Você está na página 1de 31

ECG E

INTERPRETAÇÃO
Profª. Luciana Ferreira Karsten
Eletrofisiologia
 O ECG se inscreve numa fita de papel milimetrado, que nos
fornece registro permanente da atividade cardíaca.

 O interior das células cardíacas estão carregadas negativamente


e quando ocorre a contração essas células tornam-se positivas.

 Assim, uma onda progressiva de estimulação atravessa o


coração (despolarização), produzindo a contração.

 Esta despolarização pode ser considerada como progressão de


uma onda de cargas positivas dentro das células.
 Durante a repolarização, as células miocárdicas ganham
novamente a carga negativa em cada célula.

 O nódulo AS, localizado na parede posterior da aurícula direita,


inicia o impulso elétrico para a estimulação cardíaca.

 O impulso alcança o nódulo AV, onde há uma pausa de 1/10


segundo, permitindo que o sangue entre nos ventrículos.

 Terminada a pausa, o nódulo AV é estimulado, iniciando-se um


impulso elétrico que desce pelo feixe AV (feixe de HIS) para seus
ramos.

 A medida que esse impulso se propaga ocorre a despolarização


ventricular.
 As fibras de Purkinje transmitem o impulso elétrico para as
células miocárdicas, produzindo contração simultânea dos
ventrículos.

 Pode-se dizer que o complexo QRS, representa a


despolarização ventricular (e o inicio da contração ventricular).

 A onda T representa a repolarização ventricular.

 A repolarização ocorre de tal modo que as células podem


recuperar a carga negativa dentro de cada célula e assim
podem ser novamente despolarizadas.
FIBRA ENDOCÁRDICA

FIBRA
ATRIAL

ECG T
P Repolarização ventriculos
QRS
Despolarização ventriculos
Despolarização dos atrios
Derivações
 As derivações servem para visualizar o mesmo estímulo cardíaco
em diferentes ângulos (positivo e negativo).

 As derivações periféricas: medem a diferença de potencial entre


os membros ou entre certas partes do corpo e o coração.

 As derivações precordiais: são as “V” e medem a diferença de


potencial do tórax e o centro elétrico do coração (nódulo AS e
AV). Onde V1 e V2 seriam os pontos positivos e os demais os
ponto. negativos.
Anatomia e Fisiologia

Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology


Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology
Anatomia e Fisiologia

Modificado de .A.D.A.M. Interactive Physiology


Ritmo Sinusal

Diagnóstico Eletrocardiográfico
°
 Ondas P precedendo cada QRS
 Ritmo regular (intervalos regulares entre os
QRS)
 Freqüência entre 60 e 100 bpm
Arritmias originadas no
nodo SA
Taquicardia Sinusal

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Freqüência acima de 100 bpm


 Ritmo regular
 No ECG há as ondas P, QRST
 Causas: febre, ansiedade, dor e exercício. Tratar as
causas primárias.
Bradicardia Sinusal

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Freqüência cardíaca abaixo de 60 bpm


 Ritmo regular, intervalo entre “R” são maiores, ou seja, há uma
demora na contração ventricular.
 Esta bradicardia pode levar a desmaios ou ICC.
 Tratamento: atropina e marcapasso em sobrecarga hídrica.
Arritmias originadas no
Átrio
Taquicardia atrial

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Freqüência cardíaca entre 150 a 250 bpm


 A onda P pode ficar escondida na onda T pela freqüência grande
de batimentos Os complexos QRS são normais.
 É encontrada em corações jovens e normais.
Pode haver vibração do tórax ou dor pré-
cordial+dispnéia e desmaio.
 Tratamento: pode dar PC, pressão do seio
carótideo, ou aramina (vasopressor).
Flutter atrial

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Freqüência cardíaca de 200 a 350 bpm (despolarização do átrio)


 Ritmo regular e rápida do átrio, “dente de serra” da onda P. O complexo
QRS são normais e as ondas P chegam muito rápido, o nodo AV não pode
conduzir todas elas, existindo um bloqueio AV.
 Pode levar a fraqueza e desmaios.
 Tratamento: digital que entra no nodo AS e diminui a passagem das ondas
P através dos ventrículos, reduzindo a FC; e, cardioversão sempre.
Fibrilação atrial

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 É a mais rápida das arritmias atriais. Pode atingir 600 bpm.


 As ondas P são substituídas por ondas irregulares e rápidas com
configurações diferentes
 Doença cardíaca ateriosclerótica ou reumática (fibrose do átrio).
 Tratamento: digoxina que aumentará a força de contração.
Cardioversão é raramente usada.
Arritmias ventriculares
Taquicardia ventricular

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Há contração prematura e consecutiva do ventrículo provinda de


um foco ectópico no ventrículo abaixo do AV.
 Associada a cardiopatias graves.
 Os átrios batem independente, a freqüência é rápida e o QRS é
amplo.
 Tratamento: xilocayna IV por 5 min, lidocaína contínua. E caso não
resolva faz cardioversão.
Fibrilação ventricular

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Estremecimento rápido e ineficaz dos ventrículos sem


sons cardíacos audíveis, ou seja não há pulso.
 Associada a IAM e é letal.
 ECG totalmente irregular. Não há onda P e o QRS é
rápido.
 Tratamento: desfibrilação.
Assistolia ventricular

Diagnóstico Eletrocardiográfico

 Não há nenhuma atividade elétrica e nem resposta


mecânica.
 Tratamento: massagem cardíaca e ventilação.
Adrenalina e posterior marcapasso.