Você está na página 1de 2

RECURSO DE APELAÇÃO

Cabimento:

A apelação é o recurso cabível contra sentença, devendo ser interposta por petição
dirigida ao juiz de primeiro grau, o qual só poderá abrir prazo para contrarrazões.
Assim, o juiz juntará as contrarrazões no processo e remeterá os autos ao Tribunal de
Justiça que irá fazer o juízo de admissibilidade do recurso. Além disso, vale ressaltar
que o artigo 1009, parágrafo primeiro do CPC dispões que: " as questões resolvidas na
fase de conhecimento, se a decisão a seu respeito não comportar agravo de instrumento,
não são cobertas pela preclusão e devem ser suscitadas em preliminar de apelação,
eventualmente interposta contra a decisão final, ou nas contrarrazões".
Recebido o recurso de apelação no tribunal e distribuído imediatamente, o relator
vai decidi-lo monocraticamente apenas nas hipóteses do art. 932, incisos III a V do
CPC, ou, se não for o caso de decisão monocrática, elaborará seu voto para julgamento
do recurso pelo órgão colegiado.

Efeito Suspensivo (é suspender a eficácia da decisão judicial):

Em regra o único recurso que tem efeito suspensivo é a Apelação, entretanto há as


exceções do parágrafo primeiro do artigo 1012 do CPC em que o recurso não terá tal
efeito.
Dessa forma, não terá efeito suspensivo a Apelação de sentença que:

I - homologa divisão ou demarcação de terras;

II - condena a pagar alimentos;

III - extingue sem resolução do mérito ou julga improcedentes os embargos do


executado;

IV - julga procedente o pedido de instituição de arbitragem;

V - confirma, concede ou revoga tutela provisória;

VI - decreta a interdição.

No entanto, aduz o § 4º do artigo 1012 que: "Nas hipóteses do § 1º, a eficácia da


sentença poderá ser suspensa pelo relator se o apelante demonstrar a probabilidade de
provimento do recurso ou se, sendo relevante a fundamentação, houver risco de dano
grave ou de difícil reparação".

Efeito Devolutivo:

Dispõe o artigo 1.013 do CPC que "A apelação devolverá ao tribunal o


conhecimento da matéria impugnada". Ou seja, trata-se do efeito devolutivo do recurso
de Apelação, que faz com que a matéria seja devolvida até chegar na instância superior,
para uma nova análise, apreciação e julgamento.
Procedimentos específicos do recurso de Apelação:

1) É importante destacar o parágrafo terceiro do artigo 1013 do CPC que fala sobre a
profundidade do Tribunal de reformar a sentença ou decretar nulidade, ou seja, na
apelação pode-se buscar a substituição da sentença por vício de forma e/ou por vício de
julgamento. Assim, a sentença prolatada com vício de forma deve ser anulada na
instância recursal e baixados os autos para prolação de nova decisão no primeiro grau de
jurisdição. Já a sentença prolatada com vício de julgamento deve ser simplesmente
substituída por outra decisão na instância recursal, que deverá reapreciar o caso
apresentado pelas partes, ou seja, reformar a decisão se o processo estiver maduro para
julgamento.

2) O capítulo da sentença que confirma, concede ou revoga a tutela provisória é


impugnável na apelação. ( Art. 1013 , § 5º do CPC )

3) As questões de fato não propostas no juízo inferior poderão ser suscitadas na


apelação, se a parte provar que deixou de fazê-lo por motivo de força maior. ( Art. 1014
do CPC).