Você está na página 1de 4

1

1. Introdução

No meio em geral, a grande maioria dos microrganismos são encontrados vivendo


em comunidades, ou seja, diversas populações interagindo umas com as outras, de
modo que uma amostra é composta por uma grande diversidade de
microrganismos. Existe uma variedade de técnicas através das quais as diferentes
espécies podem ser isoladas e desenvolvidas em cultura pura que representa uma
condição artificial para o crescimento das bactérias e de outros microrganismos,
impostas pelas manipulações. [1]

Uma das principais e mais significativas é a técnica de esgotamento por estrias.


Ressaltando que para conseguir uma cultura pura basta transferir uma dessas
colônias para um novo meio de cultura esterilizado. Nessa técnica, uma alça de
inoculação estéril é mergulhada dentro de uma cultura mista, que contém mais de
um tipo de microrganismo, e é semeada em estrias na superfície de um meio
nutritivo. Ao longo da estria, as bactérias são depositadas quando a alça entra em
contato com o meio. As últimas células depositadas na alça são afastadas
encontrando assim em menor quantidade o suficiente para crescerem colônias
isoladas. Essas colônias podem ser repicadas com uma alça de inoculação e
transferidas para um tubo de ensaio com meio nutritivo para a obtenção de uma
cultura pura contendo somente um tipo de bactéria.[2]

Essa técnica visa diminuir a população microbiana facilitando assim o seu


isolamento. O espalhamento do material analisado gera a distribuição das células
que estarão localizadas distantes umas das outras. Estas células estarão distantes o
suficiente para produzir colônias que não entrarão em contato com umas com as
outas de modo que, a colônia que se formar a partir de uma célula possuirá alto grau
de semelhança genética.[2]

O objetivo dessa prática é utilizar a técnica de esgotamento para a obtenção de


culturas puras e treinar técnicas de assepsia utilizadas no laboratório de
microbiologia.
2. Metodologia

2.1. Materiais

- Alças de platina, pipetadores e ponteiras estéreis.


- Meio de cultura previamente preparados.
- Equipamento: bico de Bunsen.

2.2. Reagentes
- Ágar PCA(Ágar de contagem padrão)

-Caldo Lts (Lauril Sulfato triptose)

2.3. EPI’S
Luvas térmicas, jaleco e óculos de segurança.

2.4. Procedimento
a) Isolamento de microrganismo em culturas puras: Escherichia coli
- Flambou-e a alça na chama do Bico de Bunsen, iniciando-se pela base da haste e
esta foi movida lentamente até atingir a parte de metal.
- A alça foi resfriada no meio e a tampa com a cultura foi removida, inserindo-se a
alça na cultura.
- A cultura foi transferida para meio líquido, caldo LST, estéril e depois repetiu-se o
procedimento 3 vezes.
- Flambou-se a boca do tubo com a cultura antes de fechar e após o uso.
- Incubaram-se os tubos de ensaio na estufa a 37°C durante 48 horas

b) Isolamento de colônias usando a técnica de esgotamento: Staphylococcus aureus


- Colocou-se Agar nutriente na placa de petri.
- Espalhou-se o inoculo cuidadosamente na superfície do ágar fazendo linhas
paralelas (estrias) até a metade da placa.
- Flambou-se a alça como descrito anteriormente e esperou-se o tempo de
resfriamento.
- Passou-se a alça resfriada na porção inicial estriada e depois foram feita mais
algumas estrias sem coincidir com a primeira metade, e depois repetiu-se o
procedimento 3 vezes.
- Flambou-se a alça para guardá-la.
- Incubaram-se as placas na estufa a 37°C durante 48 horas para observação das
colônias isoladas que geralmente aparecem no 2° quadrante.

3. Resultados e discussão

O estudo dos microrganismos muitas vezes depende da possibilidade de cultivá-los


na forma de culturas puras, que necessariamente cresce em nutrientes específicos
para determinada espécie. A cultura pura é caracterizada pela genética
morfologicamente idêntica, e são caracterizadas por forma e tamanho do organismo.
Foi realizado triplicata em cada tipo de cultura.

No Isolamento de microrganismo em culturas puras feito com Staphylococcus


aureus, após o período de incubação, não ocorreu crescimento significativo em
nenhuma das três culturas nos tubos de ensaios para ser visto a olho nu. O meio de
cultura, como visto na figura 1, permaneceu inalterado, provavelmente devido à
insuficiência do microrganismo no meio de cultura.

Figura 1- Cultura de Escherichia coli

No experimento Isolamento de colônias usando a técnica de esgotamento, feito com


Escherichia coli, após o período de incubação, observou-se a formação gradual de
colônias sobre a superfície das placas de petri no primeiro quadrante das três
amostras até o segundo quadrante, onde ocorreu de fato a formação das colônias
visivelmente a olho nu, verificando-se o objetivo pretendido conforme a figura 2 e 3.

Figura 2- Cultura de Staphylococcus aureus Figura 2- Cultura de Staphylococcus aureus


Amostra 1 Amostra 2

4. Conclusão

5. Referências Bibliográficas
[1] Procedimentos básicos em microbiologia: técnicas assépticas e cultivo de
microrganismos. Disponível em http://www.icb.ufmg.br /mic /index .php?secao
=material&material=42

[2] TORTORA, Gerard J., FUNKE, Berdell R., CASE, Christine L. Microbiologia. 10°
ed. Porto Alegre: ArtMed, 2012