Você está na página 1de 12
A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL INTRODUÇÃO 38 A Organização Mundial de Saúde

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

INTRODUÇÃO

38

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que a doença está associada a um

desequilíbrio que afeta o indivíduo na sua totalidade, por outro lado a saúde corresponde a um estado de completo bem-estar físico, mental e social.

A esquizofrenia é uma doença mental que se manifesta geralmente na adolescência ou

no início da idade adulta, atinge cerca de um por cento da população de ambos os sexos, sendo encontrada no mundo inteiro em todas as raças, culturas e classes sociais.

Anteriormente chamada “demência precoce” apresenta como principal característica a dissociação da personalidade, onde as pessoas afetadas habitam simultaneamente dois mundos, o real e o patológico. Considerada uma doença complexa, acredita-se que sua etiologia alia fatores de caráter somático a elementos heredo-familiares e psicossociais.

Este distúrbio altera principalmente os processos do pensamento, percepção e afetividade, tendo como aspectos mais característicos as alucinações e delírios, transtornos de pensamento e fala perturbação das emoções e do afeto, déficits cognitivos e avolição.

A estratégia de tratamento para a esquizofrenia possue uma variação de acordo com a

fase e com a gravidade da doença, que acarreta conseqüências de caráter individual, familiar, social e econômico.

Neste sentido, as abordagens psicossociais tornam-se essenciais para a reabilitação dos sujeitos afetados por essa patologia.

É dentro desta abordagem psicossocial que a Psicologia Humanista, através da Abordagem Centrada na Pessoa desenvolve seu trabalho visando um aumento de autonomia, realização pessoal e qualidade de vida das pessoas afetadas por essa doença.

Referindo-se ao comportamento anormal como distorções do desenvolvimento, esta abordagem interpreta as origens da distorção de forma diferenciada, onde os comportamentos que são rotulados como “esquizofrenia” representam a relação do indivíduo com o mundo.

O papel do terapeuta é o de facilitador. Chama-se de atitudes facilitadoras as ações que o psicólogo realiza durante a relação de cuidado psicológico com o cliente, desta forma, as qualidades atitudinais do terapeuta para o processo de mudança do cliente são: a congruência, consideração positiva incondicional e compreensão empática. Colaborando assim para que o cliente possa buscar em si próprio a sua direção.

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 39 ASPECTOS TEÓRICOS SOBRE A ESQUIZOFRENIA A

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

39

ASPECTOS TEÓRICOS SOBRE A ESQUIZOFRENIA

A esquizofrenia é conceituada como um conjunto de reações psicóticas caracterizadas por distúrbios das relações pessoais e incapacidade de pensar e comunicar-se com clareza (Isaacs, 1998). Este distúrbio, segundo o mesmo, altera principalmente os processos de pensamento, percepção e efetividade.

É um transtorno mental que ocorre em cerca de 1% da população mundial, sem

diferença significativa entre os gêneros. Desde a antiguidade existem relatos de sinais e sintomas parecidos aos que hoje denominamos de esquizofrenia, mas é somente no final do século XVIII que se começa a valorizar os sintomas psíquicos e se inicia o interesse em classificá-los e conceituá-los (Sadock & sadock, 2006).

A história conceitual da esquizofrenia, segundo Silva (2006) data do final do século

XIX e da descrição da demência precoce por Emil Kraepelin. Outro cientista que teve grande

influência sobre o conceito atual da esquizofrenia foi Eugen Bleuler.

Kraepelin (1856-1926) criou uma classificação de transtornos mentais que se baseava no modelo médico, tendo como objetivo delinear a existência de doenças como etiologia, sintomatologia, curso e resultados comuns. O mesmo distinguiu três formas de transtorno:

hebefrênica, catatônica e paranóide.

Bleuler (1857-1939) criou o termo “esquizofrenia” (esquizo=divisão, phenia=mente)

que substituiu o termo demência precoce, para pontuar a presença de uma cisma entre

pensamento, emoção e comportamento nos pacientes afetados. O mesmo autor associa a esquizofrenia a perturbações sofridas pelo processo de associação e a uma forma peculiar de pensar e comportar-se, que designa por autismo. Como fatores secundários consideram os delírios, as alucinações e o comportamento catatônico (Amaro, 2005, p.56).

Com a introdução da palavra esquizofrenia, inicia-se uma nova concepção dessa perturbação mental que passa a ser definida pelo tipo e sintoma.

Bleuler concentrou-se em sinais e sintomas que consideraram fundamentais e primários e enfatizou a dissociação de funções mentais como a característica essencial do transtorno. Para o mesmo, a esquizofrenia não era uma doença unitária, mas um grupo de esquizofrenias, que inclui múltiplos transtornos com características clínicas comuns.

Os três primeiros subtipos clássicos (demência paranóide, hebefrenia e catatonia) eram descritos como doenças separadas até que Kraepelin juntou-as sob o nome de demência precoce. Juntamente com a esquizofrenia simples, introduzida por Bleuler, os subtipos paranóide, hebefrênico e catatônico de Kraepelin formaram o grupo de esquizofrenias de Bleuler (Silva, 2006). A partir das conceituações e estudos desses dois psiquiatras firmou-se o estudo dessa doença. Nesse sentido há ainda o psiquiatra Kurt Schneider, que definiu alguns sintomas considerados muito importantes para o diagnóstico da doença, Louzã (1995 como citado em Pinho, 2008).

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 40 Definida atualmente por Pinho (2008) como

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

40

Definida atualmente por Pinho (2008) como uma doença mental grave, a esquizofrenia é caracterizada por uma perturbação da personalidade, perda da capacidade para interferir na realidade, alucinações, delírios, pensamento anormal e alteração do funcionamento social e laboral.

No mesmo entendimento, Gerrig e Zimbardo (2005 como citado em Versola, 2010) também apontam um transtorno esquizofrênico como uma forma grave de psicopatologia, na qual a personalidade parece se desintegrar, onde os processos psicológicos básicos do pensamento e da percepção são distorcidos, e as emoções são entorpecidas.

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (2005) os transtornos esquizofrênicos se caracterizam em geral, por distorções características do pensamento e da percepção, e também por inadequação dos afetos. Freqüentemente o indivíduo com esquizofrenia mantém clara sua consciência e sua capacidade intelectual.

Diante do exposto, a esquizofrenia traz ao paciente um prejuízo grave que é capaz de interferir amplamente na capacidade de atender as exigências da vida e da realidade. Ou seja, acarreta prejuízos ocupacionais, nas relações interpessoais e familiares.

A partir do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV, 2002, p.305), a esquizofrenia apresenta:

No mínimo dois dos seguintes quesitos, cada qual presente por uma porção significativa de tempo durante o período de um mês (ou menos, se tratados com sucesso): (1) delírios; (2) alucinações; (3) discurso desorganizado (p.ex., freqüente descarrilamento ou incoerência); (4) comportamento amplamente desorganizado ou catatônico; (5) sintomas negativos, isto é, embotamento afetivo, alogia ou abulia.

Diversas hipóteses e descobertas surgiram na tentativa de se encontrar uma explicação

para a origem da esquizofrenia, contudo, nenhuma delas consegue responder as dúvidas que

ainda subsistem sobre as possíveis causas da doença. Porém, sabe-se que se trata de uma

doença universal, ocorrendo em todos os povos e culturas.

De acordo algumas pesquisas, pode-se considerar que sua etiologia reside principalmente em fatores biológicos, porém ainda subsistem muitas dúvidas reforçando-se a idéia de uma etiologia multifatorial.

Entretanto surgiram diversas teorias para explicar as causas e sintomas da doença. A teoria genética, teorias neuroquímicas, a hipótese dopaminérgica, distúrbio do neurodesenvolvimento, alterações estruturais, teorias psicológicas, dentre outras.

Nas palavras de Pull (2005 como citado em Versola, 2010) a esquizofrenia é um transtorno de etiologia desconhecida. Sendo assim, é possível observar que as causas da esquizofrenia são ainda desconhecidas. Porém, há consenso em atribuir a desorganização da personalidade, verificada na esquizofrenia, à interação de variáveis culturais, psicológicas e biológicas.

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 41 Numerosos sinais e sintomas foram sendo

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

41

Numerosos sinais e sintomas foram sendo descritos para definir a sua caracterização clínica e separá-la de outros transtornos.

Tipos e Sintomas da esquizofrenia

Os primeiros sinais e sintomas da doença aparecem mais comumente durante a adolescência ou início da idade adulta. O quadro mais freqüente de acordo alguns autores inicia-se de forma indiciosa, com sintomas e padrões pouco específicos, incluindo perda de energia, iniciativa e interesse, humor depressivo, isolamento, comportamento inadequado, negligência com a aparência pessoal e higiene podem surgir e permanecer por algumas semanas e até meses antes do aparecimento de sintomas mais específicos da doença.

Atualmente diversos autores que abordam essa psicopatologia, baseiam-se em um dos dois sistemas de classificação da doença, o da Organização Mundial de Saúde CID-10, e o segundo protagonizado pela Associação Americana de Psiquiatria DSM-IV.

Segundo o DSM-IV (2002) a esquizofrenia é uma mistura de sinais e sintomas característicos (positivos e negativos), que persistem pelo período mínimo de seis meses e deve incluir pelo menos dois dos sintomas positivos no período de um mês. Esses sintomas característicos podem ser conceitualizados enquadrando-se em duas categorias: positivos e negativos.

Os Sintomas positivos incluem: distorções ou exageros do raciocínio lógico, conteúdos do pensamento (delírios, interpretações equivocada das informações, que podem surgir perigo ou dano. Delírios persecutórios, bizarros e de identidade. Distorções ou exageros da percepção (alucinações, ouvir vozes sem um estímulo). Geralmente são vozes pejorativas que depreciam, humilham, ordenam, ameaçam e duas ou mais vozes conversando entre si ou comentando os pensamentos ou o comportamento do indivíduo. Manifestações comportamentais (impulsividade, comportamentos bizarros, catatônicos e agitação). Os delírios e as alucinações são classificados como representante de um contexto psicótico.

Já os sintomas negativos incluem:

Alogia (empobrecimento da linguagem e do pensamento); embotamento afetivo (diminuição na habilidade de expressar-se emocionalmente); anedonia (inabilidade de expressar prazer, perda de interesse pela interação social); avolição (diminuição da vontade); autonegligência; lentificação psicomotora. (DSM-IV, 2002, pp.304-

307).

A esse respeito Pinho (2008) destaca que os sintomas negativos são freqüentes na

esquizofrenia, porém são difíceis de avaliar, uma vez que ocorre na normalidade, são

inespecíficos, e podem ser devido a uma diversidade de outros fatores. Importante ressaltar

que os sintomas depressivos também acompanham as várias fases da doença.

Critérios semelhantes são estabelecidos na Classificação Internacional das Doenças

(CID-10, 1993, p.85):

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 42 F20- Esquizofrenia- Os transtornos esquizofrênicos são

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

42

F20- Esquizofrenia- Os transtornos esquizofrênicos são caracterizados, em geral, por distorções fundamentais e características do pensamento e da percepção e por afeto inadequado ou embotado. A consciência clara e a capacidade intelectual estão usualmente mantidas, embora certos déficits cognitivos possam surgir no curso do tempo. A perturbação envolve as funções mais básicas que dão à pessoa normal um senso de individualidade, unicidade e de direção de si mesmo. Os pensamentos, sentimentos e atos mais íntimos são sentidos como conhecidos ou partilhados por outros e podem se desenvolver delírios explicativos, a ponto de que forças naturais ou 'sobrenaturais trabalham de forma a influenciar os pensamentos e as ações do indivíduo atingido, de forma que são bizarras. O paciente pode ver a si próprio como pivô de tudo o que acontece. As alucinações, especialmente auditivas, são comuns e podem comentar sobre o comportamento ou os pensamentos do paciente. A percepção é freqüentemente perturbada de outras formas: cores ou sons.

Com o objetivo de uma definição melhor da esquizofrenia foram realizadas divisões clínicas ou também designadas subtipos da esquizofrenia, principalmente segundo a natureza dos sintomas apresentados pelos pacientes, embora as implicações dos subtipos em relação ao prognóstico e tratamento sejam variáveis.

Tendo como base o DSM-IV (2002), os subtipos de esquizofrenia são definidos pela sintomatologia predominante à época da avaliação feita ao paciente diagnosticado esquizofrênico. Sendo assim, a apresentação do diagnóstico pode incluir sintomas característicos de mais de um subtipo. Atualmente são considerados os seguintes subtipos de esquizofrenia: tipo paranóide, tipo desorganizado, tipo catatônico, tipo indiferenciado e tipo residual.

Referindo-se a prevenção, Amaro (2005) aponta três níveis de intervenção. A prevenção primária, que busca diminuir a incidência e atuar no nível dos fatores responsáveis pela doença; a prevenção secundária que tem como função reconduzir o doente ao seu estado de normalidade psíquica e diminuir a prevalência; e a prevenção terciária que tem como objetivo minimizar os efeitos da perturbação.

Vale citar que conforme Afonso (2002) o diagnóstico da esquizofrenia, só pode ser realizado pelas manifestações clínicas da doença, uma vez que não é possível efetuá-lo por meio de exames laboratoriais ou imagiológicos.

Fenomenologia e Existencialismo: Psicopatologia e Diagnóstico

O patológico é aquilo que deteriora e ameaça tanto a vida quanto a existência, limitando-as em suas atividades e capacidades originárias. Assim, vida e existência estão numa constante interdependência; a existência se torna psicopatológica quando nega mistifica e aliena seu ser mais próprio: sua liberdade, suas possibilidades, sua realização mesma. O psicopatológico não é algo externo ao indivíduo, é a própria existência que se perde e degrada (Romero, 2010).

A aplicação do método fenomenológico exige, em primeiro lugar, a vontade de ater-se aos fenômenos mesmos, deixando de lado qualquer pressuposto e toda idéia preconcebida. Essa exigência metódica implica que precisamos deixar que os fenômenos falem por si mesmos sem encaixá-los de imediato na bitola de nossa teoria prévia” (Romero, 2010, p. 53). Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 43 Embora não desconsidere o aspecto objetivo,

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

43

Embora não desconsidere o aspecto objetivo, a descrição fenomenológica se centraliza na experiência vivida pelo sujeito. Tenta captar o acontecer experiencial tal como o sujeito o manifesta por sua expressão verbal ou escrita, objetiva ou subjetiva. Pela fenomenologia tentamos indagar os modos de manifestar-se de um determinado fenômeno, examinando em seguida o significado e sentido que esse fenômeno possa comportar, tal como ele é apreendido pela análise reflexiva.

A fenomenologia, no entanto, não aspira apenas fazer uma descrição dos objetos

intencionais que constituem a experiência originária da consciência; propõe-se também estabelecer a essência dos fenômenos. Nas múltiplas e variadas manifestações de um fenômeno, sempre podemos detectar um núcleo comum e um significado que percorrem e unificam essa variedade fenomenológica; é o que denominamos a essência do fenômeno (Romero, 1997).

Ainda citando o mesmo autor, temos que considerar o caráter intencional do fenômeno psíquico. O mental não é algo que acontece apenas dentro da cabeça, sem maior relação com o mundo fora. Pelo contrário, o mental está inteiramente direcionado para o mundo; é o mundo refletido, de certa maneira, numa determinada pessoa. Uma vivência não é uma experiência puramente objetiva; toda vivência é uma forma de relação que o sujeito estabelece com os diversos objetos que constituem seu mundo. Buscar a compreensão do significado que esse mundo particular tem para cada sujeito, por meio da descrição minuciosa de suas vivências, é, portanto, o principal objetivo do método fenomenológico.

O homem como ser no mundo é uma das dimensões existenciais apontadas por

Heidegger. Com relação a este aspecto Heidegger explica que homem e mundo invocam-se mutuamente, um não existe sem o outro. Isso significa que o mundo é uma realidade puramente humana. O indivíduo está inserido completamente nessa realidade. Sair dessa realidade é perder as características próprias do ser humano. Tudo o que nos acontece subjetivamente se relaciona com algo que está ai, no mundo (Barbosa, 1998).

Na reflexão de Heidegger (1997 como citado em Tenório, 2009) o ser no mundo pode ser desmembrado em três partes: o “ser”, o “mundo” e o “em”. O mundo em que o ser é, o quem é no mundo, e o modo de ser-em-si-mesmo. A mundaneidade (materialidade) só se deixa caracterizar mediante a compreensão do ser para quem existe um mundo, o ser que é- no-mundo, por sua vez, só se revela a partir de sua “morada” (o mundo), e a relação de ser-em pressupõe a compreensão dos termos que se relacionam no modo do “em”. O homem não “é” primeiramente para depois criar relações com um mundo, ele é homem na exata medida de seu ser-em, isto é, na exata medida em que possui um mundo ou abre o sentido de um mundo.

Não há sentimento, comportamento ou qualquer outro modo de ser de uma pessoa que exista isoladamente como um fenômeno “em si”. Neste sentido, a perspectiva ontológica compreende um sintoma ou síndrome não como uma coisa individual, mas como um estilo de ser no mundo, uma postura total, e que como tal pode ser encontrado em vários domínios da atividade humana.

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 44 O sintoma enquanto estilo de ser

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

44

O sintoma enquanto estilo de ser é um modo do ser-aí impregnado de uma determinada experiência. A abordagem existencial, portanto opera a partir da compreensão do mundo como o indivíduo se instalou na estrutura do ser no mundo. Um sintoma pode ser compreendido como um estilo de ser no mundo, no modo que ele se dá existencialmente. De acordo com Merleau-Ponty (1908-1961) o campo fenomenal da experiência vivida, da inserção no mundo, é aquele que dá sentido a existência de certos fatos objetivos isolados.

O conceito “existencial” preconizado por dar significa o ser si mesmo do homem à medida que está relacionado não com o si mesmo individual, mas com o ser e a relação com o ser.

Assim, encontrar a compreensão do significado que esse mundo particular tem para cada sujeito através de suas vivências, é o principal objetivo do método fenomenológico E compreender é estabelecer as relações de sentido que uma vivência possa explicar.

De acordo com Penha (1982 como citado em Tenório, 2009) uma psicologia de base existencial-fenomenológico é relacional e intersubjetivo, ou seja, confirma a prioridade na relação com o outro na constituição do sujeito. Isso significa que no início do desenvolvimento, durante boa parte da infância, o indivíduo esteve subordinado aos domínios dos cuidadores. Contudo, para que ocorra um desenvolvimento saudável e uma constituição da individualidade, é necessário que ocorra um desenvolvimento saudável é necessário que ocorra uma progressiva superação dessa primazia do outro, implicando num longo processo de autoconsciência e questionamento de si mesmo e do mundo em que se encontra inserido.

Assim

sendo,

o

aspecto

relacional

da

existência

humana,

assume

um

papel

determinante na constituição de um desenvolvimento saudável ou patológico, afirma a autora.

De acordo com o pensamento de Kierkegaard nas palavras de Penha (1982 como citado em Tenório, 2009) nenhum princípio, sistema ou idéia geral pode dar conta de explicar ou descrever a realidade humana, a vivência particular de cada pessoa. Assim, o pensamento abstrato só pode compreender o concreto abstratamente, enquanto o pensamento centrado no indivíduo objetiva compreender concretamente o abstrato, apreendê-lo em sua singularidade, captá-lo em sua manifestação subjetiva. A realidade é o que surge a consciência, a subjetividade é a realidade. A própria realidade é aquela que o indivíduo tem maior conhecimento.

Esses pressupostos existencialistas tornam-se essenciais na construção da postura do psicólogo e dos objetivos de um processo diagnóstico.

Contrapondo as outras orientações, o existencialismo não se preocupa em classificar a patologia, não tenta explicar e enquadrar o indivíduo, através da rotulação.

Para Erthal (1989), não se trata de adaptar uma teoria a um indivíduo que apresenta conflitos delimitados, mas, busca-se compreender a desordem de conduta de um indivíduo a partir dele mesmo, através de seus sentimentos, sensações emoções, enfim, de tudo que por ela é vivenciado. A pessoa no processo diagnóstico deve ser apreendida como sendo um Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 45 fenômeno único e como tal respeitada

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

45

fenômeno único e como tal respeitada em sua totalidade, não deve ser avaliada segundo normas e padrões de comportamentos pré-estabelecidos, pois a vivência dessa pessoa é sua própria explicação, sendo ela a melhor interprete de si mesma.

Como explica Angerami (1984), O existencialismo, em sua exuberância, mostra que a existência é um contínuo vir a ser, um sempre ainda não, com a possibilidade de um poder ser. Desse modo, é totalmente inaceitável a rotulação do ser humano, aprisionando-o dentro de determinadas categorias diagnósticas.

Nesta perspectiva, o psicólogo não pode apreender o mundo vivencial da pessoa a ser diagnosticada, enquanto não suspender ou colocar entre parênteses todos seus pressupostos, sua própria visão de mundo e conceitos, tanto quanto for humanamente exeqüível no momento (Hycner, 1995 como citado em Tenório, 2009).

Parafraseando Augras (1986), fazer diagnóstico dentro desta perspectiva é identificar e explicitar a forma de existência do sujeito em seu relacionamento como ambiente em determinado momento e que feixes de significados ele constrói de si e do mundo. A adequada descrição fenomenológica do mundo particular, singular e concreto do sujeito e de sua situação atual tem de apoiar-se numa aproximação que procure apreendê-la em sua totalidade.

No entendimento de Costa, (1995 como citado em Tenório, 2009), da mesma forma que o sujeito é a medida de sua própria normalidade, em cada situação, o significado será buscado dentro daquilo que for manifestado. A objetividade desta apreensão configurada em diagnóstico apoiar-se-á em critérios de coerência, deduzidos daquilo que se ofereceu da história do indivíduo e das vivências presentes. A subjetividade é inevitável e o método fenomenológico propõe que diante do reconhecimento da mesma, por parte do psicólogo, é possível limitá-la, transformando-a em ferramenta para a compreensão do outro.

O Tratamento da esquizofrenia: Sob a ótica humanista

Sabe-se que muitos pacientes com a esquizofrenia sofrem não apenas de dificuldades emocionais e do pensamento, mas também de falta de habilidades sociais e de uma boa integração social. As abordagens psicossociais são necessárias para promover a reintegração do sujeito à família e à sociedade.

No entendimento de Nunes (2000) o tratamento correto para os pacientes esquizofrênicos é a adesão de farmacologia e das estratégias psicossociais. Não são tratamentos antagônicos, mas complementares, na tentativa de melhorar o quadro sintomatológico, minimizar as tensões existentes e fortalecer a parte saudável do cliente. Fazem parte desse tratamento a terapia individual, as intervenções familiares, a terapia de grupo e os programas específicos para a intervenção precoce.

Na mesma linha de pensamento, Afonso (2002) afirma que a esquizofrenia requer uma abordagem terapêutica abrangente, sendo necessária uma intervenção não só ao nível farmacológico, que permite um controle dos sintomas da doença, mas também ao nível social, psicoterapêutico, psicoeducativo, familiar e ocupacional.

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 46 É dentro dessa abordagem psicossocial que

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

46

É dentro dessa abordagem psicossocial que a psicologia humanista realiza o seu

trabalho psicoterápico através da Abordagem Centrada na Pessoa, objetivando proporcionar ao

cliente autonomia e qualidade de vida. Buscando interpretar as origens distorcidas do desenvolvimento humano de forma diferenciada de outras teorias, onde os comportamentos da psicopatologia que são rotulados como a “esquizofrenia” representam a relação do indivíduo com o mundo.

A esse respeito, destacou Rogers (1959 como citado em Freire, 2000), as condições de

valor impostas ao indivíduo em suas primeiras relações interpessoais significativas levam à formação de um auto-conceito incongruente com a sua experiência organísmica, impedindo o processo de auto-atualização do indivíduo. Para reverter este quadro, é necessário oferecer-lhe uma relação interpessoal permeada de consideração positiva incondicional. A experiência de ser aceito incondicionalmente é o verdadeiro agente da mudança terapêutica, pois possibilita ao indivíduo experienciar uma auto-consideração incondicional. Esta aceitação de si mesmo leva a uma maior integração entre o eu e a experiência organísmica e a uma conseqüente mudança do auto-conceito, promovendo a auto-atualização, que é objetivo último de toda psicoterapia.

O cliente deve ser o centro do tratamento, afirma a mesma, não se enfatizando a doença, mas a existência do doente, que é sujeito em potencial. Desta forma, as intermináveis classificações dos distúrbios psíquicos a partir de seus "sintomas" tornam-se irrelevantes do ponto de vista terapêutico. Não há necessidade de supor a existência de "doenças mentais" subjacentes aos fenômenos psíquicos considerados "anormais" ou "desajustados", nem de classificar ou diagnosticar o indivíduo para selecionar técnicas terapêuticas específicas. Toda terapia bem-sucedida é uma relação interpessoal caracterizada pela aceitação, empatia e genuinidade.

Psicoterapia é um relacionamento psicológico entre uma pessoa ou pessoas, designadas como clientes, cujo desenvolvimento da auto-atualização tenha sido bloqueado ou impedido pela ausência de bons relacionamentos interpessoais; e uma pessoa, designada como o terapeuta, que provê tal relacionamento. (Patterson & Hidore, 1997, p.xiii, como citado em Freire, 2000).

A tarefa de um trabalho terapêutico é primeira, observar como se arquiteta o universo

do sujeito em seus múltiplos relacionamentos para em seguida, verificar o que é possível mudar para torná-lo mais habitável.

Desta forma a Psicologia Humanista, como lembra Boainain Jr. (s.d.) busca principalmente, assumir o compromisso de ajudar o homem a se transformar, a ser mais humano, a tornar-se plenamente humano. Para esta abordagem, o objetivo de qualquer tratamento pode ser expresso numa frase quase redundante: Levar a pessoa a ser ela mesma. Proporcionar ao cliente a obtenção de um existir autêntico, autoconsciente, verdadeiro, congruente e natural, sem divisões internas.

Sob o ponto de vista de Erthal (1989) uma visão de homem como um ser em busca constante de si mesmo, que vive em contínuo processo de vir-a-ser e que apresenta uma

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL tendência potencialidades. natural para se desenvolver. Uma

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

tendência

potencialidades.

natural

para

se

desenvolver.

Uma

visão

positiva

de

homem

e

das

47

suas

Através de uma análise fenomenológica da experiência da doença como é vivenciada pelo paciente, o terapeuta busca os significados dentro daquilo que ele manifesta e apreende o sentido explicitado. No entendimento de Forghieri (1993 como citado em Valle, 2004), ele deve buscar adentrar no existir da pessoa, para descobrir além das palavras e dos gestos, o sentido que se encontra contido na sua comunicação. Assim, pode chegar a uma compreensão do seu modo de existir nessa situação, e a partir dessa compreensão é possível propor ações e cuidados apropriados.

Na perspectiva do cuidar, Critelli (1981, p.70, como citado em Valle, 2004) o terapeuta é um ser com o outro, no sentido de solicitude, enquanto consideração e paciência. Essa forma de cuidar é libertador, entregando o cliente a sua própria transparência e responsabilidade para ser livre para si.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O desenvolvimento de cada um através de sua trajetória com o mundo e consigo mesmo faz com que cada indivíduo seja único. Cada ser é um complexo diversificado onde os aspectos emocionais e sociais estão em sintonia, formando um ser com suas próprias individualidades, e entender a subjetividade dentro dessa visão proporciona maior entendimento do outro.

Os estudos e as ciências atual concordam na idéia de que somos seres predominantemente relacionais, constituídos nas relações, e que o adoecimento está atrelado à relação do homem com o mundo.

Conforme discorremos, a psicopatologia não dá conta da totalidade da existência humana, tão pouco se refere ao adoecimento como um malogro do ser na tentativa de alcançar uma forma idiossincrática de unidade, como afirma (Romero, 2010).

Na concepção da abordagem humanista, a preocupação principal é o cliente, Concentrar-se no como e no porque da condição do individuo vai resultar em tudo, exceto a coisa mais importante que é a pessoa em si. Por isso, terapeutas humanistas tendem a retirar aos esquemas diagnósticos com DSM que se destinam a caracterizar as pessoas de maneira restrita, servindo mais para estigmatizar e menos para ajudar.

Para nós humanistas, cura não é solucionar problemas, mas entrar em contato com a tendência atualizante que cada um tem dentro de si, através de uma relação genuína, congruente, ou seja, uma atitude amorosa para com a relação, acreditando em nós mesmos, no outro e no mundo.

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL REFERÊNCIAS 48 Angerami, V. A. (1984) Existencialismo

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

REFERÊNCIAS

48

Angerami, V. A. (1984) Existencialismo e psicoterapia, São Paulo: Traço.

(2002) Psicoterapia existencial. São Paulo: Thompson Pioneira.

Augras, M. (1986) O Ser da Compreensão: Fenomenologia da Situação de Psicodiagnóstico, Petrópolis: Vozes.

Boainaim JR, E. O estudo do potencial humano na psicologia contemporânea: A corrente Humanista e a corrente Transpessoal. Recuperado em 20 de maio de 2011. De:

DSM-IV TR.(2002) Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. APA. Porto Alegre: Artes Médicas.

Erthal,

Petrópolis, Vozes.

T.

C.

(1989)

Terapia

Vivencial:

uma abordagem existencial

em

Psicoterapia.

Freire, E. Breve história da abordagem centrada na pessoa. Recuperado em 08 de maio de 2011. de: http:// www.institutodelphos.com.br/donwloads/indexs.htm.

(2000). A terapia é a relação e o cliente é o terapeuta. Publicado na revista PSICO-USF, v.5, n.2, PP.83-98. Recuperado em 08 de maio de 2011. De:

Galli, L.M.P. (2008). Psicopatologia Fenomenológica. Porto Alegre, RS: Gestalt-Centro. Recuperado em 20 de maio de 2011. De: http://www.igestalt.psc.br/gestalt_3.pdf.

Isaacs, (1998) A. Saúde mental e enfermagem psiquiátrica. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Kooga.

Kaplan, B. & Sadock, V. (2007) Compêndio de Psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 9.ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

Lemos P. M. & Junior, F. S. C. (2009). Psicologia de orientação positiva: uma proposta de

intervenção no trabalho com grupos em saúde mental. Ciênc. saúde coletiva vol. 14 no. 1 Rio

de:

de Janeiro. Recuperado em 03

de

maio

de

2011.

Rogers, C. R. (1997). Tornar-se Pessoa, 4.ª edição, trad. M. J. Carmo Ferreira, Morais Editores, Lisboa.

Romero, E. (1997). O Inquilino do Imaginário: Formas de Alienação e Psicopatologia, São Paulo: Lemos Editoral.

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL 49 (2004). O Inquilino do Imaginário: Formas

A ESQUIZOFRENIA SOB A ÓTICA HUMANISTA E EXISTENCIAL

49

(2004). O Inquilino do Imaginário: Formas Malogradas de Existência. São Paulo: Della Bídia. Silva, R.C.B. (2006). Esquizofrenia: uma revisão Psicol. USP v.17 n.4 São Paulo. Recuperado em 20 de abril de 2011. de:http://www.scielo.br/pdf/pusp/v17n4/v17n4a14.pdf.

Tenório,

C.

M.

D.

(2009).

A

psicopatologia

e

o

diagnóstico

numa

abordagem

fenomenológicaexistencial. Universitas Ciências da Saúde -

vol.01 n.01

-

pp.

31-44.

Recuperado

em

10

de

maio

de

2011.

De:

Verzola, I. C. (2010). O Conhecimento de Profissionais de Saúde que atuam em Hospital Geral acerca da esquizofrenia. UNISul, Santa Catarina. Recuperado em 30 de abril de 2011. de:

Revista Comunicar Psicologia, 2012, Lúcia Maria de Matos Viana