Você está na página 1de 5

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR ALBERTO MAZONI ANDRADE

PNAIC 2017 Para Casa CEALE


Palestra: Professor Artur Gomes de Morais
Aluna: Marli Barbosa dos Santos - CPF: 402.741.876-04

1. Quais seriam os sete problemas (“pragas”), apontados pelo professor Artur


Morais no que se refere a inovações na educação da rede pública, que não têm
favorecido o ensino e a aprendizagem na alfabetização?

2. Qual o seu posicionamento em relação a cada um dos problemas (“pragas”)


apontados? Você concorda com os argumentos apresentados? Teria outros para
acrescentar? Você discorda de alguma ideia? Que justificativas apresentaria
para sua discordância?

3. Ao considerarmos as questões abordadas pelo palestrante, quais atividades


ou ações pedagógicas podem ser listadas como avanços no trabalho
desenvolvido pelo professor alfabetizador, nos eixos:

a) Ensino do Sistema de Escrita Alfabética (SEA)

b) Leitura e compreensão de textos

c) Produção de textos

4. Ao considerarmos as questões abordadas pelo palestrante, quais atividades


ou ações pedagógicas podem ser listadas como aspectos a serem melhorados
no trabalho desenvolvido pelo professor alfabetizador, nos eixos:

a) Ensino do Sistema de Escrita Alfabética (SEA)

b) Leitura e compreensão de textos

c) Produção de textos:

5. O que podemos concluir quando o professor Artur Gomes de Morais ressalta


que: “Inovações para fazerem o aprendiz ter melhor desempenho, pressupõem
clareza metodológica (metas, princípios, ações que respeitem a ecologia da sala
de aula. ”
6. Destaque suas percepções gerais sobre a palestra ministrada e a execução
esta atividade de formação.

RESPOSTAS DAS QUESTÕES ACIMA:

1) Imposição de base curriculares sem debate e sem negociação.

2) Imposição de uma BNCC que subtrai o ensino do sistema de escrita


alfabética na educação infantil

3) Imposição de apostilados e materiais não escolhidos pelos docentes


como a cartilha alfa, beto, e o sistema positivo

4) Redução do ensino ao um treinamento para que os alunos sejam bem-


sucedidos nos exames externos

5) Adoção do sistema de ciclos, na ausência de umas propostas efetivas de


atendimento para alunos que tem ritmo mais lentos.

6) Realização de programas como se liga depois de alunos terem


fracassado sem serem ajudados. Realizações de avaliações externas
sem currículos ou sem uma matriz curricular ((habilidades avaliadas)
sejam discutidas ou revista.

2° questão:

A colocação feita pelo Doutor Artur de Morais é bastante clara, pois o


maior desafio do professor no processo de alfabetização e letramento é a luta
por um material de qualidade e eficaz para que seu trabalho seja desenvolvido.

O processo de acúmulos de dados para alguns resultados equivocados só


prejudica o sistema de ensino atual.
Docentes e especialista devem trabalhar de forma conjunta para o crescimento
e organização de ideias que beneficiasse a educação de um todo no contexto
real dos alunos em questão.

Permutas ou políticas de resultado de pessoas que não participa


diariamente no processo de alfabetização e letramento só contribui para a
diminuição real do objetivo que é a formação integra e eficaz o aluno em seu
desenvolvimento educacional.

3°questão:

a) Um avanço importante do processo de escrita alfabética é o estímulo de


textos individuais espontâneo, o manuseio dos livros que estimulam a
curiosidade da criança, reflexão sobre o estudo do nome próprio, e palavras
de seu cotidiano escolar e familiar, a busca por palavras frases familiares da
criança, buscando a reflexão fonológicas e a concretizado a escrita correta e
legível, exploração das sílabas complexas e o treinamento de palavras com
essas sílabas. A desconstrução da ditadura do texto.

b) Participação da roda de leituras na educação infantil, o reconto a leitura


deleite como rotina na sala de aula. A busca por melhoria na atividade de
compreensão de textos, e um planejamento específico para a compreensão
dos textos, os professores alfabetizadores precisam melhorar na escolha de
leituras trabalhadas no dia a dia da criança, tornar a leitura não só uma
atividade rotineira, mas sim prazerosa para o desenvolvimento individual de
cada um.

c) As produções de textos nas escolas são bem explorada e melhor sucedida


quando o aluno tem um conhecimento prévio do assunto, ou seja, um estudo
dos gêneros textuais antes de se produzir os textos, porém ainda temos uma
frequência baixa na escrita de uma maneira geral. A busca por estímulos para
a escrita é feita por divulgação de produção de texto inicialmente feita por
alunos ainda no seu processo de alfabetização e letramento, aumento a
autoestima da criança e dado a oportunidade de escrever sobre assuntos que
conhece e gosta.

4° questão:

O professor alfabetizador precisa fazer um planejamento adequado sobre


os eixos citados, uma boa sequência didática que estimule os alunos no
crescimento de produção de texto, compreensão e escrita alfabética. As
atividades propostas como roda de leitura, reconto de alguns textos trabalhados
pintura desenho e criação de frases coletivas e individuais dos textos,
socialização com todos os envolvidos na rotina direta da sala.

 Leitura de leite
 Roda de conversa sobre o texto
 Palavras destaque
 Desenho livre sobre os textos
 Recontos dos textos
 Elaboração de um novo final para a leitura trabalhada
 Ordem alfabética
 Sequência de palavras com a mesma silabas etc.

5° questão:

O nosso sistema de ensino está focado em um sistema burocrático e


pouco funcional, nós professores estamos limitados a fazer cumprir metas pré-
estabelecida sem conhecimento prévio. O caminho para o sucesso do nosso
sistema de ensino é as palestras coletivas e focando os principais objetivos e
desafio para a melhoria da nossa aprendizagem.

Segundo Artur Morais: O primeiro passo é definir, nos coletivos educacionais


(escolas, redes de ensino), metas para cada etapa do ensino fundamental,
partindo de um diagnóstico realista sobre quais dificuldades ortográficas a
maioria dos alunos pode dominar, em cada ano ou série da escolarização inicial.
É claro que a sistematização do ensino de ortografia, só faz sentido
quando as crianças estão plenamente alfabetizadas, isto é, com um
automatismo mínimo das correspondências letra som, que lhes permita
compreender textos curtos e produzir textos também curtos, nos quais, apesar
dos erros, podemos ler e ter acesso ao que desejam comunicar. Uma segunda
questão, para definir o que ensinar primeiro e o que ensinar depois e, sobretudo,
para definir como ensinar, adequadamente.

6° questão:

Poder contar com a opinião e ajuda de um profissional tão experiente e


competente como Artur morais, nós ajudando a perceber problemas pré-
existente no curriculum, porém com pouca clareza no nosso dia a dia. A forma
da abordagem curricular de avaliações externas é para muitos de nós a
reclamação diária onde nos questionamos como foram estabelecidos alguns
métodos do ensino aprendizagem .considerando o conhecimento prévio do meu
aluno, e acompanhando o constante crescimento de cada um deles, onde nós
professores trabalhamos com uma grande defasagem a nível de seriação , não
concordo com o resultado de avalições externas do ano serie.

A busca por uma educação de qualidade tem que partir de um trabalho coletivo
e democrático, onde o dialogo tem que ser considerado e não resultados de
provas externas e pouco funcional, servindo apenas gráficos do sistema geral.

O PNAIC para mim é um caminho de crescimento individual profissional,


ele contribui na minha formação como professora alfabetizadora, porém não
temos de ficar apenas nesta formação, temos que buscar um crescimento
continuo para acompanhar os desafios diários da nossa educação básica. Juntos
podemos formar um caminho de sucesso, em prol do nosso objetivo maior que
é a valorização do ensino aprendizagem e crescimento gradativo e individual dos
nossos alunos.