAR A FORÇA GERADA PELA SUA HIPEROSMOLARIDADE INTERNA. ESSA
“PAREDE” É FEITA DE TRÊS FITAS DE PEPTÍDEOGLICANO (MOLÉCULA SINTETIZADA
PELA PRÓPRIA BACTÉRIA). O PEPTÍDEO GLICANO É SINTETIZADO DA SEGUINTE
MANEIRA:
• FORMAÇÃO DE UM DÍPEPTÍDEO D-ALANINA – D-ALANINA.
• ESSE DIPEPTÍDEO SOFRE UMA ADIÇÃO DE MAIS 3 AMINOÁCIDOS E UM AMINO
AÇUCAR (O ÁCIDO MURÂMICO). TORNANDO-SE UM MURAMIL PENTAPEPTÍDEO
(PEPTÍDEO-AÇÚCAR).
• ESSE PENTAPEPTÍDEO-AÇUCAR SE LIGA A UMA MOLÉCULA DE ACETILGLICOSAMINA,
TORNANDO-SE O PEPTÍDEOGLICANO PROPRIAMENTE DITO.
• POR FINAL, OS PENTAPEPTÍDEOS SOFREM FUSÃO ATRAVÉS DE PONTES DE
PENTAGLICINA, QUE LIGAM UMA MOLÉCULA DE PEPTIDIOGLICANA A OUTRA
MOLÉCULA DE OUTRA FITA. ESTAS LIGAÇÕES ENTRE PEPTÍDEOS
(TRANSPEPTIDAÇÕES) SÃO FEITAS PELAS ENZIMAS TRANSPEPTIDADES LOCALIZADS
NA MEMBRANA PLASMÁTICA.
• CONCLUSÃO : OS BETA-LACTÂMICOS INIBEM EXATAMENTE ESTA ENZIMA
TRANSPEPTIDASE INIBINDO, PORTANTO A SÍNTESE DA PAREDE CELULAR
BACTERIANA.

• A AÇÃO DAS PENICILINAS NAS ENZIMAS TRANSPEPTIDADES SE EXPLICA PELA SUA


SEMELHANÇA COM O COMPOSTO ACIL-D-ALANINA – D-ALANINA, UM DOS
SUBSTRATOS DESTAS ENZIMAS.

• OUTRO MECANISMO DE AÇÃO DAS PENICILINAS É A ATIVAÇÃO DO SISTEMA


AUTOLÍTICO BACTERIANO DESENCADEADA PELA LIGAÇÃO DO ANTIBIÓTICO COM
AS PBP’S (VER ADIANTE O QUE SÃO AS PBP’S).

MECANISMOS DE RESISTÊNCIA BACTERIANO :

• ESTÃO LISTADOS EM QUATRO :


1. REDUÇÃO DA PERMEABILIDADE DA PAREDE CELULAR
2. ALTERAÇÃO GENÉTICA DO SÍTIO DE LIGAÇÃO DAS PENICILINAS (PBP’S).
3. AÇÃO DAS BETA-LACTAMASES SOBRE O ANEL BETA-LACTÂMICO INATIVANDO AS
PENICILINAS (PRINCIPAL MECANISMO DE RESISTÊNCIA).
4. MUTAÇÃO GENÉTICA DE CERTAS BACTÉRIAS QUE NÃO POSSUEM O SISTEMA
AUTOLÍTICO.

• PRIMEIRO MECANISMO DE RESISTÊNCIA É A REDUÇÃO DA PERMEABILIDADE DA


PAREDE CELULAR ÀS PENICILINAS, QUE POR SUA VEZ NÃO CONSEGUEM CHEGAR
AO LOCAL DE AÇÃO.
• ALÉM DE SE LIGAR ÀS TRANSPEPTIDADES, AS PENICILINAS INTERAGEM COM
OUTROS TIPOS DE ENZIMAS LOCALIZADAS NA MEMBRANA CELULAR. SÃO ELAS : AS
TRANSGLICOSILASES E AS D-LALANINA CARBOXICINASES.
• ESTAS ENZIMAS QUE SE LIGAM ÀS PENICILINAS SÃO CHAMADAS DE PBP’S
(PENICILINE BIDING PROTEINS), ISTO É, PROTEÍNAS LIGADORAS DE PENICILINA.
• AS BACTÉRIAS POSSUEM QUATRO TIPOS DE PBP’S.
• ALGUMAS BACTÉRIAS CONSEGUEM EVOLUIR A PONTO DE ALTERAREM AS
PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO (PBP’S) IMPEDINDO O ACOPLAMENTO DAS PENICILINAS.
• UMA VEZ LIGADAS ÀS PENICILINAS, AS PBP’S TRANSMITEM UM SINAL
TRANSMEMBRANOSO PARA A INDUÇÃO DE BETA-LACTAMASES.
• AS BETA-LACTAMASES SÃO PBP’S ESPECIAS QUE SE LIGAM ÀS PENICILINAS
QUEBRANDO O ANEL BETA-LACTÂMICO E INATIVANDO-AS. ESTAS ENZIMAS ESTÃO
PRESENTES PRINCIPALMENTE EM ESTAFILOCOCOS E EM BACTÉRIAS GRAM-
NEGATIVAS.
• COMO FOI DITO NO MECANISMO DE AÇÃO, A LIGAÇÃO DAS PENICILINAS COM AS
PBP’S RESULTA EM INIBIÇÃO DESTAS ENZIMAS E EM CONSEQUENTE ATIVAÇÃO DO
SISTEMA AUTOLÍTICO BACTERIANO, CULMINANDO NA DESTRUIÇÃO DA BACTÉRIA.
• EXISTEM BACTÉRIAS QUE NÃO POSSUEM ESTE SISTEMA AUTOLÍTICO. ESTAS
BACTÉRIAS SÃO PORTANTO TOLERANTES ÀS PENICILINAS. NESTE CASO AS
PENICILINAS SÓ CAUSAM INTERRUPÇÃO DO CRESCIMENTO BACTERIANO E NÃO SUA
DESTRUIÇÃO.

FRASES A SEREM ANALISADAS :

• AS PENICILINAS PENICILINASES-RESITENTES NÃO CONSEGUEM ATRAVESSAR A


CAMADA LIPOPOLISSACARÍDICA DAS BACTÉRIAS GRAM-NEGATIVAS, SENDO
PORTANTO, INEFICAZES NO SEU TRATAMENTO.
• AS BETA LACTAMASES PODEM SER INDUZIDAS OU CONSTITUTIVAS. AS INDUZIDAS
SÃO AS QUE SÃO FORMADAS A PARTIR DA “AMEAÇA” DE UM INDUTOR, EX.
PENICILINA. AS CONSTITUTIVAS SÃO AS QUE ESTÃO PRONTAMENTE DISPONÍVEIS
PARA INIBIR AS PENICILINAS.

• A MISTURA DE GENTAMICINA OU TOBRAMICINA COM AMINOGLICOSÍDEOS PODE


INATIVAR O EFEITO DESTES ÚLTIMOS.
• MESMO ACONTECE COM A ADMINISTRAÇÃO CONCOMITANTE DE AMPICILINA E
ANOVULATÓRIOS. OS ÚLTIMOS TÊM SEU EFEITO CESSADO PELO ANTIBIÓTICO.

BENZILPENICILINA (PENICILINA G) :

• VIAS ORAL, I.V., OU I.M.


• QUANTO MAIOR O pH MAIOR SERÁ A ABSORÇÃO. (UMA VEZ ÁCIDAS, AS PENICILINAS
ESTARÃO MAIS LIPOSSOLÚVEIS).
• GRANDE DISTRIBUIÇÃO NO LÍQUOR E NO HUMOR AQUOSO.
• ATRVESSA FACILMENTE A BARREIRA PLACENTÁRIA.
• EXCREÇÃO PELA URINA.
• INDICADAS EM INFECÇÕES POR COCOS G+, ALGUNS ESTREPTOCOCOS, BACILOS G+
(ANTRACIS), NEISSERIA, ETC.
• NÃO DEVE SER USADA PARA ESTAFILOCOCOS E BACTÉRIAS G – (ESTES SÃO
PENICILINAS RESISTENTES).
• INATIVA TAMBÉM CONTRA AMEBAS, RIQUÉTSIAS, FUNGOS, PLASMÓDIOS E VÍRUS.
• A ASSOCIAÇÃO COM A GENTAMICINA É UTILIZADA NA ENDOCARDITE
ENTEROCÓCICA.
• DESVANTAGENS :
RÁPIDA ELIMINAÇÃO
INSTABILIDADE NO SUCO GÁSTRICO (MEIO ÁCIDO)
ESPÉCTRO BACTERIANO QUE NÃO ATINGE MUITAS BACTÉRIAS
SENSIBILIDADE ÀS PENICILINASES
INDUÇÃO ÀS REAÇÕES ALÉRGICAS
• VARIAÇÕES :
PENICINLINA POTÁSSICA (ORAL, I.M. OU I.V.)
PENICILINA G PROCAÍNA
PENICILINA G BENZATINA

PENICILINA V :
• DESENVOLVIDA PARA SUPERAR A DESVANTAGEM DA PENICILINA G DE SER
INATIVADA PELO SUCO GÁSTRICO.
• POR ISSO PODE ADMINISTRADA VIA ORAL.
• A PRESENÇA DE ALIMENTO TAMBÉM NÃO INTERFERE NA ABSORÇÃO DA PENICILINA
V.
• ELIMINADA RAPIDAMENTE PELO MECANISMO DE SECREÇÃO TUBULAR RENAL.
• A PROBENECIDA RETARDA ESSA ELIMINAÇÃO.
• INDICADA NA FARINGITE POR ESTREPTOCOCOS BETA-HEMOLÍTICO, EM PIODERMAS
ESTREPTOCÓCICOS, INFECÇÕES BRANDAS DO TRATO RESPIRATÓRIO POR S.
PNEUMONIAE, PROFILAXIA DA FEBRE REUMÁTICA E DE PACIENTES ANTES DO
TRATAMENTO DENTAL.

PENICILINAS PENICILINASE-RESISTENTES :

METICILINA :
• É INATIVADA PELO SUCO GÁSTRICO (NÃO DEVE SER DADA VIA ORAL)
• AMPLA DISTRIBUIÇÃO
• EXCREÇÃO RÁPIDA PELO MECANISMO DE SECREÇÃO TUBULAR
• EXCREÇÃO RENAL PODE SER REDUZIDA PELA PROBENECIDA
• EM PACIENTES ANÚRICOS A MEIA VIDA DA PROBENECIDA PODE CHEGAR ATÉ A 4
HORAS
• ATIVA CONTRA A MAIORIA DOS ESTAFILOCOCOS ÁREUS, A MAIORIA DOS
ESTREPTOCOCOS.
• ENTEROCOCOS E GRAM – SÃO RESISTENTES À METICILINA.
• A RESISTÊNCIA DE ALGUMAS RAÇAS DE ESTAFILOCOCOS A METICILINA É EXPLICADA
PELA REDUÇÃO DE AFINIDADE DESTA COM AS PROTEÍNAS DA BACTÉRIA. ESTAS
RAÇAS TAMBÉM SÃO RESISTENTES ÀS CEFALOSPORINAS.
• GRANDE RISCO DE PROVOCAR NEFRITE INTERSTICIAL (MECANISMO PARECE SER DE
NATUREZA ALÉRGICA).

NAFCILINA :
• É PREFERÍVEL A VIA PARENTERAL.
• QUANDO NÃO HÁ OBSTRUÇÃO BILIAR ETABELECE-SE EM GRANDES
CONCENTRAÇÕES NA BILE.
• INDICADA DA EMSMA MANEIRA QUE A METICILINA.

OXACILINA :
• RESISTE AO SUCO GÁSTRICO, NO ENTANTO A ABSORÇÃO É PEQUENA (30%).
• ALIMENTO INTERFERE NA SUA ABSORÇÃO.
• ELIMINADA DA MESMA FRMA QUE AS OUTRAS.
• POSSIBILIDADE DE APARECIMENTO DE NEFRITE INTERSTICIAL.
• MESMA INDICAÇÃO DAS OUTRAS.

 PENICILINAS DE ESPECTRO AMPLIADO :

 PENICILINAS DE 2ª GERAÇÃO RESISTENTES AO SUCO GÁSTRICO :

AMPICILINA :
• RESISTENTE AO SUCO GÁSTRICO
• SENSÍVEL A BETA-LACTAMASES
• ALIMENTO NO T.G.I. REDUZ SUA ABSORÇÃO
• NA PRESENÇA DE INFLAMAÇÃO, A PENETRAÇÃO NO LÍQUOR É SATISFATÓRIA.
• ELIMINADA PRINCIPALMENTE POR VIA RENAL.
• ATIVA CONRTA A MAIORIA DAS GRAM+, ESTAFILOCOCOS NÃO PRODUTORES DE
BETA-LACTAMASES, ESTREPTOCOCOS, A MAIORIA DAS BACTÉRIAS ANAERÓBIAS,
HAEMOFILOS INFLUENZA, PROTEUS MIRABILIS, E. COLI, SHIGELLA E SALMONELLA.
• ÀS VEZES PODE CAUSAR COLITE PSEUDOMEMBRANOSA POR CLOSTRIDIUM
DIFFICILE, ISSO ACARRETA EM DIARRÉIAS E PERDA DE POTÁSSIO. É RESOLVIDA COM
A SUSPENSÃO DA PENICILINA E ADMINISTRAÇÃO DE VANCOMICINA.
• É UTILIZADA EM ASSOCIAÇÃO COM CLORANFENICOL EM CASOS DE MENINGITE POR
H. INFLUENZAE.

AMOXICILINA :
• RESISTENTE AO SUCO GÁSTRICO
• SENSÍVEL ÀS BETA-LACTAMASES
• ESPÉCTRO SIMILAR AO DA AMPICILINA, PORÉM EXERCE MENOR EFEITO SOBRE
SHIGELLA.

 PENICILINAS DE 3ª GERAÇÃO ANTI-PSEUDOMONAS :

CARBENICILINA :
• SENSÍVEL A AÇÃO DO SUCO GÁSTRICO
• SENSÍVEL ÀS BETA-LACTAMASES
• EXCREÇÃO IGUAL ÀS DEMAIS PENICILINAS
• ESPECTRO PARECIDO COM O DA BENZIL PENICILINA
• UTILIZADA TAMBÉM NA ELIMINAÇÃO DE PSEUDOMONAS JUNTAMENTE COM
AMINOGLICOSÍDEOS.
• LIGA-SE ÀS PLAQUETAS PRODUZINDO HEMORRAGIAS, BEM COMO A INATIVAÇÃO DE
AMINOGLICOSÍDEOS.

 OUTROS BETA-LACTÂMICOS :

ÁCIDO CLAVULÂNICO :
• FRACA CAPACIDADE ANTIBACTERIANA, PORÉM TEM GRANDE CAPACIDADE
INIBITÓRIA DE MUITAS BETA-LACTAMASES.
• ATUA COMO INIBIDOR SUICIDA, INATIVANDO A BETA-LACTAMASE DE MANEIRA
IRREVERSÍVEL.

IMIPENEM :
• BETA-LACTÂMICO CARBAPENÊMICO
• UTILIZADO JUNTO COM UM INIBIDOR (CILASTATINA) DE DESIDROPEPTIDASES –
ENZIMAS RENAIS QUE INATIVAM O IMIPENEM.
• A CILASTATINA DISPONIBILIZA UMA MAIOR QUANTIDADE DO FÁRMACO NO
ORGANISMO E PROTEGE A AÇÃO NEFROTÓXICA DO IMIPENEM.

Interesses relacionados