Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO
DEPARTAMENTO DE TEORIAS E FUNDAMENTOS

Disciplina: História da Educação Brasileira – Código 191361


Ano Letivo: 2019/01
Carga Horária: 60h/a
Professor: Dr. Juarez José Tuchinski dos Anjos – juarezdosanjos@yahoo.com.br
Turma: A – Segundas-feiras – 08h -11h40

1 – Ementa

Abordagem da trajetória histórica para oferecer aos estudantes orientação teórico-metodológica e conhecimentos necessários à
construção de uma compreensão crítica e reflexiva da História da Educação Brasileira, que será estudada a partir dos seguintes
temas: Historiografia da Educação Brasileira; Processo de ensino e aprendizagem nas sociedades ágrafas; processo de ensino e
aprendizagem no Brasil Colonial; as reformas educacionais no período imperial; a educação no período republicano.

2 – Objetivos
- Compreender o processo histórico de constituição da escola pública em diferentes momentos da história brasileira, com suas
rupturas e continuidades;
- Evidenciar, em perspectiva histórica, os diferentes sujeitos da história da educação brasileira: mulheres, crianças, negros e
imigrantes, dentre outros.

3 – Metodologia

- Aulas expositivas dialogadas;


- Leitura e discussão de textos historiográficos;
- Aula de campo;
- Debates em sala de aula;

4 – Avaliação e orientações gerais

- Avaliação 1: prova individual sem consulta (4,0)


- Avaliação 2: prova individual sem consulta (4,0)
- Relatório aula de campo, em trios (2,0).
- Frequência mínima exigida para a aprovação: 75%.
- Lembrete 1: o cálculo da frequência é feito por hora aula. No caso desta disciplina, cada dia de aula (das 8h às 11h40) equivale a
4 h/a, totalizando, em 15 semanas, a carga total de 60h/a. Portanto, o limite de 25% de faltas equivale a faltar, no máximo, 3 dias
e meio de aula, no caso desta disciplina e respectiva carga horária.
- Lembrete 2: serão realizadas duas chamadas orais em cada dia de aula, a primeira relativa às duas primeiras horas aula e a
segunda às duas últimas. Eventuais retificações por não ter ouvido a chamada, ter se atrasado em decorrência do transporte
público, saída do trabalho ou ausência momentânea da sala só serão feitas no mesmo dia de aula, desde que a/o discente procure o
professor ao final da aula. Não serão feitas retificações posteriores.
- Durantes as aulas, favor deixar os aparelhos celulares guardados dentro das bolsas/mochilas. É expressamente proibido gravar,
filmar ou fotografar as aulas. Os slides podem ser disponibilizados, mediante solicitação e respeitando direitos autorais.
- Em relação aos textos, a disciplina é conduzida com uma leitura obrigatória para cada unidade, disponibilizada em drive a ser
indicado no grupo de whatsapp da turma. A bibliografia complementar será apenas indicada para consulta física, se houver
interesse, na biblioteca da UnB.
- Em relação às datas de realização das provas: só poderão ser realizadas nos dias estabelecidos. O mesmo vale para entrega do
relatório da aula de campo. Não serão recebidos relatórios em escaninho ou via email. Somente impressos e em mãos.

5 – Programa, cronograma, bibliografia e datas das avaliações

UNIDADE 1
INTRODUÇÃO À HISTÓRIA E À HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

Leitura obrigatória da Unidade 1:


LOPES, Eliane Marta Santos; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. História da educação: uma disciplina, um campo de pesquisas.
In: Território Plural: a pesquisa em História da Educação. São Paulo: Ática, 2010, p. 21-42.
18/03– AULA 1 – Introdução à disciplina e apresentação do plano de Ensino (4h/a)

25/03 – AULA 2 - Concepções de História e História da Educação (4h/a)

Bibliografia
BLOCH, Marc. A Apologia da História ou O Ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.
CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A historiografia da educação no Brasil: tradições historiográficas e reconfiguração de um
campo de pesquisa. In: A escola e a República e outros ensaios. Bragança Paulista: EDUSF, 2003, p. 281-312.
FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VIDAL, Diana Gonçalves. As lentes da História: estudos de história e historiografia da
educação no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2005.
HOBSBAWM, Eric J. Sobre a História. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
LOPES, Eliane Marta Santos; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Território Plural: a pesquisa em história da educação. São
Paulo: Ática, 2010.
THOMPSON, Edward Palmer. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Curitiba: Copyflex, 2009.

UNIDADE 2
A EDUCAÇÃO NO BRASIL COLÔNIA ou AMÉRICA PORTUGUESA (SÉCULOS XVI a XVIII)

Leitura obrigatória da Unidade 2:


FONSECA, Thaís Nívea. Historiografia da educação na América Portuguesa: balanço e perspectivas. Revista Lusófona de
Educação. Lisboa, n. 14, p. 111-124, 2009.

01/04 – AULA 3 - A atuação da Companhia de Jesus na educação colonial brasileira (4h/a)

Bibliografia
ARNAUT DE TOLEDO, Cezar Alencar. Razão de estudos e razão política: um estudo sobre a Ratio Studiorum. In: ARNAUT DE
TOLEDO, Cezar Alencar et al (orgs.). Origens da educação escolar no Brasil Colonial. Vol. II. Maringá: EDUEM, 2013, p. 15-
30.
BITTAR, Marisa; FERREIRA JR, Amaurílio. A gênese das instituições escolares no Brasil: os jesuítas e as casas de be-a-bá no
século XVI. Acervo. Rio de Janeiro, v. 18, n. 1-2, p. 35-54, 2005.
HILSDORF, Maria Lúcia S.; CUSTÓDIO, Maria Aparecida. O colégio dos jesuítas de São Paulo (que não era colégio nem se
chamava São Paulo). Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n. 32, p. 169-180, 1995.
SILVA, Luiz Antonio Gonçalves da. As bibliotecas dos jesuítas: uma visão a partir da obra de Serafim Leite. Perspectivas em
Ciências da Informação.Vol 12, n. 2, p. 219-237, maio-agosto 2008.
VAINFAS, Ronaldo. Exércitos de Cristo. In: FIGUEIREDO, Luciano. (org.). História do Brasil para ocupados. Rio de Janeiro:
Casa da Palavra, 2013.
VILALTA, Luiz Carlos. A educação na colônia e os jesuítas: discutindo alguns mitos. In: PRADO, Maria Lígia; VIDAL, Diana
Gonçalves (orgs.). À margem dos 500 anos: reflexões irreverentes. São Paulo: Edusp, 2002, p.171-184.

08/04 – AULA 4 - A IlustraçãoPortuguesa e as reformas pombalinas da instrução pública no século XVIII (4h/a)

Bibliografia
BOTTO, Carlota. A dimensão iluminista da reforma pombalina dos estudos: das primeiras letras à Universidade. Revista
Brasileira de Educação. Campinas, v. 16, n. 44, mai-ago, 2010.
FALCON, Francisco José Calázans; RODRIGUES, Antonio Edimilson. A formação do mundo moderno. Rio de Janeiro:
Esselvier, 2006.
FERNANDES, Rogério. Sobre a escola elementar no período pré-pombalino. In: FELGUEIRAS, Margarida Louro; MENEZES,
Maria Cristina. (orgs.). Rogério Fernandes: questionar a sociedade, entregar a História, (re)pensar a educação. Porto: UP, 2004,
p. 599-612.
FONSECA, Thais Nívia. Civilizar e educar os súditos na América Portuguesa: reformas, impactos, cotidiano. In: Letras, ofícios e
bons costumes: civilidade, ordem e sociabilidades na América Portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
MAXWEL, Keneth. Marquês de Pombal: Paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
NEVES, Guilherme Pereira. Ilustração. In: VAINFAS, Ronaldo. (org.). Dicionário do Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Objetiva,
2000, p. 296-299.

15/04 – AULA 5 – A educação feminina no Brasil Colônia: os conventos e recolhimentos (4h/a)

Bibliografia
ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas, mulheres da colônia (estudo sobre a condição feminina através de conventos e
recolhimentos da Colônia) 1750-1822. (Doutorado em História Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.
LOPES, Eliane Marta Santos Teixeira. Conselhos de Bárbara Heliodora. In: ____ et al (orgs.). 500 anos de Educação no Brasil.
Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p. 253-268.
LOURO, Guacira Lopes. Uma leitura da história da educação sob a perspectiva do gênero. Projeto História. São Paulo, n. 11, p.
31-46, 1994.
RAMINELLI, Ronald. Eva Tupinambá. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto,
2004.
RIBEIRO, Arilda Inês Miranda. Mulheres educadas na colônia. In: LOPES, Eliane Marta Santos et al. (orgs.). 500 anos de
educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p.79-94.

22/04 - AULA 6 – PRIMEIRA AVALIAÇÃO – 4,0

UNIDADE 3
A EDUCAÇÃO ESCOLARIZADA NO BRASIL IMPERIAL (1822-1889)

Leitura obrigatória da Unidade 3


GOUVEA, Maria Cristina Soares de. A escolarização da criança brasileira no século XIX: apontamentos para uma reescrita.
Educação em Questão. Natal, v. 28, n. 14, p.121-146, jan.-jun. 2007.

29/04 - AULA 7 - A produção da escola pública primária no Império: organização, métodos, materiais e sujeitos (4h/a)

Bibliografia
BASTOS, Maria Helena Câmara; FARIA FILHO, Luciano Mendes de. A escola elementar no século XIX: o método monitorial
mútuo. Passo Fundo: UPF, 1998.
FARIA FILHO, Luciano Mendes de et al. Escola, Política, Cultura. Belo Horizonte: Argumentum, 2006.
GONDRA, José Gonçalves; SCHNEIDER, Omar. (orgs.). Educação e instrução nas Províncias e na Corte Imperial. Vitória:
Edufes, 2011.
VIDAL, Diana Gonçalves; SILVA, Vera Lúcia Gaspar da; SÁ, Elizabeth. (orgs.). A obrigatoriedade escolar no Brasil. Cuiabá:
EDUFMT, 2013.
VIDAL, Diana Gonçalves; SOUZA, Maria Cecília C. C. (orgs.). A memória e a sombra: a escola brasileira entre o Império e a
República. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

06/05 – AULA 8 - Os negros escravizados e a escolarização no Brasil Império (4h/a)

Bibliografia
ANJOS, Juarez José T. dos. “Não há salvamento fora da instrução”: atitudes e comportamentos em torno da escolarização
compulsória dos ingênuos no Paraná Provincial (década de 1880). In: FONSECA, Marcus Vinícius; BARROS, Surya A. Pombo
de. (orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.247-270.
BARROS, Surya Pombo de. Escravos, libertos, filhos de africanos livres, não livres, pretos, ingênuos: negros nas legislações
educacionais do XIX. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 42, n. 3, p. 591-605, jul/set 2016.
CRUZ, Mariléia dos Santos. Escravos, forros e ingênuos em processos educacionais e civilizatórios na sociedade escravista do
Maranhã no século XIX. In: FONSECA, Marcus Vinícius; BARROS, Surya A. Pombo de. (orgs.). A história da educação dos
negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p. 163-190.
MORAIS, Christianni Cardoso. Ler e escrever: habilidades de escravos e forros? In: FONSECA, Marcus Vinícius; BARROS,
Surya A. Pombo de. (orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p. 95-116.
NOGUEIRA, Vera Lúcia (org.). População negra, escravismo e educação no Brasil. Belo Horizonte: Mazza, 2015.
SOUSA, Ione Celeste Jesus de. Padres educadores, abolicionismo e instrução pública na Bahia, 1878-1884. In: FONSECA,
Marcus Vinícius; BARROS, Surya A. Pombo de. (orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016, p.
217-246.

UNIDADE 4
A EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA REPÚBLICA (1889-1930)

Leitura obrigatória da Unidade 4


SCHUELLER, Alessandra Frota Martinez; MAGALDI, Ana Maria Bandeira de Melo. Educação escolar na Primeira República:
memória, história e perspectivas de pesquisa. Tempo. Rio de Janeiro, v. 13, n. 26, p. 32-55, 2009.

13/05 – AULA 9 – A implantação da escola primária graduada: os grupos escolares (4h/a)

Bibliografia
CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989.
GOUVÊA, Maria Cristina Soares de; SCHUELLER, Alessandra Frota Martinez. Condições de instrução da infância: entre
universalização e desigualdade. In: ARAÚJO, José Carlos et al. (orgs.) Escola Primária na Primeira República 1889-1930.
Araraquara: Junqueira e Marin, 2012.
SOUZA, Rosa Fátima. Templos da civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910).
São Paulo: Edunesp, 1998.
SOUZA, Rosa Fátima. Lições da escola primária. In: SAVIANI, Dermeval et al. O legado educacional do século XX no Brasil.
Campinas: Autores Associados, 2004, p. 109-162.
VIDAL, Diana Gonçalves (org.). Grupos escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971).
Campinas: Mercado das Letras, 2006.

20/05 – AULA 10 – Do Debate Educacional dos anos 20 ao Manifesto pela Escola Nova (4h/a)

Bibliografia básica
BRANDÃO, Zaia. A intelligentsia educacional: um percurso com Paschoal Lemme por entre as memórias e as histórias da
escola nova no Brasil. Bragança Paulista: EDUFES, 2002.
CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Molde escolar e fôrma cívica. Bragança Paulista: EDUSF, 1998.
CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Notas para a reavaliação do movimento educacional brasileiro (1920-1930). Cadernos de
Pesquisa. São Paulo, n. 66, p. 4-11, agosto 1988.
VIDAL, Diana Gonçalves. 80 anos do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova: questões para o debate. Educação e Pesquisa.
São Paulo, v.39, n. 3, p. 577-588, jul-set 2013.
XAVIER, Libânia Nacif. Para além do campo educacional. Um estudo sobre o manifesto dos pioneiros da educação nova.
Bragança Paulista: EDUFES, 2002.

27/05 – AULA 11 – SEGUNDA AVALIAÇÃO – (4,0)

UNIDADE 5
A EDUCAÇÃO DA ERA VARGAS À DITADURA CIVIL MILITAR (1930-1984)

Leitura obrigatória Unidade 5


BITTAR, Marisa; BITTAR, Mariluce. História da educação no Brasil: a escola pública no processo de democratização da
sociedade. Acta Scientiarum. Maringá, v. 34, n. 2, p. 157-168, jul.-dez. 2012.

03/06– AULA 12 – Aeducação na Era Vargas (1930-1945):centralismo, autoritarismoe nacionalismo. (4h/a)

Bibliografia
FREITAS, Marcos Cezar; BICCAS, Maurilane. História social da educação no Brasil (1926-1996). São Paulo: Cortez, 2009.
HORTA, José Silvério Baía. O Hino, o Sermão e a Ordem do Dia. Campinas: Autores Associados, 2012.
MONARCHA, Carlos. Notas sobre a educação nacional na “Era Getulina”. História da Educação. Pelotas, n. 6, p. 57-68,
out.1999.
MUNAKATA, Kazumi. Como o ar que se respira: uma resenha de algumas ideias que se disseminavam pelo Brasil nos anos 30.
Horizontes. Bragança Paulista, n. 14, p.187-213, 1996.
SCHWARTZMAN, Simon; BOMENY, Helena; COSTA, Vanda Maria. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
2000.

10/06 – AULA 13 – A escolarização no DF: a história da educação em Brasília (1960-1970)

Bibliografia
BRZEZINSKI, Iria. Faculdade de Educação da UnB: da utopia ao projeto real. Cadernos Linhas Críticas. Brasília, v. 3., n. 3-4,
1997, p. 31-47.
PEREIRA, Eva Waisros (org.). Nas asas de Brasília: memórias de uma utopia educativa (1956-1964). Brasília: Editora da
UnB, 2011.
RIBEIRO, Darcy. Plano orientador da Universidade de Brasília. Brasília: Editora da UnB, 1962.
SOUZA, Francisco Heitor de Magalhães. CASEB e Elefante Branco: experimentalismo e inovação no ensino médio. In:
TEIXEIRA, Anísio. Plano de construções escolares de Brasília. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v.
35, n. 81, jan-mar 1961, p. 195-199.

17/06 – AULA 14 – Aula de Campo: visita ao Museu da Educação do DF

24/06 – AULA 15 – Encerramento da Disciplina – ENTREGA RELATÓRIOS AULA DE CAMPO (2,0)