Você está na página 1de 26

M. B., B. L., A. N.

O Adamastor
Ppt de apoio a apresentação oral
Ler:
Canto V, estrofe 37
Momentos
Introdução:
Preparação do ambiente para o aparecimento do Gigante (37-38)
Depois de cinco dias de bom tempo, os navegadores estão “descuidados”.
Entretanto aparece uma nuvem negra "tão temerosa vinha e carregada" que põe
os navegadores com tanto medo que leva Vasco da Gama a apelar a Deus.

Desenvolvimento:
Visão do Gigante: Retrato físico e psicológico(39-40)
Este episodio caracteriza o monstro. A caracterização é feita através da
adjectivação abundante. Mostra a imponência do monstro e o terror de Vasco da
Gama e dos seus companheiros.
Momentos
Discurso do Gigante: (41-48)
O discurso, que é feito num tom de voz horrendo e grosso, anuncia os castigos que esperam
para aquela "gente ousada“. Começa por caracterizar os portugueses com ousados e
atrevidos, revelando-se irritado pelo o atrevimento em cruzar os seus mares. Por isso, o
Adamastor promete castigos (profecias) que ira aplicar a quem passar: tempestades e perigos
de toda a sorte – “que o menor mal fosse a morte” naufrágio de Bartolomeu Dias; D. Francisco
de Almeida e da família Sepúlveda.

Interpelação do Gama (49)


Tocado com as profecias, Vasco da
Gama pergunta ao monstro sobre a sua
identidade. E isso provoca no monstro uma
mudança de estado de espírito, pois recorda-se
da sua trágica aventura amorosa.
Momentos
Desenvolvimento:
Confissão pelo Gigante sobre o seu passado amoroso (50-59)
Na segunda parte do discurso do Gigante, o assunto é a sua história de vida.
o O “Cabo Tormentório” que acaba a costa de África.
o Filho da Terra (Gea)
o Lutou contra Júpiter e Neptuno
o Apaixonado por Tétis desde o momento em que a viu.
o Como era impossível conquistá-la, decidiu “tomá-la por armas”.
o Mãe de Tétis, Dóris, fala-lhe do Gigante, mas a ninfa repudia esse amor, mas pensa em
manipular o Gigante para evitar a guerra.
o Em troca de Tétis, o Gigante desiste da Guerra e certa noite pensa que ela está a vir ter
com ele.
o Mas afinal, quem ele encontra realmente é um monte.
o Entretanto ele afasta-se para não ser ridicularizado, pois
chorava muito.
o Em suma, os Deuses castigaram-no transformando-o
num cabo que é banhado pelas águas que são Tétis.
Momentos
Conclusão:
Desaparecimento do Gigante (60)
De repente, o Adamastor desapareceu muito choroso por
recordar o seu passado triste, levando consigo a nuvem
negra. Vasco da Gama pede a Deus que remova "os duros
casos que Adamastor contou futuros“.
Estrutura Externa
• O Adamastor está no Canto V. Estrofes 37-60
Estrutura Interna
Parte: Narração
Plano: plano da Viagem do Vasco da
Gama
Categoria: Simbólico - O Adamastor
simboliza o Cabo das Tormentas e todos
os perigos e obstáculos enfrentados
pelos navegadores.
Narrador/Narratário
• Narrador: Vasco da Gama narra a sua história
na primeira pessoa (narrador participante e
subjectivo) – “Arrepiam-se as carnes e o cabelo/
A mim e todos…”
• Narratário: Rei de Melinde
Informações Históricas Relevantes
Camões, ao longo deste episódio, usa a sua imensa sabedoria
histórica sobre:

Viagem de Pedro Alvares Cabral (ex. “a primeira armada que…” estrofe 43)
, fala de naufrágios contados na «História Trágica–Marítima» (ex.
“Naufrágios, perdições…” estrofe 44) e menciona a viagem de Bartolomeu
Dias ao Cabo das Tormentas (ex. “aquele cabo” estrofe 50).

D. Francisco de Almeida (vice-rei da India que morreu no regresso a


Portugal num naufrágio) quando escreve: “E do primeiro Ilustre, que a
ventura…” (estrofe 45)

Manuel de Sousa Sepúlveda (um homem ilustre que também morreu


naufragado no regresso da India a Portugal) quando redige: “Outro também
virá, de honrada fama…” (estrofe 45).
Caracterização das Personagens
Adamastor é um titã, medonho, disforme e
carrancudo e ameaçador.Tinha uma barba imunda e
bastante danificada, cabelos secos e maltratados e quando
surge, surge diante de uma nuvem imensa. (ex. «Arrepiam-se as
carnes e o cabelo/ A mi e a todos só de ouvi-lo e vê-lo»)
Também se revela bastante emotivo ao recordo o
seu drama amoroso.
Foi-se embora depois de admitir que amava Tétis e que foi castigado por
tal, (ex. “Cego de amor abandonei a guerra e uma noite, Tétis, vem, toda
nua, ao meu encontro. Corri, abracei-a e cobri-a de beijos, mas era
apenas uma ilusão, um engano, e de repente dei por mim abraçado a um
monte, e eu próprio transformado em monte e rocha, e, sendo eu tão
grande, formou-se este Cabo.”)
Caracterização das Personagens
Vasco da Gama, no início, revela-se
amedrontado e diz “arrepiam-se as carnes e o
cabelo/ a mi e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo”.
Gama prova ser destemido e curioso, ao
perguntar-lhe “Quem és tu?”.
Além do mais, Vasco da Gama é
crente, “Eu, levantando as mãos ao santo coro/
Dos Anjos […]/ A Deus pedi que removesse os
duros casos”.
Espaço e Tempo
Tempo:
Vasco da Gama está a contar a história do Adamastor ao Rei
de Melinde (No tempo do discurso utiliza analepse).
O tempo no episódio é cronológico desde a altura que o
Adamastor entra numa nuvem de agua até que ele se vai.
Espaço:
A acção decorre quando os
navegadores se encontram a meio da
sua viagem (a passar pelo Cabo das
Tormentas). Eles estão no vasto
oceano e Camões faz questão
de isto destacar.
O que representa o episódio?
• Geograficamente representa o Cabo da Boa
Esperança
• Simbolicamente, O Adamastor representa a
vitória sobre o medo do desconhecido e todos
os obstáculos ou perigos enfrentados.
Recursos Expressivos
• Metonímia: “Porém, já cinco sóis eram passados” e “Da natureza e
do húmido elemento”
• Metáfora: “Serei eterna e nova sepultura”
• Anástrofe: “Prosperamente os ventos assoprando” (37), “Que hum
dos sete milagres foi do mundo“ (40)
• Anáfora: “Já néscio, já da guerra desistindo,”(55)
• Apóstrofe: “Ó Ninfa, a mais fermosa do Oceano,” (57)
• Eufemismo: “Ouve os danos de mi, que apercebidos” (42)
• Dupla adjectivação: “Tão temerosa vinha e carregada” (38), “Se
nos mostra no ar, robusta e válida” (39) e “Cum tom de voz nos fala,
horrendo e grossa” (40)
• Enumeração e gradação: “Ou fosse monte, nuvem, sonho ou
nada?” (57)
• Perífrase: “Contra o que vibra os raios de Vulcano.” (51) (=Júpiter)
Concluindo…
O episódio do Adamastor conta que as naus
portuguesas já navegavam à cinco dias, estavam perto do
Cabo das Tormentas quando um gigante monstro com
feições humanas surge do vasto oceano. Ele questiona a
ousadia dos portugueses e ameça-os, mas o valente
Vasco da Gama prova ser destemido ao perguntar quem o
gigante era. O gigante então profere a sua história trágica
da sua amada intocável, e às tantas emociona-se. O
gigante desaparece. É importante perceber o simbolismo
do episódio.
Actividade
1) A quem se dirige o Adamastor nas estrofes 41 – 48?
2) Como se sentem os navegadores quando vê o Adamastor?
3) Porque é que o Adamastor chorou?
4) O Adamastor lutou contra que deus?
5) O Gigante tão temido foi transformado em quê?
6) Em que canto se encontra o Adamastor? E por que é que é tão
importante?
7) Qual a categoria a que pertence o episódio do Adamastor?
8) O que representa o episódio do Adamastor?
9) Caracteriza fisicamente o Grande Adamastor:
– “Cheios de terra e crespos os cabelos.”
– “Fui dos filhos aspérrimos da terra.”
– “Foi capitão do mar, por onde andava…”
10) Quando e onde ocorre este episódio?
Bibliografia
• http://linguaportuguesa9ano.wordpress.com/200
9/11/27/resumo-%E2%80%9Co-gigante-
adamastor%E2%80%9D-os-lusiadas-canto-v-
estancias-37-6/
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Os_Lus%C3%ADada
s#O_Adamastor
• http://jorge-
almeida.blogspot.com/2007/03/resumo-de-
episdios-d-os-lusadas-adaptao.html
• http://trutas.no.sapo.pt/adamastor/index.htm
Leitura do Texto
Canto IV
Despedidas em Belém – Estofes 84 – 93
O Velho do Restelo – Estrofes 94 – 104
Estrofe 84:
o Localização da acção é no porto da ínclita Ulisseia (Belém, Lisboa)
o Preparação das naus
o Caracterização dos marinheiros
Estrofe 85:
o Descreve os vestuários dos navegadores
o Descrição das naus
o Naus prometem levar os marinheiros à imortalidade
Estrofe 86:
o Preparação espiritual dos marinheiros (oração e pedido de auxílio)
o Estão a preparar a alma para a morte
Estrofe 87:
o Os navegadores saem da igreja de Nossa Sra. de Belém, com muita
ansiedade.
Estrofe 88:
o Descrição da multidão no dia da partida, entre eles havia os parentes, os
amigos, e todos já estão tristes e com saudade.
o Vinham os navegadores com os religiosos, a rezarem.
Estrofe 89:
o O povo não acreditava no sucesso desta viagem, já que pensavam que
nunca mais, os iam ver. (Estavam “perdidos”)
o Homens, mães, esposas, e irmãs estavam tristes de “de já nos não
tornar a ver tão cedo”
Estrofe 90:
o Uma mãe, triste, amargurada tenta persuadir o filho a ficar, e não partir
na viagem. (chantagem psicológica)
Estrofe 91:
o Uma esposa, está muito triste ao ver que o seu esposo vai partir por
mares tão perigosos. A vida do esposo não é só dele, ele tem uma
responsabilidade pela vida dos dois.
o Ela está mais zangada que triste porque vai ficar desamparada e sozinha
enquanto o esposo vai navegar.
Estrofe 92:
o Está toda a gente a chorar e muito triste.
o Passa para um plano mais geral e hiperboliza-se as emoções – os
montes se emocionam.
Estrofe 93:
o Os navegadores estavam com a vista baixa porque não queriam olhar e
enfrentar a multidão a chorar para não ficarem ainda mais tristes
e, quem sabe, desistirem da viagem.
Estrofe figura de Estilo Exemplo

84 Perífrase “Porque a gente marítima e a de Marte”


86 Perífrase “ Que sempre as nautas ante os olhos anda/ Pera o sumo Poder, que a etérea Corte”
“Depois de aparelhados, desta sorte / aparelhámos a alma pera a morte”
85 Personificação e “Elas prometem, vendo os mares largos / De ser no Olimpo estrelas como a de Argos”
Comparação
87 Perífrase “Partimo-nos assi do santo templo / Que nas praias do mar está assentado” (Igreja)
“Que o nome tem da terra, pera exemplo / Donde Deus foi em carne ao mundo dado.”
87 Anáfora “ Que nas praias do mar está assentado,/ Que o nome tem da terra, pêra exemplo,”
87 Apóstrofe “ Certifico-me, ó Rei, que, se contemplo”
89 Enumeração “Mães, Esposas, Irmãs, que o temeroso”
90 Apóstrofe “ Qual vai dizendo: - “ó Filho, a quem eu tinha”
90 Dupla Adjectivação “ Que em choro acabará, penoso e amaro”
90 Anáfora “ Porque me deixas, mísera e mesquinha?/ Porque de mim te vás, ó filho caro”
91 Apóstrofe/ Dupla “ Qual em cabelo:” “ó doce e amado esposo”
Adjectivação
91 Aliteração e Pergunta “Quereis que com as velas leve o vento?”
Retórica
92 Personificação “A branca areia as lágrimas banhavam,/ Que em multidão co elas se igualavam.”
93 Sinédoque “A Mãe, nem a Esposa” Nomes singulares, a representarem o plural, porque estão a
representar a todas.
Leitura do Texto
Canto IV
Despedidas em Belém – Estofes 84 – 93
O Velho do Restelo – Estrofes 94 – 104