Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

GABRIELE FERNANDA DOS REIS - 2017001938


LAILA MACIEL ROCHA - 2017014337
MICHELLY MARA MATOS CIRINO - 2017013269

EXPERIMENTO DE MEDIDA DE TEMPERATURA

ITAJUBÁ

2018
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

GABRIELE FERNANDA DOS REIS - 2017001938


LAILA MACIEL ROCHA - 2017014337
MICHELLY MARA MATOS CIRINO - 2017013269

EXPERIMENTO DE MEDIDA DE TEMPERATURA

Relatório de experimento prático


submetido ao prof. Hélcio Villa
Nova, como requisito parcial para
aprovação na disciplina de
Fenômenos de Transporte I
Experimental – EME313P do
curso de graduação em
Engenharia Hídrica da
Universidade Federal de Itajubá.

ITAJUBÁ

2018
Sumário

1- Introdução 4

2- Desenvolvimento 5
2.1- Materiais 5

2.2- Métodos 5

3- Resultados e Discussões 5

4- Conclusões 8

5- Referências 8
1. INTRODUÇÃO

O experimento de medida de temperatura realizado no segundo


laboratório de Fenômenos de Transporte I, apresenta formação de gelo
instantâneo, com a ironia de uma reação exotérmica que se solidifica em alta
temperatura, dando a entender que a substância congelou, mas na verdade
está fervendo. No entanto não se trata apenas da solidificação da água, mas
da recristalização do acetato de sódio, onde o experimento se solidifica
jogando calor para fora, devido a estrutura molecular onde os átomos se
apertam gerando calor. O coeficiente de solubilidade de uma solução pode vir
acompanhado de uma variação de temperatura.
No experimento, foi utilizada uma solução supersaturada de acetato de
sódio CH3COONa e água, possuindo uma quantidade de soluto dissolvido
superior ao coeficiente de solubilidade da substância à temperatura ambiente.
Assim, após o aquecimento da solução para total dissolução e seu resfriamento
até a temperatura ambiente, a mesma encontra-se instável. A solidificação do
acetato ocorre quando há uma perturbação mecânica dessa mistura
homogênea, como a agitação do frasco da solução ou a adição de um pequeno
cristal da substância, provocando assim a recristalização de toda a substância.
Quando um líquido super fundido se solidifica, sua temperatura aumenta
até atingir a temperatura de solidificação. Os cristais formados são aciculares e
estendem-se por todo o recipiente, a água é absorvida pela superfície dos
cristais e deixa de se ver separada deles, gerando assim o “gelo” quente, que
nada mais é que um bloco de sal cristalizado, à temperatura ambiente.

Figura 01 – Cristais de CH3COONa

Fonte: Brasil Escola


2. DESENVOLVIMENTO

2.1. Materiais
O experimento em questão se teve utilizando como equipamentos:

• 01 recipiente de 300 ml;


• 30 g de água;
• 220 g de Acetato de Sódio Trihidratado;
• 01 cronômetro;
• 01 termômetro digital 50ºC -> 300ºC.

2.2. Métodos
O procedimento experimental iniciou-se com a mistura de 220 g de
CH3COONa · 3 H20 (acetato de sódio) com 30 g de água em um recipiente de
300 ml. Em seguida o recipiente com a mistura foi aquecido em banho-maria e
deixado em repouso até esfriar, alcançando a temperatura ambiente. Tal
mistura se trata de uma solução supersaturada, contendo mais material
dissolvido do que poderia ser dissolvido pelo solvente em circunstâncias
normais.
Na segunda parte do experimento, com a mistura preparada
anteriormente, o termômetro digital de erro 1 ºC foi introduzido no recipiente.
Logo após colocamos uma pequena amostra do acetato de sódio na mistura
em temperatura ambiente. Com isso foi possível observar a variação da
temperatura com a mudança de fase e a cristalização do CH3COONa, pois já
não havia solvente suficiente para a quantidade de soluto. Em seguida foi
realizado as medidas de temperatura da experiência.

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES

A análise dos resultados se deu por meio de um vídeo onde foi possível
observar com clareza todo o experimento acontecendo. Para isso foram feitos
quadros (Figura 02) por meio de prints do vídeo a cada 1 segundo que foram
impressos e utilizados para medir a área solidificada, por meio de figuras
conhecidas utilizando a mesma régua, para maior precisão; assim foi possível
efetuar os cálculos da porcentagem de área solidificada.

Figura 02: Quadros do experimento

Fonte: Autoria Própria

O cálculo da porcentagem da área solidificada se deu pela seguinte


fórmula:
Á𝑟𝑒𝑎 𝑠𝑜𝑙𝑖𝑑𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎𝑑𝑎
%= ∗ 100 (1)
Á𝑟𝑒𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙

Os dados encontrados estão apresentados na tabela a seguir:

Instante Área solidificada Porcentagem da área Temperatura


(s) (mm2) solidificada (%) (°C)
1 337,7 18,76 21
2 750,08 41,67 21
3 975,08 54,17 21
4 1050,14 58,33 21
5 1085,06 60,27 21
6 1141,04 63,38 31
7 1682,3 93,45 31
8 1726,4 95,90 31
9 1754,3 97,45 31
10 1800,2 100,00 52

Com esses dados foram gerados os seguintes gráficos:


Gráfico 01: % Área solidificada x Temperatura

Curva da porcentagem da área solidificada pela


temperatura
60

50
Temperatura (°C)

40

30

20

10

0
0,00 20,00 40,00 60,00 80,00 100,00 120,00
% Área solidificada

Gráfico 02: Área solidificada x Tempo

Curva da área solidificada pelo tempo


2000
1800
1600
Área solidificada (mm2)

1400
1200
1000
800
600
400
200
0
0 2 4 6 8 10 12
Instante (s)
Gráfico 03: Temperatura x Tempo

Curva da temperatura pelo tempo


60

50
Temperatura (°C)

40

30

20

10

0
0 2 4 6 8 10 12
Tempo (s)

4. CONCLUSÕES

Esta aula prática ministrada pelo professor Hélcio teve como finalidade
observar e comprovar a variação de temperatura em soluções. Neste
experimento ficou constatada a variação de temperatura pois ela aumentou e
portanto, houve uma variação. Foi possível compreender também que a
formação do gelo instantâneo é um fenômeno de recristalização do acetato de
sódio.

REFERÊNCIAS

• FOGAÇA, Jennifer Rocha Vargas. "Saturação das soluções"; Brasil


Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/quimica/saturacao-
das-solucoes.htm>. Acesso em: 13 de maio de 2018.

• LUDWIG, Olavo. “Solução supersaturada de acetato de sódio”.


Disponível em <http://olavolu.blogspot.com.br/2008/08/soluo-
supersaturada-de-acetado-de-sdio.html>. Acesso em: 13 de maio de
2018.

• Notas de aula de Fenômenos de Transporte I Experimental do Professor


Doutor Hélcio Francisco Villa Nova