Você está na página 1de 100

MANUAL DO CURSO DE

LICENCIATURA EM DIREITO

2º Ano
Disciplina: DIREITO FISCAL E ADUANEIRO
Código: ISCED21-CJURCFE008
Total Horas/1o Semestre: 125
Créditos (SNATCA): 5
Número de Temas: 07

INSTITUTO SUPER

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-


ISCED

1
Direitos de autor (copyright)
Este manual é propriedade do Instituto Superior de Ciências e
Educação a Distância (ISCED), e contém reservados todos os direitos.
É proibida a duplicação ou reprodução parcial ou total deste
manual, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (electrónicos,
mecânico, gravação, fotocópia ou outros), sem permissão expressa
de entidade editora (Instituto Superior de Ciências e Educação a
Distância (ISCED).

A não observância do acima estipulado o infractor é passível a


aplicação de processos judiciais em vigor no País.

Instituto Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED)


Direcção Académica
Rua Dr. Almeida Lacerda, No 212 Ponta - Gêa
Beira - Moçambique
Telefone: +258 23 323501
Cel: +258 82 3055839

Fax: 23323501
E-mail: isced@isced.ac.mz
Website: www.isced.ac.mz

2
Agradecimentos
O Instituto Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED)
agradece a colaboração dos seguintes indivíduos e instituições na
elaboração deste manual:

dra. Cláudia Eunice Jone, Licenciada em Direito Pela Universidade


Autor
Eduardo Mondlane Moçambique

Coordenação Direcção Académica do ISCED

Design Instituto Superior de Ciências e Educação a Distância (ISCED)

Financiamento e Logística Instituto Africano de Promoção da Educação a Distancia (IAPED)

Revisão Científica e Revisão XXXXX


Linguística

Ano de Publicação 2016


Local de Publicação ISCED – BEIRA

3
Contents

Visão geral …………………………………………………………………………………………………………………………………8

Benvindo à Disciplina/Módulo de Direto Fiscal e Aduaneiro …………………………………………………….8

Objectivos do Módulo ……………………………………………………………………………..8

Quem deveria estudar este módulo ……………………………………………………………………………………………8

Como está estruturado este módulo ……………………………………………………………………………………………8

Ícones de actividade ………………………………………………………………………………………………………10

Habilidades de estudo ………………………………………………………………………………………………………11

Precisa de apoio? …………………………………………………………………………………………………………………..13

Tarefas (avaliação e auto-avaliação) …………………………………………………………………………….14

Avaliação ………………………………………………………………………………………………………………………………14

TEMA – I: INTRODUÇÃO AO DIREITO FISCAL ……………………………………………………………………………17

UNIDADE Temática 1.1. Conceitos: Direito Financeiro, direito tributário e direito fiscal ……………17

UNIDADE Temática 1.2. Exercícios do Tema ……………………………………………………………………………17

INTRODUÇÃO …………………………………………………………………………………………………………………17

OBJECTIVOS: …………………………………………………………………………………………………………………17

UNIDADE Temática 1.1. Conceitos: Direito Financeiro, direito tributário e direito fiscal. ……………17

- Direito patrimonial; ……………………………………………………………………………………………………19

- Direito do crédito público; ………………………………………………………………………………………19

4
Direito Fiscal e Direito Tributário …………………………………………………………………………………………19

Direito aduaneiro …………………………………………………………………………………………………………………20

Exercícios: ……………………………………………………………………………………………………………………………..21

TEMA- II: ÂMBITO E NATUREZA DO DIREITO FISCAL ………………………………………………………………22

Introdução ………………………………………….………………………………………………………………………………….22

Objectivos: ………………………………………………………………………………………22

UNIDADE TEMÁTICA 2. Âmbito e enquadramento do Direito Fiscal ……………………………………22

UNIDADE TEMÁTICA 2.1. Natureza do Direito Fiscal …………………………………………………24

TEMA III: IMPOSTO E FIGURAS AFINS …………………………………………………………………………26

UNIDADE TEMÁTICA 3. DEFINIÇÃO DE IMPOSTO …………………………………………………………….27

UNIDADE TEMÁTICA 3.2. FIGURAS AFINS AO IMPOSTO ……………………………………………….33

Taxa ……………………………………………………………………………………………………………………………33

UNIDADE TEMÁTICA 3.3. CLASSIFICAÇÃO DOS IMPOSTOS ……………………………………………….37

Impostos Directos e impostos indirectos ………………………………………………………………………….37

Impostos reais e impostos pessoais ………………………………………………………………………………………38

Impostos de quota fixa e impostos de quota variável ………………………………………………..39

Impostos periódicos e impostos de obrigação única ……………………………………………………………39

Impostos principais, impostos acessórios e impostos dependentes …………………………………..40

Impostos estaduais e impostos não estaduais …………………………………………………………….40

Impostos sobre o rendimento, impostos sobre o património e imposto sobre o consumo …41

Imposto de Mais-valia ………………………………………………………………………………………………….41

UNIDADE TEMÁTICA 3.4. FUNÇÃO DOS IMPOSTOS. ……………………………………………………………42

5
EXERCÍCIOS …………………………………………………………………………………………………………………43

CASO PRATICO: …………………………………………………………………………………………………………………43

Sumário ……………………………………………………………………………………………………………………………..44

TEMA IV. FONTES DO DIREITO FISCAL …………………………………………………………………………..45

UNIDADE TEMÁTICA 4. A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA; ………………………………… 46

1.1 Princípio da legalidade fiscal ………………………………………………………………………………………46

1.2 Princípio da Tipicidade …………………………………………………………………………………………………..47

1.3 Princípio de Territorialidade ………………………………………………………………………………………47

1.4 Princípio da segurança jurídica ………………………………………………………………………………………47

1.5. Princípio da proibição do referendo fiscal …………………………………………………………….48

1.6. Princípio da igualdade fiscal ……………………………………………………………………………………..48

1.7. Princípio da consideração fiscal da família …………………………………………………………….49

1.8. O respeito pelos direitos, liberdades e garantias fundamentais …………………………………..49

1.9. O princípio do Estado social. ……………………………………………………………………………………..49

UNIDADE TEMÁTICA 4.1. LEIS E DECRETO-LEIS ……………………………………………………………50

UNIDADE TEMÁTICA 4.2. DECRETOS, DIPLOMAS MINISTERIAIS E REGULAMENTOS DAS


AUTARQUIAS LOCAIS …………………………………………………………………………………………………51

UNIDADE TEMÁTICA 4.3. CONVENÇÕES INTERNACIONAIS …………………………………52

UNIDADE TEMÁTICA 4.3. JURISPRUDÊNCIA E DOUTRINA ……………………………………………..52

CASO PRÁTICO: …………………………………………………………………………………………………………….54

TEMA V. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE LACUNAS NA LEI FISCAL ……………………55

UNIDADE TEMÁTICA 5. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI FISCAL ……………………56

UNIDADE TEMÁTICA 5.1 Aplicação da lei fiscal no tempo ……………………………………………..56

6
TEMA VI. RELAÇÃO JURÍDICA FISCAL …………………………………………………………………………58

1. Obrigação fiscal …………………………………………………………………………………………………..59

Incidência …………………………………………………………………………………………………………………………….64

2. O sujeito activo da relação jurídica fiscal ……………………………………………………………..65

3. O sujeito passivo da relação jurídica fiscal ………………………………………………………………67

1. Objecto da relação jurídica fiscal ……………………………………………………………………………71

2. Facto tributário …………………………………………………………………………………………………………………71

3. Garantia da relação jurídica fiscal ……………………………………………………………………………71

Classificação das garantias ……………………………………………………………………………………………………72

4. Cessação da relação jurídico fiscal …………………………………………………………………………..74

TEMA VII: SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO: ORIGEM HISTÓRICA DA FISCALIDADE EM


MOÇAMBIQUE …………………………………………………………………………………………………………………77

UNIDADE TEMÁTICA 7.1. EVOLUÇÃO DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MOÇAMBICANO ……………77

1.1. Período pré-colonial ……………………………………………………………………………………………………77

1.2. Período colonial ……………………………………………………………………………………………………79

1.3. Período pós-independência ……………………………………………………………………………………….81

UNIDADE TEMÁTICA 7. SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO …………………………………………………84

TEMA VIII: OS IMPOSTOS DO SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO ……………………………………87

2.1.1 Classificação dos impostos …………………………………………………………………………87

1.2. Definição, Incidência e Isenção dos impostos estaduais ………………………………...89

BIBLIOGRAFIA ……………………………………………………………………………………………………………….98

7
Visão geral

Benvindo à Disciplina/Módulo de Direto Fiscal e


Aduaneiro

Objectivos do Módulo

Ao terminar o estudo deste módulo de Direito Fiscal e Aduaneiro,


deverás ser capaz de: saber definir o conceito de Direito Fiscal,
conhecer o seu objecto, as fontes do direito, a interpretação das
normas fiscais bem como a relação jurídica fiscal, de modo a
compreender os sujeitos, o objecto e facto da relação jurídico-fiscal.

 Analisar o sistema jurídico fiscal vigente no nosso


ordenamento jurídico;
 Distinguir os impostos das figuras afins;
Objectivos Específicos  Conhecer a origem histórica da fiscalidade em Moçambique;
 Compreender que impostos que vigoram no sistema tributário
moçambicano;
 Saber a relação jurídica fiscal.

Quem deveria estudar este módulo

Este Módulo foi concebido para estudantes do 2º ano do curso de


licenciatura em Direito. Poderá ocorrer, contudo, que haja leitores
que queiram se actualizar e consolidar seus conhecimentos nessa
disciplina, esses serão bem-vindos, não sendo necessário para tal se
inscrever. Mas poderá adquirir o manual.

Como está estruturado este módulo

Este módulo de Direito Comunitário, para estudantes do 2º ano do


curso Direito, à semelhança dos restantes do ISCED, está estruturado
como se segue:

8
Páginas introdutórias

Um índice completo.

Uma visão geral detalhada dos conteúdos do módulo, resumindo os


aspectos-chave que você precisa conhecer para melhor estudar.
Recomendamos vivamente que leia esta secção com atenção antes
de começar o seu estudo, como componente de habilidades de
estudos.

Conteúdo desta Disciplina / módulo

Este módulo está estruturado em Temas. Cada tema, por sua vez
comporta certo número de unidades temáticas visualizadas por um
sumário. Cada unidade temática se caracteriza por conter uma
introdução, objectivos, conteúdos. No final de cada unidade temática
ou do próprio tema, são incorporados antes exercícios de auto-
avaliação, só depois é que aparecem os de avaliação. Os exercícios
de avaliação têm as seguintes características: Puros exercícios
teóricos, Problemas não resolvidos e actividades práticas algumas
incluído estudo de casos.

Outros recursos

A equipa dos académicos e pedagogos do ISCED pensando em si,


num cantinho, mesmo o recôndito deste nosso vasto Moçambique e
cheio de dúvidas e limitações no seu processo de aprendizagem,
apresenta uma lista de recursos didácticos adicionais ao seu módulo
para você explorar. Para tal o ISCED disponibiliza na biblioteca do
seu centro de recursos mais material de estudos relacionado com o
seu curso como: Livros e/ou módulos, CD, CD-ROOM, DVD. Para além
deste material físico ou electrónico disponível na biblioteca, pode ter
acesso a Plataforma digital moodle para alargar mais ainda as
possibilidades dos seus estudos.

9
Auto-avaliação e Tarefas de avaliação

Tarefas de auto-avaliação para este módulo encontram-se no final


de cada unidade temática e de cada tema. As tarefas dos exercícios
de auto-avaliação apresentam duas características: primeiro
apresentam exercícios resolvidos com detalhes. Segundo, exercícios
que mostram apenas respostas.

Tarefas de avaliação devem ser semelhantes às de auto-avaliação


mas sem mostrar os passos e devem obedecer o grau crescente de
dificuldades do processo de aprendizagem, umas a seguir a outras.
Parte das tarefas de avaliação será objecto dos trabalhos de campo
a serem entregues aos tutores/docentes para efeitos de correcção e
subsequentemente nota. Também constará do exame do fim do
módulo. Pelo que, caro estudante, fazer todos os exercícios de
avaliação é uma grande vantagem.

Comentários e sugestões

Use este espaço para dar sugestões valiosas, sobre determinados


aspectos, quer de natureza científica, quer de natureza didáctico-
Pedagógica, etc. deveriam ser ou estar apresentadas. Pode ser que
graças as suas observações, o próximo módulo venha a ser
melhorado.

Ícones de actividade

Ao longo deste manual irá encontrar uma série de ícones nas margens
das folhas. Estes icones servem para identificar diferentes partes do
processo de aprendizagem. Podem indicar uma parcela específica
de texto, uma nova actividade ou tarefa, uma mudança de
actividade, etc.

10
Habilidades de estudo

O principal objectivo deste campo é o de ensinar aprender a


aprender. Aprender aprende-se.

Durante a formação e desenvolvimento de competências, para


facilitar a aprendizagem e alcançar melhores resultados, implicará
empenho, dedicação e disciplina no estudo. Isto é, os bons resultados
apenas se conseguem com estratégias eficientes e eficazes. Por isso é
importante saber como, onde e quando estudar. Apresentamos
algumas sugestões com as quais esperamos que caro estudante possa
rentabilizar o tempo dedicado aos estudos, procedendo como se
segue:

1º Praticar a leitura. Aprender a Distância exige alto domínio de


leitura.

2º Fazer leitura diagonal aos conteúdos (leitura corrida).

3º Voltar a fazer leitura, desta vez para a compreensão e


assimilação crítica dos conteúdos (ESTUDAR).

4º Fazer seminário (debate em grupos), para comprovar se a sua


aprendizagem confere ou não com a dos colegas e com o padrão.

5º Fazer TC (Trabalho de Campo), algumas actividades práticas ou


as de estudo de caso se existirem.

IMPORTANTE: Em observância ao triângulo modo-espaço-tempo,


respectivamente como, onde e quando...estudar, como foi referido
no início deste item, antes de organizar os seus momentos de estudo
reflicta sobre o ambiente de estudo que seria ideal para si: Estudo
melhor em casa/biblioteca/café/outro lugar? Estudo melhor à
noite/de manhã/de tarde/fins de semana/ao longo da semana?
Estudo melhor com música/num sítio sossegado/num sítio barulhento!?
Preciso de intervalo em cada 30 minutos, em cada hora, etc.

É impossível estudar numa noite tudo o que devia ter sido estudado
durante um determinado período de tempo; Deve estudar cada ponto

11
da matéria em profundidade e passar só ao seguinte quando achar
que já domina bem o anterior.

Privilegia-se saber bem (com profundidade) o pouco que puder ler e


estudar, que saber tudo superficialmente! Mas a melhor opção é
juntar o útil ao agradável: Saber com profundidade todos conteúdos
de cada tema, no módulo.

Dica importante: não recomendamos estudar seguidamente por


tempo superior a uma hora. Estudar por tempo de uma hora
intercalado por 10 (dez) a 15 (quinze) minutos de descanso (chama-
se descanso à mudança de actividades). Ou seja que durante o
intervalo não se continuar a tratar dos mesmos assuntos das
actividades obrigatórias.

Uma longa exposição aos estudos ou ao trabalhjo intelectual


obrigatório, pode conduzir ao efeito contrário: baixar o rendimento
da aprendizagem. Por que o estudante acumula um elevado volume
de trabalho, em termos de estudos, em pouco tempo, criando
interferência entre os conhecimento, perde sequência lógica, por fim
ao perceber que estuda tanto mas não aprende, cai em insegurança,
depressão e desespero, por se achar injustamente incapaz!

Não estude na última da hora; quando se trate de fazer alguma


avaliação. Aprenda a ser estudante de facto (aquele que estuda
sistemáticamente), não estudar apenas para responder a questões de
alguma avaliação, mas sim estude para a vida, sobre tudo, estude
pensando na sua utilidade como futuro profissional, na área em que
está a se formar.

Organize na sua agenda um horário onde define a que horas e que


matérias deve estudar durante a semana; Face ao tempo livre que
resta, deve decidir como o utilizar produtivamente, decidindo quanto
tempo será dedicado ao estudo e a outras actividades.

É importante identificar as ideias principais de um texto, pois será


uma necessidade para o estudo das diversas matérias que compõem
o curso: A colocação de notas nas margens pode ajudar a estruturar

12
a matéria de modo que seja mais fácil identificar as partes que está
a estudar e Pode escrever conclusões, exemplos, vantagens,
definições, datas, nomes, pode também utilizar a margem para
colocar comentários seus relacionados com o que está a ler; a melhor
altura para sublinhar é imediatamente a seguir à compreensão do
texto e não depois de uma primeira leitura; Utilizar o dicionário
sempre que surja um conceito cujo significado não conhece ou não lhe
é familiar;

Precisa de apoio?

Caro estudante, temos a certeza que por uma ou por outra razão, o
material de estudos impresso, lhe pode suscitar algumas dúvidas como
falta de clareza, alguns erros de concordância, prováveis erros
ortográficos, falta de clareza, fraca visibilidade, páginas trocadas
ou invertidas, etc). Nestes casos, contacte os seriços de atendimento e
apoio ao estudante do seu Centro de Recursos (CR), via telefone, sms,
E-mail, se tiver tempo, escreva mesmo uma carta participando a
preocupação.

Uma das atribuições dos Gestores dos CR e seus assistentes


(Pedagógico e Administrativo), é a de monitorar e garantir a sua
aprendizagem com qualidade e sucesso. Dai a relevância da
comunicação no Ensino a Distância (EAD), onde o recurso as TIC se
torna incontornável: entre estudantes, estudante – Tutor, estudante –
CR, etc.

As sessões presenciais são um momento em que você caro estudante,


tem a oportunidade de interagir fisicamente com staff do seu CR, com
tutores ou com parte da equipa central do ISCED indigetada para
acompanhar as sua sessões presenciais. Neste período pode
apresentar dúvidas, tratar assuntos de natureza pedagógica e/ou
admibistrativa.

O estudo em grupo, que está estimado para ocupar cerca de 30%


do tempo de estudos a distância, é muita importância, na medida
em que permite lhe situar, em termos do grau de aprendizagem
com relação aos outros colegas. Desta maneira ficar’a a saber se
13
precisa de apoio ou precisa de apoiar aos colegas. Desenvolver
habito de debater assuntos relacionados com os conteúdos
programáticos, constantes nos diferentes temas e unidade temática,
no módulo.

Tarefas (avaliação e auto-avaliação)

O estudante deve realizar todas as tarefas (exercícios, actividades e


autoavaliação), contudo nem todas deverão ser entregues, mas é
importante que sejam realizadas. As tarefas devem ser entregues
duas semanas antes das sessões presenciais seguintes.

Para cada tarefa serão estabelecidos prazos de entrega, e o não


cumprimento dos prazos de entrega, implica a não classificação do
estudante. Tenha sempre presente que a nota dos trabalhos de campo
conta e é decisiva para ser admitido ao exame final da
disciplina/módulo.

Os trabalhos devem ser entregues ao Centro de Recursos (CR) e os


mesmos devem ser dirigidos ao tutor/docente.

Podem ser utilizadas diferentes fontes e materiais de pesquisa,


contudo os mesmos devem ser devidamente referenciados,
respeitando os direitos do autor.

O plágio1 é uma viloção do direito intelectual do(s) autor(es). Uma


transcrição à letra de mais de 8 (oito) palavras do testo de um autor,
sem o citar é considerado plágio. A honestidade, humildade científica
e o respeito pelos direitos autoriais devem caracterizar a realização
dos trabalhos e seu autor (estudante do ISCED).

Avaliação

Muitos perguntam: Com é possível avaliar estudantes à distância,


estando eles fisicamente separados e muito distantes do

1
Plágio - copiar ou assinar parcial ou totalmente uma obra literária,
propriedade intelectual de outras pessoas, sem prévia autorização.
14
docente/turor!? Nós dissemos: Sim é muito possível, talvez seja uma
avaliação mais fiável e concistente.

Você será avaliado durante os estudos à distância que contam com


um mínimo de 90% do total de tempo que precisa de estudar os
conteúdos do seu módulo. Quando o tempo de contacto presencial
conta com um máximo de 10%) do total de tempo do módulo. A
avaliação do estudante consta detalhada do regulamentada de
avaliação.

Os trabalhos de campo por si realizaos, durante estudos e


aprendizagem no campo, pesam 25% e servem para a nota de
frequência para ir aos exames.

Os exames são realizados no final da cadeira disciplina ou modulo e


decorrem durante as sessões presenciais. Os exames pesam no mínimo
75%, o que adicionado aos 25% da média de frequência,
determinam a nota final com a qual o estudante conclui a cadeira.

A nota de 10 (dez) valores é a nota mínima de conclusão da cadeira.

Nesta cadeira o estudante deverá realizar pelo menos 2 (dois)


trabalhos e 1 (um) (exame).

Algumas actividades praticas, relatórios e reflexões serão utilizados


como ferramentas de avaliação formativa.

Durante a realização das avaliações, os estudantes devem ter em


consideração a apresentação, a coerência textual, o grau de
cientificidade, a forma de conclusão dos assuntos, as recomendações,
a identificação das referências bibliográficas utilizadas, o respeito
pelos direitos do autor, entre outros.

Os objectivos e critérios de avaliação constam do Regulamento de


Avaliação.

15
16
TEMA – I: INTRODUÇÃO AO DIREITO FISCAL
UNIDADE Temática 1.1. Conceitos: Direito Financeiro, direito tributário e direito fiscal

UNIDADE Temática 1.2. Exercícios do Tema

INTRODUÇÃO
A realização da despesa pública tem como pressuposto a arrecadação de
receitas com vista a tornar possível a efectivação dos interesses da
colectividade. As receitas fiscais constituem a principal fonte de
financiamento do Orçamento do Estado. Deste modo torna-se fundamental
para os estudantes do curso de Direito o estudo do sistema fiscal e
aduaneiro moçambicano.

Assim, o Direito Fiscal tem como matérias fundamentais as normas que


estabelecem o regime jurídico da cobrança de impostos e taxas pelo Estado
Moçambicano considerando a sua evolução histórica. Torna-se fundamental
que o estudante tenha conhecimentos sobre o poder do Estado na cobrança
do imposto, cujos limites são as garantias dos particulares face ao poder de
autoridade do Estado.

OBJECTIVOS:
Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Saber e definir o Direito Fiscal;


 Conhecer a distinção do direito fiscal e das figuras afins;

UNIDADE Temática 1.1. Conceitos: Direito Financeiro, direito tributário e direito fiscal.
Antes de mais, e de modo a estabelecer melhor a delimitação do nosso
módulo, importa compreender os conceitos de Direito Financeiro, Direito
Tributário e Direito Fiscal.

O Direito financeiro é o conjunto de normas jurídicas de direito público que


disciplinam a actividade financeira do Estado e demais entes públicos. Ou
17
seja, trata-se do “complexo de normas jurídicas que disciplinam a obtenção e
distribuição do dinheiro necessário ao funcionamento dos entes públicos e bem
assim, à gestão dos bens propriedade desses mesmos entes”2.

Trata-se de um ramo de direito complexo, com uma heterogeneidade de


matérias, as quais podem ser agrupadas do seguinte modo, sem se levantar
aqui o problema da especificação das matérias em disciplinas jurídicas:

 Direito das despesas,


 Direito das receitas, e,
 Direito da administração ou gestão financeira.

Quanto ao direito das despesas públicas e o direito da administração


financeira importa referir, que, por um lado, o direito das despesas refere-
se às normas sobre a utilização dos recursos financeiros para suportar as
necessidades financeiras dos diversos sectores do Estado. Este pode também
ser chamado direito da economia, no que diz respeito as despesas cuja
realização tenha por objecto a intervenção económica e social do Estado.
Ou seja, refere-se a parte do direito administrativo que regula a
intervenção económica e social dos entes públicos.

Por outro lado, o direito da administração ou gestão financeira rege a


organização e funcionamento da administração financeira e cujo domínio
mais unificado é constituído pelo direito orçamental ou orçamentário ou
direito da contabilidade publica em sentido amplo, que todavia, não deixa
de ser fundamentalmente um sector do Direito Administrativo.

O Direito das receitas rege os recursos em dinheiro (Impostos, taxas, e outras


fontes de recurso) recolhidos pelo Estado para a custear as despesas
públicas e necessidades de investimento público. O direito das receitas
desdobra-se do seguinte modo:

2
NABAIS, J., Direito Fiscal, 4ª Ed. Almedina, Coimbra 2007, p. 4.

18
- Direito patrimonial;

- Direito do crédito público;


- Direito Tributário ou direito das receitas;

O Direito patrimonial, como o próprio nome indica, são derivadas do


património mobiliário (ou carteira de títulos), do domínio rural e das
entidades públicas e a gestão da dívida pública. O direito do crédito
público estabelece as normas sobre o recurso ao crédito pelos entes
públicos.

O Direito tributário ou direito das receitas coactivas do Estado e demais


entes públicos refere-se as receitas coactivas do Estado (impostos, taxas,
multas. No direito tributário autonomiza-se o Direito fiscal relativo às
receitas coactivas que se caracterizam pelo seu carácter unilateral, ou seja,
os impostos.

Direito Fiscal e Direito Tributário


Do ponto de vista doutrinário, os termos direito fiscal e direito tributário são
utilizados de forma indiferenciada. No entanto, embora ambos tenham
como objecto o estudo de situações jurídico-fiscais, importa dizer que o
direito tributário refere-se a generalidade das receitas coactivas de
natureza contributiva, incluindo as taxas, enquanto o direito fiscal refere-se
as normas que regulam as receitas coactivas unilaterais, os impostos.

Considerando o vasto leque de matérias no direito financeiro, no âmbito da


distinção destes dois conceitos a doutrina tem procurado encontrar uma
solução “no sentido de se procurar isolar dentro do direito financeiro, um sector
suficientemente homogéneo quanto ao seu objecto e especifico no concernente
ao seu regime jurídico para objecto de tratamento específico” 3

No contexto da nossa disciplina, usaremos os dois termos de forma indistinta.

3
NABAIS J. Op cit p6.

19
Assim, o direito fiscal é o conjunto de normas que disciplinam as relações
que se estabelecem entre o Estado e outros entes públicos, por um lado, e
os cidadãos, por outro lado, por via do imposto em suas fases,
nomeadamente, a incidência, o lançamento, a liquidação e a cobrança. Ou
seja, o direito fiscal estabelece normas que regulam o “nascimento, o
desenvolvimento e a extinção das relações jurídicas suscitadas pela percepção
do imposto”4

Direito aduaneiro

Após termos definido o direito fiscal e o direito tributário, importa agora


compreender o conceito de direito tributário, que tem uma estreita relação
com a matéria fiscal, embora não se esgotando nela.

O Direito aduaneiro é um ramo de direito público que estabelece o conjunto


de normas jurídicas que disciplinam a entrada e saída de mercadorias do
território nacional, bem como os direitos e deveres daqueles que participam
do processo de compra e venda internacional.

Assim, o Direito Aduaneiro tem como objecto o controle do fluxo de pessoas


e bens, visando ao salvaguardar interesses públicos primários do Estado,
como a saúde, a segurança, o meio ambiente, a economia e a política,
sendo de grande importância para a política comercial e fiscal de um país,
uma vez que através dele é possível adoptar medidas proteccionistas para
proteger o mercado interno da concorrência de produtos estrangeiros.

O direito aduaneiro trata essencialmente de duas matérias, a saber:

 Actividade fiscal, cobrança de impostos e direitos aduaneiros;


 Actividade extrai-fiscal, ou seja, actividade reguladora do trânsito de
mercadorias.

4
PEREIRA M., Fiscalidade, 2a Ed. Coimbra, 2007, p.126.

20
Coloca-se a questão de saber se o direito aduaneiro é ou não um sub-ramo
do direito tributário?

Há autores que defendem a autonomia do direito aduaneiro face ao direito


tributário, pois, enquanto o direito tributário regula os tributos (impostos e
outros taxas e contribuições), o direito aduaneiro não se esgota na matéria
fiscal, na cobrança de direitos aduaneiros, ele regula o comércio externo.

Assim, o Professor Rosaldo Trevisan destaca que “não merece prosperar a


argumentação de que o Direito Aduaneiro é mero subconjunto do Direito
Tributário, regulamentando os tributos incidentes sobre o comércio exterior. O
Direito Aduaneiro vai além do viés tributário, abarcando as actividades de
controle e fiscalização do comércio exterior (haja ou não tributos a recolher),
inclusive no que se refere às restrições não-tarifárias e a direitos
antidumping”. 5

No entanto, embora reconhecendo-se a diferença entre estas duas matéria,


não deixa de ser verdade que ambos apresenta muitas aspectos em comum,
dos quais importa destacar que ambos tem como objecto principal a
arrecadação de receitas fiscais. Daí que, no caso de moçambique o quadro
jurídico principal consta de um único diploma legal, a Lei nº 2/2006 de 22
de Março ou Lei Geral Tributária.

Exercícios:
1. Defina o Direito Fiscal.
2. Distinga o direito financeiro do direito fiscal.
3. Defina o direito de crédito e indique os respectivos sub-ramos.
4. Distinga o Direito Fiscal do Direito Tributário.
5. Direito aduaneiro é mesmo que direito fiscal?

5
TREVISAN, R. Temas actuais de direito aduaneiro, Ed. Lex/Aduaneiras, 2008.

21
TEMA- II: ÂMBITO E NATUREZA DO DIREITO FISCAL
UNIDADE TEMÁTICA 2. Âmbito e enquadramento do Direito Fiscal

UNIDADE TEMÁTICA 2.1. Natureza do Direito Fiscal

UNIDADE TEMÁTICA 2.2. Exercícios

Introdução
Pretende-se nesta unidade temática que o estudante adquira conhecimentos
básicos sobre o âmbito e o enquadramento jurídico da cadeira que estamos
a estudar. O direito fiscal regula ainda matérias sobre as infracções fiscais
e respectivas sanções, o exercício da soberania financeira e formulação de
leis fiscais e estabelece normas que disciplinam os conflitos internacionais de
tributação (Direito fiscal internacional).

Objectivos:
 Entender o enquadramento jurídico da cadeira
 Conhecer A lei nº 2/2006 de 22 de Março, Lei Geral Tributária
(LGT), que trata sobre as matérias infracções tributarias
 Distinguir o Direito Fiscal adjectivo do Direito Fiscal Substantivo
 Compreender a natureza do Direito Fiscal

UNIDADE TEMÁTICA 2. Âmbito e enquadramento do Direito Fiscal


Introdução

Como vimos anteriormente, o Direito fiscal é o sistema de normas jurídicas


que disciplinam as relações de imposto e definem os meios e os processos
pelos quais se realizam os direitos emergentes daquelas relações.

A definição do direito fiscal afasta desde logo uma limitação à disciplina


da obrigação fiscal, ou seja à relação que se estabelece entre o Estado e
o contribuinte do imposto, que sendo o seu núcleo essência, não esgota as
relações jurídicas suscitadas pelo imposto. Ou seja o direito fiscal não se
restringe somente à disciplina da obrigação fiscal.
22
Âmbito e enquadramento do Direito Fiscal

Da obrigação fiscal, resultam outras relações às quais devem aplicar-se os


princípios e normas do direito fiscal. Essas relações estendem-se do direito
procedimental, direito processual fiscal ao direito sancionatório fiscal,
passando por muitos outros domínios como o direito fiscal internacional,
entre outros.

Por conseguinte, o direito fiscal abrange ainda as seguintes normas:

a) Normas de soberania fiscal:


Que, ao regularem os princípios fundamentais do sitema fiscal, incluindo a
formulação da lei fiscal, fazem apelo ao direito constitucional, formando o
que se designa direito constitucional fiscal. (Vide, artigos 100 e 127 da
CRM)

b) Normas relativas ao nascimento, desenvolvimento e extinção da obrigação


fiscal:
Quer as que se referem à incidência do imposto, quer as que têm um
carácter procedimental, ao disciplinarem o lançamento, a liquidação e a
cobrança do imposto, incluindo igualmente normas atinentes à fiscalização
dos sujeitos passivos e normas relativas às garantias administrativas dos
contribuintes.

c) Normas relativas às obrigações acessórias impostas ao contribuinte ou a


terceiros:
Normas de natureza declarativa ou contabilística, destinadas a possibilitar
ou a controlar a percepção dos impostos;

d) Normas de Sanção fiscal:


Que estabelecem as sanções, quer de natureza penal quer de natureza
contra-ordenacional, a aplicar a quem infringe os comandos jurídicos fiscais
e regulam o respectivo processo;

23
e) Normas relativas ao processo fiscal:
Estabelecem as garantias contenciosas dos contribuintes (processo de
impugnação judicia) e regulam a cobrança coerciva dos impostos (processo
de execução fiscal).

O direito fiscal regula ainda matérias sobre as infracções fiscais e


respectivas sanções, o exercício da soberania financeira e formulação de
leis fiscais6 e estabelece normas que disciplinam os conflitos internacionais
de tributação (Direito fiscal internacional).

A lei nº 2/2006 de 22 de Março, Lei Geral Tributária (LGT), estabelece os


princípios e normas gerais do ordenamento jurídico tributário moçambicano
aplicáveis a todos os tributos nacionais e autárquicos. Este diploma contém
normas sobre as infracções gerais tributárias, e sobre os crimes tributários e
crimes aduaneiros. O Decreto nº 42/2002 de 26 de Dezembro, regula o
Regime Geral das Infracções Tributárias.

UNIDADE TEMÁTICA 2.1. Natureza do Direito Fiscal


Introdução

Esta matéria tem sido alvo de acesos debates em sede de doutrina,


sobretudo no que se refere a autonomia ou não do Direito Fiscal.

Para alguns autores, o Direito Fiscal insere-se no Direito Administrativo. Para


outros ainda, o Direito Fiscal tem autonomia científica e, portanto, apesar
das suas relações com esses ramos do direito, tem de ser considerado um
ramo autónomo do Direito Público.

Natureza do Direito Fiscal

Quanto ao enquadramento nos ramos do direito, os autores são unanimes


em considerar que o direito fiscal se integra plenamente no Direito Público,

6
Normas que informam a Constituição fiscal, que constitui a garantia da legalidade dos impostos e da liberdade
dos particulares contra abusos da Administração Pública (BRAZ, A., Princípios do direito Fiscal I, p.p. 20 e 23).

24
não só tendo em conta as finalidades prosseguidas pelo imposto como
também por o seu sujeito activo ser o Estado, ou outro ente público, que
intervêm nas relações jurídico-fiscais dotados de poder de autoridade.

Importa então saber se o Direito Fiscal é efectivamente autónomo ou se


insere-se em outros sub-ramos do direito público.

A posição por nós adoptada é a da autonomia do direito fiscal, ou seja


trata-se de um ramo do direito público independente e com características
próprias. Assim, o Direito Fiscal corresponde a um conjunto de normas
ordenadas com vista a um fim comum que é a regulamentação de normas
suscitadas pelo imposto.

Exercícios

1. Estabeleça a delimitação do Direito Fiscal e indique o respectivo


conteúdo.
2. Enquadre o Direito Fiscal nos Ramos de Direito e refira-se a questão da
sua autonomia.
3. Apresente a posição adoptada por si e a respectiva argumentação.

25
TEMA III: IMPOSTO E FIGURAS AFINS
Unidade temática 3. Definição de imposto

Unidade temática 3.1. Caracterização do imposto

Unidade temática 3.2. Figuras afins ao Imposto

Unidade temática 3.3. classificação dos impostos

Unidade temática 3.2. Evolução e Conceito

Unidade temática 3.3. Exercícios

Introdução

O Imposto, é uma prestação obrigatória estabelecida pela lei a


favor de entidades que exerçam funções públicas e para satisfação
de fins públicos que não constituam sanção de actos ilícitos.

No plano da economia financeira a separação entre imposto e taxa


pode estabelecer-se com relativa facilidade, na base do critério da
divisibilidade ou indivisibilidade dos serviços públicos. As taxas, são
progressivas porque aumentam mais que proporcionalmente, há
medida que o rendimento aumenta, taxa progressiva, é a taxa que
varia mais que proporcionalmente à variação do rendimento. O
Estado e as outras entidades públicas prestam serviços cuja utilidade
não é divisível pelos cidadãos. A defesa nacional e a diplomacia
constituem exemplos nítidos de serviços públicos indivisíveis e,
consequentemente, suportados pelo imposto. De outros serviços
públicos, porém, extraem os particulares utilidades individualizáveis.
É o caso dos serviços de instrução, de justiça e de muitos outros, ora
quando através dos serviços públicos se prestam utilidades
particulares, individualizáveis, quando esses serviços são divisíveis,
em suma, há a possibilidade de realizar a sua cobertura financeira,

26
ou parte dela, através do pagamento de prestações exigíveis dos
particulares que utilizam tais serviços

Objectivos

 Definir o imposto;
 Caracterizar o imposto;
 Conhecer as figuras afins ao imposto;
 Classificar os impostos e Conhecer a sua evolução e conceito.

UNIDADE TEMÁTICA 3. DEFINIÇÃO DE IMPOSTO


Introdução
A palavra Imposto veio do Latim “impositu”, que significa obrigado a aceitar
ou a realizar à força. É uma contribuição financeira que o Estado exige das
pessoas singulares ou colectivas, a fim de fazer face às despesas públicas.

DEFINIÇÃO DE IMPOSTO
Ao longo dos tempos o conceito de imposto tem vindo a sofrer alterações
consideráveis, variando a mesma segundo a época e segundo as
características que o iam informando. Desde da ideia da relação da
subordinação de vencido para vencedor até à obrigação de contribuir para
a satisfação das despesas publicas, o conceito de imposto passou, na sua
evolução, por diversas fases, nomeadamente, na idade Média tinha a
característica de presente dado ao soberano, traduzindo, por vezes, a ideia
de humilde pedido feito por este aos seus vassalos para prover à sua
subsistência.

Em certa altura significou, mesmo, assistência dada ao Estado a título de


favor, mas, com o fortalecimento do poder real, tornou-se contribuição
obrigatória e anual com vista à satisfação das necessidades do soberano e
do reino. Com o advento da Revolução Francesa, transformou-se o conceito

27
de imposto na honrosa obrigação de cada um contribuir para a satisfação
das despesas públicas.
Não existe uma definição constitucional do imposto, limitando-se a lei
fundamental a afirmar no seu artigo 100o CRM que: “os impostos são criados
ou alterados por lei, que os fixa segundo critérios de justiça social”, ou ainda
no artigo 127, nºs 2 e 3 que:

“2.Os impostos são criados ou alterados por lei, que determina a incidência, a
taxa, os benefícios fiscais e as garantias dos contribuintes.”
“3. Ninguém pode ser obrigado a pagar impostos que não tenham sido criados
nos termos da Constituição e cuja liquidação e cobrança não se façam nos
termos da lei.”

No entanto, já a Lei nº 2/2006 de 22 de Março, vem, no nº a do artigo 3,


definir o imposto do seguinte modo: “Impostos são as prestações obrigatórias,
avaliáveis em dinheiro, exigidas por uma entidade pública, para a prossecução
de fins públicos, sem contraprestação individualizada, e cujo facto tributário
assenta em manifestações de capacidade contributiva, devendo estar previstos
na lei”.

Do ponto de vista doutrinário, existem várias definições de imposto, desde


Montesquieu que considera o imposto como a porção que cada cidadão dá
dos seus bens para ter a segurança dos outros ou para poder gozá-los
pacificamente. Para este autor o imposto não constitui um dever, mas sim um
pagamento de um serviço de segurança, não competindo ao Estado senão
uma função policial a exercer.

Tradicionalmente o imposto tem sido definido como “ uma prestação


pecuniária, exigida aos particulares por via da autoridade, a título
definitivo e sem contrapartida, com vista à cobertura dos encargos
públicos”7. A este conceito de imposto surge a necessidade de diversificação

7
JEZE, G, Cours de Finances Publiques, 1931.

28
das finalidades do imposto, pois para além da obtenção de receitas o
imposto contribui para o desenvolvimento económico e social.

Aliás a Constituição da República de Moçambique, estabelece no seu artigo


126 nº 2 que “ o sistema fiscal é estruturado com vista a satisfazer as
necessidades financeiras do Estado e das demais entidades públicas, realizar
os objectivos da política económica do Estado e garantir uma justa repartição
dos rendimentos e da riqueza”

De forma completa o imposto pode ainda ser definido como “uma prestação
coactiva, patrimonial, positiva, definitiva, não sinalagmática, sem carácter de
sanção, estabelecida por Lei, a favor de uma entidade pública ou com funções
públicas, para a satisfação de necessidades públicas e redistribuição de
riqueza, independentemente de qualquer vínculo anterior”8. Neste conceito
pode se perceber-se que, o sujeito activo não é apenas o Estado, como
também todas as entidades públicas ou com funções públicas.9

UNIDADE TEMÁTICA 3.1. CARACTERIZAÇÃO DO IMPOSTO


Da noção do imposto que acabamos de ver podemos dizer que o mesmo
possui as seguintes características:

- O imposto é uma prestação pecuniária

- O imposto é uma prestação coactiva

- O imposto é uma prestação unilateral

- O imposto é uma prestação a título definitivo

8
WATY, T., Direito Fiscal, 3ª Ed. W&W Editora, 2007, p. 148.
9
Segundo Guimarães (1993), conceitualiza o imposto como sendo uma prestação definitiva e unilateral estabelecida
por Lei a favor de uma pessoa que exerce funções públicas para a realização de fins públicos, e que não constitui
sanção de um acto ilícito. Para Teixeira (1995), imposto é uma prestação definitiva e unilateral, estabelecida pela Lei
a favor de uma pessoa colectiva de direito público, para a realização de fins públicos, a qual não constitui sanção de
um acto ilícito.

29
- O imposto é uma prestação sem carácter de sanção

- O imposto é uma prestação devida ao Estado ou outros entes públicos

- O imposto é uma prestação com vista a realização de fins públicos

a) O imposto é uma prestação pecuniária

O imposto é pago em dinheiro ou em equivalente em dinheiro,


contrariamente as modalidades de pagamento em espécie que vigoravam
no passado. O pagamento do imposto em dinheiro contribui para acelerar
o desenvolvimento da economia de mercado, conduzindo as pessoas que
não tinham dinheiro para pagar impostos sentiram-se obrigados a vender
ou trocar seus bens materiais em troca de dinheiro.

No entanto, importa referir que ainda hoje, em alguns casos excepcionais,


como é o da dação em cumprimento, prevista no artigo 45 da Lei nº 2/2006
de 22 de Março, pode de falar da modalidade de pagamento em espécie.
Este dispositivo permite que o Estado adquira por exemplo bens valiosos,
enriquecendo o seu património. Trata-se de situações em que, no lugar de
efectuar o pagamento da dívida tributária, o contribuinte entrega ao
estado algo diverso, como por exemplo uma obra de arte.

O pagamento de imposto por meio de estampilhas fiscais (selos), embora


trate-se de um bem (papel), considera-se que em temos financeiros o que
importa é o que a estampilha representa em dinheiro, sendo a sua aquisição
requisito prévio sem o qual não se pode verificar o cumprimento da
obrigação fiscal.

b) O imposto é uma prestação coativa


Sejam qual for a modalidade de pagamento, o pagamento do imposto tem
carácter obrigatório, pois, o Estado intervém dotado de seu poder de
autoridade. A obrigação de pagar o imposto resulta da lei, por conseguinte,

30
o contribuinte não tem a prerrogativa de optar em não pagar a dívida
tributária ou de negociar ou determinar livremente o montante do imposto.
Caso o contribuinte não cumpra com as suas obrigações dentro do prazo
estabelecido por lei, o Estado e outros entes públicos, podem recorrer ao
processo de execução de modo a obrigá-lo a cumprir o seu dever de pagar
o imposto.

c) O imposto é uma prestação unilateral


Ao pagamento do imposto não corresponde uma contraprestação por parte
do Estado. Este aspeto permite distinguir o imposto de outras figuras afins,
(abordaremos mais tarde este tema) como é o caso da taxa e do
empréstimo forçado.

Ao pagar o imposto, o contribuinte não recebe nada de específico em troca,


está apenas a contribuir para o financiamento das despesas do Estado, com
vista a realização do interesse público.

d) O imposto é uma prestação a título definitivo


O imposto é o um recurso definitivo para os entes públicos beneficiários, ou
seja o seu pagamento não dá direito a qualquer restituição ou reembolso
ulterior a cargo do ente a quem é feita a prestação.

Ao contrário do empréstimo, o imposto não é restituído, com a excepção dos


casos em que tenha havido pagamento indevido, ou nos casos de
desenvolvimento de políticas económicas, especialmente indicados por lei.

e) O imposto é uma prestação sem carácter de sanção


O imposto não tem caracter sancionatório, não se trata de punição pela
prática de actos ilícitos.
Este aspecto permite distinguir o imposto das sanções patrimoniais que têm
como origem um facto ilícito e visam um fim preventivo e repressivo,

31
diferentemente do imposto. O confisco e a multa São exemplos de sanções
patrimoniais

f) O imposto é uma prestação devida ao Estado ou outros entes


públicos

Trata-se aqui do elemento subjectivo do conceito de imposto. O imposto é


devido a um ente público que é o sujeito activo da relação jurídico-fiscal.
Coloca-se então a questão de saber de que ente público efectivamente se
trata.

Sobre esta questão uns consideram que trata-se de uma pessoa colectiva
de direito público e para outros autores o ente público refere-se a entidades
que que exercem funções públicas. A Constituição da República de
Moçambique, no que tange ao sistema fiscal, no seu artigo 127, refere-se
ao facto de o sistema fiscal estar estruturado “com vista a satisfazer
necessidades do Estado e das demais entidades públicas…”. Já o artigo 13
da lei nº 2/2006 de 22 de Março, dispõe que “ Sujeito activo da relação
juríudico-tributária é a entidade de direito público, titular do direito de exigir
o cumprimento das obrigações tributárias, quer directamente quer através de
representante”. Os demais entes públicos podem ser por exemplo as
Autarquias Locais.

g) O imposto é uma prestação com vista a realização de fins públicos

Uma outra característica do imposto consiste em que ele se destina à


realização de uma utilidade pública concretizada na satisfação das
necessidades comuns.

O objectivo tradicional do imposto é o de arrecadação de receitas para


que o Estados e os demais entes públicos possam realizar as tarefas que
lhes são cometidas. Com efeito, o imposto tem como única finalidade a
satisfação de despesas de interesse geral, e de tal forma o imposto e as
despesas públicas estão relacionados que, hoje em dia, se pode afirmar

32
que as despesas públicas são o fundamento e contribuem a medida do
imposto.

No entanto, para além de suportar as despesas públicas, os impostos servem


também como elemento de redistribuição do rendimento e da riqueza, para
a regulação conjuntural e desenvolvimento económico.

UNIDADE TEMÁTICA 3.2. FIGURAS AFINS AO IMPOSTO


A caracterização e delimitação do imposto permitem-nos verificar certas
figuras afins ao imposto, que embora tenham certas semelhanças, não
devem ser confundidas com o imposto que constitui objecto da disciplina de
direito fiscal, das quais importa destacar:

- A taxa,

- A contribuição especial,

- O empréstimo forçado e

- As contribuições para a segurança social.

Taxa
O conceito de taxa remete-nos a figura de tributo, a qual apresenta uma
classificação binária, nomeadamente os tributos unilaterais ou impostos e
tributos bilaterais ou taxas. As taxas são diferentes do imposto na medida
em que aquelas designam prestações avaliáveis em dinheiro, exigidas por
uma entidade pública como contrapartida individualizada pela utilização
de um bem do domínio público, (Ex: taxas de aterragem, taxa de lixo, taxa
de rádio, Taxa de Serviços: licença de caça, licença de exploração de
minas, licença de corte de florestas).

Portanto a taxa, é um valor pago pelo cidadão como resultado dos serviços
prestados pelo Estado e outros entes públicos. Trata-se portanto de um

33
tributo bilateral, com origem sinalagmática e corresponde a uma prestação
específica. Estas só podem ser cobradas quando associadas a uma acção
do Estado.

Constituem ainda objecto de pagamento de taxas:

- Os serviços públicos de registo e notariado (emolumentos);


- A justiça (taxa de justiça);
- A educação (propinas);
- A remoção de um obstáculo jurídico do comportamento dos particulares
(licenças).

Importa referir que enquanto os impostos obedecem ao principio da


legalidade fiscal, ou seja os impostos são criados por lei, e baseiam-se no
princípio da capacidade contributiva do cidadão, as taxas podem ser
criadas por outro por Decreto, bastando a autorização da Assembleia da
República, e a sua medida assenta no princípio da proporcionalidade
taxa/serviços prestados ou taxa/custos específicos causados à respectiva
comunidade.

Encontramos uma definição legal de taxa no nº 2 do artigo 3 da Lei de


Bases do Sistema Tributário, nos termos do qual “As taxas são prestações
avaliáveis em dinheiro, exigidas por uma entidade pública como contrapartida
individualizada pela utilização de um bem do domínio público, ou de um
serviço público, ou pela remoção de um limite jurídico à actividade dos
particulares, desde que previstas na lei”.

Tarifas
As tarifas são um tipo de taxas que exprimem não apenas uma
equivalência jurídica, como sucede com as taxas, mas também uma
equivalência económica, como é característico dos preços.
Assim, consideram-se tarifas, as contraprestações de serviços, geralmente
prestados pelas autarquias locais, ou concessionários, nomeadamente:
- Actividades de exploração de sistemas públicos de distribuição de
água;

34
- Serviços de drenagem de águas residuais;
- Serviços de recolha, depósito e tratamento de resíduos sólidos;
- Serviços de transporte colectivo de pessoas e mercadorias;
- Serviços de distribuição de energia eléctrica;
- Etc.

Contribuição especial
Nas figuras afins ao imposto, dentro do conceito de tributo, para além do
imposto e da taxa, podemos encontrar a contribuição especial, que faz a
ponte entre o imposto e a taxa.
A contribuição especial assenta num benefício individualizado reflexamente
derivado da actuação de um sujeito público, como exemplo podemos citar
o caso das mais-valias prediais resultantes de uma obra pública, que dariam
lugar a contribuições de melhoria.

A contribuição especial, assenta ainda na necessidade de compensar um


ente público por maiores despesas ocasionadas pelos particulares, por
exemplo o maior desgaste nas vias de comunicação provocado por veículos
de certo peso e determinadas características, o que acarretaria mais
despesas.

Para fundamentar o que acabamos de dizer temos o nº 4 do artigo 3 da


Lei de Bases do Sistema Tributário define contribuições especiais como sendo
“As prestações efectuadas como contrapartida dos benefícios ou aumento do
valor dos bens do sujeito passivo, que resultem de obras públicas ou da criação
ou ampliação de serviços públicos, ou devidas em razão do especial desgaste
de bens públicos ocasionados pelo exercício de uma actividade, desde que
previstas na lei”.

35
Empréstimo forçado
Para a realização das suas despesas o Estado pode recorrer ao crédito ou
empréstimo público. Assim, o empréstimo concedido ao estado pode
apresentar as seguintes características:

- Empréstimo voluntário: quando aquele que fornece dinheiro ao Estado,


fá-lo de livre vontade sem nenhuma coacção.
- Empréstimo semi-obrigatório: Neste caso não há coacção, mas o Estado
recorre a outras maneiras de forçar a disponibilização do dinheiro. Por
exemplo, em momentos de guerra utiliza um apelo patriótico para obter
o dinheiro, digamos que há a utilização de uma certa “chantagem
emocional” por parte do Estado;

- Empréstimo forçado: o Estado obriga o cidadão a lhe emprestar o


dinheiro, literalmente obtém o dinheiro de modo forçado. Essa
classificação é extremamente próxima do conceito do próprio
tributo. Neste caso o Estado obriga ao particular a lhe emprestar uma
quantia determinada, com promessa de futura devolução. O contribuinte
não tem opção a não ser cumprir a obrigação.

Embora o empréstimo seja também uma prestação coactiva, o mesmo difere


do imposto na medida em que o empréstimo forçado nem é unilateral, pois,
dá lugar ao pagamento de juros, nem é feito a título definitivo, pois pela
sua própria natureza dá lugar ao respectivo reembolso.

Contribuições para a segurança social


As contribuições fiscais são os descontos obrigatórios realizados pelos entes
públicos para a realização do interesse social.

Trata-se de contribuições parafiscais, ou seja têm a ver com a assunção por


parte do Estado moderno de novas funções económicas e sociais. São
receitas que fogem, de algum modo, às regras que disciplinam os impostos

36
e são consignadas às entidades públicas que prosseguem a actividade
ligada à segurança social em substituição da acção directa do Estado.

No entanto, sobre a natureza desta figura, o nº 5 do artigo 3 da Lei de


Bases do Sistema Tributário, estabelece que “as contribuições para a
segurança social participam da natureza dos impostos”.

UNIDADE TEMÁTICA 3.3. CLASSIFICAÇÃO DOS IMPOSTOS


A diversidade de impostos e seus mecanismos torna necessária a sua
classificação por categorias, de modo a permitir uma visão geral e a
obtenção de um conjunto estruturado das obrigações fiscais.

Temos assim a seguinte classificação técnica dos impostos:


- Impostos directos e impostos indirectos;
- Impostos reais e impostos pessoais;
- Impostos de quota fixa e imposto variável;
- Impostos periódicos e impostos de obrigação única;
- Impostos principais, impostos acessórios e impostos dependentes;
- Impostos estaduais e impostos não Estaduais;
- Impostos sobre o rendimento, impostos sobre o património e imposto
sobre o consumo.

Impostos Directos e impostos indirectos

Os Impostos Directos reúnem em uma só pessoa as condições de


contribuinte directo (aquele que é responsável pela obrigação tributária) e
contribuinte de fato (aquele que suporta o ônus do imposto). O imposto
direto incide sobre uma pessoa, a renda ou o capital e grava fatos que
ocorrem periodicamente. Ex:

1. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)


2. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
3. Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes (ISPC)
37
Os Impostos Indirectos são embutidos no preço final do produto e não
explicitado na Nota Fiscal. Comporta uma dualidade de pessoas:
contribuinte de direito, responsável pelo recolhimento do tributo, e
contribuinte de facto, aquele que suporta o ônus do imposto. Incide sobre
um acto, facto ou objecto e grava factos intermitentes que ocorrem
cotidianamente. Ex:

1. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)


2. Imposto sobre Consumos Específicos (ICE)
3. Direitos Aduaneiros
4. Imposto de Selo
5. Imposto sobre Sucessões e Doações
6. Imposto Especial sobre o Jogo
7. Imposto sobre Reconstrução Nacional

A Sisa, o Imposto Sobre Veículos e o Imposto Predial Autárquico são


cobrados pela AT nos locais onde não existam Municípios.

Impostos reais e impostos pessoais

Os Impostos reais, também chamados impostos objectivos, são os que se


abstraem do condicionalismo económico ou situação pessoal em que se
encontra o contribuinte. Por exemplo no caso do imposto sobre habitação,
este toma em conta o valor do imóvel e não a pessoa sobre a qual o imóvel
está registado.

Os Impostos pessoais, também chamados impostos objectivos, toma-se em


consideração, a situação pessoal do contribuinte. Considera-se a
capacidade contributiva da pessoa sujeita ao imposto, ou seja, atende-se à
situação em que a pessoa se encontra, de modo a que se consagre a isenção
de um mínimo de existência ou uma dedução na base, o abatimento de
encargos de família e geralmente, uma taxa progressiva. Como exemplo

38
podemos citar o Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singular, o Imposto
Pessoal Autárquico, etc.

Impostos de quota fixa e impostos de quota variável


Esta classificação tem como critério a definição do montante individual do
imposto. O legislador ou opta pela determinação de um montante fixo para
todos os contribuintes, e neste caso estamos a falar de impostos de quota
fixa, ou então faz variar o montante do imposto em função da matéria
colectável indicando os factores a ter em conta na realização dos
respectivos cálculos, e neste caso trata-se de imposto de quota variável.

Os impostos de quota variável classificam-se em:


- Proporcionais – quando a respectiva taxa permanece fixa, qualquer que
seja o montante da matéria colectável (é exemplo o IRPC);

- Progressivos – quando a respectiva taxa é tanto mais elevada quanto


maior seja o montante da matéria colectável (é exemplo o IRPS);

- Degressivos – quando o imposto é essencialmente de taxa proporcional,


mas se estabelecem taxas mais suaves aplicáveis no patamar inferior da
pirâmide dos rendimentos colectáveis (constituiu exemplo em Moçambique o
antigo Imposto Profissional);

- Regressivos – quando a respectiva taxa varie em função inversa do


rendimento colectável (o Imposto Pessoal Autárquico e o Imposto de
Reconstrução Nacional, com as suas taxas de quantitativo fixo.

Impostos periódicos e impostos de obrigação única


Os Impostos periódicos são aqueles em que se pode estabelecer uma
presunção de permanência das situações ou faculdades contributivas,
podendo prolongar a tributação no tempo, renovando-se ano a ano. O

39
pressuposto da tributação assenta portanto na característica de
estabilidade ou continuidade, por exemplo: a propriedade de um imóvel, o
exercício de uma actividade comercial, industrial ou agrícola.

Os Impostos de obrigação única tem como pressuposto um facto isolado,


como por exemplo a aquisição de um prédio, a transmissão de bens por
morte.

Impostos principais, impostos acessórios e impostos dependentes


Os Impostos principais são autónomos, existem por si e não dependem
da existência de qualquer relação tributária anterior.

Os Impostos acessórios estão ligados aos impostos principais. Estes


calculam-se ou com base na colecta do imposto principal, e neste caso
estamos perante a figura de adicionais, ou então calculam-se sobre a
matéria colectável, e aqui temos os adicionamentos.

Impostos estaduais e impostos não estaduais


Os Impostos Estaduais são aqueles que tem como sujeito activo o Estado,
e são portanto de âmbito nacional, Exemplo o IVA, o IRPC, IRPS, etc.

Os Impostos não estaduais têm como sujeito activo, uma pessoa colectiva
pública diferente do Estado, por exemplo uma autarquia local ou um
instituto público.

Constituem impostos autárquicos:


- Sisa
- Imposto Sobre Veículos
- Imposto Predial Autárquico
- Imposto Pessoal Autárquico
- Contribuição de Melhorias
- Taxas por Licenças e Taxas por Actividade Económica

40
Impostos sobre o rendimento, impostos sobre o património e imposto
sobre o consumo
Os Impostos sobre o rendimento têm como base de incidência o
rendimento, por exemplo o IRPS e o IRPC.

Os impostos sobre o património têm como base de incidência o património,


por exemplo o imposto sobre a habitação.
Os impostos sobre o consumo incidem sobre o consumo, ou seja estão
relacionados com determinados bens produzidos no território nacional ou
importados, considerados produtos de luxo ou nocivos à saúde. Exemplo ICE.

Imposto de Mais-valia
O imposto sobre mais-valia está plasmado na lei 33/2007 de 31 de
Dezembro, no art. 40 (Determinação das mais-valias).

A frase “mais-valias” refere-se ao aumento no valor de um activo entre o


tempo ou período em que este é adquirido e quando ele é vendido. No
sector extractivo, o “activo” em questão é uma licença de concessão mineira
ou petrolífera, para além de qualquer infra-estrutura de capital que já
tenha sido desenvolvida. A venda de licenças e concessões é,
particularmente, importante durante as fases de exploração e
desenvolvimento, quando os direitos ao recurso podem ser avaliados em
biliões de dólares, embora as primeiras receitas da produção possam
ocorrer daqui há muitos anos no futuro.

Nas jurisdições onde se impõe um imposto de mais-valias, este imposto é


comummente determinado sobre o vendedor. A lógica é clara, considerando
que o aumento no valor do activo, quando vendido, representa uma forma
de rendimento. Nos casos onde a empresa continua a operar no país, depois
de uma venda, a aplicação do pagamento não constitui um problema. As
recentes vendas da ENI e Anadarko enquadram-se nesta categoria.

41
UNIDADE TEMÁTICA 3.4. FUNÇÃO DOS IMPOSTOS.
Segundo Tavares (1982, p. 313 e 314,), pode-se ver que foi tratado as
funções do imposto num regime de economia liberal evoluída. Entender-se-
á que com a expressão de funções do imposto se pretenderá fazer ressaltar
apenas a utilização que lhe é dada, a missão que lhe é assinalada, ou seja
fazer ressaltar as consequências que, com a sua aplicação, se pretendem
atingir. Verifica-se, assim, que ao imposto podem ser atribuídas três funções:

a) Uma função financeira

A função financeira do imposto. À função financeira do imposto chama-se


também função fiscal do imposto. Mediante ela são fornecidos ao tesouro
público os fundos indispensáveis ao Estado para ocorrer aos gastos com a
satisfação das necessidades colectivas, o que nos indica tratar-se da função
clássica do tributo.

b) Uma função económica


A função económica do imposto. Através da função económica do imposto
pode verificar-se a intervenção dos poderes públicos na economia.
Servindo-se duma conveniente orientação do sistema tributário, o Estado
pode agir sobre a conjuntura ou sobre as estruturas económicas
modificando, pela utilização de medidas temporárias ou definitivas, o
volume da repartição da carga fiscal, influenciando, assim, o nível das
actividades, a importância do consumo e o montante da poupança
individual.

O imposto, sob a forma de reduções ou de isenções, é geralmente utilizado


como incentivo ao desenvolvimento económico nos países onde tal
desenvolvimento se torna necessário em vista, nomeadamente, à promoção
do bem-estar das populações.

42
c) Uma função social

A função social do imposto. No domínio da função social do imposto, o


legislador pode orientá-lo no sentido da obtenção dos efeitos mais
convenientes. Assim, pode-se, mediante impostos elevados sabre o tabaco,
desencorajar o seu consumo tendo em vista a salvaguarda da saúde pública.
Sem dúvida que, quando se atinge o resultado pretendido, o rendimento do
imposto passará a ser insignificante, mas, tal inconveniente é sabiamente
compensado pela concretização da finalidade extra-fiscal pretendida.

Um outro exemplo é o de papel importante que pode atribuir-se ao imposto


numa política demográfica: a tributação' dos solteiros e as deduções ou
reduções de impostos em função dos, encargos de família, podem encorajar
os casamentos e o consequente aumento da natalidade. Se, porém, se
pretender um efeito contrário, isentam-se ou reduz-se o imposto dos solteiros
e tributam-se mais pesadamente os casados.

EXERCÍCIOS
1. O que entendes por imposto?
2. Distinga os impostos de outras figuras afins.
3. Indique as características do imposto.
4. Classifique os seguintes impostos: IRPS, IRPC, ICE e IVA
5. Qual é a importância do imposto?

CASO PRATICO:
Num seminário de direito fiscal, um dos palestrantes convidados diz que: “A
classificação dos impostos tripartida, ou seja, sobre o rendimento, património
e consumo é, actualmente, a mais completa, encontrando-se aliás tipificada no
sistema fiscal moçambicano”.

a) Analise a posição do interlocutor, tendo por base a tipologia de


impostos existentes no actual Direito Fiscal.

43
Sumário
Como vimos ao longo dessa unidade temática, não existe uma definição
constitucional do que vem a ser imposto, mas encontramo-la na Lei Geral
Tributaria, Lei nº 2/2006 de 22 De Marco, a qual define no art. 3 nº 3 e
ao longo da mesma vai apresentando as características e descreve as
figuras afins do imposto, diferenciando-a da taxa, credito forçado.

44
TEMA IV. FONTES DO DIREITO FISCAL
UNIDADE TEMÁTICA 4.1. Leis e Decretos-Leis

UNIDADE TEMÁTICA 4.2. Decretos, Diplomas Ministeriais E


Regulamentos das Autarquias Locais

UNIDADE TEMÁTICA 4.3. Convenções Internacionais

UNIDADE TEMÁTICA 4.4. Jurisprudência e Doutrina

Exercícios

Introdução

Fontes do direito são os modos de formação e revelação do direito. Nos


termos do artigo 7 da LBST, constituem fontes do direito fiscal (fontes
normativas). A expressão “fontes de Direito” admite diversos
entendimentos, ou conteúdos. Um substancial respeita à origem e à razão
vinculativa das normas; outro formal, abrange os revestimentos pelos quais
os preceitos jurídicos se revelam, são enunciados, se apresentam aos seus
destinatários. É neste sentido formal que a expressão vai aqui ser
empregada.

Objectivos

 Conhecer as fontes do direito fiscal;


 Analisar as diferentes fontes existentes no sistema jurídico fiscal;
 Entender as como é que as convenções fiscais internacionais entram em
vigos no sistema jurídico fiscal.

45
UNIDADE TEMÁTICA 4. A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA;
A constituição da República é a lei fundamental e ocupa o lugar cimeiro na
hierarquia das leis. É portanto o primeiro modo de formação e revelação
do direito fiscal.

A matéria que regula os impostos tem como fundamento principal naquilo


que se designa “constituição fiscal”, ou seja, no conjunto de princípios
jurídicos constitucionais disciplinadores, aos mais alto nível, sobre quem,
como e quando se pode tributar, definindo os respectivos limites.

Os principais princípios jurídico-constitucionais do direito fiscal são:

- Princípio da legalidade fiscal


- Princípio da segurança jurídica
- A proibição do referendo fiscal
- Princípio da igualdade fiscal
- A consideração fiscal da família
- O respeito pelos direitos, liberdades e garantias fundamentais
- O princípio do Estado social.

1.1 Princípio da legalidade fiscal

Este princípio não exclusivo do Direito ao Direito fiscal, mas apresenta, à


face deste, um significado mais rigoroso e exigente. A reserva da lei ganha
particular relevo em matéria de Direito Fiscal, pois, resulta claro do disposto
no artigo 100 da CRM que “os impostos só podem ser criados ou alterados
por lei, que os fixa segundo critérios de justiça social e decorre do
imperativo constitucional”

E é a própria CRM, no n.º 2 do art. 127 que dispõe que a lei deve regular
os elementos essenciais do imposto.

NB: Sobre esta matéria veja também o artigo 4 da LGT e artigo 3 da Lei
n° 15/2002 de 26 de Junho.

46
1.2 Princípio da Tipicidade
Este princípio está relacionado com o princípio da legalidade e significa
que são considerados impostos aqueles que se encontram especialmente
previstos na lei. Assim, o n.º 1 do art. 3 da Lei n° 15/2002 de 26 de Junho
dispõe que:

“ Não há lugar a cobrança de impostos que não tenham sido estabelecidos por
lei.

1.3 Princípio de Territorialidade

Este princípio resulta da territorialidade do imposto da necessidade de


delimitação do âmbito de aplicação no espaço das normas fiscais. Ligado
ao conceito e elementos do Estado, as normas fiscais moçambicanas são
validas no território moçambicano.

O Estado, sujeito activo da relação jurídico-fiscal, só pode tributar apenas


dentro do território em que o rendimento ou despesa/consumo é realizado.
Para o efeito, exige-se a presença no território nacional do rendimento
(matéria colectável) e outras vezes é necessária a presença física
noterritório nacional do titular de rendimento.

O n° 4 do artigo 12 da LGT, dispõe que:


“ Sem prejuízo de tratados ou convenções internacionais de que Moçambique
seja parte e salvo disposição legal em sentido contrario, as normas tributárias
aplicam-se aos factos que ocorram no território nacional e aos rendimentos
auferidos no estrangeiro por residentes.

1.4 Princípio da segurança jurídica

Este princípio resulta da ideia do Estado de direito Democrático consagrado


no artigo 3 da Constituição da República. Neste sentido, a constituição

47
impõe limites com vista a evitar a aplicação de normas descontextualizadas
e prejudiciais aos cidadãos.

Os principais limites ligados a matéria fiscal são:

 A não edição de normas retroactivas, desfavoráveis aos cidadãos;


 A imposição de condições para que as leis fiscais não sejam livremente
alteradas, principalmente nos casos em que beneficiam o cidadão.

1.5. Princípio da proibição do referendo fiscal

A matéria fiscal não é susceptível de referendo. Esta questão tem a ver com
questões partidárias, no sentido de que questões ligadas as manipulações
políticas podem influenciar no processo de tomada de decisão num assunto
tão importante como a questão dos impostos.

Assim, a al. a) do nº 3 do artigo 136 da Constituição estabelece a proibição


do referendo quando se trate de matéria sobre a definição das bases da
política e do sistema fiscal moçambicano. (Artigo 179 nº 2, al. d).

1.6. Princípio da igualdade fiscal

O princípio da legalidade fiscal remete-nos à ideia do principio geral de


igualdade dos cidadãos constitucionalmente consagrado (vide artigo 35 da
CRM).

Este princípio assenta na ideia da universalidade e da capacidade


contributiva do cidadão. Ou seja, todos cidadãos se encontram adstritos ao
cumprimento do dever de pagar impostos, e igual imposto para os que
dispõem de igual capacidade contributiva (igualdade horizontal) e
diferente imposto para os que dispõem de diferente capacidade
contributiva na proporção desta diferença (igualdade vertical).

48
1.7. Princípio da consideração fiscal da família

Na determinação das obrigações fiscais deve tomar-se em consideração o


aspecto familiar. Portanto não é permitida qualquer discriminação
desfavorável ao contribuinte em razão de ser casado ou não. Também não
é permitida a utilização dos benefícios fiscais para o favorecimento da
constituição e desenvolvimento da família.

1.8. O respeito pelos direitos, liberdades e garantias fundamentais

O processo de tributação deve respeitar os direitos, liberdades e garantias


fundamentais. O imposto é determinado tendo em conta certos factores
como por exemplo a dignidade da pessoa humana. Ou seja, deve-se
assegurar um mínimo de meios ou recursos materiais indispensáveis à
dignidade do cidadão.

Segundo o prof. Nabais, os impostos enquanto manifestações de um dever


fundamental, não podem, por exemplo pelo seu montante, ir a ponto de
desfigurar os direitos ao trabalho e a iniciativa empresarial, enquanto
direitos de conteúdo determinado ou determinável com base em preceitos
constitucionais, sob pena de os mesmos terem um conteúdo ou conteúdo, sob
pena de os mesmos terem um conteúdo de âmbito “sob reserva (ou nos
termos) da lei fiscal” e não nos termos da constituição.10

1.9. O princípio do Estado social.

O princípio do Estado Social tem implicações importantes no domínio dos


impostos pois constitui tarefa fundamental do Estado a realização da
democracia económica, social e cultural. Aliás ao artigo 11 da Constituição
estabelece que o estado tem como obectivos fundamentais:

10
NABAIS J. op. Cit, p. 161.

49
Artigo 11, al. b) “ A edificação de uma sociedade de justiça social e a
criação do bem-estar material, espiritual e de qualidade de vida dos
cidadãos”;

Al. d) “A promoção do desenvolvimento equilibrado, económico, social e


regional do país”.

De acordo com este princípio entende-se que deve-se ter em conta uma
maior ou menor tributação, ou mesmo tributação e não tributação de acordo
com as circunstâncias. Orienta-se para a tributação ou para maior tributação
na medida em que suporta a progressividade dos impostos, a tributação do
capital, a extrafiscalidade e a tributação das prestações sociais (se e na
medida em que excedam os mínimos existenciais estabelecidos e assegurados
pelas prestações sociais).11

Com relação a tributação ou não tributação deve-se considerar o valor


mínimo tributável, assim como a não tributação das prestações sociais e dos
rendimentos monetários ou imputados afectos pelos contribuintes à
satisfação de necessidades básicas, por exemplo, as despesas com a
habitação, saúde, educação, segurança social etc. até ao montante dos
mínimos decorrentes do direito das prestações sociais.

UNIDADE TEMÁTICA 4.1. LEIS E DECRETO-LEIS


Como corolário do princípio da legalidade acima analisado resulta claro o
papel que a Constituição da República a lei e ao decreto-lei como fontes
do direito fiscal.

Deste modo, a criação, a alteração e a fixação dos elementos essenciais do


imposto é da competência da Assembleia da República, cujos actos
normativos tomam a forma de lei. É o que dispõe o artigo 100 da
Constituição da República, que já citamos anteriormente.

Temos por exemplo a LBST, que estabelece os princípios e normas gerais do


ordenamento tributário moçambicano e os Códigos do IRPS, do IRPC e do

11
Idem p. 163

50
IVA, que aprovam a incidência, taxas e benefícios fiscais relativos aqueles
impostos.

Esta limitação do artigo 100 (reserva de lei), pode, em alguns casos, ser
afastada por aquilo que se designa Decreto-Lei. Ou seja, estas matérias
podem ser reguladas pelo governo, mas mediante autorização legislativa
prévia da Assembleia da República, que definirá o objecto, o sentido e a
duração do decreto-lei.(Veja artigo 143 nº 3, 180 e 181 da CRM).

UNIDADE TEMÁTICA 4.2. DECRETOS, DIPLOMAS MINISTERIAIS E REGULAMENTOS DAS


AUTARQUIAS LOCAIS
As leis determinam os princípios e regime geral da matéria fiscal,
(criação de impostos, definição dos elementos essenciais dos
impostos tais como a incidência, a taxa, benefícios fiscais e garantias
dos contribuintes), cabendo ao governo regulamentar essas matérias
através de Decretos.

É nesse contexto que temos por exemplo os regulamentos códigos


do IRPC, do IRPC e do IVA, aprovados pelo Governo de modo a
simplificar as formas de cobrança destes impostos.

Diplomas ministeriais são actos normativos dos ministérios. Em


matéria fiscal o Ministro das finanças pode, com autorização do
governo, emitir certas directivas, visando esclarecer e facilitar a
aplicação de certos regulamentos.

Os actos normativos das autarquias locais tomam a forma de


regulamentos ou posturas municipais, e de igual modo, no âmbito do
exercício da sua autonomia as autarquias locais, dentro do respeito
à lei e a constituição, produzem normas e directivas que visam
facilitar o processo de cobrança dos impostos e taxas autárquicos.

51
UNIDADE TEMÁTICA 4.3. CONVENÇÕES INTERNACIONAIS
Nos termos do nº 1 do artigo 18 da CRM, os tratados e acordos
internacionais validamente aprovados e ratificados na ordem
jurídica moçambicana, vigoram na ordem jurídica moçambicana
após a sua publicação oficial e enquanto vincularem internamente o
Estado moçambicano.

Em matéria fiscal, as convenções internacionais jogam um papel


importante para o cidadão pois, estes permitem evitar que um
cidadão tenha que pagar duas vezes o mesmo imposto, é o que se
designa “Dupla tributação”. No entanto, o recurso a este direito não
é automático, são necessárias certas formalidades.

Pois, o nº 2 do artigo do artigo 8 da LBST, dispõe que os residentes


de um Estado com o qual o Estado moçambicano tenha celebrado
uma convenção de dupla subordinação, beneficiários efectivos de
rendimentos em território moçambicano, devem solicitar, em tempo
oportuno, a aplicação do regime da convenção, através do
preenchimento de um formulário devidamente certificado pelas
autoridades competentes do Estado de residência, e entregue ao
devedor dos rendimentos ou junto das autoridades moçambicanas
competentes, consoante o caso.

(veja o nº 2 e nº 3 do artigo 8 da LBST, para melhor compreensão).

UNIDADE TEMÁTICA 4.3. JURISPRUDÊNCIA E DOUTRINA


No sistema jurídico moçambicano a jurisprudência e a doutrina não
são fontes formais do direito.

Não compete aos tribunais criar normas jurídicas porque a sua


função é dirimir conflitos mediante a aplicação de normas jurídicas
aplicáveis.

Entretanto, pode falar-se em termos teóricos da jurisprudência como


fonte de Direito fiscal:

52
 Quando o tribunal para decidir determinada questão não tenha
normas aplicáveis aquele caso/situação, e como o tribunal não
pode recusar se a julgar invocando ausência ou não clarificação
das normas, o legislador impõe ao juiz que ele próprio crie uma
norma jurídica aplicável aquele caso concreto, como se ele fosse
um autentico legislador. Neste caso diz-se que a jurisprudência
é fonte de Direito Administrativo.
 O caso dos assentos12. As leis orgânicas (dos tribunais
administrativos e judiciais) determinam que compete ao plenário
dos tribunais supremos proceder a uniformização de
jurisprudência o resultado desta deliberação (assentos) será de
cumprimento obrigatório. Assim, só no caso de uniformização de
jurisprudência è que esta è considerada fonte de Direito
Administrativo.

A doutrina pode ser considerada fonte indirecta ou instrumental, na


medida em que as opiniões dos jurisconsultos podem ser decisivas.
Podem funcionar como pareceres. Através da opinião dos
jurisconsultos o legislador pode criar normas.

EXERCÍCIOS

- Qual é a posição que a Constituição ocupa na hierarquia das leis?

- Refira-se aos princípios da Legalidade, da igualdade Fiscal, da


igualdade e da territorialidade e seu enquadramento legal.

- Em que medita os tratados e convenções internacionais podem ser


considerados fontes do direito?

- A jurisprudência e a doutrina são fontes do direito fiscal?

12
As anteriores Constituições nunca se referiram aos assentos enquanto a actual faz menção expressa aos
mesmos.

53
CASO PRÁTICO:
Havendo dúvidas quanto a norma de incidência do imposto X
existente, a Assembleia da República, concedeu ao Governo uma
autorização legislativa, com o seguinte teor:

“ Fica o governo autorizado a caracterizar certos tipos de subsidio e


outros benefícios ou regalias sociais consideradas rendimento de
trabalho”.

No uso desta autorização legislativa o Governo aprovou o seguinte


Decreto-Lei:

“ consideram-se ainda considerados rendimentos do trabalho para


efeitos do imposto X:

a) Os subsídios e outros benefícios ou regalias auferidas no exercício


ou em razão do exercício da actividade profissional”.

Aprecie a conformidade dos diplomas citados com as normas


constitucionais em vigor.

54
TEMA V. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE LACUNAS NA LEI FISCAL
UNIDADE TEMÁTICA 5. Interpretação e integração da lei fiscal

UNIDADE TEMÁTICA 5.1 Aplicação da lei fiscal no tempo

UNIDADE TEMÁTICA 5.2. exercício

Introdução

Poderá entender-se que as normas fiscais, ou pelo menos, as de incidência,


têm a força vinculativa condicionada pela autorização parlamentar anual
de cobrança de receitas, que se integrará, ou não no Orçamento de Estado.
Quanto a outros aspectos, nenhuma particularidade oferecem as normas
fiscais quanto à sua vigência e quanto à respectiva “vacatio legis”. Pelo que
se lhes aplicam os prazos estabelecidos no art. 2º da Lei 6/83, quando o
legislador não tenha fixado outros especialmente. Também quanta á
cessação da vigência das normas fiscais essa cessação se verifica nos termos
comuns, pela revogação ou pela caducidade, nos casos em que a vigência
daquelas normas tenha sido pelo legislador limitada no tempo, ou colocada
na dependência de condições que deixaram de verificar-se. É relativamente
frequente no campo do Direito Fiscal a suspensão da vigência de normas,
embora essa suspensão deva atribuir-se a precipitações do legislador,
orientado para pôr em rigor normas de difícil aceitação pelo meio social
respectivo.

Objectivos

 Saber interpretar a lei fiscal;


 Conhecer como se preconiza a aplicação da lei fiscal no tempo e no
espaço;
 Analisar a problemática da retroactividade da lei fiscal;
 Compreender o principio da territorialidade na legislação fiscal.

55
UNIDADE TEMÁTICA 5. INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI FISCAL
Tal como as restantes normas jurídicas, as normas fiscais carecem de
critérios de interpretação, ou seja, de regras que nos habilitem a fixar seu
sentimento e alcance do legislador, determinar o conteúdo do comando
nele contido.

No nosso ordenamento jurídico, a Lei geral Tributária, refere no seu artigo


10, nº 1 que

“Na determinação do sentido das normas tributárias e na qualificação dos


factos a que as mesmas se aplicam são observadas as regras e princípios gerais
de interpretação e aplicação da lei”. Tais regras gerais constam dos artigos 9
e seguintes do Código civil.

As leis interpretativas fiscais respeitam ao âmbito da interpretação


autêntica. A integração da lei fiscal, quer em caso de lacuna legal, quer
seja em ausência de norma a que possa o aplicador ou o julgador do direito,
como o administrador tributário, ser confrontado e que possa subsumir o
caso em análise, sofre grandes limitações em matéria fiscal, havendo uma
proibição expressa da aplicação analógica.

Assim, o nº 5 do artigo 10 da Lei Geral Tributária dispõe que “As lacunas


resultantes das normas tributárias abrangidas na competência a lei não são
susceptíveis de interpretação analógica”. (no mesmo sentido dispõem os nºs
5 e 6 do artigo 5 da Lei nº 15/2002 de 26 de Junho).

UNIDADE TEMÁTICA 5.1 Aplicação da lei fiscal no tempo


As leis fiscais obedecem às mesmas regras de início e cessação da vigência,
de um modo geral estabelecidas artigos 5 e 7 do Código Civil e de forma
particular, no que se refere a matéria fiscal no do 12 da LGT.

No que respeita a sua eficácia, é de natureza das leis que, em geral apenas
disponham para o futuro. Os comandos normativos aplicam-se, em regra, a

56
factos que lhe são posteriores (veja art. 12.º do Código Civil). Aliás, trata-
se de um princípio constitucional previsto no n° 5 do artigo 127 da
Constituição da República.

Assim, esta regra geral também se aplica a matéria fiscal. Ou seja, as leis
tributarias dispõem sempre para o futuro, salvo se a sua aplicação
retroactiva beneficiar ao contribuinte. É nesse sentido que dispõe o n° 1 do
artigo LGT, nos seguintes termos:

No direito fiscal vigora o princípio da não retroactividade das leis, com a


excepção das normas procedimentais e processuais, pois estas podem ter
efeitos retroactivos. É nesse sentido que dispõe o n.º 3 do art. 12.º da LGT.

Quanto a cessação da vigência da lei fiscal, as regras aplicáveis são as


mesmas que as da cessação das leis no geral (caducidade, revogação).

EXERCÍCIO

1. Indique os critérios usados na determinação do sentido das normas


tributárias e na qualificação dos factos a que as mesmas se aplicam.
2. Explique o princípio da não retroactividade das leis fiscais.

57
TEMA VI. RELAÇÃO JURÍDICA FISCAL
Introdução

Os caracteres essenciais da relação tributária ou relação de imposto: vinculo


jurídico obrigacional ou creditício, constituído comum fim de obtenção de
uma receita pública e autónomo, no sentido de não depender de situações
jurídicas anteriores nem criar novos vínculos legais.

A relação jurídico-fiscal é pois, uma relação obrigacional, embora de


Direito Público. Nem se trata de uma particularidade do Direito Fiscal que
possa interpretar-se como correspondendo àquela conhecida orientação
que visa aproximar esse ramo jurídico do Direito Civil.

Objectivos

 Identificar os sujeitos da relação jurídico-fiscal;


 Classificar as obrigações fiscais;
 Compreender o Facto tributário;
 Analisar a Garantia geral;

RELAÇÃO JURÍDICO FISCAL

Depois de termos feito uma abordagem sobre os elementos de compreensão


da disciplina de direito fiscal, mais concretamente sobre o conceito,
características, e classificação dos impostos do direito fiscal, bem como
sobre o surgimento aplicação, integração e interpretação das normas do
direito fiscal; importa nesta unidade temática analisarmos a matéria
fundamental da disciplina, que é a relação jurídica fiscal.

A relação jurídica fiscal remete-nos ao conceito de relação jurídica geral,


que é o vínculo entre duas ou mais pessoas, ao qual as normas jurídicas
atribuem efeitos obrigatórios. Ou seja, é uma relação da vida social
regulada pelo direito mediante a atribuição a uma pessoa de um direito e
a imposição a outra pessoa de um dever jurídico ou de uma sujeição. Trata-

58
se do nexo de correspondência recíproca entre direitos e vinculações
encabeçados em pessoas jurídicas.

A relação jurídica fiscal consiste no vínculo jurídico por virtude do qual uma
pessoa fica adstrita para com outra à realização de uma prestação de
natureza tributária. É uma relação obrigacional de direito público em que
os sujeitos passivos estão obrigados para com o sujeito activo à realização
de obrigações tributárias que têm como finalidade o pagamento da
prestação tributária.

Segundo dispõe, no sistema tributário moçambicano, o nº 2 do artigo 14 da


Lei n.º 02/2006, entende-se por prestação tributária, qualquer obrigação
de um sujeito passivo, estabelecida em legislação tributária, quer seja
obrigação de pagar o tributo (obrigação principal de pagar o imposto),
quer seja a obrigação declarativa ou de escrituração (obrigações
acessórias), ou de qualquer outra obrigação.

Como se vê, a relação jurídica tributária não comporta apenas a obrigação


do sujeito passivo pagar o imposto ao credor, ela comporta também as
chamadas prestações acessórias e os juros compensatórios a favor do credor
tributário.

A relação jurídica fiscal desdobra-se em:


 Relação de imposto (relação fiscal material);
 Diversas relações jurídicas acessórias (múltiplas relações fiscais
formais com os mais diversos intervenientes, muitos deles sem
qualquer ligação com a relação jurídica do imposto.

1. Obrigação fiscal

Porém, embora esta complexidade de situações, importa reter que o


núcleo central da relação jurídica fiscal é constituído pela obrigação de
pagar o imposto. Esta obrigação embora sendo estruturalmente uma

59
obrigação como qualquer outra, apresenta características peculiares, que
as diferenciam de outras obrigações do direito privado.

Essas características são:


- Legal;
- Pública;
- Exequível e executiva;
- Semi-executória;
- Indisponível e irrenunciável;
- Autotitulada;
- Especialmente garantida.

a) Obrigação legal
Trata-se de obrigação pois é ex lege, na medida em que a mesma resulta
da lei, tem como fonte a lei. Por isso nasce do encontro do facto gerador ou
facto tributário com a hipótese legal. A relação jurídica fiscal se constitui
com a verificação do facto tributário.

b) Obrigação pública
Constitui obrigação pública na medida em que a sua disciplina jurídica se
integra no direito público, o que tem tradução nomeadamente na presunção
de legalidade do acto de liquidação ou acto tributário que suporta a sua
exigibilidade.

c) Exequível e executiva
Trata-se de uma obrigação exequível e executiva na medida em que, por
um lado, o acto tributário não é auto exequível, carecendo, portanto de
execução e, por outro lado, a sua execução não está dependente de
qualquer outra pronúncia para além da constituída pelo próprio acto
tributário.

60
d) Semi-executória
A obrigação fiscal é semi-executória na medida em que a sua execução
corre, em parte, na Administração Tributária (nos serviços de finanças do
domicílio ou sede do devedor ou da situação dos bens) e, em parte, nos
tribunais fiscais. É assim que o artigo 23 da Lei n° 2/2004 de 21 de Janeiro,
Lei Orgânica dos Tribunais Fiscais, dispõe que compete aos tribunais fiscais
conhecer:
a) conhecer dos processos relativos às infracções jurídico-fiscais;
b) conhecer dos actos de liquidação de receitas fiscais;
c) conhecer dos actos de fixação dos valores patrimoniais, bem como dos
actos de matéria colectável susceptíveis de impugnação jurisdicional
autónoma;
d) conhecer dos actos praticados por entidade competente nos processos de
execução fiscal;
e) conhecer da impugnação de decisões relativas à aplicação de multas e
sanções acessórias em matéria fiscal;
f) conhecer das acções destinadas a obter reconhecimento de direitos ou
interesses legalmente protegidos em matéria fiscal;
g) Conhecer dos incidentes, embargos de terceiro, verificação e graduação
de créditos, anulação de venda, oposição e impugnações de actos lesivos,
e ainda quanto a todas as questões relativas à legitimidade dos
responsáveis subsidiários suscitadas;
h) Do pedido de produção antecipada de prova feito em processo pendente
ou a instaurar em tribunal fiscal;
i) Dos pedidos de providência cautelares para garantia dos créditos fiscais;
j) Do pedido de execução das suas decisões;
k) Do pedido de intimação de qualquer autoridade fiscal para facultar a
consulta de documentos ou processos, passar certidões e prestar
informações, e;
l) Das demais matérias que lhes sejam deferidas por lei.

Assim, cabe a Administração Tributária a prática de todos os demais


actos, designadamente:

61
- A instauração da execução
- A citação dos executados,
- A reversão da execução contra terceiros,
- A penhora dos bens,
- A venda dos bens penhorados,
- A anulação da divida,
- A extinção da execução etc.

e) Indisponível e irrenunciável

Trata-se de uma obrigação indisponível e irrenunciável porque ao credor


não cabem, em princípio, quaisquer poderes para conhecer moratórias,
admitir o pagamento em prestações ou conhecer o perdão da dívida.

Assim, a Administração Tributaria não pode conceder moratórias no


pagamento das obrigações tributárias, salvo nos casos expressamente
previstos. Uma excepção a este princípio é o pagamento de impostos em
prestações, naqueles casos em que o contribuinte está legalmente
autorizado a requerer nesse sentido. Tal prerrogativa, está prevista no
artigo 148 da LGT que estatui que:

1. O sujeito passivo que não possa cumprir, integralmente e que de uma só


vez, a divida tributária, pode, nos termos a definir na legislação, requerer o
pagamento em prestações antes do termo do prazo para o pagamento ou após
o termo deste prazo, sem prejuízo, neste último caso, dos juros devidos”.

O pagamento em prestações pode ser requerido tanto antes da instauração


do processo de execução fiscal como após a instauração do desse processo,
bem como ser solicitado no quadro do processo conducente à celebração
de acordo de recuperação de créditos do estado.

62
f) Auto titulada
Trata-se de uma obrigação em relação a qual a administração fiscal cria
os seus próprios títulos executivos, constituídos pelas certidões de divida
extraídas pelos serviços competentes das notas de cobrança ou de outros
elementos que tiverem ao seu dispor, sendo estas certidões que servirão de
base à instauração do correspondente processo de execução fiscal.

g) Especialmente garantida
A obrigação fiscal é especialmente garantida devido às garantias especiais
que rodeiam o crédito tributário, garantias que colocam o credor tributário
numa posição vantajosa face aos credores comuns.

Os elementos desta relação jurídica são:


 Sujeitos tributários
 Facto gerador
 Objecto
 Garantia

h) Classificação da obrigação fiscal

Podemos classificar a obrigação tributária em:


- Obrigação principal ou obrigação de imposto e
- Obrigação acessória.

• Obrigação principal é a obrigação de pagar o imposto (ver art. 43 da


Lei n.º 02/2006 e art. 21 da Lein.º 15/2002)

• Obrigações acessórias: Estas, sendo ainda tributárias, são obrigações de


fazer, traduzidas em actos declarativos, de escrituração e conservação de
livros e documentos, de comunicação, ou de cooperação (obrigações
acessórias impostas a terceiros), em geral.(ver. art. 21 e 22 da Lei n.º
15/2002).

63
f) Momentos da obrigação de impostos
Os momentos da obrigação de impostos, momento que cronologicamente se
sucedem, desde a ocorrência do facto gerador do imposto até a sua
cobrança, são classificados em: incidência, lançamento, liquidação e
cobrança. Analisemos cada uma dessas fases;

- Incidência;
- Lançamento;
- Liquidação;
- Cobrança.

Incidência
A incidência é a definição geral e abstracta, feita pela lei, dos actos ou
situações sujeitas a imposto e das pessoas sobre as quais recai o dever de
prestar.
Nascida a obrigação do imposto pela incidência, desenrola-se um processo
administrativo que inicia justamente na fase de lançamento. (ver art. 88 a
97 da LGT).

Constituição ou lançamento
Consiste no conjunto de operações de natureza administrativa que visam a
identificação do sujeito passivo e a determinação da matéria colectável.
A obrigação do imposto constitui-se quando se verifica algum dos factos
previstos nas normas de incidência real ou pessoal do respectivo imposto
(ver art. 40 da Lei n.º 02/2006). As formas de determinação da base
tributária estão estabelecidas nos art. 88 e 97 da Lei n.º 02/2006.
Por exemplo, os salários, os honorários, os juros, as rendas e as operações,
entre outros factores auferidos por pessoa singulares, geram uma obrigação
de pagamento do IRPS.

64
Liquidação
Com o surgimento da obrigação de imposto, é necessário torná-la líquida e
exigível, apurar o montante da dívida de imposto e notificá-la ao
contribuinte são os actos a praticar. Assim, a liquidação compreende a
determinação da matéria colectável, a aplicação da taxa do imposto e a
respectiva notificação ao contribuinte. Ver art. 78 a 87 da Lei n.º 02/2006
e art. 26 a 31 da Lei n.º 15/2002.

Trata-se de uma mera operação aritmética de aplicação da taxa à matéria


colectável, a fim de se apurar a colecta do imposto – ver os artigos 78 a
87 da Lei n.º 02/2006.

O direito da administração tributária de liquidar os tributos caduca se


liquidação não for validamente notificada ao sujeito passivo no prazo de 5
(cinco) anos, ver artigo 86 da Lei nº 02/2006.

Cobrança
Este é o momento final do imposto, a forma de extinção da dívida tributária,
que visa a entrada, a colecta do imposto para os cofres do Estado,
terminadas as operações de liquidação e notificação, onde se
compreendem as operações necessárias à sua arrecadação, reguladas
pelas normas de cobrança (ver art. 142 a 149 da lei n.º 02/2006 –
modalidades de cobrança).

2. O sujeito activo da relação jurídica fiscal


O sujeito passivo da relação jurídico fiscal é o Estado e demais entes
públicos. O Estado é portanto o titular activo da relação jurídica fiscal.

No entanto referir que a titularidade activa da relação jurídica fiscal em


sentido amplo, comporta diversas situações, nomeadamente:

 O poder tributário,
 A competência tributária,

65
 A capacidade tributária activa, e
 A titularidade da receita fiscal.

a) Poder tributário
Este poder consubstancia-se no poder conferido constitucionalmente ao
legislador para a criação, instituição, estabelecimento ou “invenção” dos
impostos e a sua disciplina essencial. Por isso distingue-se das outras
titularidades activas aos impostos, isto é, da competência tributaria, da
capacidade tributária activa e da titularidade da receita fiscal.

b) Competência tributária

Esta refere-se à administração ou gestão dos impostos, traduzida no


lançamento, liquidação e cobrança dos impostos.

Tradicionalmente esta competência cabia à Administração Tributária, mas


que hoje em dia, se divide entre a administração fiscal e os contribuintes e
terceiros. Na verdade, estes são cada vez mais legalmente incumbidos de
liquidar e entregar o imposto nos cofres do Estado, o que tem conduzido
aquilo que se designa de “privatização da gestão ou administração dos
impostos”.

c) Capacidade tributária activa


Este aspecto traduz-se na qualidade do sujeito da relação de crédito em
que a relação fiscal se consubstancia.

A capacidade tributária activa consiste na titularidade do crédito de


imposto e demais direitos tributários, uma qualidade que é inerente à
personalidade tributária activa ou susceptibilidade de ser sujeito activo da

66
relação jurídica tributaria e que cabe aos credores tributários, entre os
quais se destaca, pelo seu significado e importância, o credor do imposto.

Sobre esta matéria, o artigo 13 da LGT dispõe que:


“ Sujeito da relação jurídico- tributária é a entidade de direito
público, titular do direito activo de exigir o cumprimento das obrigações
tributárias, quer directamente, quer através de representante”.

d) Titularidade da receita fiscal


Esta situação verifica-se nos casos em que, por imposição constitucional ou
legal, as receitas proporcionadas por certos impostos estejam
subjectivamente consignadas a determinados entes públicos que não tenham
todas ou algumas titularidades fiscais activas.

Ainda sobre os sujeitos da relação, (activo e passivo), (ver art.14, 20 a 28,


da Lei n.º 02/2006):

3. O sujeito passivo da relação jurídica fiscal


O sujeito passivo da relação jurídico fiscal é o contribuinte, o devedor do
imposto. Pois, nos termos do disposto no artigo 14 da LGT:

“ Sujeito passivo da relação jurídico tributaria é quem, nos termos da legislação


tributária, está obrigado ao cumprimento de uma prestação tributária, de
natureza material ou formal, seja uma pessoa singular ou colectiva, uma
entidade constituída observando ou não os requisitos legais, um património,
uma organização de facto ou de direito ou qualquer outro agrupamento de
pessoas.

O contribuinte é assim, pessoa relativamente à qual se verifica o facto


tributário, o pressuposto de facto ou o facto gerador do imposto, isto é, o
titular da manifestação de capacidade contributiva que a lei tem em vista
atingir e que, por conseguinte, deve suportar a ablação ou desfalque
patrimonial que o imposto acarreta.

67
O contribuinte é o devedor directo do imposto e não indirecto como
acontece com a figura de substituto tributário, é ainda um devedor
originário e não derivado como o sucessor legal. É também um devedor
principal e não acessório como acontece com o responsável fiscal.

Relacionado com esta matéria, encontramos as seguintes figuras:


 Personalidade e capacidade tributária;
 Substituto tributário,
 Responsável tributário,
 Domicílio fiscal do sujeito passivo,
 Representação legal, mandato tributário e gestão de negócios
 Número Único de Identificação Truibutária.

- Personalidade e capacidade tributária


A personalidade tributária traduz-se na susceptibilidade de ser sujeito
activo ou passivo de relações tributárias, sendo inerente a esta a
capacidade tributária de gozo, ou seja, a qualidade de ser titular dos
direitos e deveres tributários correspondentes.

No entanto, para além dos conceitos de personalidade e de capacidade


de gozo, temos também o conceito de capacidade de exercício que é a
medida dos direitos e deveres que cada sujeito pode exercer e cumprir por
si.

NB: Veja os artigos 16 a 18 da LGT.

- Substituto tributário
Segundo o artigo 20 da LGT, substituto tributário é o sujeito passivo que,
por imposição da lei, está obrigado a cumprir prestações materiais e
formais da obrigação trinitária em lugar do contribuinte
Ou seja,

68
A obrigação tributária é exigida a pessoa diferente do contribuinte. Tal
facto materializa-se através do mecanismo da retenção na fonte do imposto
devido, reduzindo o substituto a um retentor do imposto. Por exemplo ao
pagar os salários a entidade empregadora é obrigada a proceder à
dedução do IRPS devido pelo trabalhador e entregar o valor deduzido à
Administração Tributária.

NB: Veja o artigo 20 da LGT e o artigo 6 da Lei n.º 15/2002 de 26 de


Junho.

- Responsável tributário
O responsável tributário é o sujeito passivo a quem é exigido o pagamento
de uma dívida tributária de outrem, que não foi atempadamente paga.
Regra geral a responsabilidade tributária é subsidiária face ao devedor
originário, embora possa também ser subsidiária ou solidária na relação
entre os diversos responsáveis no caso de pluralidade de responsáveis
tributários. Como exemplos de situações de responsabilidade tributária,
podemos citar os seguintes:
 Responsabilidade dos administradores, directores ou gerentes e outras
pessoas que exerçam funções de administração nas sociedades,
cooperativas e empresas públicas (Veja artigo 29 da LGT);
 Responsabilidade dos sócios de sociedades de responsabilidade
limitada (veja artigo 30 da LGT);
 Responsabilidade em caso de substituição tributária (que acabamos de
ver- artigo 20 da LGT).

NB: Veja artigo 21 a 34 da LGT e artigo 6 da Lei n.º 15/2002 de 22 de


Junho.

- Domicílio fiscal do sujeito passivo


Nos termos do disposto no artigo 35 da LGT, os sujeitos passivos residentes
e seus representantes legais ou voluntários, e os representantes dos sujeitos

69
passivos não residentes, estão obrigados a fixar um domicílio fiscal em
Moçambique.

Assim, o domicílio do sujeito passivo é, salvo disposição em contrário:


 O local de residência, para as pessoas singulares;
 O local da sede ou direcção efectiva, ou na falta destas, do seu
estabelecimento estável no país, para as pessoas colectivas.

NB: Veja artigos 35 a 37 da LGT e art. 16 da Lei n.º 15/2002 de 22 de


Junho.

- Representação legal, mandato tributário e gestão de negócios


Os interessados ou os seus representantes legais podem conferir mandato,
sob a forma prevista na lei, para a prática de actos de natureza
procedimental ou processual tributária que não tenham natureza pessoal.

Por exemplo, no caso de incapacidade de exercício a incapacidade é


suprida pelos representantes legais. Os pais, os tutores ou curadores podem
agir como representantes legais dos menores, dos interditos ou dos
inabilitados.

Sobre a gestão de negócios, a lei permite que certos actos sejam praticados
pelo gestor de negócios, produzindo efeitos em relação ao dono do negócio
nos termos da lei civil.
NB: veja artigos 17, 18 e 19 da LGT.

- Número único de identificação tributária (NUIT)


Todos os contribuintes devem possuir um número de identificação tribuária,
que abreviadamente se designa NUIT. Compete a Administração Tributária,
Autoridade Tributária a atribuição do NUIT.

70
O NUIT deve constar de todas as transações, e actos, declarações, facturas,
correspondências com a Administração Tributária e outros documentos
ligados às obrigações fiscais.

NB: veja artigo 38 da LGT e artigo 16 da Lei n.º 15/2002 de 26 de Junho,


e Decreto n.º 52/2003 de 24 de Dezembro.

1. Objecto da relação jurídica fiscal


O objecto da relação jurídica fiscal são todos os direitos e deveres do
sujeito activo e do sujeito passivo, previstos na legislação tributária, que
têm como finalidade última o pagamento da divida tributaria, e inclui
reembolsos e juros. (Ver artigo 39 da LGT).

2. Facto tributário

O Facto tributário é a ocorrência de elementos ou pressupostos (obtenção


de rendimentos ou aquisição de bens) que, previstos na lei, fazem nascer a
obrigação do imposto.

3. Garantia da relação jurídica fiscal

A Garantia é o conjunto de meios legais de protecção do sujeito activo da


relação, com vista ao cumprimento da prestação tributária (dívida
tributária) pelo sujeito passivo, é a garantia dos créditos tributários

O património do sujeito passivo constitui a garantia geral dos créditos


tributários. Não tendo o devedor pago o imposto, no prazo de pagamento
voluntário, é instaurado um processo de execução fiscal, com vista ao seu
pagamento coercivo, designadamente através da alienação de bens ou de
direitos de devedores, de modo a obter o montante de imposto em dívida.

Além desta garantia, a lei fiscal enumera algumas garantias especiais da


prestação tributária, tais como constam dos artigos 161 a 166 da LGT.

71
Assim, o Fisco é titular de privilégio creditório, concedido pela lei (ver. artigo
162 da mesma lei) o que lhe permite ser pago com preferência em relação
a outros credores.

Classificação das garantias


As garantias do cumprimento da obrigação fiscal podem ser gerais ou
especiais, vejamos então em que é que consistem cada uma delas:

Garantias gerais
Como qualquer credor, também o Estado ou outro credor tributário tem no
património do credor a garantia geral do seu crédito. É nesse sentido que
dispõe o artigo 161 da LGT.

Garantias especiais
Para além da garantia geral os credores tributários dispõem de outras
garantias especiais, quer de natureza pessoal que se traduz na figura de
responsabilidade tributária, de que já falamos, quer de natureza real.

As garantias especiais reais do crédito tributário podem ser:


 Privilégios creditórios;
 Penhor e Hipoteca;
 Direito de retenção;
 Prestação de caução.

Aliás o nº 2 do artigo 161 da LGT dispõe que:


“Para a garantia dos créditos tributários, a Administração Tributária dispõe
ainda:
a) Dos privilégios creditórios previstos no artigo seguinte, na lei civil ou na
legislação tributária;
b) Do direito de constituição, nos termos da lei de processo tributário, de
penhor ou hipoteca legal, quando essas garantias se revelem necessárias à
cobrança efectiva da dívida tributária ou quando o imposto incida sobre a
propriedade dos bens;

72
c) Do direito de retenção de quaisquer mercadorias sujeitas à acção fiscal ou
aduaneira de que o sujeito passivo seja proprietário, nos termos da lei de
processo tributário e o regime jurídico de infracções aduaneiras fixarem.

Privilégios creditórios
A Administração Tributária goza de privilégios creditórios sobre os bens do
sujeito passivo, quando concorra com credores que não tenham constituído
e registado uma garantia real sobre esses bens ou alguns deles,
anteriormente à constituição de garantias reais pela Administração
Tributária.

Ou seja, há casos em que o sujeito passivos é devedor de muitas pessoas ou


entidades, e todos tem o direito de ser pago, no entanto, embora todos
tenham esses direitos, uns, como por exemplo a Administração Tributária,
tem o direito de ser pagos preferencialmente.

Os créditos podem ser pagos:


 Pelo valor de todos os bens móveis do devedor (privilégio imobiliário
geral). Gozam deste direito, por exemplo, o Estado e as Autarquias
Locais, quanto aos créditos resultantes dos impostos indirectos.
 Pelo valor de determinados bens móveis (privilégio mobiliário especial).
Gozam deste privilégio, por exemplo, os créditos do Estado por
impostos sobre as sucessões e doações, em relação aos bens móveis
transmitidos.

Garantias do sujeito passivo


Não é só o sujeito activo que goza de garantias do cumprimento da
obrigação tributária, pois a lei atribui também ao sujeito passivo, certas
garantias como:
 Não pagar impostos que tenham sido estabelecidos em respeito a
constituição;
 Apresentar reclamações ou recursos hierárquicos, solicitar revisões ou
apresentar recursos contenciosos de quaisquer actos ou omissões da

73
Administração Tributária, lesivos dos seus direitos ou interesses
legalmente protegidos;
 Poder ser esclarecido, pelo competente serviço tributário, acerca da
interpretação das leis tributárias e dos modos mais cómodo e seguro de
as cumprir;
 Poder ser informado sobre a sua concreta situação tributária.

NB: Veja artigos 50 e 161 a 165 da LGT e artigo 17 da Lei n.º 15/2002
de 26 de Junho.

4. Cessação da relação jurídico fiscal

Extinção da obrigação do imposto


Em regra, a obrigação de imposto extingue-se com o pagamento em
dinheiro da dívida tributária.
O imposto pode ser pago a título:
- Voluntário, à boca do cofre: decorre no prazo, com acréscimos de juros de
mora e compensatórios,
- Coercivo, no âmbito do processo de execução fiscal para pagamento
coercivo, na fase de relaxe da dívida tributária.

Outras formas de extinção da obrigação de imposto são a:


 Compensação, ver art. 44, 150, 151, da LGT e art. 32 da Lei nº
15/2002 de 26 de Junho;
 Dação em cumprimento, ver art. 45,152 a 155 da LGT e art. 32
da Lei n.º 15/2002 de 26 de Junho;
 Confusão, ver art. 46. da LGT.
 Por falência ou insolvência, ver art. 47 da LGT.
 Prescrição, ver art. 48 da LGT e art. 36 da Lei n.º 15/2002 de
26 de Junho.

74
NB: Veja também artigo 43 da LGT e artigo 21 da Lei n.º
15/2002 de 26 de Junho.

EXERCÍCIOS:
- Defina obrigação fiscal e indique as respectivas características.
- Refira-se às garantias dos contribuintes na relação jurídica fiscal.
- Como se extingue a relação jurídica fiscal?

CASO PRÁTICO 1:
Carlos Magaia obteve a sua carteira profissional na Ordem dos Advogados
ainda não tinham decorridos seis meses, quando um amigo de infância, João
Tembe também ele advogado há pouco tempo, procurou concencê-lo no
sentido de ambos formarem uma sociedade de advogados.

A 20 de Junho de 2014 constituíram a sociedade, nos termos da lei.

Fruto de alguma inexperiência na área fiscal, os referidos advogados


contactaram um outro amigo seu, Jaime de Jesus, advogado mais
experiente, para que lhes informasse e explicasse o sistema de tributação
a que iam estar sujeitos.

Pese embora a explicação que foi oferecida, dias depois, os dois amigos e
colegas permaneceram com dúvidas, principalmente no que se refere á
responsabilidade tributária, termo utilizado pelo colega de profissão.
a) Não querendo incomodar novamente o amigo Jaime de Jesus,
actualmente preenchido com inúmeros trabalhos, suponha que é
contactado por algum deles que lhe pergunta o que é responsabilidade
tributária e como é que se aplicaria na sociedade por eles constituída.

CASO PRÁTICO 2:
Em Abril de 2014, João Morais, distinto comerciante na área de gasolineiras
há mais de 30 anos, recebeu no seu domicílio fiscal, sito na cidade de

75
Maputo, uma notificação da Administração Tributária para proceder ao
pagamento do imposto adicional incidente na sua actividade económica.

Contudo, o contribuinte ficou surpreso com a notificação da Administração


Tributária. Desde logo pelo facto de ser a primeira vez que fora notificado
para o pagamento de um imposto adicional no seu ramo de actividade, e
segundo, visto que, de acordo com o que lhe comunicara o seu contabilista,
os impostos relativos ao exercício da sua actividade encontravam-se
regularizados.

Mas, estupefacto ficou porque a notificação da Administração Fiscal não


tinha descritas quais as razões que justificavam a cobrança do imposto.
Diante do exposto, e da conversa que teve com o seu contabilista, João
Morais concluiu que não deveria efectuar o pagamento do respectivo
imposto adicional.

a) Imagine, enquanto advogado do João Morais, que é contactado por


este relativamente aos factos descritos em epígrafe, que solução lhe
ofereceria?

76
TEMA VII: SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO: ORIGEM HISTÓRICA DA
FISCALIDADE EM MOÇAMBIQUE

UNIDADE TEMÁTICA 7.1. Evolução do Sistema Tributário


Moçambicano13
UNIDADE TEMÁTICA 7. SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

Introdução
A origem do sistema fiscal moçambicano está intimamente ligado com os
grandes períodos históricos no país, a saber o período primitivo ou pré-
colonial; o período colonial; o período pós- independência, onde se destaca
as reforma ligada ao programa de Reabilitação Económica (de 1987). O
estágio actual do sistema fiscal está relacionado com as reformas ocorridas
em 2002.

UNIDADE TEMÁTICA 7.1. EVOLUÇÃO DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MOÇAMBICANO

1.1. Período pré-colonial


Este período iniciou com a chegada dos mercadores árabes e indonésios por
volta dos anos 600 e termina em 1865.

Com a fixação dos árabes na Ilha de Moçambique entre os anos 1840 e


1486, introduziram a islamização e reduziram o domínio do comércio chinês
e introduzem a primeira forma de tributação no país, designado mutsonko
ou mussoco. Como resultado de convivência com os árabes, os portugueses
iniciaram a exploração económica e tomaram a primeira medida de
declaração do monopólio da importação de tecidos da Índia e de
perseguição do contrabando.

Esta medida fiscal que coexistia com os tributos árabes e os direitos de


passagem não tiveram grande expressão. Os súbditos também deviam

13
Veja WATY, oo. Cit. Pp 189-204.

77
impostos aos chefes tribais, os mambos ou hosi, como sinal de vassalagem.
As oligarquias cobravam impostos aos povos de territórios que ocupavam,
utilizando o sistema de organização fiscal encontrado que tinha os régulos
no topo e que deixaram de ter a titularidade dos tributos.
Os prazos no século XVI desempenharam um papel assinalável sob um ponto
de vista tributário.

Neste período primitivo encontrávamos impostos tradicionais e outros


impostos que surgiram por influência do exterior, distribuídos do seguinte
modo:

Impostos tradicionais Impostos de influência exterior


 Impostos directos que o régulo cobrava  Mussoco árabe (capitação);
à população, destacando-se os cobrados  Monopólio dos tecidos de sofala;
sobre o pescado, culturas, frutas;  Prazeiros (Zambézia).
 Impostos de tributo de vassalagem que o
régulo o régulo pagava ao imperador
ou ao colono, prazeiro, etc;
 Impostos do direito de passagem pagos
pelos comerciantes ou viajantes para
atravessarem as terras dos régulos;
 Impostos pagos pelos comerciantes ou
viajantes para realizarem as “feiras” ou
poderem comercializar com as
populações locais.
 Impostos resultantes do espólio de
guerra;
 Impostos resultantes do serviço de
justiça.

Em suma, no período pré-colonial os impostos pagos ou em espécie, ou por


escravos, tendo no entanto, mais tarde, passado a serem pagos em dinheiro.
78
Também neste período ainda não se verificavam as características da
generalidade e da uniformidade dos impostos.

1.2. Período colonial


Este período pode ser analisado em dois sub períodos, nomeadamente, 1)
de 1820 a 1967 e 2) de 1968 a 1975.

Vejamos então as características do sistema fiscal nestes subperíodos:

a) Primeira fase: 1820 – 1967

Este período começa com a implantação do liberalismo em Portugal,


inspirado na Revolução Francesa, defendo a unicidade do Estado e a
soberania do Povo, que contrastava com a existência da dupla soberania.
Neste contexto, alguns impostos foram substituídos, por exemplo, os prédios
rústicos passam a pagar dízimos e os urbanos passam a contribuir com uma
taxa de 10%, substitui-se o Mussoko árabe e prazeiro pelo imposto de
palhota, que extingue, também os trabalhos forçados.

A utilização de Moçambique como via de acesso aos países


da interland permitiu ao país a cobrança de impostos alfandegários ou
aduaneiros.

O imposto de palhota foi transformado em imposto de capitação e a sua


entrega passou a ser feita por arrematação à qual se ligam ilegalidades
diversas.

A arrematação passou a ser em hasta pública e o pagamento de metade


de Mussoko em trabalho.

A companhia de Moçambique passou a exercer prerrogativas


extraordinárias de cobrança do imposto em dinheiro, a partir de 1894. Esta
foi a oficialização da monetarização do imposto, que implicou a produção

79
de excedente conseguida pelo trabalho assalariado nas minas da África do
Sul e do trabalho forçado, por membro do agregado familiar.

Esta cobrança tinha a colaboração de Ngungunhane, através dos seus


n´dunas.

 De uma forma resumida, podemos dizer que esta fase


caracterizava-se do seguinte modo:
Subsistência de impostos tradicionais e impostos inspirados no
estrangeiro e implantação de regras de cobrança de impostos pelos
Prazos do Zambeze;
 Surgimento das Companhias Majestáticas, como entidades
privadas com prerrogativas de cobrar impostos.
 Sistema disperso de impostos coloniais cobrados pela
Administração Central.

b) Segunda fase: 1967 – 1975


Tem-se como marco desta fase a reforma efectuada em 1967, com os
seguintes fundamentos:
 O crescimento económico, mercê da posição geo-estratégica de
Moçambique na região austral de África;
 A manifestação da incapacidade do regime de tributação
vigente;
 Os objectivos políticos de integração económica colonial;
 A reforma fiscal efectuada em Portugal que culminara em 1966,
que congregava os impostos num único diploma para evitar
repetições e que permitia uma fácil apreensão do espírito do
sistema.

Com a reforma efectuada neste período, passaram a vigorar os seguintes


impostos:

80
 Contribuição industrial (que tributava os lucros das empresas);
 Imposto Profissional e seu adicional;
 O Imposto sobre a Aplicação de Capital;
 O Imposto Complementar;
 O imposto Geral mínimo;
 O Imposto de Consumo;
 Imposto de Selo.

1.3. Período pós-independência


Este período estende-se desde 1975 (1978) até os dias actuais,
caracterizado por diversas reformas fiscais, que acompanham as mudanças
na conjuntura sócio-política e económica. Assim, pode-se apontar as
seguintes reformas:

a) Reforma de 1978
O código de Impostos Sobre o Rendimento de 1967 vigorou até depois da
independência, sofrendo algumas alterações. Com a adopção do Socialismo
em 1977, o Sistema Fiscal colonial em vigor mostrou-se inadequado para
satisfazer os objectivos da justiça social consagrados na Constituição. Em
1977, através da Resolução nº 5/77, de 1 de Setembro, o Sistema Fiscal
Moçambicano passa a ser um instrumento de direcção central da economia,
que serviu de base para a realização da primeira reforma em 1978.

Esta reforma tinha como objectivos:


 Simplificar o processo de cobrança, por retenção antecipada através
de imposto de Circulação;
 Garantir o papel correctivo da Contribuição Industrial e do Imposto
Complementar;
 Agravar os impostos sobre o lucro das empresas;
 Fundir das diversas formas de tributação do rendimento do trabalho
num único imposto e a adaptação do critério de progressividade neste
imposto.

81
b) Reforma de 1982
A reforma tributária de 1978 permitiu o aumento das receitas até 1982,
onde foram reformulados os princípios fundamentais do Imposto sobre o
Rendimento no que se refere aos sujeitos da obrigação fiscal, às isenções, à
determinação da matéria colectável, liquidação, garantias, fiscalização e
penalidades e fez-se o ajustamento do Imposto Complementar, isentando os
rendimentos do trabalho sujeito ao IRN (imposto de reconstrução nacional),
passando a aplicar-se as taxas progressivas. Passa a tributar-se as
pesquisas e exportações de petróleo.

c) Reforma de 1987
A degradação da economia nacional, a ineficácia do sistema fiscal e
resultante das negociações com o Fundo Monetário Internacional e o Banco
Mundial, no âmbito do Plano de Reabilitação Económica levaram à
aprovação de um novo Sistema Fiscal com os seguintes objectivos:

 Alterar a qualidade do sistema de tributação, com a revitalização e


reforço dos impostos indirectos como instrumentos que permitam uma
mobilização mais eficaz de recursos, ao mesmo tempo que actuam como
corredores dos desequilíbrios existentes;
 Aperfeiçoar os sistemas de tributação directa dos rendimentos, de modo
a realizar de forma mais eficaz a personalização do imposto e atingir
com maior gravosidade e eficácia os rendimentos mais elevados, em
particular os de capital.

Deste modo, foram introduzidas as seguintes alterações ao sistema:


 A tributação sobre os lucros das empresas estatais e das cooperativas
de consumo;
 A introdução do mecanismo da liquidação provisória na Contribuição
Industrial;
 A criação de um imposto específico sobre a actividade das cooperativas
de produção de serviços (IRT-B);

82
 A criação de um imposto proporcional sobre os rendimentos do trabalho;
 O tratamento diferenciado, para efeitos de sujeição ao Imposto
Complementar dos rendimentos do trabalho e de capital, resultando na
tributação mais suave dos primeiros;
 Reformulação do IRN, passando a apresentar uma contribuição mínima
exigida a cada cidadão para o Tesouro Público;
 Isenção de impostos sobre as remunerações da Função Pública, ficando
sujeitos apenas ao IRN.
d) Reforma de 1997
Esta reforma está relacionada com a grande reforma de 1996, que
introduziu a política de descentralização no país. Portanto, para além do
Estado, passaram a existir outras pessoas colectivas públicas territoriais,
dotadas de autonomia administrativa, financeira e patrimonial, as
autarquias locais.

O regime jurídico das autarquias locais está previsto na lei nº 2/97 de 18


de Fevereiro.

Nesse contexto, em 1997 foi aprovada a lei de finanças autárquicas, Lei nº


11/97 de 31 de Maio, que estabelece o sistema tributário autárquico,
constituído pelos tributos seguintes:
 Imposto Pessoal Autárquico, que substitui o Imposto de Reconstrução
Nacional;
 Imposto Predial Autárquico, que incide sobre o valor patrimonial dos
prédios urbanos;
 Imposto Autárquico de Comércio e Indústria, devido pelos contribuintes
sobre os quais incidiria a Contribuição Industrial, Grupo C e que
exerçam as suas actividades nas circunscrições territoriais das
autarquias;
 Imposto Sobre o Rendimento do Trabalho, Secção B, relativamente as
actividades exercidas no território das autarquias, nos termos previstos
no Código de Impostos sobre o Rendimento aprovado pela Lei 3/87, de
30 de Janeiro.

83
 Derramas;
 Taxa por Actividade Económica.

e) Reforma de 1999
Este período é marcado pela adopção do IVA, Imposto Sobre o Valor
Acrescentado, que substitui o Imposto de Circulação e cujo código foi
aprovado por Decreto nº 51/98 de 29 de Setembro. Trata-se portanto, de
uma reforma do sistema de tributação indirecta dos impostos em
Moçambique.

A introdução do IVA trouxe muitos benefícios para o sistema fiscal


moçambicano, com por exemplo:
 Permitiu inclusão do montante do imposto em mercadorias para
exportação;
 Permitiu a tributação de todo o consumo de bens materiais e serviços
abrangendo a sua incidência todas as fazes do circuito económico,
desde a produção ou importação até ao retalho;

Importa referir que neste período também foi criado outro imposto, que é o
Imposto Sobre o Consumo Específico (ICE), que como já nos referimos quanto
tratamos da classificação dos impostos, incide sobre determinados bens
como o tabaco, o álcool etc. Constantes da tabela anexa ao respectivo
código, aprovado por Decreto nº 52/98 de 29 de Setembro.

UNIDADE TEMÁTICA 7. SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO


O actual sistema, começa com a aprovação, pela Assembleia da República,
da Lei nº 15/2002 de 26 de Junho, que consubstancia a reforma do sistema
tributário até então existente.

Foi assim, iniciado o processo de reforma nas seguintes matérias:


 Formulação da tributação directa;

84
 Actualização da série de legislação colonial respeitante ao contencioso
fiscal, ao regime geral das infracções e ao funcionamento dos tribunais
fiscais para a modernização da máquina administrativa fiscal.

Esta reforma fiscal, que havia sido iniciada com a introdução do IVA e a
alteração do Imposto de consumo para imposto de consumo de produtos
específicos, visou prosseguir os seguintes

Objectivos:
 Alargamento da base tributária;
 Aumento do nível de receitas;
 Simplificação dos procedimentos;
 Modernização do sistema de impostos, e;
 Racionalização do sistema dos benefícios fiscais.

Quanto ao sistema fiscal autárquico, referir que a lei nº 11/97 de 31 de


Maio foi revogada e aprovada a lei nº 1/2008 de 16 de Janeiro, que
aprova o Sistema Tributário Autárquico.

Com a aprovação do novo sistema tributário autárquico, deixam de existir


o Imposto Autárquico de Comércio e Indústria, Imposto Especial Sobre o
Jogo, o Imposto Sobre o Rendimento de Trabalho secção B e o Imposto
Autárquico de Comércio e Indústria.
Foram introduzidos o Imposto Autárquico de Veículos, o Imposto Autárquico
de Sisa e as Contribuições e melhorias.

Neste contexto temos a destacar os seguintes instrumentos legais do sistema


fiscal actual:
 Lei nº 15/2002, de 26 de Junho, Lei de Bases do Sistema Tributário;
 Lei nº 2/2004, de 21 de Janeiro, Lei orgânica dos tribunais fiscais;
 Lei nº 1/2006, de 22 de Março, que Cria a Autoridade Tributária de
Moçambique;

85
 Lei nº 2/2006, de 22 de Março, que estabelece os princípios e normas
do ordenamento;
 Lei nº 33/2007, de 31 de Dezembro, que aprova o Código do IRPS;
 Lei nº 34/2007 de 31 de Dezembro, que aprova o Código do IRPC;
 Lei nº 1/2008 de 16 de Janeiro, sobre o sistema tributário autárquico
jurídico tributário moçambicano e aplicáveis a todos tributos nacionais e
autárquicos;
 Decreto nº 46/2002 de 26 de Dezembro, que aprova o Regime Geral
das Infracções Tributárias;
 Decreto nº 6/2004 de 01 de Abril, que aprova o Código do Imposto
do Selo;
 Decreto nº 46/2004, de 27 de Outubro, que aprova o Código do SISA.

EXERCÍCIOS
 Defina e caracterize o Mussoco.
 Que impostos tradicionais vigoravam no período pré-colonial?
 Em que é que se basearam as reformas do período pós- independência?
 Quais foram os principais aspectos que constituíram o fundamento para
a existência do sistema fiscal actual?

86
TEMA VIII: OS IMPOSTOS DO SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO
Unidade temática 8. Impostos Estaduais
Unidade temática 8.1. Impostos Autárquicos

Introdução
O Sistema Tributário Moçambicano integra impostos Estaduais, de âmbito
nacional e Autárquicos, aplicáveis nos territórios das autarquias locais. O
Regime geral do Sistema Tributário moçambicano consta dos artigos 56 e
seguintes da Lei nº 15/2002 de 26 de Junho.

Objectivos
 Definir os impostos autárquicos e os estaduais;
 Diferenciar os impostos Estaduais dos impostos autárquicos;
 Saber a base de incidência dos impostos descritos nesse tema;
 Saber preencher o modelo 10 de Calculo d imposto;
 Conhecer as isenções vigentes no sistema jurídico moçambicano;

2.1.1 Classificação dos impostos


São impostos Estaduais os seguintes:

Impostos directos:
 IRPS;
 IRPC;

Impostos indirectos:
 IVA;
 ICE;
 Direitos aduaneiros

São impostos autárquicos, os seguintes:

87
 Imposto Pessoal Autárquico;
 Imposto Predial Autárquico;
 Imposto Autárquico de Veículos;
 Imposto Autárquico de Sisa;
 Contribuições de Melhoria;
 Taxas por Licenças concedidas e por Actividade Económica;
 Tarifas e Taxas pela Prestação de Serviços.

De forma ilustrada, teríamos a seguinte estrutura do Sistema Fiscal moçambicano:

Vejamos a seguir, cada um dos impostos nacionais, principalmente quanto a sua definição,
incidência e isenção e taxas.
88
Com relação aos impostos autárquicos, remetemos ao estudante para a consulta da Lei nº 1/2008
de 16 de Janeiro, que aprova o Sistema Tributário Autárquico.

1.2. Definição, Incidência e Isenção dos impostos estaduais

a) Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares - IRPS


O IRPS é um imposto directo, que incide sobre o valor global anual dos
rendimentos, mesmo quando provenientes de actos ilícitos (ver. n.º 1 do art.
1 da Lei n.º 33/2007 de 31 de Dezembro).
O actual código de IRPS foi aprovado pela Lei n.º 33/2007, de 31 de
Dezembro de 2007 e o seu Regulamento foi aprovado pelo Decreto n.º
08/2008 de 16 de Abril de 2008.

Incidência pessoal (incide sobre os sujeitos passivos, tem em conta as


pessoas)

São sujeitos passivos deste do IRPS:


 As pessoas singulares que residam em território Moçambicano e as que,
nele não residindo, tenham rendimento (a extensão da obrigação fiscal
depende da residência ou não em território nacional);

Os residentes são tributados por todos rendimentos obtidos em


Moçambique. Os não residentes são tributados apenas pelos rendimentos
obtidos em Moçambique.

Nos termos do artigo 21 do Código do IRPS, considera-se residentes em


território moçambicano as pessoas que, no ano a que respeitem os
rendimentos obtidos:
 Hajam permanecido mais de 180 dias, seguidos ou interpolados;
 Tenham permanecido menos tempo e aqui tenham habitação;
 Desempenhem no estrangeiro funções ou comissões de carácter público;

89
 Sejam tripulantes de navios ou aeronaves, desde que estejam ao serviço
de entidades com residência;
 As pessoas que constituem agregado familiar em território nacional
desde que nele resida qualquer das pessoas a quem incumbe a direção
do mesmo.

Incidência real (tem em conta os rendimentos)


Para efeitos do IRPS, os rendimentos podem ser agrupados em cinco
categorias, nomeadamente:
 Primeira Categoria - Rendimentos de trabalho dependente;
 Segunda Categoria - Rendimentos empresariais e profissionais;
 Terceira Categoria - Rendimentos de capitais e de mais valias;
 Quarta Categoria - Rendimentos prediais,
 Quinta Categoria - Outros rendimentos.

Primeira Categoria - São todas as remunerações provenientes do trabalho


por conta de outrem, prestado, quer por servidores do Estado e das demais
pessoas
colectivas de direito público, quer em resultado de contrato ou de outro a
ele legalmente equiparado. Incluem-se no rendimento de trabalho
dependente as pensões e rendas vitalícias ou rendimento de natureza
equiparável.

As pensões são rendimentos não tributáveis.


Segunda Categoria – São os rendimentos os obtidos por pessoas singulares
decorrentes de exercício de qualquer actividade comercial, industrial,
agrícola, silvícola ou pecuária; auferidos no exercício por conta própria de
qualquer actividade de prestação de serviços; proveniente da propriedade
intelectual industrial ou da prestação de informações respeitantes a uma
experiência adquirida no sector industrial, comercial ou científico, quando
auferidos pelo seu tutor ou titular originário; e rendimentos decorrentes de
actividades artísticas, desportivas e ou culturais.

90
Terceira Categoria: São os juros e os lucros, incluídos os apurados na
liquidação, colocados à disposição dos sócios das sociedades ou do
associado; as quantias postas à disposição dos membros das cooperativas,
a título de remuneração de capital; os rendimentos provenientes de
contratos que tenham por objecto a cessação ou utilização temporária de
direitos de propriedade
Intelectual ou industrial; os ganhos resultantes de transmissão onerosa de
bens imóveis ou de partes sociais e outros valores imobiliários, da cessão do
arrendamento e de outros direitos e bens, afectos, de modo duradouro, ao
exercício de actividades profissionais independentes, da transmissão
onerosa da propriedade intelectual, industrial ou científico, quando o
transmitente não for o seu autor ou titular originário.

Quarta Categoria: São os rendimentos decorrentes da locação, total ou


parcial, de prédios rústicos ou urbanos e da cessão de exploração de
estabelecimentos comerciais, incluindo a dos bens móveis neles existentes.

Quinta Categoria: São os ganhos em numerários pagos ou postos à


disposição, provenientes de quaisquer modalidades de lotarias, rifas,
apostas mútuas, lotos, bingo. Sorteios, concursos e outras modalidades de
jogos de diversão social, bem como incrementos patrimoniais, desde que não
sejam considerados rendimentos de outras categorias.

Taxas
As taxas do IRPS são graduadas pelo Conselho de Ministros, entre entre 10
a 35%. Estão sujeitas à taxa liberatória, por retenção na fonte, até 20%,
os seguintes rendimentos:
 Juros de quaisquer depósitos à ordem ou a prazo.
 Rendimentos de títulos nominativos ou ao portador, incluindo as
obrigações.
 Os ganhos em numerário, provenientes de jogos de diversão social, tais
como lotarias, rifas, apostas mútuas, loto, bingo, sorteios, concursos e
outras mobilidades de diversão social, por lei

91
A taxa dos rendimentos da primeira categoria é definida tendo em conta a
tabela de dependentes aprovada por Decreto do Conselho de Ministros.

EXERCÍCIOS

João é carpinteiro e trabalha por conta própria na garagem da sua casa.


Mas para além disso o mesmo é artista plástico, e faz as suas obras sempre
que houver encomendas. Com o exercício de suas actividades consegue
garantir o sustento da sua família, podendo até pagar férias para a família
todos os anos:

a) Em que categoria se enquadram os rendimentos de João?


b) Como será calculada a taxa do imposto?

b) Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Colectivas – IRPC

Conceito
O IRPC é um imposto directo que incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo
proveniente de actos ilícitos, mesmo quando provenientes de actos ilícitos,
no período de tributação, pelos respectivos sujeitos passivos.

Este imposto apresenta as seguintes características:


 Imposto Directo: Incide sobra a manifestação directa ou imediata da
capacidade contributiva.
 Imposto Real: Visa a tributação dos rendimentos das pessoas colectivas
sem atender à sua situação pessoal
 Imposto Periódico: Renova nos sucessivos períodos de tributação, que
normalmente são anuais.

92
 Imposto Estadual: porque é o Estado o sujeito activo da relação jurídico
– tributária
 Imposto Proporcional: a uma taxa geral de 32%
 Imposto Global: Incide sobre um conjunto de rendimentos provenientes
de diversas fontes;
 Imposto Principal: Goza de autonomia quer a nível normativo quer ao
nível das relações tributáveis concretas.

A matéria sobre o IRPC encontra-se regulada na Lei nº 34/2007 de 31 de


Dezembro que aprova o respectivo código.
O governo regulamenta este imposto através do Decreto nº 09/2008 de
16 de Abril de 2008.

Incidência subjectiva:

São sujeitos passivos do IRPC:


 As sociedades comerciais ou civis sob a forma comercial;
 As empresas públicas;
 As demais pessoas colectivas de Direito Público ou Privado com sede ou
direcção efectiva em território Moçambicano;
 As entidades sem personalidade jurídica, cujos rendimentos não sejam
tributáveis em IRPC ou em IRPS.
 As entidades com ou sem personalidade jurídicas que não tenham sede
nem direcção efectiva em território Moçambicano, cujos rendimentos não
estejam sujeitos a IRPS.

Sujeitam-se ainda a IRPC, determinados entes de facto, designadamente as


heranças jacentes, as associações e sociedades civis sem personalidade
jurídica e as sociedades irregulares. (art.º2 do CIRPC).

93
Incidência objectiva

O IRPC incide ainda sobre:


 O lucro das sociedades comerciais ou civis sob a forma comercial,
Empresas Públicas e das demais pessoas colectivas;
 O rendimento global das entidades que não exerça a título principal
qualquer actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola,
nomeadamente as Associações e Fundações;
 O lucro imputável a estabelecimento estável, situado em Moçambique,
das entidades não residentes.
 O rendimento das diversas categorias consideradas para efeitos do
IRPS, auferidos por entidades não residentes e sem estabelecimento
estável em Moçambique.

O IRPC é devido por cada exercício económico, que coincidirá com o ano
civil (ver. art. 7 da Lei n.º 34/2007).

Isenções do IRPC
Ficam isentos deste imposto:

 O Estado;
 As autarquias locais e as associações ou federações de municípios,
quando exerçam actividades cujo objecto não vise lucros;
 As Instituições de Segurança Social e de previdência social;
 As associações culturais recreativas e desportivas, legalmente
constituídas e com relação aos rendimentos que sejam directamente
derivados do exercício destas actividades;
 As cooperativas agrárias, de artesanato e culturais, em 50% das
respectivas taxas;
 As Associações de utilidade pública

94
Importa referir que isenção das alíneas não abrange as empresas públicas
e estatais, as quais estão sujeitas a imposto nos termos regulados no Código
do IRPC.

Ficam ainda isentos do IRPC, os seguintes rendimentos:

 Rendimentos directamente derivados do exercício de actividades


culturais, recreativas e desportivas, sempre que tais rendimentos e o
património social se destinem aos fins de sua criação e em nenhum caso
se distribuam directa ou indirectamente entre os sócios.

NB: Só podem beneficiar desta isenção as associações legalmente


constituídas para o exercício dessas actividades.

Excluem-se desta isenção os rendimentos provenientes de qualquer


actividade comercial, industrial ou agrícola exercida, ainda que a título
acessório, em ligação com essas actividades, por exemplo: exploração de
um bar.

Taxas
A Taxa do IRPC é estabelecida pelo Conselho de Ministros, até ao limite
máximo de 35%, podendo ser fixadas transitoriamente, taxas
diferenciadas, em função das actividades.

Actualmente, a taxa está fixada em 32%

No entanto existem as seguintes em que a taxa é diferente de 32%.,


nomeadamente nos seguintes casos:
 10% para as atividades agrícola e pecuária;
 35% para os encargos não devidamente documentados e as despesas
de carácter confidencial;

Exercícios

95
O “Núcleo do canto” é uma uma associação cultural legalmente constituída
e possui uma equipa um grupo coral.

No ano de 2015, obteve os seguintes rendimentos:

 Venda de bilhetes em dia de actuação: 200.000,00 MZN


 Publicidade estática do local do espectáculo: 120.000,00 MZN;
 Exploração do bar: 180.000,00 MZN •
 Quotas de associados: 48.000,00 MZN •

Diga quais os rendimentos sujeitos ao IRPC?

Tributação indirecta

A tributação indirecta compreende os seguintes impostos:

 O Imposto sobre o valor acrescentado – IVA;


 O Imposto sobre consumos específicos
 Os direitos aduaneiros

c) Imposto Sobre o Valor Acrescentado- IVA

O IVA incide sobre o valor das transmissões de bens e prestações de serviço


realizadas no território nacional, a título oneroso, por um sujeito passivo
agindo como tal, bem como as importações de bens, devendo as isenções
serem limitadas às exportações e ao consumo de alguns bens e serviços e
às importações e ao consumo de alguns bens e serviços cuja natureza e
essencialidade o justifiquem.

Exemplos: Automóveis ligeiro para transporte de carga, Medicamentos,


Ferramentas para agricultura.

Incidência
Constituem sujeitos passivos do IVA:

96
 Pessoas singulares ou colectivas residentes ou com estabelecimento
estável ou representação em território nacional, que, de um modo
independente e com caracter de habitualidade, exerçam, com ou sem
fim lucrativo, actividades de produção, comércio ou prestação de
serviços, incluindo as actividades extractivas, agrícolas, silvicolas,
pecuárias e de pesca.
 As pessoas singulares ou colectivas que, segundo a legislação
aduaneira, realizem importações de bens.

Taxas
Actualmente a taxa em vigor está fixada em 17%

d) Imposto sobre Consumos Específicos – ICE

O ICE tributa de forma selectiva o consumo de determinados bens constantes


de legislação específica. As taxas do ICE são estabelecidas pelo Conselho
de Ministros, podendo constar de taxas ad valorem, taxas específicas ou
combinações destas duas entre si, tendo em conta a natureza dos bens a
tributar, e, bem assim, os objectivos de índole social, económica ou de
prevenção legal ou especial a prosseguir, em cada caso.

e) Direitos Aduaneiros
Os direitos Aduaneiros incidem sobre as mercadorias importadas e
exportadas no território aduaneiro e estão consignadas na pauta
aduaneira,

97
BIBLIOGRAFIA

BOUVIER, Michel (2008)- Introduction au droit fiscal général et à la théorie


de l´impôt, 9e Ed. L.G.D.J.
CASALTA NABAIS, José (2003) - Direito Fiscal, 2ª Ed., Almedina

CASALTA NABAIS, José (2005) - Direito Fiscal, S/ Ed., Coimbra

FAUSTINO, Manuel (2003) - O dever de retenção na fonte e outros deveres


autónomos de cooperação em IRS, Áreas Editora
FREITAS PEREIRA, Manuel Henrique (2005) – Fiscalidade, Almedina

MARTINEZ , Soares (1993) - Direito Fiscal, Coimbra

SANCHES, J. L. Saldanha (2000) - Manual de Direito Fiscal, S/ Ed., Coimbra

Institucionais. Lisboa, 1991.

FRANCO, António L. Sousa (1995). Finanças Públicas e Direito Financeiro. 4.


edição, Coimbra

GOMES, Nuno de Sá (1999). Manual De Direito Fiscal. Rei dos Livros, Vol I.

GUIMARÃES, Vasco Branco. Manual de Direito Fiscal Moçambicano.


Maputo, Chitlango Editora.

IBRAIMO, Ibraimo. O Direito e a Fiscalidade. Ferro e Ferro Editora.

MORAIS, Rui Duarte (2006). O IRS. Almedina, Coimbra.

NABAIS, José Casalta (2007). DIREITO FISCAL. 4. ed. Coimbra, Almedina.

PEREIRA, Alberto Amorim (1983). Noções de Direito Fiscal. Porto, Athena


Editora.

PEREIRA, Manuel Henriques (2007). Fiscalidade, 2ª Ed. Almedina.

98
SANCHES, José Luís Saldanha (2007). Manual de Direito Fiscal. 3. ed.,
Coimbra, Coimbra Editora.

VASQUES, Sérgio (2006). Casos práticos do direito fiscal. 2.ª ed., Coimbra,
SAlmedina.

SATY, Teodoro Andrade. Direito Fiscal. Waty Editora.

LEGISLAÇÃO PERTINENTE:

Constituição da República de Moçambique, 2004;

Lei n.º 15/2002, de 26 de Junho;

Lei nº 2/2006 de 22 de Março;

Lei nº 3/93, de 24 de Junho;

Lei n° 2/2004 de 21 de Janeiro,

Decreto n.º 3/2000, de 17 de Março;

Decreto n.º 21/02 de 30 de Julho;

Decreto n.º 20/02 de 30 de Julho;

Decreto n.º 30/02 de 02 de Dezembro;

Decreto n.º 51/98 de 29 de Setembro;

Diploma Ministerial nº 229/2002;

Decreto n.º 3/2000, de 17 de Março;

Decreto nº 62/99, de 21 de Setembro com alterações aprovadas pelo


Decreto nº 35/2000, de

99
17 de Outubro e pelo Decreto nº 16/2002, de 17 de Junho;

Diploma Ministerial nº 19/03, de 19 de Fevereiro;

Diploma Ministerial nº 10/02, de 30 de Janeiro;

Diploma Ministerial nº 12/02, de 30 de Janeiro;

Diploma Ministerial nº 14/02, de 30 de Janeiro;

Diploma Ministerial nº 15/02, de 30 de Janeiro.

100