Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

Pós-Graduação em Liderança e Coaching

Fichamento de Estudo de Caso

Israel Lindolfo Levy

Trabalho da disciplina Consultoria


Tutor: Prof. João Luiz Carvalho

Belo Horizonte
2018

1
Estudo de Caso :
AMAZON, APPLE, FACEBOOK E GOOGLE
Potências da internet

REFERÊNCIA: John Deighton e Leora Kornfeld, 514-P07, 12 de dezembro de 2013, HARVARD


BUSINESS SCHOOL.

A internet começou como um projeto de defesa da década de 50. Evoluindo para uma
rede de Agência de Projetos de Pesquisa Avançada do Departamento de Defesa. Seguindo
uma evolução a nível global, mas com membros restritos.
Em 1995 a internet foi privatizada resultando em uma onda de inovações sendo grande
parte focada em quatro ações centrais de marketing.
Quatro empresas administravam quatro setores do marketing digital: Google –
Dominava a propaganda online, Amazon – Dominava as vendas online, Facebook – Dominava
as redes sociais, Apple – Dominava o padrão para dispositivos de interface.
Estas quatro empresas lutavam para estabelecer padrões. Qualquer uma delas podia
realizar um projeto dominante de todo o marketing online.
A Amazon é considerada o início do desenho contemporâneo da internet. Sua primeira
receita positiva foi datada em 2001. Embora tivesse uma contribuição modesta para a receita
declarada, representava uma grande mudança nos conceitos de vendas online.
A partir de 2012 a Amazon ampliou oferecendo serviços de computação em nuvem a
muitas empresas como por exemplo DropBox, Reddit e New York Times.
Em 2011 a Amazon lançou uma rede de propaganda, que mudaria a experiência de um
possível comprador, usando ferramentas, cookies, que dariam praticidade e continuidade em
suas pesquisas. Anteriormente a propaganda era realizada de forma colaborativa de filtro.
Em 2014 existiram rumores que a Amazon entraria no mercado de Smartphones.
Quando o Google foi lançado ele era considerado uma anomalia pois fugia dos padrões
estabelecidos pelos seus antecessores, os portais como Yahoo!, AOL e o MSN. E no início o
Google só oferecia pesquisa por tanto não gerava receita.
O algoritimo criado pela Google chamou a atenção que no ano 2000 o portal Yahoo!
Escolheu o Google como seu mecanismo de pesquisa. Fazendo com que seu algorítimo
ganhasse mais força fornecendo novos dados. Isso tornou possível com que o Google
encontrasse uma forma de lucrar diretamente com o aumento de tráfego de pesquisa. Assim
o Google começou a vender propaganda de texto para anunciantes.
Em 2003 o Google desenvolveu uma nova ferramenta, que lhe permitia oferecer
propaganda não apenas nas páginas de resultados de buscas do Google e de portais
parceiros, mas em qualquer página contextualmente relevante por toda a internet. Lançou
também um serviço de email onde poderiam dispor de anúncios que combinassem com o
conteúdo de mensagens específicas.
A partir de 2004 o Google começou uma ampliação de sua base de conteúdos se
propondo a escanear e indexar todos os livros do mundo, Froogle, Blogger, Picasa,, um serviço
de agenda e um tradutor. Em 2006 compraram o YouTube, em 2007 compraram o DoubleClick
e a AdMob.

2
Em 2007 o Google lança um sistema operacional para celulares, Android e em 2011
adquiri a empresa Motorola Mobility fazendo com que pudesse construir telefones como prova
do conceito para o sistema operacional criado. No mesmo ano lançou o Google play, serviço
online de armazenamento de músicas e de compras, lançou o Google+, rede social integrada
com suas ofertas.
A Apple foi fundada em 1976. Em 2013, pelo seu crescimento, foi considerada a
empresa de capital aberto mais valiosa dos EUA.
Em 2012 a Apple vencia o Google em acesso móvel a e-commerce, mesmo o Android
estivesse instalado em 72% dos telefones vendidos nos EUA. Outra disputa de e-commerce
acontecia entre o Kindle (Amazon) e o Itunes (Apple) onde competiam um conteúdo mais
amplo. Na batalha da pesquisa a Apple lançou a ferramenta Siri para disputar com o Google.
Os aplicativos tinham um papel importante no marketing online onde a Apple liderava com
cerca de 60% dos aplicativos baixados desde a segunda metade de 2008.
O Facebook está disponível desde 2005, mas só começou a crescer em 2009. Em 2013,
nos EUA, 153 milhões de pessoas visitavam o Facebook ao menos uma vez no mês junto com
outras redes sociais e blogs, a categoria rede social era responsável por um quarto do tempo
online. Apesar de dominar o tempo online, o Facebook não conseguia atrair propagandas
online comparado ao Google.
Em 2012 o Facebook lançou o Exchange, uma rede de oferta de anúncios e
segmentação oferecendo propaganda quando acessado pelos visitantes.
O marketing digital sofre uma disparidade muito grande contra o marketing off-line e em
marketing diretos incluindo email.
De 2007 a 2012 as pesquisas centrais via desktop nos EUA foi de U$ 7 Bilhões para
perto de U$ 18 bilhões. O Google era responsável por 66% do controle do mercado entre 2009
a 2012. Seguindo a tendência dos smartphones as procuras móveis aceleravam enquanto as
de desktop desaceleravam especialmente depois do lançamento do iphone em 2007. Em 2011
aproximadamente 85% dos usuários de internet de todo o mundo usavam um mecanismo de
busca. O Google controlava quase todo este mercado de buscas móveis. E em um contraponto
interessante era ver que os preços de clicks em páginas de anunciantes móveis eram menores
do que as de desktops.
Por volta de 2007 observou-se, conforme as buscas eram realizadas, uma construção
de reputações e as páginas construíam elementos comunitários. Chegando a especular que
mecanismos de pesquisa pudessem ser vulneráveis à tendência de busca pelas preferências
de rede social de quem pesquisava.
Anunciantes preferiam seus anúncios no chamado conteúdo premium, isso na mídia off-
line, assim as pesquisas eram direcionadas aos veículos que o anunciante gostaria. Muita
mídia na web seguia esta tendência off-line e construíam materiais segmentados
especializados e específicos. Muitos serviços vinculavam os dados do perfil de visitantes a
cookies nos navegadores, para que pudessem ser oferecidas propagandas de exposição.
Diante disso conclusivamente estas 4 potências da internet são espetaculares em seus
segmentos, pois com elas vieram inúmeras transformações que beneficiaram tanto os
negócios como os consumidores, dando liberdade e variedade de escolhas. Mas mesmo esses
benefícios veem com uma parcela de preocupação pois essas mesmas 4 potências
empresariais visam fazer com que o consumidor fique dependente de suas plataformas. Mas
a inserção das pessoas ao mundo virtual também é um ponto muito positivo. Mas o certo é que
o marketing ainda está passando por transformações constantes e consideráveis vindas da
evolução constante da tecnologia da informática.