Você está na página 1de 72

EXAMES LABORATORIAIS DE

INTERESSE PARA A CLÍNICA


ODONTOLÓGICA
Marcos Yassuda
Exames Complementares
INTRODUÇÃO

 O Cirurgião-Dentista, em decorrência de sua


atuação, desfruta de uma posição estratégica
podendo ser o primeiro profissional da saúde a
suspeitar, ou mesmo diagnosticar, graves
doenças , contribuindo para um diagnóstico
precoce e possibilitando um prognóstico
melhor.
Exames Complementares
INTRODUÇÃO

 Alguns sinais são comuns a várias patologias,


dificultando o diagnóstico;
 Exames complementares;
Exames Complementares
INTRODUÇÃO
Conhecimento do grau de especificidade de um
determinado exame => perda de tempo e gastos
desnecessários.
 Atividade clínica do CD:
- Hematológicos (Hemograma e o Coagulograma);
- Sorológicos
- Bioquímicos (pesquisam a quantidade presente
de determinada substância)
Exames Hematológicos
Termos importantes para a interpretação clínica
dos exames hematológicos:
 Leucocitose: Aumento do nº de leucócitos;

Leucopenia: Diminuição do nº de leucócitos;
 Valor Relativo (R): Quantidade de cada
elemento em 100 células;
 Valor Absoluto (A): quantidade de cada
elemento por mm3 de sangue;
 Reação Escalonada: É a emissão de células,
imaturas para o sg periférico;
Exames Hematológicos
Termos importantes para a interpretação clínica
dos exames hematológicos:


Desvio à Direita (DD): quantidade maior de
neutrófilos segmentados no sg periférico,
representando uma infecção crônica;
 Desvio à Esquerda (DE): quantidade maior de
neutrófilos jovens no sg periférico, representa
infecção aguda;
Exames Hematológicos
 Quadro leucêmico: devido à doenças do órgão
hematopoético, com a presença de eosinófilos.
Ausência de reação escalonada e alteração série
vermelha;
 Quadro Leucemóide: infecções com o
desaparecimento de eosinófilos. Presença de
reação escalonada sem alteração na série
vermelha.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
É o exame complementar mais requerido;
Na realidade é uma bateria de exames realizada
com a finalidade de obter um conjunto de dados
que permite uma visão panorâmica;
Avalia qualitativa e quantitativamente os
elementos celulares do sangue.
Não fornece a topografia e a etiologia do
processo que causou a alteração hematológica.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
 Avaliação da condição sistêmica do paciente:
- Anemia;
- Infecções;
- Doenças crônicas;
- Emergências médicas;
- Acompanhamento de quimioterapia / radioterapia.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Eritrograma
Leucograma

Contagem de plaquetas
Eritrograma:
- Hemáceas;
- Hemoglobina;
- Hematócrito (volume)
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Hemáceas
Hematrimetria: contagem do nº de hemáceas
por mm3.
Mulheres: 4.500.000/mm3
Homens: 5.000.000/mm3
Superior a 7 milhões/ mm3 => policitemia
POLICITEMIA: congênita / adquirida/fisiológica
Inferior a 4 milhões/ mm3 => oligocitemia =>
anemias
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
HEMÁCEAS
 Poiquilocitose
Alteração na forma das hemáceas
Esferócitos, eliptócitos, falciforme.

 Hipocromia
É a redução da coloração do eritrócito; Em crianças sadias é
comum a hipocromia em relação ao adulto pois a palidez se dá
pela pouca espessura dos eritrócitos.
 Hipercromia
O termo é usado quando as células coram-se mais que o normal;
a hipercromia relaciona-se com a alteração da concentração de
hemoglobina.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Hemoglobina
Transporte de O2

Valores normais:
- Homens: 14% a 16%
- Mulheres: 13,2% a 15,2%
Hipoglobulinemia => anoxia
Hipoglobulinemia acentuada => anemia
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Hemoglobina
Hemoglobina Corpuscular Média (HCM)
Quantidade real de hemoglobina, em termos
médios, encontrada em cada hemácea.
Expressa em picogramas => valores normais:
27 a 32.
Determinação de anemias
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Hemoglobina
 Concentração de Hemoglobina Corpuscular Média
(CHCM)
É a determinação da concentração da hemoglobina
por eritrócito, em porcentagens.
Valor normal: 35% / menor que 30% => anemias
hipocrômicas.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Hematócrito
É o volume ocupado pela hemácea em 100ml de
sangue.
 Variação normal:
- Homens: 42% a 45%;
- Mulheres: 37 a 45%
 Baixo: anemias
 Alto (maior que 60%): desidratação, estado de
choque, queimaduras.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Hematócrito
Volume Globular Médio (VGM)

Volume ou tamanho das hemáceas


 De 80 a 95f L: normais
 Menor que 80f L: anemia microcítica
(intoxicação por chumbo);
 Maior que 94f L: anemia macrocítica (recém-
nascido, idoso e gravidez); (drogas
antineoplásicas)
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Velocidade de Hemossedimentação (VHS)


Evidenciar destruição
infecção, infarto, tecidual , (aumentado
traumatismo em
tumor maligno,
doenças renais e doenças do tecido conjuntivo);

 Usado para monitorar inflamação crônica (artrite


reumatóide.
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
Velocidade de Hemossedimentação (VHS)
Métodos mais utilizados: Westergreen e
Wintrobe;

 Normal na 1ª hora: Homens => 3 a 8 mm;


Mulheres e crianças => 4 a 7 mm;
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
INDICAÇÃO: Suspeita de doenças relacionadas com
alteração da hematopoese ou doenças que
detrminam alterações na parte celular.
 Anemias (Palidez –mucosa!, língua lisa, anorexia,

prostração); Alterações: hemáceas e


hemoglobina.
 Neutropenia cíclica (afecção com repetição,
sintomas sistêmicos e lesões bucais).
 Agranulocitose (grave! Neutrófilos, basófilos,
eosinófilos – uso prolongado de certas drogas,
resistência fraca, úlceras bucais).
Exames Hematológicos
HEMOGRAMA
INDICAÇÃO: Suspeita de doenças relacionadas
com alteração da hematopoese ou doenças que
determinam alterações na parte celular.
 Leucemias (alterações da hematopoese: presença
de céls. jovens na circulação; hiperplasia
gengival, anemia, sangramentos espontâneos).
 Trombopatias (Plaquetas – hemorragias,
alterações do TS)
Exames Hematológicos
INDICAÇÃO: Suspeita de doenças relacionadas
com alteração da hematopoese ou doenças que
determinam alterações na parte celular.

 Processos infecciosos bucais supurativos ou não,


agudos ou crônicos (septicemia).

 Processo alérgicos específicos;


Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
Análise dos valores normais ou anormais dos
leucócitos (Neutrófilos, linfócitos, eosinófilos,
basófilos, monócitos). Compreende duas
partes:
1. Leucometria: contagem global dos leucócitos
por mm3 do sg total; no adulto: entre 5.500
mm3 e 7.000 mm3.
2. O estudo dos granulócitos, linfócitos e
monócitos.
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
Leucocitose => Leucometria aumentada: indica
a possibilidade de infecção, inflamação, leucemia
e destruição tecidual.
 Leucopenia (abaixo de 6.000) => Leucometria
diminuída (redução de neutrófilos): anemia
aplástica, neutropenia cíclica, toxicidade
medicamentosa ou algumas infecções virais.
Exames Hematológicos
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
Os nºs superiores de leucócitos ou sua diminuição
=> 1,2,3 ou em todos os tipos de células.
*Especificidade do quadro patológico
NEUTRÓFILOS
- Cerca de 55 a 70% dos leucócitos, divididos em
segmentados(55% a 65%), bastonetes (3% a
4%), metamielócitos (9%) e mielócitos (0%);
- Tendência a se dirigir ao foco da infecção;
fagocitose;
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
NEUTRÓFILOS
- Mielócitos e metamielócitos => desvio à

-
esquerda;
Aumento de segmentados: desvio à direita.
- Neutropenia: gripe, hepatite aguda, processos
inflamatórios graves, amigdalites, infecções
crônicas.
- Neutrofilia: infecções agudas, inroxicações, pós-
operatório, leucemia, tumores malignos.
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
BASÓFILOS
 Relacionado com a produção de histamina;

 Normal: de 0% a 1%;

 Basofilia: aumento do nº de basófilos (anemia


hemolítica crônica, doença de Hodgkin, varicela)
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
EOSINÓFILOS
 Normal: 2% a 4%;

Eosinofilia: aumento agudização,
(processos alérgicos, do nº de verminoses,
eosinófilos
viroses, neoplasias malignas, anemia perniciosa,
doença de Hodgkin,);
 Diminuição dos do nº de eosinófilos: Síndrome
de Cushing.
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
LINFÓCITOS
 Normal: 20% a 30%;

Relacionados com fenômenos imunológicos;
 Linfocitose: aumento do nº de linfócitos;
 Linfopenia: diminuição do nº de linfócitos;
 A linfopenia => péssimo prognóstico (AIDS,
fase final da Doença de Hodgkin, linfosarcoma,
cirrose hepática)
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
LINFÓCITOS
 Duas populações de linfócitos: T e B;

T => antígeno => transformam-se em celulas
de ataque, capazes de destruir o antígeno, sem
produção de anticorpos; Imunidade Celular; T4,
T8.
 B => srcinam plasmócitos => anticorpos
(imunidade Humoral).
Exames Hematológicos
LEUCOGRAMA
MONÓCITOS
 Histiócitos;

Limpeza do foco infeccioso (macrófagos);
Monocitose: Aumento => boa reação do
organismo; (endocardite bacteriana subaguda,
tuberculose)
Monocitopenia: Diminuição => fase aguda do
processo infeccioso.
Exames Hematológicos
HEMOSTASIA
Conjunto de fenômenos simultâneos que ocorrem
nos tecidos (vasos), nas células sanguíneas
(plaquetas) e no plasma sanguíneo;

 Defesa do organismo;
 Envolve 3 processos: vasoconstrição, formação
de um coágulo hemostático temporário,
formação de um coágulo ou tampão
hemostático permanente.
Exames Hematológicos
HEMOSTASIA
Mecanismo da hemostasia

 Vaso lesado => vasoconstrição regional =>


agregação plaquetária (contato do sg com fibras
colágenas) => coágulo temporário => coágulo
permanente => retração do coágulo.
Exames Hematológicos
HEMOSTASIA
Mecanismo da hemostasia

Protrombina
plasma e fibrinogênio => inativas no
Desintegração das plaquetas (lesão celular) =>
tromboplastina => inativa a heparina =>
protrombina em trombina => trombina reage
com o fibrinogênio => fibrina (insolúvel).
Exames Hematológicos
HEMOSTASIA
 Para qualquer procedimento cirúrgico => o
tempo de hemostasia deve estar dentro dos
limites normais; (TS = 6 minutos).

 Sangramento que persistiu por mais de doze


horas => deve ser averiguado.
Exames Hematológicos
HEMOSTASIA
Os problemas de sangramento resultam:

• da acentuada redução do número de plaquetas;


• de função anormal de plaquetas;

• defeitos nos sistemas intrínsecos, extrínsecos ou


comuns da coagulação.
Exames Hematológicos
COAGULOGRAMA
• Tempo de sangramento;
• Fragilidade Capilar (prova do laço);
• Tempo de Coagulação;
• Exames de contagem de plaquetas;
• Retração do Coágulo;
• Tempo de protrombina parcial (TPP); (TTPA)
• Tempo de protrombina (TP), (TAP)
• Tempo de trombina
Exames Hematológicos
COAGULOGRAMA
Exames Hematológicos
COAGULOGRAMA
Doenças hemorrágicas
Doença de Von Willebrand (tríade:
prolongamento do tempo de sangramento,
escassa adesividade
Fator VIII das plaquetas, e ausência do
de coagulação).
 Hemofilia A, B e C => deficiências congênitas
nos fatores VIII, IX e XI, respectivamente.
 Deficiências do Fator I: cirrose hepática
 Deficiência adquirida do fator II (protrombina)
=> deficiência de vitamina K
Exames Hematológicos
COAGULOGRAMA
Manifestações clínicas de doenças hemorrágicas:

 história de hemorragia (anamnese);

 História familiar de doenças hemorrágicas


(anamnese);
 Púrpuras (hematomas, petéquias,
equimoses (“roxo”).
Exames Hematológicos
COAGULOGRAMA
Manifestações clínicas de doença hemorrágicas:

 Outros sinais e sintomas:

Epistaxe, melena, menstruação prolongada,


hemartroses (VIII), palidez cutânea.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE SANGRAMENTO
Tempo necessário para cessar a hemorragia de
uma ferida de não mais que 4mm de
profundidade.

 Método de Duke;
 Técnica (lóbulo da orelha ou da polpa digital)
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE SANGRAMENTO
Interpretação
 O TS normal varia de 1 a 6 min., conforme o
método empregado;
 O tempo de sangramento prolongado pode
ocorrer nas seguintes condições:
- Deficiência quantitativa das plaquetas (púrpuras)
- Deficiências qualitativa ou funcional das
plaquetas e na Doença de Von Willebrand;
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE SANGRAMENTO
Interpretação
- Deficiências Congênitas dos fatores I e V da
coagulação;
- Nos estados fibrinolíticos e nos urêmicos;
- Nos casos de excesso de AAS;
- Nos estados infecciosos.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE SANGRAMENTO
Interpretação
 As conclusões a que se pode chegar são as
seguintes: O TS está sempre relacionado com as
plaquetas e problemas vasculares e as
consequências são, na grande maioria das vezes,
as púrpuras.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
PROVA DE FRAGILIDADE CAPILAR

Esta prova tem significado clínico mais ou menos


equivalente ao de TS, indicando geralmente uma
fragilidade da parede endotelial dos capilares sg,
quando as petéquias são numerosas.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
PROVA DE FRAGILIDADE CAPILAR (Prova do Laço)

Normalmente a prova de resistência capilar =>


negativa.
Nas trombocitopenias *;
Na doença de Von Willebrand;
Nas púrpuras vasculares;
Secundárias à hipotensão, diabetes; ás
nefropatias.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE COAGULAÇÃO
 2 métodos: tubo capilar/ método da lâmina

Valores: Normal => 2 a 10 min.
- Aumentado deve-se verificar:
Hipovitaminose K ( fator II, VII e X);

Hemofilia (VIII, IX, X) 85% (VIII)


Pode sugerir presença de anticoagulante do tipo


heparina.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
CONTAGEM DE PLAQUETAS
“Trombócitos” => importantes na hemostasia
(“trombo branco”)
 Taxa normal: 150.000 e 300.000 por mm3
 Plaquetose: aumento (após policitemia, pós a
mestruação)
 Plaquetocitopenia: diminuição (quase todos os
tipos de infecções)
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE ATIVIDADE DA PROTROMBINA
 Detecta o tempo de transformação da protrombina
em trombina, por ativação do mecanismo
extrínseco da coagulação de 11 a 12 segundos, que
representa 100% da atividade protrombínica.
• modificações no comportamento plaquetário
(trombopatias) e na ação dos fatores V, VII, IX, X,
XI e XII.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
Avalia os defeitos da via intrínseca da coagulação,
indicando deficiência dos fatores VIII, IX, XI, XII;
Reagente fosfolipídico (Fator III).

TEMPO de TROMBOPLASTINA PARCIAL ATIVADA
 Reagente fosfolipídico + substância (caolim) =>
ativação ótima do fator VII.
 TPPA: tempo normal é de 35 a 50 segundos.
 2 a 3 seg. => além do normal averiguados!
Prolongado: deficiência de fator intrínseco, ou em
consequência do uso prolongado de
anticoagulantes.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
TEMPO DE TROMBINA (Fibrinogênio)
Verificar alterações relativas à qualidade e à
reatividade do fibrinogênio.

Tempo normal: 12 a 18 seg.
Prolongado: tratamento com heparina ou
doença hepática ou Coagulação Intravascular
Disseminada.
Exames Hematológicos
Principais exames relacionados à hemostasia
RETRAÇÃO DO COÁGULO
Tempo necessário p/ que o coágulo se desprenda do
tubo de ensaio.
 Prova funcional de grande exatidão e importância
eplaquetas
está relacionada ao metabolismo correto das
(bioquímica).
 Está diminuído nas plaquetocipenias,
trombopatias, hiperfibrinemias; e aumentado nas
anemias, fribrinogeniopenias e trombicitoses.
 Em condições normais, retração do coágulo inicia-
se aos 20 min., apresentando 50% de retração após
três horas; retração lenta ou incompleta:
Trombocitopenia/ trombastenia.
Exames Hematológicos
SIGNIFICADO
 Alterações detectadas pelos testes de Sangria
(tempo de sangramento), Prova do Laço e
Contagem de Plaquetas => problemas
relacionados com mudanças nas plaquetas (nº e
função) e distúrbios capilares.

 Tempo de coagulação, Contagem de Plaquetas


(por atuarem estas também na coagulação
extrínseca), Tromboplastina parcial e o Tempo
de Protrombina => alterações patológicas
relacionadas com a coa ulação san uínea.
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)

 TC aumentado, TS e FC normais:
- Fator de coagulação deficiente;
- Requisição de exames complementares para
indicar que fator é esse. (TP, dosagem direta da
quantidade circulante dos diversos fatores da
coagulação e outros exames mais sofisticados)
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)
 TC normal, TS aumentado e FC normal ou
positivo.
- Alteração nas plaquetas (trombocitopenia- nº
insuficiente - ou tromboastenia – alteração
funcional), com dificuldades de formação do
“trombo branco”.
- Requisição de outros exames (Retração do
Coágulo e hemograma com estudo plaquetário)
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)
 TC normal, TS aumentado e FC normal ou
positivo.
- Dados do hemograma e dados do exame clínico
=> trombocitopenia (anemias e leucemia) e
pancitopenia (série vermelha e branca) =>
hipoplasia medular ( administração prolongada
de antibióticos, analgésicos do grupo
piramidinas, ácido acetilsalicílico, exposição à
defensivos agrícolas).
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)
 TC e TS normais e FC positivo
Alteração nos capilares (hemorragias);
Portadores destas alterações podem apresentar:
- Doenças degenerativas (diabetes, por
degeneração do coágulo);
- Avitaminose C (formação do cemento
intercelular dos vasos);
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)
 TC e TS normais e FC positivo
Alteração nos capilares (hemorragias);
Portadores destas alterações podem apresentar:
- Doenças hemorrágicas hereditárias;
- Reações alérgicas (púrpura vascular alérgica);
- Estados fisiológicos (senilidade) =>
degeneração do colágeno
- Conduta: encaminhamento médico
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)
 TC, TS e FC alterados:
Doença hemorrágica hereditária => Doença de
VON Willebrand (deficiência do fator VIII,
(globulina anti-hemofílica-A) associado com
alterações vasculares e presença de fator
anticoagulante circulante.
Exames Hematológicos
Interpretação de resultados ( possibilidades)
 TC, TS e FC normais:
Exame normal, porém existem evidências clínicas.

- Encaminhar o paciente para um hematologista


=> resultados falsos => risco de vida.
- “Clínica é soberana”.
Pacientes com Coagulopatias
Conduta odontológica
Regra básica: evitar aspirina e anti-inflamatórios
não-esteroidais (COX => tromboxanas) .

Paciente c/ pequeno risco: não há contra-
indicação paro tratamento odontológico
 Paciente c/ risco moderado: Aqueles que tratam
com anticoagulante e aspirina. Controlar o TS
antes da intervenção eletiva. Se TS > 12 min =>
suspender por 7 a 10 dias (drogas alternativas)
Exames Bioquímicos
Dosagem de creatina na urina

 Produzida exclusivamente pela degradação da


creatina muscular e é eliminada pelo rim.
 Dosagem de creatina => índice da função renal
 Hiperparatireiodismo => dosagem do
“clearance” de creatina
• é um exame muito confiável pois sua eliminação
se dá de forma constante e não está sujeita a
flutuações.
Exames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
Dosagem de glicose
 Diabetes
- Dificuldades no metabolismo da glicose;
- dificuldade de cicatrização , história de poliúria e
sede excessiva, infecções orais recidivantes,
doença periodontal em desproporção com os
fatores locais observados => requisição da
determinação de glicose em jejum.
Exames Bioquímicos
Dosagem de glicose
 Diabetes
- A dosagem de glicose no sangue:
O valor normal aceito é ao redor de 109 mg/dl (
em jejum ).
- A dosagem da glicose na urina, apresenta valor
normal em torno de 180mg/dl, e pode baixar na
gravidez e outras condições sistêmicas.
- diabetes mellitus (hiperglicemia) => lesões em
olhos, rins e coração.
Exames sorológicos
Os exames sorológicos visam demonstrar, no
plasma sanguíneo, a presença de anticorpos
específicos por meio de reação cruzada com
antígenos do agente causal da doença suspeita.

 Quando esses anticorpos estão presentes =>


contato passado ou atual com o antígeno
Exames sorológicos
Sífilis
 Doença infecciosa causada pelo Treponema
Pallidum;
 Congênita/ Adquirida
 Exames:
- pesquisa de campo escuro;
- Pesquisa de anticorpos contra o agente invasor;
- Exame para a reagina sifilítica (exames de
floculação e fixação do complemento), como O
VDRL (Venereal Disease Research Laboratory ) e
o RPR (teste rápido de reagina plasmática) são
exames de floculação.
Exames sorológicos
Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
 Sinais clínicos:

- Exame
malignobucal: lesão compatível
(Sarcoma de Kaposi);com tumor
infecções
oportunistas (candidíase); herpes simples,
leucoplasia pilosa, guna .
 Sintomas: febre, fadiga, diarréia,
“emagrecimento”.
Exames sorológicos
Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
Principais exames:
- Eliza:
através detecta anticorpos
de métodos para o vírus
enzimáticos;
- Western-Blot;
- Beta-2-Microglobulina;
- Hemoaglutinação.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 Genovese, W J. Exames Complementares na


Clínica Odontológica. Editora: Fundação
Petrópolis. 1996;

 Failace, R. Hemograma – manual de


interpretação.