Você está na página 1de 4

Medicina Nuclear e Diagnóstico por Imagem

BIOMEDICINA
Radioterapia
Caso Clínico

Aluno: Debora Vidal RA:


Aluno: Francielly Souza da Silva RA: 21001146
Aluno: Natalia M Silva RA: 21038462
Aluno: William Jardim Silva RA: 20468159

Paciente de 75 anos é trazida ao pronto-socorro pelo filho. Ela mora em um lar para idosos e a família foi
chamada hoje pelo asilo porque a paciente apresentava tosse, falta de ar e dor no peito.
Identificação: Amália, 75 anos, viúva, do lar.
HMA: Paciente apresenta tosse e dispnéia aos pequenos esforços há 1 semana, que piorou muito hoje, quando
começou a sentir também dor no peito. A dor é forte, contínua, opressiva e espontânea, mais intensa do lado esquerdo
do tórax e sem irradiação. Nega expectoração ou febre. Nega outros sintomas.
Antecedentes pessoais: hipertensão arterial crônica leve, em uso de hidroclorotiazida. Osteoporose, em uso de cálcio
e alendronato. Nega diabetes, hipercolesterolemia, trombose, derrame ou infarto. Nega outros.
Antecedentes ginecológicos: 1 gestação, 1 parto normal há 55 anos atrás. Menopausa aos 55 anos, não usa reposição
hormonal. Sem vida sexual ativa. Não faz mamografia há 6 anos, desde que foi para o asilo, as anteriores foram
normais.
Antecedentes familiares: pai morreu de infarto aos 60 anos, mãe teve câncer do endométrio e a avó morreu de câncer
de ovário.

EXAME FÍSICO
Estado geral: descorada, sudorética, afebril.
PA: 90/50; FC: 100 bpm; FR: 30 rpm; Saturação periférica de O2: 91%
Mamas:
Inspeção: Mamas assimétricas, com a mama direita de características aparentemente normais, e mama esquerda
apresentando –se edemaciada, com a pele em peau d´orange e grande lesão ulcerada ocupando o quadrante superior
lateral da mama esquerda e estendendo-se até a região periareolar. Observa-se ainda lesão inflamatória na cauda
axilar.
Nesse momento a paciente é questionada sobre a presença da lesão e responde que foi uma “feridinha” que apareceu
depois que ela “caiu e bateu o seio uns 2 meses atrás”. Que ela achou que ia melhorar sozinho e estava “passando
pomada de arnica para sarar”, mas que não estava tendo melhora.

1
Profa. Priscila Ferreira
Medicina Nuclear e Diagnóstico por Imagem
BIOMEDICINA
Radioterapia
Caso Clínico

Palpação mamária: Presença de grande massa ocupando o quadrante superior lateral da mama esquerda, de
consistência pétrea, contornos irregulares, fixa aos planos superficiais e profundos.
Palpação axilar: palpam-se pequenos nódulos endurecidos e fixos em toda a região axilar
Expressão papilar: negativa

Tórax: bulhas cardíacas rítmicas e normofonéticas. Múrmurio vesicular muito diminuído no hemitórax esquerdo (HTE)
e normal no hemitórax direito. Macicez à percussão do HTE.
Frêmito tóraco-vocal diminuído no HTE.
Restante do exame físico sem anormalidades.

Exame de Mamografia atual


Nódulo

Nódulo

Raio-X de tórax

Derrame pleural

A paciente foi submetida a tratamento clínico para o derrame pleural e cirúrgico para remoção do nódulo linfonodos
acometidos – realizada a pesquisa de linfonodo sentinela. Após 4 semanas de cirurgia iniciou-se o tratamento
radioterápico para a paciente.

1. Conceitue Radioterapia: Tele e Braquiterapia.


R: Teleterapia (tele, do grego “á distância”) consiste no processo de radiografia realizada com a administração de
radiação vindo de uma fonte, colocada longe do paciente, conhecida como radiografia externa.
Braquiterapia (brachys, do grego “próximo”), realizada com uma fonte de radiação em contato direto com os tecidos
a serem irradiados.

2
Profa. Priscila Ferreira
Medicina Nuclear e Diagnóstico por Imagem
BIOMEDICINA
Radioterapia
Caso Clínico

Radioterapia é um tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células
proliferem. Estas radiações não são visíveis e são indolores. Cada pessoa reage de forma diferente ao tratamento,
podem ou não surgir efeitos colaterais comuns à radioterapia. Por isso, e necessário realização de consulta
semanalmente para acompanhamento e revisão do tratamento.

2. Relacione as diversas fontes usadas na radioterapia e os seus tipos de radiação gerada, energias e método de
aplicação. Esquematize a planta física baixa do local da radioterapia.

FONTE TIPO DE RADIAÇÃO ENERGIA MÉTODO DE APLICAÇÃO


Contatoterapia Raios X 10 - 60 kV Terapia superficial
Roentgenterapia Raios X (ortovoltagem) 100 - 300 kV Terapia semiprofunda
Unidade de cobalto Raios gama 1,25 MeV Teleterapia profunda
Acelerador linear Raios X de alta energia e 1,5 - 40 MeV Teleterapia profunda
elétrons
Isótopos radioativos Raios gama e/ou beta Varia conf. Braquiterapia
isótopo
utilizado

3. Explique como é realizado o planejamento terapêutico para o tratamento através da radioterapia.


R: o planejamento, primeiramente é importante obter imagens prévias da região de tratamento, essas imagens
podem ser obtidas através de um equipamento de simulação 2D, ou até mesmo em 3D, pela tomografia
computadorizada. Após a aquisição, essas imagens devem ser transferidas para um sistema de planejamento para
serem analisadas e com isso, o médico radioterapêuta poderá definir as áreas de foco para o tratamento, assim
como as áreas saudáveis que deverão ser protegidas. Com ás áreas definidas, será necessário agora a elaboração de
um plano de tratamento, respeitando a dose de prescrição na área de foco e também a restrição da dose nas áreas
saudáveis. O cálculo das doses pode ser realizado por sistemas complexos, visando chegar ao melhor resultado.

Por fim, com os resultados dos cálculos de dose, os mesmos devem ser conferidos pelo profissional
responsável e se estiverem em conformidade o paciente poderá ser convocado para o tratamento. É importante
lembrar que no tratamento o paciente deverá se posicionar da mesma forma em que esteve no processo de
obtenção de imagens prévias e durante o tratamento, o paciente deverá ser supervisionado para garantir que o
mesmo continue nesta posição

4. Explique como é realizado o processo de radioterapia externa. Liste EPIs necessários para a equipe multidisciplinar.
R: Neste procedimento é realizado a irradiação de um determinado alvo (tumor) através de um feixe de radiação
externa (de longa distância), podendo ser raios X ou de elétrons de alta energia produzidos por um acelerador linear.
A maioria das pessoas que realizam radioterapia recebem essa modalidade de tratamento.
Dentre os EPIs estão o avental, óculos ou viseiras, máscaras, sapatos específicos para proteção mecânica e química
luvas de proteção tipo leve ou pesadas

5. Baseado na literatura explique a indicação da radioterapia para essa paciente.


R: A paciente em questão foi submetida a cirurgia para retirada do nódulo linfonodo acometido, o tratamento baseado
em radioterapia no pós operatório, garante a retirada de qualquer célula maligna, pois as células malignas são mais
suscetíveis que as células normais ao tratamento de radioterapia, além de ser um tratamento indolor.

7. Consequências durante e após o tratamento radioterápico (efeitos adversos da radioterapia).

3
Profa. Priscila Ferreira
Medicina Nuclear e Diagnóstico por Imagem
BIOMEDICINA
Radioterapia
Caso Clínico

R: Os efeitos colaterais do tratamento radioterápico são: feridas na boca, queimaduras na pele, diarreia, dor para
urinar, boca seca.

8. Defina linfonodo sentinela.


R: ”Linfonodo sentinela é o primeiro linfonodo que recebe a drenagem linfática proveniente do câncer de mama , a
sua detecção tem a finalidade de predizer o estado da axila e evitar o esvaziamento axilar nos pacientes sem
comprometimento metastático.” Linfonodo sentinela: um novo conceito no tratamento cirúrgico do câncer de mama/ Cícero de Andrade UrbanI;
Rubens Silveira de LimaI; Eduardo Schünemann JúniorI; Calixto Antônio Hakim Neto, TCBC-PRII; Airton YamadaIII; Luiz Fernando Bleggi-TorresIV

9. Como é realizado este exame e explique a indicação para a paciente.


R: Após a verificação do linfonodo sentinela, e ressecção, se o exame histopatológico revelar que o LS não foi
acometido por metástase, então serão poucas possibilidades de existirem metástases em outros linfonodos auxiliares,
localizados distalmente, e que o tumor esteja confinado a seu leito primário, porém a presença de metástase para LS
é um bom indicador da necessidade do esvaziamento axilar e um marcador de doença mais avançada. Portanto os
fatores mais importantes para o tratamento do câncer de mama é a presença ou ausência de metástase nos
linfonodos.
Segundo o instituto oncoguia, o procedimento para BLS (biópsia do linfonodo sentinela) é uma técnica que permite
um estadiamento linfonodal mais acurado, é injetado na mama da paciente um fármaco marcado com material
radioativo, a cirurgia realizada após em algumas horas da injeção é acompanhada por médicos da medicina nuclear,
que com um detector de radiação especial localizam o primeiro linfonodo comprometido, após a retirada do linfonodo
o mesmo é encaminhado para a equipe de patologia para congelamento e análise.

10. Quais as orientações que devem ser dadas a paciente se necessário para a realização do exame linfonodo
sentinela.
R: As orientações gerais são:
- Mulheres grávidas, com suspeita de gravidez ou amamentando não poderão realizar o exame
- Para realizar o exame não é necessário estar em jejum
- Caso seja urgente realiar o exame em mulheres que estão amamentando elas devem interromper o aleitamento no
dia do exame e só voltar á pratica 2 dias depois.
- Não será necessário suspender medicamentos antes da realização do exame
- Se possível trazer laudos de exames realizados previamente e que sejam de interesse (ultrassonografia, mamografia,
ressonância magnética).
- Sem uso de peças que contenham partes metálicas (botões, fivelas, zíperes), não utilizar pulseiras, brincos ou peças
que podem interferir nas imagens.

4
Profa. Priscila Ferreira