Você está na página 1de 26

NUTRIÇÃO ENTERAL

MAPA DECISÓRIO

Inadequada ?
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

• POLIMÉRICA:

 Capacidade de digestão / absorção máxima;


 Osmolaridade: baixa;
 Custo: baixo.

• OLIGOMÉRICA:

 Capacidade de digestão / absorção comprometida;


 Osmolaridade: regular;
 Custo: intermediário.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

• MONOMÉRICA:

 Capacidade de digestão / absorção mínima;


 Osmolaridade: alta;
 Custo: alto;
 via de acesso pré-pilórica: intestino delgado não suporta hiper
osmolaridade. Devem ser administradas em bombas de infusão e
em posição gástrica.
 Indicações: disfunções biliopancretáticas, S.I.C, DII, pós
operatório precoce.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

DEFINIÇÃO DO VOLUME HÍDRICO

• VH = VET / DC (densidade calórica)

• Alimentação Intermitente: a administração da dieta deve ser


iniciada com um volume baixo (60 ml a 100 ml) até atingir a
concentração total diária, dividindo-se o volume total por 6 a 8
infusões (a cada 3 ou 4 horas, por exemplo), dependendo da
aceitação e necessidade do paciente.

• Infusão Contínua: deve-se administrar inicialmente a dieta na


concentração total, começando com 10 ml/hora a 40 ml/hora,
com aumentos de 10 ml a 20 ml a cada 8 a 12 horas, conforme
tolerância do paciente.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Caso clínico 01
M.T.B.H., 48 anos trabalha com relações públicas, 1,74m², 60 kg, sexo masculino,
refere intensa astenia, anorexia e emagrecimento de 9kg em dois meses. Apresenta
curva de tolerância a glicose semelhante a diabético.

O paciente foi diagnosticado com câncer do corpo e da cauda do pâncreas.


Submetido a ressecção parcial do pâncreas.

Exames laboratoriais:
- HG= 10,1 mg/dl
- HTO= 27%
- Albumina = 2,3 mg/dl
- Leucócitos = 13.000 células / m³
- Nitrogênio Urico Urinário = 15g/dl
- Linfócitos = 20%
- Dados: GEB = GEB X FA
GEB = 66,47 + 13,75 (PA) = 5,0 X (H² em cm) – (6,76 X IDADE)
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

Função exócrina: produção do suco pancreático;


Função Endócrina: produção dos hormônios (insulina e glucagon)
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

Suco pancreático:

Produzido pelo pâncreas e lançado no duodeno.


As principais enzimas são:

-Tripsina: transforma peptídeos em aa;


-Amilase pancreática: transforma amido em
maltose;
- Lipase pancreática: transforma lipídios em AG
e glicerol.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

Albumina :
A hipoalbuminemia (albumina baixa) ocorre em
muitas doenças e tem como causa diversos fatores:
• Diminuição da síntese resultado de uma doença hepática ou da
diminuição de ingestão de proteínas;
• Aumento do catabolismo devido a lesões tissulares (queimaduras
graves) ou inflamação;
• Má absorção de aminoácidos (doença de Crohn);
• Proteinúria em consequência de síndrome nefrótica;
• Perda de proteínas através das fezes (doença neoplásica).

Na hipoalbuminemia há uma baixa da pressão oncótica do


sangue com consequente saída de água dos capilares sanguíneos
para os tecidos e formação de edemas.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

Albumina :

É a pressão osmótica gerada


pelas proteínas no plasma
sanguíneo, especialmente
pela albumina e pelas
globulinas.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

1) Identificação do EN do paciente (diagnóstico


nutricional)
- IMC
- PT
- %PP
- %PU
- Exames laboratoriais
- Emitir o diagnóstico nutricional conclusivo

2) Caracterização do suporte:
- Via de acesso;
- Método de administração
- Fórmula nutritiva (polimérica/oligomérica/monomérica)
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

http://professor.pucgoias.edu.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/14052/material/Apostila%20Avalia%C3%A7%C3%
A3o%20Nutricional.pdf
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

Diagnóstico Nutricional
1- Sintomas e exames
laboratoriais
2 - Patologia diagnosticada (se
houver)
3- RISCO NUTRICIONAL.

Diagnóstico Nutricional Conclusivo

Paciente apresentando anorexia, astenia e emagrecimento. Os exames


bioquímicos demonstram anemia, hipoalbuminemia e leucocitose com câncer
de corpo e cauda do pâncreas em risco nutricional.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

2) Caracterização do suporte:

- Via de acesso;
- Método de administração
- Fórmula nutritiva (polimérica/oligomérica/monomérica)
- Prescrição dietética com distribuição dos macronutrientes e Volume
Hídrico (VH)

Indicação do suporte:

O suporte nutricional é indicado porque o paciente encontra-se


no processo do pós operatório e em risco nutricional. Opta-se por
suporte Enteral tendo em vista o paciente não poder alimentar-se
em quantidade suficiente para suas demandas nutricionais diárias e
apresentar o TGI funcionante.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho

2) Caracterização do suporte:
- Via de acesso:
(pós-pilórica) JEJUNOSTOMIA
Levando-se em conta o tempo necessário para a utilização do suporte ser
maior que 6 semanas (ressecção pancreática). Nesse caso encontra-se
comprometida sua função digestiva/absortiva.

- Método de administração:
(Contínua).
Porque o intestino não tolera grandes volumes e o paciente encontra-se
hospitalizado.

- Fórmula Nutritiva:
(Oligomérica)
porque o intestino não tolera dieta hiperosmolares (monomérica) e a dieta
polimérica iria exigir plena função digestiva/absortiva.
Dietas Oligoméricas: hidrólise enzimática das proteínas, osmolaridade mais
baixa que a polimérica, digestão facilitada, absorção intestinal alta.
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho
Terapia de Nutrição Enteral e Parenteral Prof. Msc. Mônica Cartonilho