Você está na página 1de 30

PSICOLOGIA E

EDUCAÇÃO
Uma introdução
Emergência de uma
Psicologia científica

Wilhelm Wundt (1832-1926) – Universidade


de Leipzig (Alemanha): primeiro
laboratório de experimentos na área da
psicofisiologia – pesquisas sobre o
“paralelismo psicofísico”
A Psicologia da Educação tem como
marco central o início do Século XX:

- Edward Lee Torndike (1874-1949):


Mediante o uso dos experimentos de tentativa
e erro com animais, Thorndike formulou sua
“lei do efeito" - segundo a qual se aprende
aquela ação cujo resultado é o mais
satisfatório - e a aplicou ao desenvolvimento
de técnicas especiais de ensino para usar na
sala de aula.
A partir da “lei do efeito”, Thorndike
formulou a “curva de aprendizagem” –
primeira tentativa de demonstrar um
processo de aprendizagem pelo viés
quantitativo;

Para Thorndike: “um ato pode ser alterado


na sua força pelas consequências”.

(Video Thorndike)
Eixos norteadores do
Behaviorismo
• Estudo dos padrões de comportamento na
relação indivíduo-ambiente (identificar as
regularidades presentes no comportamento, o
que permite controlá-las);
• Controle das interações ambiente-indivíduo;
• Teoria da aprendizagem;
• Ênfase em métodos objetivos;
• Ciência do comportamento.
- Reforços: são todos os eventos que
fortalecem um comportamento.

- Condicionamento: são todas as


mudanças resultantes dos reforços
(aprendizagem – modelagem de
comportamentos).
(Video Pavlov)
Burrhus Frederic Skinner (1904-
1980)
Skinner
• Parte da teoria de Pavlov sobre os reflexos
condicionados (respondentes) e da elaboração
de Thorndike sobre a “lei do efeito”, “curva de
aprendizagem” – primeira tentativa de
demonstrar um processo quantitativo;

• Entende que o estudo do comportamento deve


permitir a detecção de todos os elementos que
se encontram presentes em sua produção.
Condicionamento operante
• Análise da relação:
causa – comportamento - consequência.
• A probabilidade de um comportamento
ocorrer está ligada a uma multiplicidade
de contingências;
• Fortalecer as conseqüências de um
comportamento: reforçar.
Reforços positivos e
negativos

• Reforçamento positivo: apresenta-se um


estímulo para provocar/reforçar
determinado comportamento.

• Reforçamento negativo: intervenção para


remover ou atenuar uma resposta
indesejável.
Modelagem de
comportamentos
• Mecanismo de aprendizagem de um novo
comportamento (modelagem);
• Para Skinner, o processo de modelagem de
comportamentos é responsável por tudo que
fazemos;
• No estudo do comportamento humano, é
importante identificar as circunstâncias/
contingências que mantêm a maior parte dos
comportamentos, por mais que isso seja
complexo.
“Caixa de Skinner”
Skinner e a educação
Livro Tecnologias do ensino (1967):

- Crítica às práticas de ensino tradicionais


(massificantes);
- Defesa de um ensino programado e das
máquinas de ensinar.
“Máquinas de ensinar”
Skinner e a educação
• Para que a aprendizagem ocorra, é preciso
haver ensino objetivo (diretividade da
posição ocupada pelo/a professor/a)
• No processo ensino—aprendizagem é
preciso localizar:
A quem a ação educativa se dirige, com quais
objetivos e intenções.
• O planejamento deve orientar o trabalho
educativo (alunos reais).
Skinner e a educação
• Aprendizagem em pequenos passos:
“instrução programada”;
• Ensino mais individualizado;
• Definição de objetivos (o que é relevante
para o aluno aprender naquele momento);
• Planejamento de contingências;
• Controle das atividades de ensino em
termos de comportamento;
Skinner e a educação
• Presença de reforços positivos (“vales” -
notas, premiações, distinções...);
• Modelagem de comportamentos
considerados adequados para aquela
situação – comportamentos situados no
social;
• Centralidade do papel do professor (ele
sabe o que é importante na formação do
aluno).
Psicologia do desenvolvimento e da
aprendizagem
Jean Piaget (1896-1980)

- Estudos sobre a relação do desenvolvimento


humano e os processos de aprendizagem;
- Estágios do desenvolvimento;
- Mediação;
- Formas de intervenção nos processos de
aprendizagem com o objetivo de ampliar as
possibilidades de aquisição do conhecimento.
Quatro estágios do desenvolvimento cognitivo,
segundo de Jean Piaget:

1) Estágio da inteligência sensório-motora – do


nascimento até aproximadamente 2 anos;

2) Estágio da inteligência pré-operatória ou lógico-


concreta - de aproximadamente de 2 a 6-7 anos;

3) Estádio operatório concreto - aproximadamente de 7


a 11-12 anos;

4) Estádio operatório formal - aproximadamente de 12


a 16 anos.
Quatro conceitos cognitivos básicos na teoria
de Jean Piaget:

- Esquema: estruturas mentais ou cognitivas pelas quais os


indivíduos se adaptam e organizam o meio. Essas estruturas
se adaptam e se modificam com o desenvolvimento mental.
- Assimilação: Processo no qual a pessoa integra um novo
dado perceptual motor ou conceitual nos esquemas ou
padrões de comportamento já existentes.
-Acomodação: um estímulo que não se encaixa nos
esquemas já assimilados pela pessoa pode ser motivo para
modificar um esquema prévio ou criar um novo esquema.

- Equilibração: balanço entre a assimilação e a acomodação


Gestalt ou Psicologia da forma:
Ernst Mach, Kurt Koffka

• Considera o ser humano como uma totalidade,


um sistema integrado e organizado, no qual
corpo e mente se encontram articulados;
• As diferentes condições de percepção
apresentadas pelos indivíduos indicam seu
processo individual;
• O comportamento deveria ser estudado
considerando os aspectos que alteram a
capacidade perceptiva de um indivíduo.
As teorias psicológicas e o papel da escola

• Escola como local privilegiado para aplicação


de estudos e pesquisas (Skinner, Piaget);

• Escola promove o desenvolvimento


psicológico (Vigotski);

• Perspectiva de que a escola não um elemnto


decisivo para o desenvolvimento psicológico,
podendo até atrapalhá-lo (Roger, Freud).
Pontos mais sensíveis da interface
psicologia - educação
• Laudos psicológicos;
• Testes psicológicos;
• Processo de estigmatização...

Em contraponto, a psicologia pode


promover intervenções junto aos
educadores, realizar interlocuções, atuar de
modo colaborativo...
Para o hoje e o amanhã...
• O autor apresenta uma aposta de que a
ampliação do conhecimento das ciências
biológicas e o desenvolvimento das tecnologias
poderá favorecer um maior conhecimento do
cérebro humano e dos impactos dos fatores
ambientais no desenvolvimento humano;
• Relação psicologia – teoria da informação:
aprendiz como ativo processador de
informação;
• Mudanças no conceito de inteligência.
Referências

BOCK, Ana Maria Mercês B.; FURTADO, Odair; Teixeira, Maria de Lourdes T.
Psicologias: uma introdução ao Estudo de Psicologia. São Paulo: Editora Saraiva,
2009.
FIGUEIREDO, Luis Cláudio; SANTI, Pedro Luiz R. de. Psicologia: uma (nova)
introdução. São Paulo: EDUC, 2009.
LOMÔNACO, José Fernando B. Psicologia e Educação: Hoje e Amanhã. Psicol. Esc.
Educ. v. 3, n.1, p. 11-20, 1999.
SKINNER, Burrhus Frederic. Contingências do reforço: uma análise teórica. In: Os
pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1980, p. 170-394.
SKINNER, Burrhus Frederic. Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins
Fontes, 1994.