Você está na página 1de 76

www.embalagemmarca.com.

br
Mais do que apenas informação
D
estacamos nesta entrado, há oito anos e meio, a enxurradas de títulos que
edição a reporta- num segmento já ocupado. chegam às suas mãos, mais
gem de capa, sobre No entanto, como não nos do que apenas informações.
embalagens para queijos, damos a soltar rojões para Em EMBALAGEMMARCA estas
e a cobertura exclusiva da festejar nossa própria exis- são sempre contextualizadas,
Labelexpo Europe, maior tência, dedicamo-nos a dar interpretadas, relativizadas,
feira mundial de rotulagem. continuidade a ela e a aper- ampliadas em outros canais,
Wilson Palhares A edição, como de hábito, feiçoá-la sempre. Nesse per- de modo a se transforma-
tem muitos outros pontos de curso, mantemos o passo que rem num instrumento de tra-
Dedicamo-nos interesse, mas julgamos con- permitiu à revista tornar-se balho efetivamente útil aos
a oferecer de veniente chamar a atenção a de maior crescimento e a profissionais do packaging.
forma cada vez para a próxima. Ela sinali- de maior credibilidade entre Depoimentos nos dizem que
zará a entrada da revista na as dirigidas à área. Ou seja, o leitor de EMBALAGEMMAR-
mais densa à
casa dos três dígitos. Chegar fazemos o que acreditamos CA tem, no conteúdo de cada
cadeia produtiva
ao número 100 já seria moti- ser a razão básica de nosso mês da revista e no conjunto
de embalagem vo para comemorações, num êxito e a síntese de nossa acumulado de informações
aquilo que sintetiza país em que grande parte dos missão: transformar infor- aportado desde a edição
nossa missão: empreendimentos sucum- mação em conhecimento. número 1, um ferramental
transformar be no primeiro ano de vida. É nosso compromisso levar a que o diferencia no merca-
informação em Mais ainda o seria ante o fato quem nos honra ao optar pela do e o fortalece na carreira.
conhecimento de EMBALAGEMMARCA ter leitura da revista, em meio Continuaremos assim.
nº 99 • novembro 2007
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

24 Reportagem
de capa: Queijos
Indústria de queijos abre
Reportagem
redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
cada vez mais oportunidades flavio@embalagemmarca.com.br
no mercado de embalagens Guilherme Kamio
investindo em produtos já guma@embalagemmarca.com.br
prontos para o consumidor Leandro Haberli Silva
leandro@embalagemmarca.com.br
Marcella de Freitas Monteiro
marcella@embalagemmarca.com.br

12 Fechamentos
Metalúrgica
desenvolve
40 Plásticas
Xampu e condicionador da
Phisalia trocam embalagem
Departamento de Arte
arte@embalagemmarca.com.br
Carlos Gustavo Curado
tampa de standard por frasco exclusivo
José Hiroshi Taniguti
fácil abertura
que dispensa Administração
uso de peças Eunice Fruet
plásticas Marcos Palhares

14 Mercado
Embalagens ajudam grandes
Departamento Comercial

46 Marcas comercial@embalagemmarca.com.br
indústrias a vender mais
Ao completar 50 anos, Karin Trojan
sucos prontos para beber
Cremogema ganha de Wagner Ferreira
presente nova roupagem
Circulação e Assinaturas

48 Rotulagem Juliana Lenz


assinaturas@embalagemmarca.com.br
Tendências apresentadas no
Assinatura anual: R$ 99,00
maior evento mundial do setor
de conversão, em Bruxelas
Público-Alvo

30 Sondagem GNPD EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais


que ocupam cargos de direção, gerência
Painel da Mintel apresenta
e supervisão em empresas integrantes da
novidades internacionais

62
cadeia de embalagem. São profissionais
em queijos Inovação
envolvidos com o desenvolvimento de
Aromatizante bucal combina

32 Entrevista: embalagens e com poder de decisão colo-


características de diversas
cados principalmente nas indústrias de bens
Silmara Figueiredo categorias em apenas uma de consumo, tais como alimentos, bebidas,
Consultora da Associação embalagem cosméticos e medicamentos.
das Indústrias de Queijo
mostra oportunidades
abertas pelo setor para
a cadeia do packaging
64 Artigo
Há limite para a inovação?
Por Victo Basso Filiada ao

3 Editorial
A essência da edição do mês, nas palavras do editor

6 Espaço aberto Impressão: Margraf Tel.: (11) 4689-7100


Opiniões, críticas e sugestões de nossos leitores
CAPA ILUSTRAÇÃO: JOSÉ HIROSHI TANIGUTI / BLOCO DE COMUNICAÇÃO

EMBALAGEMMARCA é uma publicação


8 Display mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
Lançamentos e novidades – e seus sistemas de embalagens Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
Antonio • CEP 04718-040 • São Paulo, SP
22 Internacional Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
Destaques e idéias de mercados estrangeiros
Filiada à
44 Panorama
Movimentação no mundo das embalagens e das marcas

66 Conversão e Impressão www.embalagemmarca.com.br


Produtos e processos da área gráfica para a produção de rótulos e embalagens O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
resguardado por direitos autorais. Não é per-
72 Índice de Anunciantes mitida a reprodução de matérias editoriais
Relação das empresas que veiculam peças publicitárias nesta edição publicadas nesta revista sem autorização
74 Almanaque da Bloco de Comunicação Ltda. Opiniões
expressas em matérias assinadas não refle-
Fatos e curiosidades do mundo das marcas e das embalagens tem necessariamente a opinião da revista.
de lançamento da embalagem em 1º
de janeiro de 2006. Fica registrada a CORREÇÕES
minha sugestão.
Marcelo Perucci Ânforas revisitadas
Especialista de produtos Na reportagem com o título acima,
Rigesa Westvaco do Brasil sobre embalagens colecionáveis de
Valinhos, SP O Boticário, publicada na edição nº
98 de EMBALAGEMMARCA, (novembro de
Lamentamos que a inscrição tenha sido 2007), foi omitida por equívoco a infor-
prejudicada, mas a data não poderá ser mação de que o desenvolvimento do
mantida, dado que o concurso é anual e projeto dos cartuchos é de responsa-
abrange períodos sucessivos. Assim, as bilidade do escritório Komm Design, de
inscrições à segunda edição do Prêmio Curitiba. A Rigesa, citada na matéria
deverão abranger cases registrados no como responsável pela criação dessas
período compreendido entre 1º/7/2007 embalagens secundárias, na realidade
e 30/6/2008. Dada a qualidade de seu assumiu a produção.
trabalho e a criatividade de sua equipe,
sem dúvida a Rigesa terá a apresentar
Apoio da Belas Artes cases com forte potencial para serem

R egistro meu orgulho em ter partici-


pado desta primeira edição do PRÊMIO
escolhidos pelo júri.

EMBALAGEMMARCA – GRANDES CASES Do Uruguai


DE EMBALAGEM.
Digo isto logo após receber o núme-
ro 98 da revista, com a cobertura
D esejamos felicitar a revista pelo
excelentíssimo nível do idioma espa-
Fibrothin pela Cosgraf
Na seção Display de EMBALAGEMMARCA
nº 97 (outubro de 2007) a produ-
da premiação, onde todos os cases nhol na escrita, na expressão gramati-
ção dos rótulos das embalagens da
ganhadores estão bem caracterizados cal e na sintaxe, algo realmente muito
linha de produtos para emagrecimen-
e fundamentados. Sem dúvida é uma raro de ver nas revistas traduzidas
to Fibrothin, produto do Laboratório
referência na área. Creio que o prêmio no Brasil. Aproveitamos também para
Catarinense, foi atribuída à Sanavita,
é na verdade um serviço que estamos felicitá-los por seu conteúdo didático e
quando na verdade foram impressos
prestando ao setor e à nação. Valeu. informativo. Em muitas oportunidades
pela Cosgraf Indústria Gráfica.
Parabéns e contem conosco em 2008, utilizamos a revista aqui em nosso Ins-
2009, 2010. . . tituto com nossos alunos, como mate-
A informação foi dada pela assessoria
Auresnede Pires Stephan (prof. Eddy) rial didático. Felicitações novamente.
de imprensa da agência Design Inver-
Assessor de desenvolvimento I.L.E. Instituto de Línguas Estrangeiras
so, que nos enviou comunicado sobre
educacional Montevidéu
o lançamento do produto.
Unicentro Belas Artes de São Paulo Uruguai
São Paulo, SP
Do Chile
Mensagens para
Inscrições no Prêmio

P rimeiramente quero parabenizar a


D esejo felicitá-los pela revista. Não
contém desperdícios, é objetiva, vai
EMBALAGEMMARCA
Redação: Rua Arcílio Martins, 53
revista EMBALAGEMMARCA pelo ges- diretamente ao ponto com clareza.
CEP 04718-040 • São Paulo, SP
to nobre em reconhecer certas falhas As reportagens e os artigos são de
Tel (11) 5181-6533
no processo de inscrição no PRÊMIO excelente qualidade, além de serem Fax (11) 5182-9463
EMBALAGEMMARCA – GRANDES CASES sempre interessantes. Sem dúvida, é
DE EMBALAGEM e torcer para que no uma revista com a qual vários setores redacao@embalagemmarca.com.br
próximo concurso ocorra uma evolu- podem contar como apoio. Uma suges- As mensagens recebidas por carta,
ção em todos os sentidos. Realmen- tão: procurem divulgar mais a revista e-mail ou fax poderão ter trechos não
te acredito que a inscrição de nossa na América Latina. Não sei de uma só essenciais eliminados, em função do
embalagem “Bulk 200 litros” ficou pessoa que conheça a revista que não espaço disponível, de modo a dar o
prejudicada por alguns dos motivos expresse seu agrado com ela, e isso maior número possível de oportunida-
citados em mensagem a nós enviada hoje em dia vale muito. des aos leitores. As mensagens poderão
e na reportagem de capa da edição nº Sergio Almada também ser inseridas no site da revista
98. Acredito que seria justo que para o Designer (www.embalagemmarca.com.br).
próximo concurso seja mantida a data Santiago, Chile

6 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Preservativos Purity em vidro Gráfica Tuicial
(45) 3227-2020
modernizados Embalagem tem rótulo magazine
www.tuicial.com.br
Sachês de Jontex são renovadas Jump Comunicação
A Cocamar lança a maionese Purity (44) 3031-3233
As embalagens dos preservativos www.jump.com.br
Ligth com Canola, primeira a conter
Jontex, da Johnson & Johnson, foram
Inapel 50% de óleo de soja e 50% de óleo Owens-Illinois
redesenhadas. Os sachês de filme
(11) 6462-8800 de canola, em sua composição. Com (11) 6542-8000
www.inapel.com.br flexível de BOPP são impressos em www.oidobrasil.com.br
o layout das embalagens assinado
rotogravura pela Inapel. A mudança se
M Design pela Jump Comunicação, o produto Revpack
estendeu para as versões Lubrificado
(11) 3839-0969 é comercializado em potes de vidro (11) 4070-7755
www.mdesign.art.br (Preto), Comfort Plus (Verde), Ultra www.revpack.com.br
fabricados pela Owens-Illinois com
(Vermelho) e Sensitive (Azul Claro).
tampas de polietileno (PE) da Revpa-
A logomarca também foi atualizada.
ck. A decoração dos potes é feita com
O trabalho de modernização ficou a
rótulos magazine de papel impressos
cargo da M Design.
pela Gráfica Tuicial.

Prática e compacta
Novelprint
Lenço Softy’s ganha versão menor com selo abre-fecha
(11) 3768-4111
www.novelprint.com.br
A Softy’s, tradicional marca de lenços Mazda Embalagens Flexíveis, com tema
Mazda Embalagens Flexíveis descartáveis da Papéis Melhoramentos, oito lenços de papel, é menor que as
(11) 4441-6502
www.mazdaembalagens.com.br ganha uma versão compacta, com 57 opções disponíveis no mercado e tem um
milímetros de comprimento, 75 milíme- fecho resselável, fornecido pela Novel-
SP.OK Design tros de altura e 20 milímetros de profun- print. A SP.OK Design, responsável pelo
(11) 3815-9155
www.spokdesign.com.br didade. A embalagem de polietileno de layout, criou sete estampas diferentes,
baixa densidade (PEBD) produzida pela que remetem a instrumentos musicais.

8 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Foil’sPack
(19) 3209-0510
www.foilspack.com.br

Latapack Ball Saborizadas e seladas


(12) 2127-4700
www.latapack.com.br Cerveja Crystal tem gosto de frutas

SPO+Pantani Chega às gôndolas a Crystal Fusion, cerveja sabo-


(11) 3168-9166
rizada da Petrópolis. A bebida, que tem as versões
www.pantanidesign.com.br
guaraná, limão e maracujá, é acondicionada em latas
de alumínio fornecidas pela Latapack Ball e conta com
selos higiênicos de alumínio supridos pela Foil’sPack.
O design é assinado pela SPO+Pantani, que também
cuidou da reformulação do logotipo Crystal.

Cores para cores


FAZdesign Tons fortes destacam latas de tintas
(47) 3027-2298
www.fazdesign.com.br A fabricante de tintas Maxicron reformula as embalagens
Nova Lata
de sua linha de produtos e aposta em cores fortes que se
(11) 6168-5255 destacam no ponto-de-venda. As latas de aço são produ-
www.novalata.com.br zidas por fornecedores não revelados e litografadas pela
Nova Lata. A agência que assina o design das embala-
gens é a FAZdesign.
Cynar em Destaque para o peso
garrafa verde Gráfica Gesa
(54) 3332-1301
Embalagem de proteína de soja
Tradicional bebida tem nova cara comunica alteração no volume
Guala Closures
A Cynar altera suas embala- (11) 4166-2400 As embalagens da proteína de soja
www.gualaclosures.com.br Soya, da Bunge, produzidas em polie-
gens e aposta em garrafas
de vidro mais finas, forneci- Gráfica 43 tileno de baixa densidade (PEBD) pela
das pela Owens-Illinois. As
(47) 3221-1200 Inplac, chegam às gôndolas com cores
www.43sagrafica.com.br
embalagens ganharam a cor vibrantes. O layout, assinado pela
verde e têm o logotipo em Indeplast Pande Design, destaca a alteração do
(11) 6806-5000 peso líquido do conteúdo, de 500 para
destaque em alto relevo. Os www.indeplast.com.br
rótulos de papel couché, 400 gramas.
aplicados com cola Owens-Illinois
(11) 6542-8000
fria, são impressos www.oidobrasil.com.br
pelas gráficas 43 e
Gesa. As tampas de
polietileno de alta
densidade (PEAD)
são produzidas pela
Indeplast e pela Guala Inplac
Closures. O design das (48) 3279-9000
www.inplac.com.br
embalagens foi desen-
volvido pela Campari Pande Design
do Brasil e segue o (11) 3849-9099
www.pande.com.br
padrão de identidade
visual usado nos outros
países onde a marca é
comercializada.

Moça agora é top


Bisnaga embala lançamento da Nestlé
Dixie Toga
(11) 5516-2000 Um boa notícia para os fãs
www.dixietoga.com.br
da linha Moça: a Nestlé
Pande Design aumenta o portfólio do sem
(11) 3849-9099 leite condensado com o
www.pande.com.br
Moça Top, ideal para ser
Sonoco utilizado como cobertura.
(11) 5097-2750 O novo produto, que tem
www.sonocoforplas.com.br
os sabores tradicional,
chocolate e doce de leite,
é acondicionado em tubos
laminados multicamadas
de polietileno e alumínio
de 170 gramas, fornecidos
pela Dixie Toga, com tam-
pas de polipropileno da
Sonoco. A arte da embala-
gem é da Pande Design.

10 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Camomila pediátrica
Art Set Medicamento infantil ganha novo layout
(11) 4421-7426
www.art-set.net A Igefarma alterou o layout das embalagens de
AST Graphic Design Camomilina C, medicamento de uso pediátrico
(11) 3277-9698 indicado para combater as dores causadas pela
primeira dentição. Os cartuchos de papel cartão,
Intercom Comunicação
(11) 4226- 3866 impressos pela Intercom Comunicação, tiveram
o design desenvolvido pela AST Graphic Design.
Plastwal Latino Americana
Cada caixa abriga 20 comprimidos acondiciona-
(11) 4613-7600
www.plastwal.com.br dos em um blister de PVC e alumínio, produzido
pela Plastwal e impresso pela Art Set.

Mistura fina
Brasilgrafica Cartão acondiciona massa para tortas
(11) 4133-7777
www.brasilgrafica.com.br
As embalagens das misturas para o preparo de tor-
Speranzini Design tas e mousses Massa Flora, da linha Carte D’Or, da
(11) 5685-8555 Unilever FoodSolutions, chegam ao mercado repagi-
www.speranzini.com.br
nadas pela Speranzini Design. O produto, destinado
a cozinhas profissionais, é acondicionado em cartu-
chos de papel cartão impressos pela Brasilgrafica.
fechamentos >>> alimentos

Sorte
lançada
Inspirada em trevo e sem
vedante, nova tampa de aço a
vácuo busca um lugar ao sol

O
copo de vidro não foi vítima solitá-
ria da migração maciça dos requei- SEM ANEL
Dispensando
jões para os copos plásticos. As peça de plastissol,
tampas de aço com práticos siste- nova tampa de aço a
vácuo levou sete anos
mas de abertura por vácuo, acessórios fiéis dos para ser desenvolvida
vidros de requeijão, comungaram do mesmo dirigida a tais produtos (veja o quadro). “É ine-
abalo. Para as metalúrgicas fabricantes desses gável: o atomatado hoje é a coqueluche para as
fechamentos, a saída foi concentrar atenções tampas de aço a vácuo”, comenta o engenheiro
em outros canais de escoamento, como o dos Antonio Pintor Aguilar, diretor industrial da
atomatados. A vedação de copos e latas de Metalúrgica Mococa.
molhos, polpas e extratos de tomate mantém-se Como novidade, o mecanismo de abertu-
como negócio altamente atraente para as tam- ra do fechamento a vácuo da Mococa difere
pas por vácuo. Tanto é que influencia, e muito, daquele mais conhecido do mercado, presen-
a entrada nesse ramo da Metalúrgica Mococa, te tanto na precursora tampa Abre-Fácil, da
fabricante de embalagens metálicas sediada na Rojek, lançada na década de 80, quanto na
cidade homônima, no interior paulista. tampa Prática, da Aro, mais recente. Sucede
Ainda sem nome comercial definitivo, mas que seu sistema de eliminação do vácuo, para a
com boas chances de ser oficialmente batiza- abertura da embalagem, não implica na libera-
da de Trevo, a tampa de aço da Mococa com ção de furos pela remoção de peças de plastis-
sistema a vácuo está sendo apresentada ao sol (composto de resina de PVC com aditivos)
mercado com decoração litográfica alusiva – na Abre-Fácil, a indefectível pecinha branca
aos derivados de tomate, e em paralelo com tem formato de disco; na Prática, de anel. “O
uma nova lata de aço expandida especialmente mecanismo da Trevo é baseado num semicorte
FOTOS: CARLOS CURADO / BLOCO DE COMUNICAÇÃO

Quase invisível, semicorte em formato Para romper o semicorte, basta pressionar Ao eliminar o vácuo, rompimento
de cruz fica no “vale” entre o relevo o centro da tampa com o dedo permite a fácil retirada da tampa

12 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


que dispensa o vedante”, explica Aguilar. “A Metalúrgica Mococa
tampa abre com um pequeno esforço de pres- (19) 3656-9300
www.metalurgicamococa.com.br
são em seu topo, que rompe esse semicorte
inicial” (veja as fotos).

Desenho helicoidal
O semicorte da tampa Trevo, em formato de
cruz, é orientado para o interior da embalagem
e não possui rebarbas, além de ficar protegido
num “vale” formado por um desenho helicoidal
em relevo (o que inspirou o apelido do produ-
to). “O risco de o consumidor cortar a mão é
zero”, garante o diretor da metalúrgica.
Com patente já depositada, a Trevo levou
sete anos para ser desenvolvida, tendo derivado
de idéias de funcionários da Mococa. Embora
seus alvos primários sejam os atomatados, a
Trevo também já foi oferecida a produtores
de doces e de conservas. Mas uma agradável
surpresa, conta Aguilar, foi a sondagem de
um famoso laticínio, localizado próximo a
Mococa, para a possível adoção da tampa num
requeijão – um dos que não arredaram pé do
copo de vidro. (GK)

Uma expandida a mais


Mococa lança nova lata com perfil irregular
Atendendo a solicitações de Aguilar. A Mococa utiliza
departamentos de marketing duas máquinas expansoras
de alguns clientes e tomando na modificação do perfil da
como referência embalagens embalagem. Uma é da fran-
européias, a Metalúrgica cesa Sabatier, referência na
Mococa acaba de lançar, área. A outra foi construída
após dois anos de pesquisa pela própria metalúrgica.
e desenvolvimento, um novo
modelo de lata de aço expan-
dido. O corpo do recipiente é
dotado de três ondulações,
que, segundo Antonio Pintor
Aguilar, diretor industrial
da Mococa, “além de gerar
diferenciação estética, facili-
tam o manuseio da embala-
gem”. Atomatados são alvos
naturais da novidade, além
de outros produtos com
razoável valor agregado. “A
nova lata já é utilizada em
exportações de cafés solú-
veis para a Europa, dificul-
tando falsificações”, detalha
mercado >>> sucos prontos

Muita sede a mitigar


No aquecido mercado de sucos de frutas, as embalagens ajudam a vender
Por Flávio Palhares

A
pesar de o consumo de sucos
prontos no Brasil ser incipiente Participação de embalagens no
em comparação aos números da
Europa e dos Estados Unidos,
mercado de sucos prontos – 2007*
grandes fabricantes estão cada vez mais pre-
sentes nesse mercado. Enquanto em países

FONTE: ESTIMATIVA BIMESTRAL – ASSOCIADAS ABIR


72,3%
como Alemanha e França o consumo anual
per capita é 59 e 63 litros, respectivamente,
chegando a 42 litros nos Estados Unidos, no
Brasil esse volume é de apenas 2,5 litros/ano
por pessoa. TOTAL:
21,9% =
É o tipo da situação que pode ser vista 100,0%

com otimismo, ou seja, se o consumo é baixo, 4,6%


0,7% 0,5%
a oportunidade de crescimento é grande. CARTONADAS PLÁSTICAS METÁLICAS VIDRO SACHÊS
Embora a comparação com o movimento de
outros mercados pareça indicar pouca atração * Até maio
do consumidor pelos sucos prontos, a leitura A empresa traz para o Brasil sua mais nova
pode ser a de que a imensa sede dos brasi- versão de sucos de alto valor agregado, em
leiros pelo produto é um atrativo convite às garrafas de vidro de 300 mililitros. Exportado
empresas interessadas em mitigá-la. Assim, para dezoito países, o Jandaia Premium é um
chama a atenção o fato de que as vendas vêm suco pronto para beber com alto teor de polpa
crescendo a taxas médias de 17% ao ano nos de fruta, mais concentrado, em cinco sabores:
últimos cinco anos no mercado nacional, e manga, maracujá, acerola, goiaba e caju. As
em 2006 as indústrias do setor movimenta- garrafas, fornecidas pela CIV – Companhia
ram mais de 1 bilhão de reais. COMPLEMENTO Industrial de Vidros, têm rótulos auto-adesi-
Para Jandaia,
Com dezenas de marcas no mercado utili- embalagem é uma
vos produzidos pela Gráfica Halley com uso
zando a mesma matéria-prima – basicamente extensão do produto de faca especial e tampas de aço douradas,
frutas –, a embalagem torna-
se um atrativo que, na maioria
das vezes, pode se tornar o
diferencial na hora da escolha
pelo consumidor. Assim, as
empresas buscam inovar no
design, no formato e na varie-
dade de materiais. Apesar de
o setor ser amplamente domi-
nado pelas embalagens car-
tonadas (ver gráfico), outros
recipientes, como lata de alu-
mínio, vidro e PET, buscam
FOTOS: DIVULGAÇÃO

sua fatia nesse bolo.


Um bom exemplo disso é
dado pela tradicional fabrican-
te de sucos cearense Jandaia.

14 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


fornecidas pela Amcor White Cap. A
Jandaia, aliás, vê a embalagem como
complemento do produto. O diretor
comercial da empresa, Luiz Eduardo
Figueiredo, afirma que o processo
para definição do recipiente correto é
longo, complexo e de grande impor-
tância. “Hoje o consumidor é mais
exigente e participativo, por isso, em
nossa empresa, as mudanças só ocor-
rem depois de pesquisas”, diz ele,
acrescentando que uma boa embala-

FOTOS: DIVULGAÇÃO
gem é fundamental para conservar
a qualidade e o poder vitamínico
da fruta. “Os produtos ficam vários
dias expostos nas prateleiras e preci-
sam manter todas as propriedades da
fruta”, argumenta.

Laranja com gomos


Nesse cada vez mais atrativo mercado, ESPREMIDO EM CASA natural, mais alta concentração de suco entre
Embalagens do Minute os néctares desse sabor no mercado, segundo
crescem as movimentações de aquisições e Maid Mais buscam
lançamentos de novos produtos. Em setembro identificação com a Coca-Cola, é comercializada em emba-
último, a General Brands, que recentemente consumidor que prefere lagens cartonadas assépticas da Tetra Pak:
bebida feita na hora
lançou o néctar de frutas com a marca Camp, Tetra Prisma Aseptic de 1 litro, com tampa de
adquiriu da Nova América a Beba Brasil, rosca, e de 250 mililitros, com fecho PullTab,
produtora e envasadora do Top Fruit e de uma etiqueta de alumínio que protege a área
marcas como Nestlé, Carrefour, Wal-Mart, onde a boca é colocada, permitindo o consu-
Bompreço e Fazenda Bela Vista. Enquanto mo do produto direto da caixinha.
aguarda decisão do Conselho Administrativo A Oz Design criou a identidade visual das
de Defesa Econômica (Cade) para formalizar embalagens, cujo desenho xadrez lembra toa-
a compra da líder Del Valle, em parceria com lhas de mesa, já que o objetivo da Coca-Cola
a Femsa, a Coca-Cola, que já detém as mar- é que o sabor do suco seja o mesmo da laran-
cas Minute Maid Mais e Kapo, lança o pri- ja espremida em casa. A frase “Feito com
meiro suco de laranja com gomos da fruta, o carinho” também aparece na embalagem. De
Laranja Caseira, sob a chancela Minute Maid acordo com Andréa Motta, diretora de marke-
Mais. A nova bebida, que tem 67% de suco ting de Novas Bebidas da Coca-Cola Brasil,

CARRO-CHEFE
Schincariol aposta na
marca Fruthos para
crescer no mercado
de sucos prontos

16 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


EM DUAS FRENTES
Skinka tem duas
opções de embalagem
e concorre com o
Kapo, da Coca-Cola

FOTOS: DIVULGAÇÃO
a empresa dá grande importância às embala- polpa de fruta e representa cerca de 70% das
gens, “pois elas são um ponto de contato fun- vendas no Brasil. O produto é acondicionado
damental com o consumidor”. Andréa destaca em embalagens cartonadas assépticas de 1
que a Coca-Cola tem investido em embala- litro e de 200 mililitros Tetra Brik Aseptic,
gens diferenciadas, como a minilata de 235 da Tetra Pak. O Fruthos terá seis sabores
mililitros (ver EmbalagemMarca 97)e a cai- normais e quatro em versão light. O design
xinha Tetra Prisma Aseptic de 750 mililitros gráfico das embalagens remete à idéia dos
com tampa de rosca (ver EMBALAGEMMARCA caixotes onde as frutas são transportadas. A
nº 94, maio de 2007). Caso a venda da Del marca e as embalagens foram criadas pela
Valle seja aprovada, as duas principais mar- agência de marketing Aktuell PSVA, em par-
cas de sucos passam às mãos da Coca-Cola. ceria com a Tátil Design.
Com o infantil Kapo, a empresa passaria a ESTRÉIA A Skinka, antiga marca de suco misto
deter mais de um terço do mercado de sucos Com tradição em água da Schincariol que enfrenta diretamente a
de coco, Amacoco aposta
prontos para beber, segundo dados da Nielsen. em mercado promissor linha Kapo, da Coca-Cola, com foco no
Até a decisão do Cade, entretanto, as público infantil, ganhou novos sabores, nova
gestões da Del Valle e da Coca-Cola, formulação e novas embalagens: garrafas
assim como as estratégias de marke- de PET de 450 mililitros, produzidas pela
ting, continuam separadas, de acordo própria Schincariol, e caixinhas Tetra Wedge
com as empresas. Aseptic, da Tetra Pak, estampadas com
personagens licenciados do canal Cartoon
Schincariol investe Network. Segundo o diretor de marketing da
Quem também investe em sucos Schincariol, Marcel Sacco, o investi-
prontos é a Schincariol. Para ganhar mento demonstra a intenção da compa-
espaço nesse mercado, a empresa nhia se consolidar como uma empresa
relançou a linha Skinka e investe de bebidas, e não só de cerveja.
em uma nova marca, a Fruthos. A Outra marca que estréia no mer-
intenção da companhia é estar entre cado de sucos prontos é a Kero, da
as três primeiras do mercado e brigar Amacoco, tradicional fabricante de
pela liderança nesse segmento até o água de coco. Os sucos prontos Kero
final de 2008. A marca Fruthos, novo chegam em embalagens cartonadas
carro-chefe da companhia no segmen- assépticas Tetra Brik Aseptic de 1 litro
to de prontos para beber, concorre na e 200 mililitros, nos sabores manga,
categoria néctar, que tem até 50% de maracujá, pêssego e uva. A versão

18 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


FOTOS: DIVULGAÇÃO
DIFERENCIAÇÃO – Maguary adota tampas vermelhas nas linhas de sucos prontos e concentrados para ganhar destaque nas gôndolas

light, nas variantes manga e uva, é disponi- Estilizada, essa folha acompanha o código
bilizada apenas nas embalagens de 1 litro. de barras dos produtos. De acordo com
A agência responsável pelo layout das Andréa Martins, gerente de marketing de
embalagens foi a Núcleo 3. O lançamen- bebidas da Kraft Foods Brasil, as mudan-
to faz parte da estratégia da companhia ças nas embalagens foram introduzidas
de aumentar e diversificar seu leque de depois de pesquisas realizadas com consu-
produtos. “Nosso objetivo é continuar midores. A adoção das tampas vermelhas
crescendo no mercado de água de coco e visa “diferenciar os sucos Maguary das
também diversificar a linha de produtos”, outras marcas, que em geral têm as tampas
diz Nicola Armellini, gerente de marke- brancas, tanto na linha de prontos como na
ting da Amacoco. “A linha de sucos Kero de concentrados”, explica a executiva.
é nosso primeiro movimento nesse sentido, ESTILIZADO
Folha que acompanha
e novidades ainda virão.” novo logotipo de
Maguary é adicionada
ao código de barras
Tampas que fazem a diferença
A Maguary, da Kraft Foods, líder de mercado Aktuell PSVA Narita Design
em sucos concentrados e que desde 2003 ofe- (11) 5543-9889 (11) 3167-0911
www.aktuellpsva.com.br www.naritadesign.com.br
rece mercado a opção de prontos para beber,
renovou suas embalagens, com a moderniza- Alcoa CSI Núcleo 3
(11) 4134-2500 (11) 2244-1350
ção dos rótulos, novo logotipo e a introdução
www.alcoa.com.br www.nucleo3com.com.br
de tampas vermelhas em toda a sua linha
– de sucos prontos, em embalagens carto- Amcor PET Packaging Oz Design
(11) 4589-3062 (11) 5112-9200
nadas assépticas, produzidas pela Tetra Pak; www.amcor.com www.ozdesign.com.br
e concentrados, em garrafas de PET de 500
mililitros, da Amcor PET Packaging, com Amcor White Cap Sol PP Print
(11) 5585-0723 (11) 4199-1316
tampas fornecidas pela Alcoa CSI e rótulos www.amcorwcb.com.br www.solembalagens.com.br
de polipropileno biorientado (BOPP) impres-
sos pela Sol PP Print. O novo layout, criado CIV – Companhia Tátil Design
Industrial de Vidros (11) 2131-2200
pela Narita Design, traz frases que falam de (81) 3272-4484 www.tatil.com.br
saúde e bem-estar e selos que comunicam a www.civ.com.br
comemoração dos 55 anos da marca. A logo- Tetra Pak
Gráfica Halley (11) 5501-3200
marca da Maguary também foi reformulada e (86) 3216-9858 www.tetrapak.com.br
agora tem o formato de uma folha de árvore. www.halleysa.com.br

20 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Feijão como iogurte
Potinhos termoformados modernizam uma tradição do desjejum inglês

P
ara o paladar do brasileiro, feijão
com molho de tomate e proe-
CUMBUQUINHA – Com porção
minente sabor adocicado sugere
individual, Snap Pot pode ir ao
uma gororoba. Tal prato, contudo, forno de microondas. Novidade
é uma iguaria em outros países. Na Grã- chega ao varejo em multipacks
Bretanha, por exemplo, feijão doce é um must cartonadas com quatro unidades

dos cafés-da-manhã. Assim, faz todo sentido


o surgimento de uma nova apresentação para
esse produto no mercado britânico: potinhos
plásticos iguais aos dos matinais iogurtes. A
aposta é da americana Heinz, dona da mais
famosa marca de feijão doce industrializado,
a Beanz. Batizada como Snap Pot, a novidade
chega abalando uma fidelidade centenária.
Desde seu lançamento, em 1901, a Beanz
era comercializada exclusivamente em latas
de aço.
De acordo com a Heinz, a novidade
surge devido a duas mudanças de hábitos
alimentares. A primeira delas é o clamor por
porções menores. Mais da metade de todas

AÇÃO
as refeições na Grã-Bretanha é preparada por

LG
: DIVU
singles – aliás, a fabricante estima que um em

FOTOS
cada cinco lares britânicos seja hoje habitado
por apenas uma pessoa. O segundo fator é
o clamor por conveniência. “Snap Pots são
perfeitos para quem tem um estilo de vida
RPC Bebo Plastik
pressionado pelo tempo e quer refeições leves +49 4761-8600
sem ter que lavar louças ou ocupar conside- www.rpc-beboplastik.de
rável espaço na geladeira, guardando sobras
das latinhas”, diz Nathan Ansell, diretor de
marketing da Heinz britânica.
Cada Snap Pot acondiciona 200 gramas
dos chamados baked beans e é apropriado instruções de preparo impressos por codifi-
para o aquecimento em forno de microondas. cadora inkjet.
O preparo leva um minuto. O Beanz Snap Pots é comercializado em
multipacks com quatro potes, unidos pelas
Termoformagem multicamadas bordas superiores como os potes termofor-
Os potes são termoformados pela alemã RPC mados de iogurtes – daí o “snap” (ruptura,
Bebo Plastik a partir de chapas de polipro- vertendo-se do inglês) do nome da nova
pileno/EVOH/polipropileno de alta barreira. versão. Uma luva de papel cartão recobre
Assim como as latas de aço, as embalagens o conjunto e confere apelo vendedor para o
plásticas multicamadas dispensam refrigera- produto. Com o mesmo conceito de embala-
ção para o armazenamento do produto. Cada gem, a Heinz lançou, simultaneamente com
pote é fechado com selo combinando filme o Beanz, o Hoops em Snap Pot, massa mergu-
de alumínio e polipropileno, que estampa lhada no mesmo molho adocicado. (GK)

22 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


reportagem de capa >>> queijos

Mais perto
do consumidor
Desenvolvimento do mercado
de queijos, principalmente os
especiais, estimula fabricantes
a oferecer apresentações
fracionadas. A indústria de
embalagens comemora

Por Leandro Haberli


ILUSTRAÇÃO: JOSÉ HIROSHI TANIGUTI

24 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


B
ranco, mussarela, prato e requeijão.
Em oposição à grande fragmenta-
ção dos mercados mais desenvolvi-
dos, no Brasil apenas esses quatro
tipos de queijos respondem por 75% do fatu-
ramento do setor, calculado em 4,3 bilhões de
reais no ano passado. Embora ainda seja muito
grande, essa concentração diminuiu nos últimos
anos. Além de ter aumentado o consumo de
queijos de origem americana, como cheddar,
cottage e cream cheese, receitas finas e tradi-
cionais da Europa ganham espaço crescente no
ACABAMENTO SOFISTICADO
cenário nacional. Nomes como brie, camem- Caixinhas usadas em
bert, emmenthal, estepe e gruyère talvez nunca marcas de queijo brie
apresentam papel cartão
tenham sido tão populares no país, num proces- triplex plastificado, relevo
so de diversificação que exerce forte influência e impressão de cinco cores
no campo dos sistemas de acondicionamento.
A cada dia o mercado de queijos abre mais
oportunidades para a área de embalagem. Ainda ficiados pela explosão do nicho de queijos
que muitos consumidores prefiram produtos especiais é o papel cartão. “A demanda real-
cortados na hora, novos materiais e tecnologias mente cresceu nos últimos anos”, confirma
de acondicionamento estão contribuindo para Sergio Brusco, diretor comercial da Escala 7,
que mais e mais queijos saiam das linhas de indústria gráfica que atende empresas como a
produção prontos para o consumidor final. Polenghi, pertencente ao grupo francês Soparind
Isso significa que as queijarias brasileiras estão Bongrain, um dos maiores produtores de quei-
buscando alternativas às apresentações de gran- jos especiais do mundo. Há cerca de cinco anos
des volumes que precisam ser manipuladas e a Escala 7 fornece diferentes embalagens carto-
abertas pelo varejo. Num mercado em que são nadas usadas na linha de queijos finos denomi-
comuns embalagens destinadas aos canais de nada Polenghi Selection. As caixinhas trazem
distribuição, e não ao consumidor final, trata-se volumes pequenos, em média de 175 gramas,
de mudança significativa. Nesse novo panorama e apresentam formatos variados, podendo ser
de negócios, a bola da vez são as embalagens sextavadas ou ter a aparência de um pedaço de
fracionadas, que vêm sendo beneficiadas pelo pizza. O papel cartão mais utilizado é o triplex,
crescimento do mercado de queijos especiais. sempre com acabamento plastificado na frente e
no verso, relevo e impressão offset de no míni-
Estímulo às cartonadas mo cinco cores.
SHELF LIFE
Cerca de quinze anos atrás, quando as primeiras A diversificação do portfólio das queijarias Bandejas da Campo
marcas de queijos finos importados chegaram nacionais também tende a abrir caminho para Verde alimentos com
atmosfera modificada:
ao país, a indústria brasileira praticamente não novos processos de acondicionamento. É o vida útil expandida
se dedicava a esse segmento. No ano passado, caso da tecnologia de atmosfera modifi-
porém, os fabricantes nacionais produziram 62 cada para embalagem, ou MAP,
mil toneladas de queijos especiais. Embora cus-
FO
TO
S

tem até 50% menos que as marcas importadas,


:
CA
RL

esses produtos apresentam maior rentabilidade,


SO
CU
RA

pois seu preço é em média o dobro do dos


D
O

queijos considerados commodities. Assim, se


em volume o segmento correspondeu a pouco
mais de 10% das 575 mil toneladas produzidas
em 2006, em valor sua participação já corres-
ponde a quase 25% do faturamento da indústria
brasileira.
Um dos materiais de embalagem mais bene-

novembro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 25


na sigla em inglês. Nesse sistema de acon- No caso de queijos, além do aumento da
dicionamento altera-se a atmosfera ao redor validade, a MAP possibilita o processamen-
do produto para ampliar sua validade. Numa to de produtos com maior umidade. “Dessa
pesquisa realizada em 2005 na Escola Superior forma é possível melhorar a qualidade sensorial
de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP e facilitar o manuseio dos queijos fatiados”,
de Piracicaba, aumentou-se a durabilidade de explica Roberto Botto, gerente de aplicações
queijos do tipo minas frescal em mais de cinco e processos da White Martins, fornecedora de
vezes com o uso de MAP. O produto manteve gases para MAP no Brasil. “A MAP também
suas características sensoriais, microbiológicas apresenta vantagens em relação às embalagens
e físico-químicas por 43 dias, enquanto nos a vácuo, que podem causar deformações nas
saquinhos plásticos ou nas bandejas de isopor peças”, acrescenta Botto.
recobertas com filme transparente a durabilida- A despeito de tantos benefícios, a tecnologia
de foi de apenas oito dias. Os gases normalmen- não deslanchou nas prateleiras de queijos do
te utilizados na composição da nova atmosfera país. Entre os entraves estariam o custo e a difi-
são nitrogênio, oxigênio e dióxido de carbono. culdade de acesso do material de embalagem.
A composição das misturas gasosas, bem como “Temos de importar o filme que utilizamos em
a concentração dos gases, é determinada con- nossas bandejas”, conta Marcelo Scarano, dire-
forme o produto que será embalado. Afora tor comercial da Campo Verde Alimentos, tida
queijos, a tecnologia MAP pode ser aplicada no como pioneira no uso de MAP na indústria bra-
acondicionamento de carnes, vegetais, bolos, sileira de queijos. Desde que a empresa come-
pães, frios e até castanha de caju. çou a trabalhar com a tecnologia, há doze anos,

Tradição regional, queijo em lata continua forte


Categoria de queijo reino tem na Palmira sua principal fornecedora de latas
Neste período do ano, as linhas muitos consumidores se refiram Passado o período de exclusivi-
produtivas da Metalgráfica a ele invariavelmente como “quei- dade no fornecimento, o sistema
Palmira trabalham com força jo palmira”. Apesar da varieda- foi adotado por outras marcas
total. Maior fornecedora de de, a lata esférica, litografada modernas, que recorrem tam-
latas de aço para esse segmen- a quatro cores, e com rugas bém ao sistema light-easy, o qual
to de mercado, a empresa se características – que a par de igualmente não exige o uso de
beneficia da tradição nordestina conferirem maior resistência se instrumentos para ser aberto.
de não deixar faltar o produto tornaram um equity da emba- Segundo Maria Tereza Ladeira
nas ceias de Natal e Ano Novo, lagem – praticamente não teve Abud, diretora industrial da

FOTOS: CARLOS CURADO / BLOCO DE COMUNICAÇÃO


ainda que seja adquirido em seu design mudado ao longo do Metalgráfica Palmira, “as marcas
sistema de consórcio. O pro- tempo. Uma única alteração: mais tradicionais e que estão
duto made in Brazil nasceu em a marca Skandia, da Polenghi, no mercado há setenta, oitenta,
1880, por iniciativa do imigrante inovou em 2004, ao adotar uma noventa anos, ainda utilizam em
português Carlos de Sá Fortes, lata semi-esférica, com sistema seus produtos a abertura de
que trouxe queijeiros holandeses de fechamento abre-fácil. Aberta, recravação, ou seja é necessário
para a cidade de Palmyra, hoje a embalagem faz as vezes de o abridor de latas para fazer esta
Santos Dumont, na Zona da queijeira e pode ir direto à mesa. abertura”.
Mata mineira.
Comercializado deste então
com a marca tirada do
nome da cidade, o queijo
tipo reino, de sabor
forte e picante, caiu
firme no gosto dos
brasileiros e hoje se
multiplica em vinte
marcas, embora

26 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


o mercado evoluiu pouco. “Em países desen-
volvidos a situação é outra”, compara Scarano.
“Lá fora nenhum funcionário de supermercado
põe a mão no queijo.”
Enquanto a atmosfera modificada não
expande, os potes plásticos termoformados
dotados de selos de alumínio se encarregam de
aumentar a vida útil de diferentes queijos vendi-
dos no Brasil. Graças a seu eficiente sistema de RIVALIDADE – Aos poucos,
potes dispensam saquinhos
fechamento, essas embalagens são capazes de plásticos no mercado de
conservar queijos frescos por até cinqüenta dias queijos cremosos e frescos
em ambiente refrigerado. Com isso, as queija-
rias se tornaram importantes clientes dos trans-
formadores de embalagens plásticas. “Trata-se
de uma categoria que vem crescendo, ainda que
muitos fabricantes continuem usando saquinhos
plásticos”, conta Antonio Carlos Silva Jr., dire-
tor comercial da Poly-Vac, que atende fabrican-
tes como Polenghi, Tirolez, Quatá e Vigor.

Paralelepípedo
Uma das últimas novidades no campo das
embalagens plásticas rígidas foi recentemente
lançada nos supermercados de São Paulo pela
Polenghi. Trata-se de um pote retangular com
capacidade para 400 gramas usado na linha de O TRUNFO DO FORMATO
queijos do tipo minas frescal ultrafiltrado, aque- Polenghi apostou em
les com menos soro e textura lisa, além de baixos potes com formato de
paralelepípedo: fatias
índices de gordura e bactérias. Outra diferença adequadas para
desse tipo de produto é o preço: os ultrafiltrados lanches e sanduíches
custam até 20 reais o quilo, enquanto o queijo
minas tradicional tem custo médio de 10 reais o
quilo. Feita de polipropileno (PP) pela Fibrasa,
outro grande transformador plástico, a emba-
lagem desse novo produto Polenghi lembra os
potes com formato de paralelepípedo comuns
na categoria de margarinas.
“Apostamos nessa apresentação ao perceber
que uma fatia de queijo redondo nem sempre é
adequada para o preparo de lanches e sanduí-
ches”, conta Paulo Netto, diretor de marketing
da Polenghi. Embora tenha chegado ao varejo
de São Paulo há poucos meses, o produto esta-
va sendo vendido no Rio de Janeiro, Espírito
Santo e Sul do país desde 2005. “Mas usamos
potes plásticos há muito mais tempo”, lembra MENOS É MAIS
Linha Frescatino
o diretor da empresa, em referência à linha pode ser encontrada
Frescatino, também de queijo minas ultrafiltra- em embalagens de
250 gramas, metade
do. Desde o final dos anos 1990 a marca é ofe- do volume padrão
recida em potes plásticos virados de boca para da categoria de
ultrafiltrados
baixo e envoltos por estruturas de papel cartão.
A linha Frescatino também chama atenção por
seguir a tendência de diminuição das porções,
sendo oferecida em embalagens de 250 gramas,
MARCO DE
metade do volume padrão da categoria. INOVAÇÃO
No entanto, o pioneirismo no uso de potes Embalagem
queijeira da
plásticos na categoria de queijos minas ultra- Danúbio permite
filtrado foi da marca Danubio, controlada pela levar produto

DIVULGAÇÃO
Vigor. A idéia surgiu em 1986, despertando da geladeira
para a mesa
a atenção de concorrentes, que logo migra-
ram dos saquinhos plásticos para esse tipo de
acondicionamento. Em 2001 o queijo Danubio

O reinado de Romeu e Julieta


Prontas para consumo, sobremesas fracionadas fazem sucesso
Entre as mais mineiras sobre- desenvolvidos para ambientes unidos com filme plástico termo-
mesas brasileiras, a mistura refrigerados. Montada por encai- encolhível. Na mesma época de
de queijo com doces de leite ou xe, a estrutura cartonada dispen- seu lançamento, o produto foi
geléias de frutas está na mira de sa pontos de cola que poderiam distribuído como um brinde do
dois grandes laticínios do país: soltar sob frigorificação. Já o McLanche Feliz. Essa, aliás, não
Polenghi e Vigor. Esta última vem cartão recebe tratamento de foi a primeira parceria entre a
apostando num produto formado superfície específico para armaze- Polenghi e a cadeia de fast food.
por queijo aerado e diferentes namento em ambientes gelados. “Somos tradicionais fornecedores
tipos de doce de frutas, den- Quem também aposta na mistu- do queijo e do sorvete vendidos
tre os quais a versão Romeu e ra de queijo com doces típicos pelo McDonalds”, explica Paulo
Julieta, que leva goiabada, faz é a Polenghi, que em 2005 Netto, diretor de marketing da
grande sucesso. Vendido com acrescentou ao portfólio da Polenghi.
DIVULGAÇÃO

a marca Danubio, o produto é marca Frescatino uma linha de


apresentado em dois potes indivi- sobremesas contendo
duais de 130 gramas unidos por dois potinhos,
uma estrutura cartonada. Esta é um de queijo
impressa pela Graphic Packaging minas ultrafiltra-
em papel cartão Klafod BF com do e outro com
290 gramas por metro quadra- doce de leite ou
do. Tanto ela como o material geléias de frutas.
de que é feita são especialmente Os recipientes são

28 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


inovou mais uma vez, adotando uma prática
embalagem queijeira associada a luva de papel
cartão, que faz sucesso até hoje por permitir que
o queijo vá da geladeira diretamente à mesa do
consumidor, sem necessidade de ser retirado da
embalagem.
“Para o consumidor, uma das grandes vanta-
gens do pote é a eliminação do pinga-pinga dos
saquinhos, que ainda exalam o desagradável
cheiro de soro de leite”, diz Valdivo Begali Jr.,
gerente de produto da Vigor. “Além de oferecer
maior proteção contra danos físicos que podem
ocorrer durante o transporte, armazenagem e
exposição no ponto-de-venda, esse tipo de
embalagem tem visual mais atraente”, comple-
ta Begali. Na apresentação tradicional de 500 TENDÊNCIA
gramas, a tampa e o pote do queijo Danubio Sadia aposta em linha
são fornecidos pela Huhtamaki, enquanto a com porções fracionadas
e fatias embaladas
embalagem de 250 gramas é da Fibrasa. Os assegurando coesão da estrutura e evitando individualmente
selos de alumínio são da Selimpack, e a luva de delaminação”, completa a executiva.
papel cartão é impressa em offset pela Graphic Como se vê, as tecnologias de embalagem
Packaging. disponíveis para o mercado de queijos evolu-
íram muito. Obviamente, isso não basta para
Superavitário que o panorama de embalagens do mercado
No campo das flexíveis também há boas novi- nacional se equipare ao de países desenvolvi-
dades de embalagem para queijos. Um dos dos. Mas alguns fatos reforçam a idéia de que
setores mais desenvolvidos é o de filmes enco- caminhamos nesse sentido. Em primeiro lugar,
lhíveis de alta barreira. Entre as empresas que o preço do leite vem apresentando grandes osci-
atuam no desenvolvimento de matérias-primas lações na entressafra, fator que compensa inves-
para esse tipo de material está a gigante de timentos em produtos de maior valor agregado. Dow
(11) 5188-9000
especialidades químicas Dow. Em seu portfólio Por outro lado, a produção brasileira de leite www.dow.com
há resinas e plastômeros poliolefínicos próprios cresceu 40% nos últimos dez anos, passando de
para filmes plásticos de embalagens de queijo. 18,5 bilhões de litros em 1996 para 25,6 bilhões Escala 7
(11) 6914-2933
“São produtos que garantem alta resistência em 2006. www.escala7.com.br
de selagem contra contaminantes, tais como “De grande importador de leite, o país
gorduras, líquidos e partículas sólidas finas”, começa a se tornar superavitário”, observa Fibrasa
(11) 5051-2984
explica Verônica Perez, gerente de marketing Silmara Figueiredo, consultora de marketing da www.fibrasa.com.br
para a área de embalagens da Dow. A empre- Associação Brasileira da Indústria de Queijos
sa também oferece filmes multicamadas com (Abiq) (ver entrevista completa na página 32). Graphic Packaging
(11) 4589-4500
nylon. “Nesses casos nossa tecnologia de polie- Isso significa que, a par dos recentes incre- www.graphicpkg.com.br
tilenos modificados cumpre o papel de adesivo mentos de renda dos brasileiros, o aumento
Huhtamaki
entre as camadas de poliolefinas e a poliamida, da produção de leite dinamizou fortemente
(41) 3661-1290
a indústria brasileira de queijos. Somado ao www.huhtamaki.com.br
PROTEÇÃO - Filmes encolhíveis esforço dos fabricantes para apagar as suspeitas
produzidos com especialidades Poly-Vac
da Dow oferecem alta barreira de adulteração que recentemente recaíram sobre (11) 5693-9988
o setor, quando foram descobertos lotes com www.poly-vac.com.br
datas de validade e embalagens irregulares, esse
Selimpack
cenário indica um bom ritmo de inovações no (11) 4447-2080
panorama de embalagens da categoria, com os www.selimpack.com.br
grandes sistemas de acondicionamento cedendo
ÃO White Martins
ULG

cada vez mais espaço para porções fracionadas 0800 709 9000
DIV
e prontas para o consumo final. www.whitemartins.com.br

novembro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 29


Sondagem GNPD*: Queijos
Todos os meses, EMBALAGEMMARCA seleciona alguns cases internacionais de um dos mercados analisados por
nossa reportagem, para que os leitores possam compará-los com o que se produz no Brasil

Kiri Al Jarra P’tit Louis Filôfil Edam Mainland El Ventero


País: Egito País: França País: Nova Zelândia
Tierno
Embalagem: Pote plástico Embalagem: Quatro sachês fle- Embalagem: Bandeja plástica termo- País: Espanha
E
formado por extrusão e xíveis impressos em flexografia, formada selada com filme plástico Embalagem: Bandeja
sopro, decorado com rótulo contendo 21 gramas do produto, (impresso em rotogravura) adesivado plástica resselável con-
termoencolhível impresso são agrupados num flow pack nas bordas para refechamento da tendo fatias do queijo
em rotogravura, com impresso em rotogravura. O mate- embalagem. Na bandeja há ainda a separadas por folhas
capacidade para 450 rial dos filmes não é especificado. aplicação de um rótulo auto-adesivo plásticas que facilitam a
gramas. Possui ainda Descrição Barras de queijo adicio-
Descrição: de papel impresso em offset. Contém retirada de cada porção
uma tampa plástica de nadas de cálcio e vitamina D que 10 fatias do queijo tipo Edam. do produto. Os materiais
rosca e lacre antivio- devem ser Descrição Produto fresco, com
Descrição: e o sistema de impressão
lação. Os materiais consumidas 25% a menos não são informado
informados.
não estão especifi- em até 24 de gordura que Descrição Queijo suave,
Descrição:
cados. horas após o queijo tipo sem conservantes que centra
Descrição: Queijo cremo- retiradas da cheddar. Possui seus apelos mercadológicos na
so rico em cálcio apresen- geladeira. duas variantes de questão ambiental. O fabricante
tado em nova textura, mais Direcionado sabores: Colby e afirma produzir mais energia
fácil para espalhar. às crianças. Suíço. renovável do que consome.

Fresh Back-Feta Alpenhain Fondue de Hot Cheese Dip


Mozzarella País: Finlândia
Finl
Quezo Suizo J.L.Kraft
Medallions Embalagem: Bandeja termoformada de País: EEstados Unidos
País: Espanha
E plástico não especificado com capa- Embalagem: Pote injetado de polipro-
Embalagem: Bandeja plástica cidade para 200 gramas do produto, pileno (PP) com rótulo auto-adesivo
resselável contendo fatias do selada com filme plástico (material de papel impresso em flexografia e
queijo separadas por folhas não informado). Uma bandeja menor, tampa plástica injetada (material não
plásticas que facilitam selada com filme plástico impresso País: Guatemala especificado), envolto em luva
a retirada de cada em flexografia, traz uma porção de Embalagem: Filme de papel cartão, impressa em
porção do produ- molho. A embalagem primária vem transparente (mate- offset, dotada de tira picotada
to. Os materiais envolta em cartucho de papel cartão rial não especificado) para fácil abertura. O pote,
e o sistema de kraft impresso em offset, dotado de impresso em flexo- com capacidade para 184
impressão não tira picotada para fácil abertura. grafia. Acondiciona gramas, pode ser aquecido
são informados. Descrição Queijo suave, sem conser-
Descrição: 400 gramas do no microondas.
Descrição Queijo
Descrição: vantes que centra seus apelos mercado- produto, porção sufi- Descrição O queijo fundido,
Descrição:
suave, sem conser- lógicos na ques- ciente para duas ou após o aquecimento, pode ser con-
vantes que centra seus apelos tão ambiental. O três pessoas. sumido diretamente na embalagem.
mercadológicos na questão fabricante afirma Descrição: Pode ser Produto tem versões Parmesão com
ambiental. O fabricante afirma produzir mais preparado em fogão Mussarela e Tomate Seco, Parmesão
produzir mais energia renovável energia renovável convencional ou com Espinafre e Alcachofra e Cheddar
do que consome. do que consome. forno de microondas. Branco com Pimenta Chilpoctli.

As informações apresentadas nesta seção são provenientes de levantamentos e análises da Mintel e são protegidas por direitos autorais.
EMBALAGEMMARCA não se responsabiliza pelo conteúdo.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

O GLOBAL NEW PRODUCTS DATABASE (GNPD) DA MINTEL ACOMPANHA, INTERNACIONALMENTE,


NOVOS LANÇAMENTOS DE PRODUTOS, TENDÊNCIAS E INOVAÇÕES. PARA INFORMAÇÕES ADICIONAIS
SOBRE O GNPD, VISITE WWW.GNPD.COM OU LIGUE PARA A MINTEL INTERNACIONAL (+ 1 312 932-0600)

30 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


entrevista >>> Silmara Figueiredo

“Os queijeiros buscam


diferenciação”
H
á vinte anos no mercado de lácteos, Silmara A senhora diria que aumentou a demanda da indústria de
Figueiredo já passou por empresas como queijo por embalagens diferenciadas?
Parmalat, Polenghi e Tetra Pak. Hoje é Sim, pois os fabricantes têm percebido a necessidade
consultora de marketing da Associação de apresentar seus produtos de outras formas. Já há em
Brasileira das Indústrias de Queijo (Abiq). alguns segmentos diferenciações interessantes de emba-
Essa trajetória lhe permitiu observar de perto a evolução lagem. No caso de queijos finos, como brie e camem-
dos fabricantes nacionais. Novos sabores, formatos e bert, já são usadas embalagens cartonadas em porções
apresentações se multiplicaram nas gôndolas do setor nos menores. É verdade que poderia haver mais inovações.
últimos anos. Na parte de embalagens, esse movimento Se olharmos o mercado de queijos de outros países isso
vem demandando tecnologias e materiais de acondicio- fica claro. Mas também não há dúvidas de que estamos
namento aprimorados e adequados a diferentes perfis seguindo as tendências vistas lá fora. Estamos cada vez
de consumidor. Em outras palavras, a diversificação e mais diminuindo as porções e oferecendo queijos mais
a melhora de qualidade da indústria brasileira de quei- prontos para consumo, já fatiados ou já picados, por
jo estão abrindo boas oportunidades de negócio para a exemplo. Isso favorece a disseminação de novas tec-
cadeia de embalagem, como a consultora da Abiq deixa nologias, como a atmosfera modificada, que aumenta o
claro a seguir. tempo de prateleira do queijo. Na França em particular
e na Europa de modo geral essa tecnologia já é bastante
comum. Baldes industriais para queijos cream cheese,
requeijão ou processados usados pela indústria de ali-
mentos também ganharam bastante força no Brasil. No
varejo, creio que a tendência seja oferecer ao consumi-
dor produtos mais fracionados e com maior praticidade.
Estamos falando de embalagens com formatos diferentes,
que abrem e fecham, por exemplo. Esta particularmente é
uma demanda importante, que ainda não temos no Brasil.
Queijinhos em porções individualizadas, que usam filme
de alumínio ou laminados plásticos, também tendem a
crescer, impulsionados pela onda da portabilidade.
Porções individuais, como as
acondicionadas em filmes de A indústria de queijos se sente bem atendida em termos
alumínio, vivem perspectiva de embalagem? Ou os fornecedores de embalagem ainda
de crescimento não despertaram para as novas necessidades de acondi-
cionamento dos fabricantes de queijo?

Consultora de marketing da Associação Brasileira das


Indústrias de Queijo (Abiq), Silmara Figueiredo mostra
GAÇÃO

que a mudança do panorama de embalagens do setor


FOTO: DIVUL

abriu oportunidades para a cadeia do packaging

32 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


entrevista >>> Silmara Figueiredo

A função da embalagem no mercado de queijos é muito sua frente, pois assim têm a idéia de estar levando um
relevante. Acima de tudo uma boa embalagem de queijo produto mais fresco. Traçando um paralelo, o mesmo se
tem de garantir a validade do produto. É preciso haver dá com o pãozinho francês. As pessoas gostam de com-
determinadas características técnicas para preservar o prá-lo ainda quentinho. Nos outros países é comum os
queijo. Isso em alguns casos limita as opções de emba- consumidores não apenas pedirem para fatiar uma peça.
lagem. Mesmo assim, tem havido uma evolução signifi- Muitos também escolhem uma cunha específica. Mas,
cativa em oferta de embalagem. O segmento de queijos asssim como aqui, lá fora também são comuns, no auto-
tem procurado outras formas de apresentar seus produtos. serviço, as bandejas de fatiados, pois não é todo mundo
Apesar disso, em alguns mercados predominam deter- que quer ficar na fila. O que substitui esse modelo em
minadas apresentações. A maioria das formas de queijo, outros países, e que começamos a ver no Brasil, é a estra-
por exemplo, é vendida em embalagens seladas. Elas tégia de fatiar os queijos nas linhas de produção e ofere-
impedem a entrada de oxigênio e aumentam a validade cê-los em embalagens com atmosfera modificada. Essa
do produto. Mas inovações importantes têm sido obser- tecnologia usa um gás inerte, que faz com que o queijo
vadas. É o caso das embalagens fracionadas, destinadas dure mais do que aquele embalado com filme comum uti-
a atender perfis específicos de consumidor e unidades lizado pelo supermercado. De qualquer forma, pedir para
familiares menores. Tendências assim têm aberto mer- fatiar o queijo na hora ainda é um hábito do brasileiro.
cado para soluções alternativas, como potes plásticos e Observamos, porém, que esse costume começa a mudar.
embalagens de alumínio. Tampas constituídas por selos Os Estados do Sul já apresentam oferta maior de queijos
de alumínio, aliás, também são muito importantes para pré-embalados.
preservar o produto lácteo.
E quanto às embalagens cartonadas? Elas constituem
Em muitos casos o varejo é responsável pelo acon- uma opção às bandejas?
dicionamento final dos diversos queijos que vende. Depende um pouco da tecnologia do queijo. Um gorgon-
Bandejas recobertas com filmes plásticos transparentes zola oferecido numa cunha requer um filme de proteção
são comuns em produtos fatiados, por exemplo. Esse contra oxigênio. Os queijos de mofo branco, além da
modelo é próprio do mercado brasileiro? Ou também embalagem cartonada, precisam de um papel especial,
ocorre em outros países? que preserva a camada branca aveludada típica do queijo.
Ocorre porque há uma tradição nesse sentido. O fato é Às vezes a indústria está determinada a inovar sua emba-
que muitas pessoas querem que o queijo seja fatiado na lagem, mas isso se torna difícil em função das característi-

FOTOS: CARLOS CURADO / BLOCO DE COMUNICAÇÃO

Atmosfera modificada promete


crescer no Brasil, permitindo que Fracionamento estimula consumo
os queijos sejam cortados e acon- de estruturas cartonadas no nicho
dicionados nas linhas de produção de queijos finos

34 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


cas e das exigências de proteção do produto lácteo. Como 70% e 75% do consumo nacional. Os queijos que saem
já disse, a questão da proteção é primordial. É claro que do consumo cotidiano, tais como provolone, parmesão,
surgem novidades, como bandejas pré-moldadas, com gruyère, gorgonzola e camembert, são designados como
filme selante que abre e fecha. Também há bandejas com queijos finos, e constituem de fato um segmento que tem
subdivisões, nas quais são oferecidos, por exemplo, mini crescido no Brasil. A primeira onda de crescimento desse
aperitivos de queijo. São pequenas porções já cortadas e setor se deu no Plano Real, quando entraram muitos
fracionadas. Na Espanha há uma embalagem de queijo queijos importados no país. Naquela época houve uma
com um cabinho de plástico, tornando o produto parecido experimentação maior de queijos pelos brasileiros. Agora
com um sorvete. Em suma, com o aumento da renda e do esses queijos já são supridos pela indústria nacional. Não
consumo, a indústria de queijos tende a buscar embala- serve mais tanto queijo importado no varejo do país. De
gens diferenciadas, embora sempre haja a condicionante dez anos para cá houve um bom ritmo de inovações. Vale
de que essa embalagem garanta o tempo de prateleira do lembrar que a indústria de queijos de um país é muito
produto, o que realmente é um desafio. ligada ao seu rebanho predominante. Como no Brasil a
maioria do rebanho é bovino, a maioria dos queijos é,0
Como está o mercado brasileiro de queijos especiais? de leite de vaca. Mesmo assim, já há uma boa oferta de
Tem sido noticiado que, mesmo com o dólar em baixa, os queijos de leite de búfala. Já há também uma produção
queijos especiais importados foram largamente substitu- industrial de queijos de cabra, e agora começamos a notar
ídos pelos nacionais? a oferta de queijo de leite de ovelha. Também estamos
Grande parte do mercado brasileiro é composto por quei- crescendo no nicho de queijos saborizados e processados.
jos que nós chamamos de cotidianos. São produtos com Nesse aspecto é interessante notar que a introdução da
grande distribuição, que estão presentes na alimentação cultura de queijos no Brasil se deu através da tradição
diária e como ingrediente da indústria de alimentos. européia. Os queijos amarelos que consumimos hoje
Basicamente são os queijos mussarela, prato, minas fres- são em grande parte descendentes dos queijos que os
cal e requeijão. Esses quatro produtos representam entre imigrantes dinamarqueses que vieram para Minas Gerais
entrevista >>> Silmara Figueiredo

trouxeram. A imigração dos italianos, por sua vez, trouxe dos como queijos de mofo branco, ou com penicillium
o provolone, a mussarela e o parmesão. Mais recente- roqueforti, caso do gorgonzola, que é classificado entre
mente temos notados a introdução de queijos original- os queijos de mofo azul. Outro exemplo de processo de
mente consumidos por americanos, como o cheddar, no produção mais complexo é o do parmesão, que chega a
fast food, o cottage e o cream cheese. Portanto, o Brasil ficar seis meses numa câmara de maturação.
tem essa capacidade de acompanhar diferentes tendên-
cias. Hoje a indústria brasileira é capaz de produzir todas Potes plásticos envoltos por estruturas cartonadas cha-
as famílias de queijos: frescos, de massa semi-cozida, mam atenção na categoria de queijos do tipo minas
duros, de massa filada, com olhaduras, de mofo branco, frescal. Produtos assim, aparentemente mais elaborados,
mofo azul ou queijos fundidos. Podemos não ter muitas constituem uma tendência no mercado brasileiro de quei-
variedades da mesma família. Na França, por exemplo, jos de consumo cotidiano?
há um grande variedade só de camembert. Mas temos É preciso lembrar que queijos como os das marcas
uma grande diversidade de tipos de queijos, que não é Danubio e Frescatino apresentam não apenas embalagens
comum em vários países. mais complexas, mas tecnologias de produção diferentes.
São queijos do tipo minas frescal, mas que se diferenciam
Falando sobre queijo de diferentes países, é verdade que do queijo de minas comum por terem sido ultrafiltrados.
o queijo branco é um produto tipicamente brasileiro? Me parece que o grande objetivo dessas embalagens é
O queijo de minas é brasileiro no sentido de que exa- aumentar a vida de prateleira do produto. Por ser fresco,
tamente igual a ele não há em outro lugar, embora haja esse tipo de queijo é muito sensível.
queijos semelhantes em outros países, como Espanha
e México. Mas o queijo minas pode ser definido como Como tem evoluído o consumo de queijos no Brasil?
um queijo local. Sua tecnologia de produção é simples. O consumo ainda é baixo. Temos uma média estimada de
Basta coagular o leite, enformar, salgar, tirar um pouco 3 quilos por habitante/ano, quando na vizinha Argentina
do soro que fica na massa sólida e pronto. Por isso ele se esse índice é de 11 quilos. Na França, para citar um
chama queijo fresco. Ele tem uma validade curta, pois é exemplo extremo, o consumo médio por habitante é de
basicamente leite. Outros processos são mais complexos. 23 quilos de queijo por ano. Por outro lado, o queijo
Há queijos mais prensados, mais curados ou maturados. tem propriedades nutricionais importantes, que são reco-
Podemos ter queijos curados com penicillium candidum, nhecidas pela população. Trata-se de uma grande fonte
como os queijos camembert e brie, que são conheci- de proteínas e de cálcio, além de vitaminas A e D. Tal

Crescente uso de potes rígidos em


substituição a saquinhos plásticos
denota preocupação com aumento
da vida útil dos queijos frescos

FOTO QUATÁ: CARLOS CURADO / BLOCO DE COMUNICAÇÃO


FOTO DANUBIO: DIVULGAÇÃO

Estruturas de papel cartão, por sua vez,


contribuem para diferenciação visual de
queijos minas frescal ultrafiltrados

36 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


aspecto, aliado ao aumento de renda, abre a oportuni-
dade para que mais pessoas experimentem mais tipos
de queijos. Ultimamente, mais especificamente de três
anos para cá, o consumo brasileiro tem crescido acima
do PIB. Também tem havido um aumento significativo
do uso de queijos pela indústria de alimento. Neste caso
o queijo pode não apenas dar sabor, mas conferir valor
nutricional. Em outras palavras, o aumento da indústria
de pratos prontos e a consolidação do hábito de comer
fora também têm impulsionado a indústria de queijos.
No ano passado o crescimento do nosso setor foi ao
redor de 5,5%. Este ano vamos ver como fecha.

Quanto o setor movimentou em 2006?


O mercado de queijos sob inspeção federal movimen-
tou no ano passado cerca de 575 000 toneladas, algo
em torno de 4,5 bilhões de reais. A indústria de queijo
também é muito importante pois emprega muita mão-
de-obra. Até pouco tempo atrás, o Brasil era um grande
importador de leite. Isso tornava difícil para as empresas
crescer em qualquer segmento lácteo. Havia falta de
leite, e não é possível fazer queijo com leite em pó. É
necessário usar leite fresco. Agora o Brasil começou a
ter produção superavitária de leite.
O país deve se tornar um player importante no mercado
mundial de leite, assim como já é em carne. Essa evo-
lução tende a facilitar o crescimento da indústria de
queijos e o aprimoramento da qualidade.

Qual foi o impacto do aumento do preço do leite na


indústria brasileira de queijos em 2007? Este ano o pro-
blema foi maior do que em anos anteriores? Por quê?
Houve falta de leite no mercado internacional. O preço
da tonelada do leite em pó passou de 1 200 dólares para,
em alguns casos, até 5 000 dólares. A produção mundial
de leite está abaixo do consumo devido ao incremento da
demanda. Na África, na Ásia e na América Latina houve
de maneira geral um aumento do consumo de lácteos.
Os grandes fornecedores mundiais, que têm superavit,
são Estados Unidos, Europa, Nova Zelândia e Austrália,
tradicionalmente. Estas duas últimas regiões enfrentaram
nos últimos dois anos fortes secas e tiveram declínio na
sua produção. A Europa também acabou tendo de usar
todos seus estoques, porque houve aumento de consumo
e isso pressionou o preço do leite. No nosso mercado,
os queijeiros enfrentaram uma situação mais difícil, pois
ficaram mais pressionados em termos de rentabilidade.
Eles não repassaram os aumentos importantes do leite
para os preços de seus produtos. Isso porque o ciclo de
produção e de comercialização dos queijos muitas vezes
é mais longo que o dos leites longa vida.
Em 2007, o setor de
embalagens ganhou uma
premiação diferente.
Em 2008, você
não pode ficar de fora.
Inscreva seus projetos na
segunda edição do PRÊMIO
EMBALAGEMMARCA – GRANDES
CASES DE EMBALAGEM.
Poderão concorrer embalagens
lançadas no mercado entre
1/7/2007 e 30/6/2008.
Mais informações:
premio@embalagemmarca.com.br
plásticas >>> higiene pessoal

Gêmeos diferentes
Xampu e condicionador infantis adquirem personalidade com frascos exclusivos

U
m pode ser pouco, dois parece O desenho do novo frasco foi confia-
razoável, mas três já é demais. do à Benchmark Design Total. A agência
Não soa a insensatez tomar o paulistana projetou uma embalagem com
conhecido provérbio para deli- capacidade para 480 mililitros e dotada de
mitar, em anos, um ciclo de vida para as um estreitamento na parte superior que pro-
embalagens do mercado de higiene infan- porciona um manuseio mais fácil. A “pega”
til, no qual se vive crescente disputa entre é ainda facilitada pelo fato de a cintura rece-
marcas e produtos. Tendo lançado a família ber a aplicação de bolhas em baixo relevo.
Trá Lá Lá Kids de itens de toucador para o Tal textura diminui o risco de a embalagem
público mirim em meados de 2004, a paulis- escorregar das mãos das mães durante o
ta Phisalia sentiu que era hora de atualizar TRANSIÇÃO banho das crianças.
suas embalagens. Carros-chefes da linha, o Foram substituidos por Das pranchetas, o projeto seguiu para
novos, ergonômicos e
xampu e o condicionador tiveram aposenta- com desenho exclusivo a etapa industrial, com assessoria do escri-
dos os frascos plásticos origi- tório de engenharia de embalagens
nais, cilíndricos e com jeito 2007 Packaging Solutions. “Ajustamos
standard, para ganhar um e adequamos dimensionalmente
novo, com design exclu- os componentes, auxiliamos no
sivo, anatômico e mais processo de prototipagem, deta-
impactante no ponto-de- lhamos tecnicamente o projeto
venda.
A reformulação foi 2004
Os primeiros frascos de Trá
guiada por uma pesquisa Lá Lá Kids, cilíndricos e com
com consumidores, que jeito standard

abordou aspectos relacio-


nados a ergonomia, segu-
rança, originalidade, valor
percebido e design das
embalagens originais.
Informações coletadas
pela equipe de promotores
e vendedores da empre-
sa, que mantém contato
freqüente com o vare-
jo, também ajudaram no
embasamento do projeto.
As análises verificaram,
por exemplo, a importân-
cia dada pelos consumi-
dores à visualização do
conteúdo. Isso contou
pontos a favor da manu-
tenção do PET, notório
FOTOS: DIVULGAÇÃO

pela alta transparência,


como matéria-prima das
embalagens.

40 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


em 3D e 2D para os fornecedores, acompa- ting da Phisalia. “Além de ‘vestir’ o
nhamos a fabricação dos moldes e os try- produto em 360 graus, o rótulo manga se
outs de produção e de envase”, conta Marcos solta facilmente do frasco, o que facilita
Quimenton, proprietário da consultoria. a reciclagem”, completa a profissional. O
fechamento dos frascos é feito com uma
Ganhos sem desperdícios tampa flip-top de polipropileno (PP),
O molde para sopro da nova embalagem foi produzida pela Plasmotec.
usinado pela Copentec. “Aproveitamos o De acordo com a Phisalia,
mesmo molde de injeção do frasco antigo, o a modernização das embala-
que proporcionou ao cliente uma economia gens, realçada por inovações
de 200 mil reais”, ressalta Renato Szpigel, como a cintura com grip em
gerente de desenvolvimento de novos produ- relevo e as transparências
tos da Engratech, fabricante das embalagens nos rótulos, inegavelmente
da Phisalia. O ferramental completo sairia agregou valor à marca Trá
por cerca de 350 mil reais. Lá Lá Kids. Os novos frascos
Szpigel destaca ainda outro desafio supe- do xampu e do condicionador já
rado na industrialização do formato do novo estão disponíveis no varejo, inclu-
frasco dos produtos Trá Lá Lá Kids: a sive numa versão conjugada, comercializada AGREGADO – Mochila
dificuldade de se obter a rigidez necessária numa mochila de PVC cristal produzida pela vai de brinde na versão
conjugada dos produtos
no ombro sem influenciar negativamente o Plásticos Risana. Um atrativo a mais para a
peso e a resistência do frasco na distribuição criançada. (MF)
da massa de PET na moldagem. Com testes
e ajustes, a Engratech conseguiu resolver a
dificuldade.
Benchmark Design Total Igaratiba Plásticos Risana
Na parte de decoração, xampu e condi-
(11) 3057-1222 (19) 3821-8000 (11) 5667-4499
cionador ganharam rótulos do tipo manga www.bench.com.br www.igaratiba.com.br www.risana.com.br
(wraparound) de polietileno de baixa den-
Copentec Packaging Solutions Propack
sidade (PEBD) cuja impressão, feita pela (11) 5541-7116 (19) 3849-0528 (11) 4785-3700
Rhotoplás, deixa pontos transparentes ao compras.copen@bol.com.br www.packagingsolutions.com.br www.propack.com.br
longo de suas áreas. “Desse modo, a cor
Engratech Plasmotec Rhotoplás
do produto contribui com o visual”, explica (19) 3837-8100 (11) 2178-9555 (11) 4199-2555
Francis Canterucci, coordenadora de marke- www.grupoengra.com.br www.plasmotec.com.br www.rhotoplas.com.br

No rastro dos irmãos


Assim como xampu e condicionador, creme
pós-banho ganha embalagem mais sinuosa
Em paralelo à reformulação dotada de tampa de polipro-
dos frascos do xampu e do pileno (PP) do tipo push-pull,
condicionador para o público fornecida pela Igaratiba.
infantil, a Phisalia também Já a decoração do frasco
decidiu modernizar a emba- fica a cargo de um rótulo
lagem do seu Creme para termoencolhível de PVC,
Pentear Trá Lá Lá Kids. produzido pela Propack. “O
Assim como xampu e con- rótulo fica como se fosse
dicionador, o produto teve uma pele no frasco inteiro”,
SILHUETA – Novo
frasco do Creme
substituído seu antigo frasco destaca Francis Canterucci,
para Pentear tem cilíndrico por um acinturado, coordenadora de marketing
tampa push-pull e mais ergonômico. A nova da Phisalia. “Ganhamos uma
FOTOS: DIVULGAÇÃO

cintura inexistente
na versão anterior embalagem é fabricada em área de rotulagem atraente,
(acima, em polietileno de alta densidade que tem boa visibilidade na
destaque)
(PEAD) pela Plasmotec e é gôndola.”

42 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Edição: Guilherme Kamio

Uma dúzia no WorldStar 2007


Organização Mundial de Embalagem premia doze projetos brasileiros
De treze inscrições, doze
embalagens brasileiras foram
laureadas na edição de 2007 do
Prêmio WorldStar, realizado pela
Organização Mundial de Emba-
lagem (WPO). De um total de
291 inscrições, de 32 diferentes
países, 166 foram premiadas
após deliberação dos 26 juízes
do concurso em Atenas, Grécia,
no fim de outubro.
Perfume Isabela Lasanhas Pastagnolli Clareador Dental Whiteness
Entre os troféus brasileiros, o
Capeto (Casa Granado) (Design Inverso) Perfect (Design Inverso)
abiscoitado pela Packing Design
com a embalagem da Linha
Banho e Pós-Banho Turma
da Mônica, da Kimberly Clark,
só foi possível devido ao fato
de a mesma ter sido uma das
vencedoras do PRÊMIO EMBALA-
GEMMARCA – GRANDES CASES DE
EMBALAGEM 2007. Ocorre que a
premiação num concurso reco-
nhecido no país de origem é um Projeto Joaninha – Fraldas
dos requisitos para a inscrição Pampers (Orsa Celulose,
Colônia Biografia (Natura) Óleo Trifásico Ekos (Natura) Papel e Embalagens)
no WorldStar.
Duas outras embalagens agra-
ciadas pelo Prêmio de EMBALA-
GEMMARCA figuraram entre as
vencedoras: a das Lasanhas
Pastagnolli e a do clareador
dental Whiteness Perfect, ins-
critas pela Design Inverso. Elas
também haviam ganhado o Prê-
mio Abre de Design de Emba-
lagem, da Associação Brasileira Rótulo da Coca-
de Embalagem. Veja ao lado as Linha Banho e Pós-Banho Turma Cafés Baggio Aromas Cola Soccer Ball
da Mônica (Packing Design) (Pipa Design & Propaganda) (Sleever International)
embalagens brasileiras premia-
das pela WPO (entre parênte-
ses, as empresas responsáveis
pela inscrição).
Seis das 166 embalagens esco-
lhidas – nenhuma das doze bra-
sileiras – concorrerão à catego-
ria especial “President’s Award”.
A vencedora será revelada na
cerimônia de entrega dos tro-
féus WorldStar, a ser realizada Rótulo da cobertura Rótulo da aguardente
em 21 de maio de 2008 em para sorvetes Bazzar Ypióca 160 Anos Amaciante Comfort
(Sleever International) (Sleever International) “Magnum” (Unilever Brasil)
Acra, capital do Gana, na África.

44 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Caixas em mudança Desafio em outro campo
Sócio-proprietário do grupo Sol, forte
Paraibuna inaugura nova fábrica de embalagens de papelão no campo de embalagens plásticas,
laminados e rótulos, Andrés Sanchez
A produtora de caixas de papelão área construída, tendo aberto, de foi eleito em outubro o novo presi-
ondulado Paraibuna Embalagens início, 200 postos de trabalho. A uni- dente do Sport Club Corinthians Pau-
inaugura oficialmente em novembro dade mais antiga da Paraibuna, em lista, depois de conflitos do clube de
sua fábrica de Sapucaia (RJ). Resul- Juiz de Fora (MG), ficará focada na futebol com sua parceira de gestão,
tado de um projeto de expansão fabricação de papel e no atendimen- a multinacional MSI. Ficará no cargo
da empresa iniciado há dois anos, to de embalagens para nichos espe- até a convocação de novas eleições,
a unidade industrial recebeu inves- cíficos, como a indústria moveleira. daqui a um ano e meio.
timentos de cerca de 20 milhões
Máquina
de reais, incluídos os aportes para instalada em
Treinamento aos dez
a aquisição de uma onduladeira Sapucaia Completando dez anos de atividades,
Fosber de 2,5 metros de largura e a Packing Design de Embalagem irá
uma impressora flexográfica france- dispor de um serviço de “coaching”,
comandado por Márcia Portazio, pro-
sa Martin MID Line 924, capaz de
fessora da Escola Superior de Propa-
decorar até 20 000 caixas/hora em
ganda e Marketing (ESPM). Segundo
quatro cores. A fábrica incrementará
a Packing, o treinamento de capaci-
a capacidade produtiva da Paraibu-
tação, dinamização de competências
na em 8 000 toneladas mensais e
e superação de fragilidades é inédito
ocupa 22 000 metros quadrados de no Brasil no setor de desenho de
embalagens.

Foi. Não foi. Agora vai de novo Crescimento...


Realizada de 15 a 17 de outubro, a
Mais um texto disposto a criar política nacional feira de embalagens Pack Expo Las
de gestão de resíduos sólidos transita no Congresso Vegas registrou crescimentos percen-
tuais de dois dígitos em visitação
Como novo capítulo de uma novela sabe, pois o texto somente dispõe total (13%, com 37 452 visitantes),
que já dura quase quinze anos, em diretrizes gerais. “Se por um lado o visitação de estrangeiros (34%, com
setembro chegou à Câmara dos texto simplificado facilita a compre- 3 718 pessoas) e número de exposi-
Deputados uma nova versão de ensão, bem como a sua aprovação, tores (12%, com 1 281 empresas) em
projeto de lei para esta- por outro deixa margem relação à edição anterior, de 2005.
belecer uma Política a dúvidas, além de
Nacional de Gestão amplo espaço para ...e foco sanitário
de Resíduos Sóli- negociações”, res- Um dos temas-chave do evento, or-
dos. Um ponto salva reportagem ganizado pelo PMMI, a entidade re-
polêmico do do Instituto Akatu presentativa dos fabricantes ameri-
novo documen- (www.akatu.org). canos de máquinas de embalagem,
to, composto O projeto, dispo- foi segurança alimentar. Ocorre que
por 33 artigos nível para consulta se vive, nos Estados Unidos, a ex-
distribuídos em pública (em www2. pectativa pela publicação de novas
sete capítulos, é a camara.gov.br/pro- normas sanitárias para a indústria
alimentícia.
logística reversa, que posições) promete ser
sugere a responsabilização sabatinado por parlamenta-
Manutenção
de indústrias pela incorreta destina- res nos próximos meses. Mesmo
Luis Carlos Loureiro Filho foi reeleito
ção dos resíduos sólidos pós-con- aprovado, ainda precisará ser regu-
presidente da Associação Brasileira
sumo de seus produtos – ou seja, lamentado. Ao enviar o projeto ao
do Alumínio (Abal) no fim de outubro.
basicamente das embalagens. Congresso, o presidente Lula pediu
Diretor da Companhia Brasileira de
Como, porém, esse mercanismo a participação da sociedade na dis- Alumínio (CBA), Loureiro Filho conti-
será implantado? Ainda não se cussão do tema. nua à frente da entidade até 2009.

novembro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 45


marcas >>> design

Mingau cinqüentão em
novíssima embalagem
Unilever atualiza layout do Cremogema no jubileu de ouro da marca

L
ançado há meio sécu-
lo pela Refinações
de Milho Brasil, a
mistura para mingaus
Cremogema, dona de um dos

FOTOS: DIVULGAÇÃO
jingles que mais sucesso fazia
entre as crianças (veja o qua-
dro), vem passando por algumas
alterações nas embalagens desde
que a RMB foi adquirida pela
Unilever no ano 2000.
A primeira mudança, em 2001,
foi a introdução da “marca mãe”
Maizena nas caixas de papel car-
tão que acondicionam o produto.
Agora, no cinqüentenário da marca, as
PARA CRIANÇAS
embalagens de Cremogema foram total- Personagens divertidos ganham
mente reformuladas. Com o objetivo de destaque nas embalagens
proporcionar maior visibilidade nos pon-
tos-de-venda, os cinco sabores do pro-
IGB – Indústria
duto – Tradicional, Chocolate, Morango, Gráfica Brasileira Usina Escritório de Desenho
Vitamina de Frutas e Milho Verde – ganha- (81) 3521-1299 (11) 5571-6788
ram nova identidade visual, com cores www.igb-embrasa.com.br www.usinadedesenho.com.br
mais vibrantes e maior destaque para os
personagens que estampam as caixinhas.
As novas embalagens, que tiveram o layout A coisa mais gostosa desse mundo
criado pela Usina Escritório de Desenho e Jingle de Cremogema é um clássico da publicidade
são impressas pela IGB – Indústria Gráfica
Inspirado na música da estória infantil de Chapeuzinho
Brasileira, estampam desenhos em 3D,
Vermelho, o jingle de Cremogema fazia bastante sucesso entre
numa linguagem que vem sendo explorada
a criançada na década de 1970. Apesar de ser definido como
nos alimentos infantis.
“coisa”, o produto era exaltado como gostoso e saudável.
A mudança foi feita após pesquisa rea-
lizada com mães que possuem filhos entre
Lobo canta: Eu sou o lobo-mau, lobo-mau, lobo-mau.
4 e 13 anos. “Desde seu lançamento no
Eu pego as criancinhas pra fazer mingau.
mercado nacional, em 1957, Cremogema Criança fala: Ah, seu lobo, faz com Cremogema.
é grande sucesso junto aos consumidores. Lobo fala: Cremogema?
Agora, com o rejuvenescimento da marca Coro de crianças canta: Cre, cremo, cremo, Cremogema é a
e a mudança da embalagem, vamos nos coisa mais gostosa desse mundo.
aproximar ainda mais de nossas consumi- Locutor: Tem vitaminas, tem proteínas, sais minerais.
doras”, diz Ricardo Cavalcante, gerente de Coro de crianças canta: A mamãe quer sempre o melhor pra
marketing de Unilever. A formulação do gente. Cremo, cremo, Cremogema.
produto e o sabor não foram alterados, o Lobo fala: Bom demais!!!
que é destacado na embalagem. (FP)

46 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


rotulagem >>> labelexpo europe

Em constante evolução
Tendências em conversão são apresentadas no maior evento mundial do setor
Por Marcos Palhares, de Bruxelas

N
o pujante mercado de e usuários finais. EMBALAGEMMARCA, tro grandes tendências o que se mos-
conversão de rótulos, for- única revista brasileira de embalagens trou na maior feira mundial do setor:
necedores mantêm inves- presente à Labelexpo Europe, realizada 1) mundo digital, 2) margens de lucro,
timentos para atender as entre 26 e 29 de setembro último em 3) questão ambiental e 4) rotulagem
grandes demandas de convertedores Bruxelas, na Bélgica, agrupou em qua- inteligente. Confira a seguir.

1 Mundo
digital
Tecnologia de produção está cada 2 Em busca
das margens
vez mais digital. Com precisão,
computadores hoje dominam a
pré-impressão e controlam os Fenômeno global que atinge
fluxos de trabalho. Impressoras todos os setores competitivos,
digitais ganham espaço, e uma deterioração das margens dá
nova alternativa – com tinta UV apenas duas opções aos agentes
líquida – surge como potencial econômicos: investir ou desapa-
rival às já consagradas máquinas recer. Nesse contexto, abre-se
com toner seco. espaço para a consolidação do
setor, e mercados emergentes
Página 50
tornam-se mais e mais interes-
santes.
Página 54

3 Moda ou
realidade?
Pressionada por consumidores
e órgãos reguladores, indústria 4 Inteligentes
e didáticas
apresenta soluções para reduzir
o impacto ambiental de suas
ações. Ao tomar o caminho Apesar de não deslanchar como
rumo à sustentabilidade, mer- se esperava há alguns anos,
cado indica que, nesse caso, tecnologia RFID cresce e atrai
os últimos continuarão a ser os investimentos. Alternativas para
últimos. fazer rótulos e etiquetas desem-
penharem funções de controle de
Página 58
qualidade e segurança mostram
que o futuro está na informação
bem manejada.

Página 60

48 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


MUNDO DIGITAL
1
Desponta uma
alternativa
Impressoras jato de tinta UV mostram que vieram para ficar

Q
uando as primeiras impressoras System, prometendo qualidade próxima à das
digitais surgiram, no final dos anos impressoras flexográficas a custo mais baixo
1990, poucos duvidaram que a tec- do que as tecnologias digitais concorrentes. A
nologia emplacaria. Hoje, não se verdade é que, por enquanto, com velocidade
questiona mais a viabilidade desses equipamen- nominal que chega a 30,5 metros por minuto,
tos, mas sim até quantos metros lineares com-
pensa rodar nas máquinas. Ao que parece, um
novo passo está sendo dado nesse mercado.
Na Labelexpo deste ano, chamou a aten-
ção o avanço das impressoras inkjet UV. As
alternativas expostas ainda não chegam a um
padrão ótimo de velocidade e qualidade, mas
têm potencial para crescer rapidamente. Hoje
não seriam capazes de substituir os equipa-
mentos convencionais, e ainda ficam atrás de
impressoras digitais tradicionais como as HP
Indigo. O atrativo advém do fato de as soluções
permitirem, em geral, a utilização de tintas de
diferentes fornecedores.

Foco: dados variáveis


De olho na proliferação dos lotes pequenos de
Um olho no gato, outro na sardinha
rótulos, pedidos que atormentam a indústria Nilpeter, tradicional fabricante de impressoras banda
convertedora, a norte-americana EFI mostrou estreita convencionais, apresenta solução com inkjet
o seu modelo Jetrion 4000 Series UV Inkjet Vendo o despontar da tec- já anunciadas para o futu-
nologia jato de tinta, a dina- ro. Com design modular, a
marquesa Nilpeter preferiu Caslon pode ser integrada
não aguardar para ver se, às impressoras flexográficas
de fato, o frisson não passa convencionais da Nilpeter,
de uma simples promessa. ou trabalhar independente-
Tratou de firmar acordo mente, em sistema bobina-
com a britânica FFEI (antiga bobina.
FujiFilm Electronic Imaging), Dessa forma, sem perder o
com quem desenvolveu con- foco no seu negócio principal,
juntamente uma solução em que são impressoras banda
inkjet. estreita convencionais, de
O resultado, apresentado alta performance, a Nilpeter
na Labelexpo, foi a impres- finca um pé no promissor
sora Caslon, com opções terreno das inkjet.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

de banda de 330mm e
JETRION FFEI Nilpeter
Jato de tinta da EFI 420mm, mas com alterna- www.ffei.co.uk www.nilpeter.com.br
mira mercado das tivas de 508mm e 559mm + 44 1442 210518 (11) 5071-7721
curtas tiragens

50 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


o equipamento mostra-se viável para impressão
de dados variados. Tratamento dispensado
A Atlantic Zeiser, fabricante alemã de sis-
temas de codificação, mostrou duas versões de Xeikon roda diferentes materiais sem aplicação de primer
sua impressora Omega jato de tinta com tecno- Voltada à produção de rótu- em quatro cores (CMYK)
logia DoD (Drop on Demand): a 36, máquina los com tecnologia digital, a mais branco opaco (cores
entry level com velocidade de até 30 metros por Xeikon 330, da belga Punch especiais também podem
minuto, e a 36i, que atinge o dobro da velocida- Graphix International, ofe- ser utilizadas) em bobinas
de. Esses equipamentos, com resolução de 360 rece resolução de 600dpi com 320mm ou 330mm de
dpi, imprimem diferentes substratos com até a velocidades de até 14,7 largura.
36mm de largura, tanto em bobinas como em metros por minuto, indepen-
dentemente do número de Punch Graphix
folhas, e são indicados para a inclusão de dados + 32 3 443 13 11
variáveis em bobinas pré-impressas. As cabeças cores impressas. A máquina www.punchgraphics.com
de impressão foram desenhadas para trabalhar funciona à base de toner
com tintas UV ou base solvente. seco e, segundo a empre-
sa, o modelo pode imprimir
sobre diferentes substratos,
sem necessidade de trata-
mento prévio, com ótimos
resultados em laminados
auto-adesivos. Pequenos
lotes e impressão de dados
variáveis são os mercados-
alvo desse equipamento,
preparado para imprimir
OMEGA – Dados variáveis em bobinas pré-impressas
MUNDO DIGITAL
1
A francesa Impika, por sua vez, centrou to. O equipamento imprime sobre diferentes
forças em seu modelo 600. Com tecnologia de bases, em larguras que variam de 53mm a
impressão DoD, a Impika 600 é anunciada como 160mm, em quatro cores (CMYK). Usando
sendo capaz de atingir 75 metros por minuto seu expertise, a Sun Chemical desenvolveu,
imprimindo em quatro cores, com resolução de especificamente para essa máquina, uma tinta
600x600dpi, em larguras de até 474mm. Com UV, batizada de SolarDot.
Atlantic Zeiser
tintas base água, a Impika 600 pode imprimir Tel. +49 (0)7465 291 136
sobre diferentes substratos, de filmes a papéis. www.atlanticzeiser.com
Já a norte-americana Sun Chemical anun-
EFI Jetrion
ciou o lançamento da SolarJet, desenvolvida www.efi.com
especialmente para tentar ganhar o mercado + 1 650 357 3500
de pequenas tiragens em banda estreita, e
para atender as necessidades de impressão Impika
de dados variáveis. Construída em parceria www.impika.com
No Brasil: Comprint
com a também norte-americana iTi – Imaging
www.comprint.com.br
Technology International, a SolarJet desti- (11) 3371-3371
na-se a tiragens de até 10 000 rótulos, com SOLARJET
Sun Chemical
resolução de 900 x 900dpi, e velocidade Para tiragens de
www.sunchemical.com
até 10 000 rótulos
nominal de impressão de 25 metros por minu- (11)6462-2500

HP anuncia alianças de longo prazo


Acordos com ABGe EskoArtWork permitem a oferta de soluções completas de impressão
Líder mundial em impressoras da outra, ou a venda de equi- a feira de Bruxelas. Na ilha de
digitais de banda estreita, a pamentos de uma pela outra). produção da Eshuis, por exem-
HP usou a Labelexpo para mos- Na Labelexpo foi mostrada, pela plo, o acabamento dos rótulos
trar que está empenhada em primeira vez, a Digital Front-end farmacêuticos rodados era feito
aumentar a produtividade de VDP para a HP Indigo ws4500. em uma AB Graphic Digicon
seus clientes, tornando sua linha Trata-se de uma ferramenta (equipamento totalmente modu-
Indigo atraente para lotes cada focada em impressão de dados lar, semi-rotativo e com controle
vez mais longos. Para isso, a variáveis, como códigos de barra de tensão de bobina servo-
empresa montou em seu estan- e numerações seqüenciais, para acionado) e inspecionados por
de uma “torre de produção”, um o mercado de conversão. uma AB Graphic Flytech (que
conjunto de equipamentos que, Pela outra aliança, a HP reco- pode ser combinado com uma
em cada dia da feira, rodava nhece os equipamentos da ABG codificadora jato de tinta para
serviços reais da convertedora como preferenciais nas soluções numerar os rótulos ao mesmo
holandesa de rótulos Eshuis. end-to-end para a conversão de tempo em que a bobina é 100%
A HP aproveitou a Labelexpo rótulos, como se viu durante inspecionada).
para anunciar alianças de longo
ABG EskoArtworks HP
prazo com parceiros já tradicio- www.abgint.com www.esko-graphics.com www.hp.com
nais: a EskoArtwork e a ABG No Brasil: Comprint (11) No Brasil: Comprint
International. www.comprint.com.br www.comprint.com.br
(11) 3371-3371 (11) 3371-3371
A EskoArtwork já há tempos
desenvolve e integra sistemas DIGICON
de pré-impressão e gerenciamen- Um dos equipamentos da
to de cores para as impressoras ABG indicados pela HP como
“preferenciais”
HP Indigo. O novo acordo esta-
belece entre as duas empresas
uma relação de OEM (Original
Equipment Manufacturer, isto é,
a utilização de componentes de
uma empresa em equipamentos

52 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


EM BUSCA DAS MARGENS
2
Perder menos
para ganhar mais
Impressoras banda estreita embutem tecnologia para ser mais produtivas

O
s vetores do mercado já são conhe-
cidos de todos. Maior segmenta-
Aniflo, o anilox para offset
ção das linhas de produtos levan-
do a lotes cada vez mais curtos.
Estoques menores resultando em prazos espre- Sistema de
entintamento
midos. Varejo poderoso pressionando clientes, encapsulado
que por sua vez pressionam os fornecedores a
reduzir preços. O resultado para a indústria de Rolo de
Rolo
embalagens é uma força empurrando os custos Anilox, com borracha
controle de para
para cima, e outra querendo jogar os preços temperatura transferência
de venda para baixo. Para fugir dessa prensa de tinta
sobre as margens, um dos caminhos é ganhar
Cilindro
produtividade. de chapa
Melhorar o processo produtivo, portanto, Lâmpada
não é luxo, mas questão de sobrevivência. Uma VIVA infra-vermelho
Viscosidade Cilindro de
das formas de se conseguir isso é investir em da tinta é a blanqueta
máquinas mais rápidas, flexíveis e com capa- única variável
cidade de realizar trocas de serviço em tempos a controlar

cada vez mais curtos. Entre os fabricantes de impressão que, apesar de ser offset, é dotada
impressoras presentes na Labelexpo, essa ten- de um cilindro anilox. Batizada de Aniflo, ela
dência ficou muito clara. possui, além do anilox, um sistema de entinta-
A francesa Codimag, por exemplo, mostrou mento encapsulado, um rolo de borracha para
a sua Viva 420, offset semi-rotativa com banda transferência de tinta, um cilindro de chapa,
de 420mm que imprime em velocidades de um cilindro de blanqueta e uma lâmpada infra-
até 60 metros lineares por minuto. O destaque BRAVA vermelho para controlar a temperatura da blan-
do equipamento fica por conta da unidade de Rotativa e semi-rotativa queta (ver esquema acima). Com controle de
com formato variável
temperatura também no anilox e no cilindro de
chapa, a Aniflo tem a viscosidade da tinta como
única variável a ser controlada.
A Rotatek, da Espanha, apresentou a Brava,
impressora que, de acordo com a empresa, é a
única impressora offset rotativa e semi-rotativa
com formato variável do mercado. O converte-
dor pode usar o equipamento como semi-rota-
tiva para as pequenas e médias tiragens, com
velocidade nominal de impressão de até 70
metros por minuto, em formatos de 120mm a
350mm e incrementos de 1/10mm, e trabalhar
no sistema rotativo para grandes tiragens, com
velocidade de até 150 metros por minuto, em
formatos variando entre 330mm e 635mm, com
incrementos de 4,2mm. Tudo com um só equi-

54 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


ALTAPRINTA-V
Agora com unidade de impressão flexográfica

pamento. A Brava roda substratos entre 150mm


e 450mm de largura.
Formatos variáveis, aliás, são o forte da
Altaprinta-V, offset da suíça Müller Martini.
Uma rápida e simples troca de cilindros per-
mite que se imprimam artes com diferentes
passos, característica que a torna atraente para
os mercados de rótulos wrap around e termo-
encolhíveis, além de colocá-la como alternativa
para pequenos lotes de embalagens flexíveis.
Durante a Labelexpo, a empresa apresentou
uma unidade de impressão flexográfica para a
impressora, mostrada num modelo Altaprinta
52V, com largura de 520mm.
Caminho inverso fez a italiana Gidue.
Tradicional fabricante de impressoras flexo-
gráficas, a empresa recentemente fez o début
na seara das offsets. No estande da empresa
foi mostrada a máquina combinada Xpannd,
que (naquela configuração) trazia seis grupos
impressores offset e quatro unidades flexo,

XPANND – Estréia com estilo da Gidue em offset


EM BUSCA DAS MARGENS
2
além de hot stamping in-line, cold foil e apli- XFLEX – Cilindro de impressão
cação plana de relevo. Com essa configuração e chill-drum integrados
“premium”, a Gidue mira os mercados de rótu-
los que requerem elevada qualidade gráfica,
como os de vinhos, azeites e bebidas alcoólicas.
Apesar da sofisticação, a empresa diz que as
trocas de serviço são feitas com grande rapidez
e com poucas perdas no ajuste de máquina.
A também italiana Omet engrossa o coro Codimag
dos fabricantes que sugerem velocidades imba- www.codimag.fr
No Brasil: Coras do Brasil
tíveis no setup, com conseqüente redução no (11) 5507-7010
desperdício de material. Na feira, um dos desta-
ques da empresa foi a X-Flex, impressora flexo- Gallus
www.gallus.ch
gráfica com a possibilidade de inclusão de uni- (11) 5525-4486 anunciou avanços na sua linha entry-level 2200.
dades para hot stamping, cold foil, laminação e Os modelos XL, com velocidade nominal de
impressão no adesivo totalmente intercambiá- Gidue 150 metros lineares por minuto, e XLS, que
www.gidue.com
veis. Pode-se, ainda, incluir na configuração um No Brasil: Comprint roda até 230 metros por minuto, ganharam ver-
cassete para serigrafia, também intercambiável. www.comprint.com.br sões servo-motor, disponíveis comercialmente
A grande jogada da X-Flex, contudo, está na (11) 3371-3371
a partir de janeiro de 2008. Os dois modelos
estrutura de sua unidade flexo: o cilindro de Mark Andy podem imprimir sobre laminados auto-adesivos
impressão e o chill-drum estão integrados (este www.markandy.com e filmes sem suporte. A Labelexpo foi também
No Brasil: PTCGS
último faz as vezes do contra-pressão), o que o palco para a apresentação, na Europa, da
(11) 6194-2828
resulta em maior estabilidade na impressão de impressora Comco C2, uma máquina flexo-
substratos fílmicos. Müller Martini gráfica concebida para competir com impres-
www.mullermartini.com.br
A linha de impressoras RCS, solução high- (11) 3613-1000
soras offset. Com as unidades de impressão na
end da suíça Gallus, ganhou uma nova opção horizontal, a C2 tem transferência de pontos
de largura: 430mm. Essa família de impres- Omet semelhante à das offset, e atinge velocidade
www.omet.it
soras totalmente servo-acionadas e modulares No Brasil: Gämmerler de impressão de até 360 metros por minuto.
tem como pontos fortes o elevado grau de (11) 3846-6877 Disponível em larguras de 457mm a 914mm,
automatização e a flexibilidade, características o equipamento pode receber cassetes com dife-
Rotatek
que garantem trocas de serviços rápidas e alta www.rotatek.com.br rentes sistemas de impressão e acabamento,
produtividade. Multiprocessos, a RCS 430 traz (11) 4195-9888 com exceção de offset.
cinco cassetes offset, uma unidade flexo e
módulos de serigrafia, hot stamping e cold foil.
A impressora pode usar qualquer processo de Coadjuvantes garantem o enredo
impressão (inclusive rotogravura UV) em qual-
Mais produtividade também nos equipamentos auxiliares
quer parte da máquina.
Tradicional fabricante de máquinas banda Partindo do pressuposto de que desperdícios de substrato
estreita, a Mark Andy, dos Estados Unidos, e trocas de bobinas custam caro, realizar grandes tira-
gens de forma contínua pode ser uma saída interessan-
te. Por isso, a Martin Automatic, empresa fabricante de
equipamentos para manuseio de bobinas, com sede nos
Estados Unidos, enfatizou ao longo dos quatro dias de
feira a importância de se analisar o quanto se pode melho-
rar o processo produtivo com acessórios
como o seu emendador de bobinas MBNT.
Esse equipamento une o final de uma bobi-
na ao início de uma nova, sem sobrepor o
substrato. Resultado: produção sem
interrupções. MBNT
Emendas sem
Martin Automatic Inc. sobreposição das
Tel: +1 815 654 4800 extremidades
www.martinautomatic.com das bobinas
RCS 430: Nova largura para linha high-end da Gallus

56 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


MODA OU REALIDADE?
3
A força do ambiente Innovia Films

Questão ecológica orienta desenvolvimentos de substratos www.innoviafilms.com


(11) 5053-9946
Sidaplax

C
om governos e consumidores redu- the Endorsement of Forest Certification), para www.sidaplax.com
zindo sua tolerância com a inter- +44 1 604 76 66 99
garantir a origem da celulose usada em suas
ferência das atividades industriais estruturas, e diz estar implementando a norma UPM Raflatac
www.upmraflatac.com
sobre o meio ambiente, há empresas ISO 14001. + 1 828 651 4800
que vêem no ar uma oportunidade para alavan-
car seus negócios. Exemplo disso é a Sidaplax,
empresa de origem belga que hoje é subsidiária Mais fino, menos impacto
da norte-americana Plastic Suppliers. A empre- Lean Film promete ganhos ambientais e na produção
sa mostrou durante a Labelexpo um filme para
rótulos à base de PLA (Ácido Polilático), bio- Tradicional fornecedora de substratos para rótulos auto-
plástico originário do milho. Com uma versão adesivos, a Avery Dennison introduziu no mercado a linha
branca e outra transparente, o filme – batizado Fasson Lean Film (nome que, em português, daria algo
de EarthFirst – tem como principal apelo o como Filme Enxuto). A grande inovação, segundo a compa-
fato de se utilizar de uma fonte renovável, sem nhia, está na espessura menor do frontal, o que permite
comprometer a qualidade visual dos rótulos, a acomodação de mais metros lineares de base por bobi-
fato que pode ser explorado amplamente pela na, reduzindo a necessidade de paradas de máquina para
indústria usuária em sua comunicação com o trocas de rolos. As economias de tempo, na estimativa do
consumidor final. fornecedor, chegam a 22%. Os ganhos se estenderiam aos
Argumento semelhante está sendo usado usuários finais, que teriam também menos trocas de bobi-
nas durante o processo de aplicação dos rótulos.
pela britânica Innovia Films, que anunciou
A Avery Dennison anuncia que o substrato combina proprie-
durante a feira a extensão de sua linha de
dades dos filmes de polietileno (boa impressão) e polipropi-
filmes biodegráveis
leno (registro) numa base estável nas impressoras mesmo
e compostáveis para
em altas velocidades. O produto está disponível nas versões
rótulos sensíveis a
branco e transparente, e pode receber o meio corte com as
pressão. O mais recen-
ferramentas tradicionais.
te lançamento da O fabricante recomendada, para otimização dos resultados,
empresa nessa área é a utilização do Lean Film para rótulos simétricos e meno-
o NatureFlex NVLW, res que 15cmx15cm. Os mercados-alvo do novo filme são
filme branco à base aqueles com características de longas tiragens, como os de
de celulose de árvores cuidados pessoais e higiene e limpeza.
originárias de florestas Ao reduzir a espessura dos filmes, ganha também o meio
certificadas pelo FSC ambiente, já que mais rótulos de menor espessura significam
(Forest Stewardship menos material descartado, e redução de gasto de energia
Council, entidade que com transporte, pois são levadas mais unida-
BIODEGRADÁVEL atesta o manejo sus- des por bobinas carregada. É, em suma,
Linha NatureFlex, da tentável de materiais um ótimo exemplo de que ser ambiental-
Innovia Films, ficou maior
derivados de madeira). mente melhor não significa necessaria-
Além do apelo da degradação, o filme NVLW mente gastar mais. Vale a lógica de
é ideal para atividades que desejam ter toda a que desperdício, seja de material,
cadeia certificada. de energia ou de tempo, equivale,
Certificações da cadeia de custódia tam- invariavelmente, a recursos mal
bém foram obtidas pela UPM Raflatac, gigan- utilizados.
DELGADO
FOTOS: DIVULGAÇÃO

te finlandesa no fornecimento de substratos Espessura Avery Dennison


auto-adesivos. Além do selo FSC, a empresa menor garante www.averydennison.com.br
mais metros de (19) 3876-7600
anunciou ter obtido a certificação de outra filme por bobina
entidade importante, a PEFC (Programme for

58 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


INTELIGENTES E DIDÁTICAS
4
Questão de tempo
Empresa inglesa usa processo mecânico em etiqueta que controla validade

N
ão se pode acusar os britânicos Pela sua estrutura, o acessório pode ser Timestrip
de falta de criatividade. Durante a adesivado e colado nas embalagens, ou incor- www.timestrip.com
+ 44 870 220 0549
Labelexpo, a Timestrip apresentou porado em tampas, por exemplo. Por dispen-
uma etiqueta inteligente capaz de sarem componentes eletrônicos e compartilha-
alertar os consumidores sobre prazos expira- rem ganhos de escala com qualquer utilização
dos e exposição a temperaturas impróprias. do sistema, a empresa diz que as etiquetas têm MOVIDA A ÓLEO
Até aí, nenhuma novidade. A inovação fica custo bem inferior ao de outras alternativas. Etiqueta inteligente sem
componentes eletrônicos
por conta do mecanismo de funcionamento
dos smart labels. As etiquetas trazem um
líquido colorido (um óleo comestível) encap-
sulado, que inicia um processo controlado de
migração por uma membrana especial, após
a ativação dos tags com o pressionar de um
botão (ver esquema).
O controle das propriedades da membrana
permitem à Timestrip administrar prazos de
validade que podem variar de minutos a perío-
dos de até um ano. Dependendo das carac-
terísticas do desenvolvimento, as etiquetas
atuam em faixas determinadas de temperatura,
permitindo o monitoramento das condições a
que certo produto foi exposto. Como o líquido
está protegido antes do acionamento, sendo
insensível à variação de temperatura, não há
necessidades especiais de armazenamento.

Será que agora vai?


Empresa alemã anuncia tecnologia que pode agilizar aplicação de chips em RFID
Eterna promessa nas feiras de continua a avançar, mas com produção dos tags UHF, batiza-
rotulagem, o RFID (sigla para o mesmo passo de tartaruga do RF-LoopTag. Trata-se de uma
Radio Frequency Identification) com que recuam os preços dos tecnologia que facilita a coloca-
seus chips – um dos ção de chips numa antena UHF
entraves para a viabi- secundária, graças à tolerância
lização da tecnologia. maior no posicionamento desses
Entre aqueles que e também aos adesivos não-
continuam apostando condutivos usados no processo
firme na consolida- de produção dos inlays ou das
ção das etiquetas etiquetas UHF.
inteligentes dotadas
de chip está a alemã Bielomatik
www.bielomatik.com
FOTOS: DIVULGAÇÃO

Bielomatik, que anun- No Brasil: Comprint


ciou na Labelexpo um www.comprint.com.br
novo conceito para a (11) 3371-3371

60 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Desde a sua fundação, em

1984, a Colacril se orgulha

de ter contribuído para a


100% pontualidade
brasileira
consolidação e o
na entrega
crescimento do mercado de

auto-adesivos no Brasil.

Com investimentos

constantes em tecnologia,

seja em equipamentos,

seja em capital intelectual,


investimento
a Colacril sempre esteve à constante
frente das evoluções

do segmento.

Fincada em parcerias com


visão
de futuro
fornecedores de primeira

linha, a empresa, nascida


respeito ao

em Ribeirão Preto (SP), hoje


ambiente
produz em sua moderna
amplo leque de
fábrica de 50.000m² na cidade
produtos
de Campo Mourão (PR)

mais de 100 itens

dirigidos às mais diversas

aplicações, e exporta

para mais de vinte países

espalhados pelos quatro


regularidade
cantos do mundo. no fornecimento

www.colacril.com.br • colacril@colacril.com.br • + 55 (44) 3518-3500


Mercado maduro
Heidelberg do Brasil cria setor de acabamento de embalagens e presidente
diz como a empresa se prepara para atender a crescente demanda do setor

P
residente da Heidelberg do Brasil há sete
anos, o alemão Dieter Brandt é um observador
privilegiado do mercado de embalagens. Sua
empresa fabrica equipamentos gráficos usados
na produção de cartuchos cartonados que acondicionam
diversas marcas de medicamentos e cosméticos, dentre
outros produtos. Atento ao crescimento da demanda, ele
acaba de criar na companhia uma área de acabamento de
embalagens. Na entrevista a seguir, Brandt, que começou
na Heidelberg em 1980, passou pela subsidiária mexicana
na década de 1990, e desde 2001 é responsável pela ope-
ração da empresa em toda América do Sul, comenta as
perspectivas do mercado brasileiro de conversão de emba-
lagens cartonadas, além de adiantar os planos da empresa
para a Drupa 2008, considerado o principal evento do
mercado gráfico mundial.

FOTOS: DIVULGAÇÃO
Por que a Heidelberg do Brasil está investindo num depar-
tamento de acabamento de embalagem?
Nosso último relatório anual mostra claramente que a área
de embalagem representa importantes oportunidades para a
empresa crescer além do mercado tradicional de impresso- que aquele é um produto original. Um exemplo são as
ras planas. Mundialmente, o mercado de embalagem tem a tintas reativas. No mercado de cosméticos há cada vez
ver com um foco em serviço, peças e consumíveis. Temos mais aplicações com tintas especiais, efeitos metalizados
grande expectativa de crescimento mundial nesse setor. e vernizes mais sofisticados com aplicações localizadas.
Nos mercados emergentes a demanda já está crescendo Aliados a uma pressão por custos cada vez maior, esses
num ritmo muito grande. O mercado de cosméticos e pro- fatores têm exigido máquinas cada vez mais rápidas nas
dutos de beleza do Brasil já é o terceiro do mundo, atrás trocas de um serviço para outro. Estamos oferecendo aqui
apenas de Japão e Estados Unidos. Independentemente a mesma qualidade experimentada pelo gráfico que impri-
da classe social, as brasileiras consomem volumes muito me na Alemanha ou nos Estados Unidos. Tudo isso requer
grandes de produtos de beleza. O mercado de produtos far- controle do fluxo de trabalho, de cor e de qualidade.
macêuticos, puxado pelos medicamentos genéricos, tam-
bém vem crescendo muito rapidamente no Brasil. Tudo O que está sendo apresentado para os convertedores de
isso indica que precisamos ter uma estrutura adequada ao embalagem no Brasil?
atendimento dessas demandas. Demonstramos pela primeira vez uma solução inteira
baseada num de nossos equipamentos, uma XL 105 seis
Quais as grandes tendências em acabamento de embala- cores mais verniz. O pacote contém pré-impressão, CtPs e
gens cartonadas? fluxo de trabalho. Também estamos investindo em máqui-
Como ocorre nos mercados maduros, também aqui nota- nas de acabamento e de fechamento dos cartuchos. Temos
mos que o consumidor e o cliente exigem embalagens diferentes opções. Para o mercado farmacêutico a máquina
cada vez mais sofisticadas. Por outro lado, hoje a indústria standard hoje é a CD 74. Inauguramos um novo prédio na
de embalagens enfrenta o problema da falsificação de fábrica da Alemanha com 35 000 metros quadrados, para
produtos. Estamos trabalhando forte para fornecer emba- um equipamento de embalagem que na próxima Drupa
lagens que indiquem imediatamente para o consumidor será um de nossos principais lançamentos. Queremos

62 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


entrar no mercado de embalagens de grandes volumes e máquinas oito cores anos atrás, havia poucas tintas disponí-
grandes formatos. veis no mercado, e com um custo bem mais elevado do que
atualmente. Hoje a tinta para a máquina oito cores é uma
Cada vez mais se ouve falar na fragmentação das tiragens. tinta standard. Acho que a mesma coisa vai acontecer com a
Qual a estratégia da empresa diante disso? tinta usada na tecnologia Anicolor.
Estamos lançando na América Latina
uma máquina nova, a Anicolor. Ela “O setor de A empresa tem planos para a
permite que uma máquina standard impressão de filmes?
como a Speedmaster 52 imprima embalagens abriu Essas novas máquinas também
com um sistema de entintagem com imprimem em filme plástico. Hoje
o qual o gráfico utiliza arquivos de
pré-impressão padronizados. Assim
importantes cerca de 80% do nosso negócio está
concentrado nos mercados de papel
é possível imprimir em baixas tira- e cartão. Mas cada vez mais clien-
gens com um custo muitíssimo
oportunidades para a tes querem imprimir em materiais
interessante. Isso porque as perdas alternativos como filmes plásticos.
são muito pequenas e as chapas de empresa crescer além do São clientes que imprimem com
impressão utilizadas são as mesmas máquinas customizadas. Esse tipo
de uma máquina normal. Com a tec- mercado de impressoras de negócio nos interessa muito.
nologia Anicolor também é possível
imprimir sobre diferentes substra- planas. A indústria Como o senhor avalia o mercado
tos. A flexibilidade é muito grande. de rótulos?
O público-alvo dessa tecnologia é É um mercado tradicionalmente
formado por gráficos que tenham
brasileira de cosméticos, importante, no qual há diferentes
máquinas digitais e procuram redu- segmentos. Existem as grandes
ção dos custos. Por outro lado, grá- por exemplo, tiragens, onde há grande pressão
ficos que tenham máquinas de folha por custos. Para atender esse nicho,
inteira e que precisam, por exemplo, já é a terceira temos que fornecer novas soluções,
imprimir a capa de uma revista, tam- como a linha XL, que imprime
bém podem se beneficiar. É uma maior do mundo” até 18 000 folhas por hora. Temos
alternativa interessante para quem clientes que chegam a imprimir 90
quer atuar em nichos de mercado. milhões de folhas em um ano. Máquinas tradicionais
chegam a 50 milhões no máximo. O aumento de produti-
A impressão digital costuma ser criticada pelo custo dos vidade é muito grande. Por outro lado temos rótulos muito
insumos. Existe esse problema na tecnologia Anicolor? sofisticados. Também nesse mercado estamos atuando.
É necessária uma tinta especial, mas acreditamos que seu Temos tecnologia para imprimir sobre uma lâmina de cold
custo vá cair ao longo do tempo. Quando lançamos as foil, por exemplo.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

Tintas, efeitos e vernizes especiais protagonizam tendências perseguidas pelo recém-criado setor de acabamento de embalagem da Heidelberg

64 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Edição: Leandro Haberli

FOTOS: DIVULGAÇÃO
Revigoração I
Tradicional fabricante de impres- Bons resultados com kit promocional
soras flexográficas para a indústria Estrutura cartonada unitiza porta-pote e embalagens de margarina
de embalagens, a brasileira Feva
divulgou um comunicado afirmando A Sadia está comemorando os KlaFold FZ 378 com gramatura de
que está se revigorando “depois de bons resultados de sua mais 378g/m², da Klabin. A novidade foi
dois anos conturbados”. “Eram mui-
recente embalagem promocional distribuída no Estado de São Paulo
tos os fatores que coincidiram para
que a empresa passasse por este de margarinas. A empresa e na região Sul. Com uma
problema transitório”, diz Rubem ofereceu em edição alça na tampa, o porta-
Novaes, porta-voz da companhia. limitada um kit con- pote tem acabamento
Entre esses fatores, ele conta que tendo dois potes em alto relevo com a
há dois anos um grande cliente do
de margarina Qualy marca Qualy.
exterior “sustou um contrato de
parceria”. de 500 gramas e, Ibratec
como brinde, um (11) 4772-8277
Revigoração II porta-pote plásti- www.ibratecgrafica.com.
A empresa também teria tido pro- co. Uma estrutura br
blemas com recursos retidos no
de papel cartão Klabin
Banco Santos. “Aliado a isso, com
o dólar mais baixo, diminuíram as produzida pela grá- (11) 3046-5800
exportações”, completa Novaes. fica Ibratec serviu www.klabin.com.br
A anunciada volta por cima é de solução de uniti-
baseada, entre outros fatores, na zação dos produtos. Qualy: porta-pote
entrega de “quantidade expressiva conjugado e luva cartonada
O cartão utilizado é o
de máquinas tanto para clientes
brasileiros como de outros países,
como México, Nigéria, Venezuela e
Rússia”. “A previsão é que a empre- Entre as melhores do mundo
sa consiga se equilibrar por com-
pleto em dezoito meses”, adianta
Impressão digital da Mack Color leva prêmio da HP global
Novaes.
Conseguir se destacar entre as do às gráficas que imprimem com
Novo CEO maiores empresas convertedoras equipamentos da linha HP Indigo.
Depois de quase dez anos à frente de rótulos de todos os continen- A Mack Color venceu na categoria
da superintendência da fabricante tes é uma tarefa difícil. Mas foi Cosméticos (eram dez categorias
de papel cartão Papirus, Antonio justamente o que a Mack Color divididas por segmentos de mer-
Claudio Salce foi nomeado CEO
conseguiu durante a realização de cado), com os rótulos do xampu
da empresa. Químico Industrial,
ele atua no setor de celulose papel Labelexpo, em Bruxelas, no final de Empório Bothânico, da Driss
desde 1969. Fundada há 55 anos, a setembro (ver reportagem na pági- Cosméticos.
empresa continua com seu conselho na 48). Foi lá que a HP anunciou Mack Color
de acionistas presidido por Dante os vencedores do Customers Label (11) 6195-4499
Ramenzoni.
Awards, prêmio internacional dirigi- www.mackcolor.com.br
Provas digitais
A EskoArtwork, conhecida por seus
equipamentos e softwares de pré-
produção de embalagens, e a divisão
de filmes plásticos da ExxonMobil
Chemical anunciaram uma solução
para assegurar a precisão das cores
nos processos de impressão digital
de rótulos. Incluindo o Esko Software
Suite 7, programa de gerenciamen-
to de cores e fluxo de trabalho, e
o filme Digilyte, da ExxonMobil, o
pacote permite conferir detalhes da
impressão antes que os trabalhos
sejam rodados.

66 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Fim de atividades...
Rótulos ambientalmente amigáveis A queda na rentabilidade e no fluxo
de caixa nas plantas de Ascoli, na
Frontal de filme biodegradável diz alô ao mercado nacional Itália, e de Chantraine, na França,
poderá levar a finlandesa Ahlstrom
Cada vez mais comuns em emba- na sigla em inglês) e pelo PEFC
a encerrar ou vender as duas uni-
lagens cartonadas, as certificações (Programme for the Endorsement of dades. A companhia iniciou uma
ambientais que atestam manejo Forest Certification). Compostável, análise das operações naqueles
florestal adequado também come- o filme se degrada em aproximada- mercados para determinar qual a
viabilidade de manter as duas fábri-
çam a aparecer nos rótulos. Grande mente dezesseis semanas depois
cas de papéis de embalagem e eti-
fabricante de bases auto-adesivas, de descartado. Segundo a empresa, quetas, que juntas têm capacidade
a Avery Dennison anunciou o lança- a característica pró-ambiental não de produção estimada em 100 000
mento do “primeiro compromete a aparên- toneladas anuais.
produto auto-adesivo cia ou o acabamento,
...segue tendência
do Brasil com frontal uma vez que o Bio A possibilidade de encerrar a produ-
feito em filme biode- Filme passa por tra- ção na Europa segue tendência de
gradável”. Trata-se do tamento de superfície revisão de operações das empresas
Fasson Bio Filme TC/ destinado a assegurar de papel e celulose no hemisfério
Norte. Outros países, como Estados
S0250/62g. À base qualidade gráfica e alta
Unidos e Canadá, também são víti-
de celulose, o produ- transparência (efeito mas do aumento dos custos e da
to é obtido a partir de “no-label look”). dificuldade em competir com pro-
florestas certificadas Avery Dennison dutos desenvolvidos em mercados
como o brasileiro e o asiático.
pelo Conselho de (19) 3876-7600
Frontal da Avery Dennison se
Manejo Florestal (FSC, desintegra em poucas semanas www.fasson.com.br Vendas em alta
O setor de papelão ondulado encer-
rou o terceiro trimestre de 2007 com
vendas de 1 694,5 mil toneladas. O
crescimento foi de 4,7% em relação
Uma gigante na área das cartonadas a igual período de 2006 (1 618,5
mil toneladas). Os números são da
Máquina com 250 metros de comprimento estréia na Klabin ABPO – Associação Brasileira do
Papelão Ondulado.
Começou a operar na unida- para 1,1 milhão de toneladas/ano.
de Monte Alegre, em Telêmaco A tecnologia foi desenvolvida Artecola compra
Borba (PR), a nova máquina de pela Voith, e tem 75% de seus O Grupo Artecola, com sede em
papel cartão da Klabin. Segundo equipamentos e peças produzi- Campo Bom (RS), anunciou a aqui-
a empresa, trata-se do mais dos no Brasil. O investimento foi sição de 54% da empresa Surna,
fabricante mexicana de adesivos.
moderno equipamento do gênero de 2,2 bilhões de reais. Com o negócio, o grupo brasileiro
do mundo. Com capacidade de Klabin completa a compra de cinco novas
350 000 toneladas/ano, a máqui- (11) 3046-5800 plantas em um ano no Chile, Peru,
na tem 250 metros de compri- www.klabin.com.br Argentina, Brasil e México. O valor
do negócio não foi divulgado.
mento e sete metros de largura Voith
de tela. Com ela, a capacidade No Brasil: (11) 3044 4088 Tour gráfico
de produção da fábrica passou www.voith.com A MAN Ferrostaal reuniu profissio-
nais gráficos em São Paulo para
mostrar suas tecnologias adequadas
Equipamento pode produzir até
350 000 toneladas/ano de papel cartão à produção de pequenas e médias
tiragens. Foram destacados equi-
pamentos das fabricantes Ryobi,
entre eles o modelo 784 E, que conta
com colocação semiautomática de
chapas e ajuste de registro vertical,
lateral e diagonal, e Horizon, espe-
cializada em linhas de acabamento.
FOTOS: DIVULGAÇÃO

O evento incluiu visitas às gráficas


Igupe e Input.

novembro 2007 <<< EmbalagemMarca <<< 67


inovação >>> higiene oral

Dilema

AÇÃO
FOTOS: DIVULG
encapsulado
Bala, higienizador e remédio
de uma só vez (também na
embalagem), aromatizante
bucal vai ganhando evidência

B
alas, dropes e chicletes refrescan- to por jovens”, DECOTE
tes situam-se numa espécie de explica a execu- Área vazada na
zona mista em termos de conceito tiva. “Mas esta- extremidade da luva
permite visualização de
mercadológico. Se não parece per- mos recebendo cápsula contida no blister
tinente classificá-los como alimentos, também uma resposta muito boa de diferentes perfis
soa esquisito taxá-los de itens de higiene de consumidor, como executivos e donas-de-
pessoal (apesar da alegada ação dentifrícia casa.”
de alguns deles) ou de medicamentos, como A embalagem cartonada do Bonicaps é
intencionam os laboratórios – hoje donos de produzida pela Gráfica Gonçalves. De bolso e
muitas marcas fortes em guloseimas. Desse própria para gancheiras dispostas no checkout
cenário indefinido brotou o aromatizante de drogarias, a luva de papel cartão tem visual
bucal, novidade que vem conquistando suces- azulado, em sintonia com a cor do aromati-
so no mundo e no Brasil com propostas varia- zante. Também conta com um pequeno vaza-
das de produto e de embalagem. O Bonicaps, do na parte frontal, que facilita a retirada do
desde maio no mercado nacional, exemplifica blister e ao mesmo tempo permite visualizar
a situação. uma das doze cápsulas.
Isento de açúcar e com aroma de menta,
o produto não tem efeito medicinal. Mas é Proteção e adequação
fabricado por um laboratório, o Boniquet, e se A Boniquet prefere não revelar o nome do
apresenta na forma de cápsulas de revestimen- fornecedor dos blisters utilizados, mas expli-
to fino e gelatinoso, típicas de remédios. Doze ca que a idéia de embalar individualmente
dessas “bolinhas” são acondicionadas em um as cápsulas surgiu da necessidade de deixá-
blister aluminizado, como os de comprimidos. las frescas e protegidas por mais tempo. A
Por sua vez, o blister, em contraste, é acomo- escolha da embalagem também levou em
dado numa luva de papel cartão cujo projeto consideração a adequação aos preços de balas
gráfico combina características de embalagens e chicletes – curiosamente considerados con-
de itens de higiene oral e de candies. correntes indiretos pela fabricante –, além
“Ao refrescar o hálito de forma instantâ- das variações de temperatura e de umidade
nea e moderna, os aromatizantes bucais em verificadas nos pontos-de-venda e durante os
cápsulas estão atraindo cada vez mais con- processos de distribuição e armazenagem.
sumidores nos Estados Unidos e na Europa”, De origem espanhola, a Boniquet chegou
comenta Flávia Mello, gerente comercial da ao Brasil em 2002. O laboratório também vem
Boniquet. No Brasil, ela diz, não tem sido se destacando pela fabricação de cremes den-
diferente. O produto já é distribuído nacional- tais para marcas próprias do varejo. Por sinal,
Gráfica Gonçalves
mente e estaria apresentando “altos índices de os cartuchos e displays desses produtos tam- (11) 4689-4700
recompra”. “Nosso target principal é compos- bém são fornecidos pela Gonçalves. (LH) www.goncalves.com.br

68 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


artigo >>> temas estruturais

Há limite para inovar?


Se não houver metodologia, é necessário ter cautela em produtos inovadores
Por Victor Basso*

N
um dos recentes congressos sobre de um produto” (Lógica dos Mercados, P.
embalagens a que assisti, 80% dos Belohlavek, 1999). Os três exemplos da figura
oradores vincularam o título de sua mostram a inovação de Forma, Funcionalidade
dissertação ao tema da inovação. e Essência. Portanto, já que vivemos em um
Na verdade, é quase impossível desvincular o coro de vozes que nos incitam a inovar obriga-
“packaging” definido como ciência que estuda toriamente, é preferível lembrar que:
as embalagens ao tema da inovação. É natural,
já que o mercado compete mostrando novas Muitas empresas se tornaram grandes ao
tecnologias, fruto da capacidade de inovar e montarem equipamentos com componentes
criar. Mas acredito que, em alguma medida, da geração anterior à última, pois eram mais
estamos exagerando, e pretendo definir os limi- confiáveis e homologados
tes de minha discordância. Os compradores realmente inovadores são
Nada tenho contra a inovação. A rigor, ino- apenas 5% no início do ciclo de vida de
var é o que tenho feito nos últimos 35 anos de produto
atuação no universo do packaging, mas essa é Os primeiros automóveis eram vendidos
uma atitude que pode se dar de muitas manei- como carros nos quais os cavalos eram subs-
ras diferentes. Poucas são eficientes. É o caso tituídos por um motor, pois o público não
de perguntar: Existe um limite para a tarefa de sabia o que era, na verdade, um automóvel
inovar? Qual é esse limite? Uma embalagem tão inovadora quanto o
Sabemos que o excesso em qualquer virtu- “blister-pack” demorou cerca de vinte anos
de a torna um vício, e essa é a razão por que a para ir da Europa aos Estados Unidos
prudência se coloca acima de todas as virtudes Algumas invenções de Leonardo da Vinci
e todos os dons. A definição dos limites da demoraram séculos para ser compreendidas,
inovação envolve tantas variáveis e conceitos e é razoável acreditar que ninguém quer que
que pode ser estabelecida como um problema isso aconteça com seu produto
complexo, ou seja, aquele no qual as relações
causais, se existirem, não são lineares e prede- Vender inovação não é fácil nem rápido,
terminadas. e quanto maior for o grupo de participantes
“A inovação pode ser definida como uma numa ação inovadora, mais difícil será. Deve-
mudança na essência, na função e na forma se considerar que a introdução de um novo
ILUSTRAÇÃO: JOSÉ HIROSHI TANIGUTI / BLOCO DE COMUNICAÇÃO

Produto Funcionalidade Essência

Mudança de um produto, segundo a Lógica dos Mercados, de P. Belohlavek

70 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


produto/embalagem com base na inovação a) Colocou parte de sua propriedade
precisa contar com a necessária capacidade de intelectual para venda ou troca, através de
influenciar o meio em que se pretende atuar. novos mecanismos de relacionamento. Com
Além disso, é fundamental que exista grande isto faz líquido um enorme ativo que tem cus-
necessidade do produto/embalagem para ace- tos de manutenção.
lerar o prazo para sua introdução. Fazer ino-
vações sem capacidade de influenciar o meio b) Conseguiu atingir a meta que os 35%
leva em si o risco de que a iniciativa não con- de seus novos desenvolvimentos foram fei-
quiste massa crítica e seu idealizador termine tos por pessoas fora de seu staff. Os sites:
como “inventor de garagem”. A influência Innocentive.com e yet2.com; conectam aos
é alta quando os atributos da marca, em seu “seekeers” buscadores de tecnologias com os
segmento, tornem crível e viável a novidade “solvers” solucionadores, ou seja, científicos,
apresentada. inventores e pessoas que possuem um “know
Quando há muita incerteza com respeito how”. Muitos aposentados conseguem hoje
à mudança a ser produzida, normalmente esta ingressos adicionais desta maneira.
não se concretiza. É necessário alinhar muitas
vontades para poder avançar. O que resta às Neste mundo competitivo e globalizado, a
empresas é a possibilidade de influenciar as figura das empresas segurando contra o peito
necessidades, demonstrando as vantagens da todos seus “segredos industriais” está mudando
inovação e fazê-lo utilizando os atributos da para a empresa que se arrisca a um jogo mais
marca. aberto de intercâmbio de informação, com par-
Observa-se que uma inovação que o mer- ceiros eventuais, espalhados pelo mundo.
cado possa assimilar com rapidez, obviamente
será mais viável que as de assimilação mais Enquanto sabemos que a inovação é o
complicada. Por isso, quanto mais intuitiva for caminho do futuro para quase todas as ativi-
sua funcionalidade e mais fácil a explicação de dades, somos muitos os que ainda temos que
“como funciona”, mais sucesso ela terá. aprender: como fazer inovação adequada e
Temos que salientar as novas formas de eficientemente.
inovar através da colaboração. A empresa ame-
ricana P&G, proprietária de 27.000 patentes, (*) © Copyright Victor Basso Consultoria Ltda.
esta fazendo inovação com o novo paradigma: www.victorbasso.com
Anunciante Página Telefone Site
Abal 65 (11) 5904-6450 www.abal.org.br
Abeaço 4ª capa (11) 3842-9512 www.saudenalata.com.br
Alcoa 19 0800 123 727 www.alcoacsi.com
Ápice 27 (11) 4221-7000 www.apice.ind.br
BIC Label 75 0800 260 434 www.biclabel.com.br
Bluestar Silicones 2ª capa (11) 3747-7887 www.bluestarsilicones.com
Braga 57 (19) 3897-9720 www.braga.com.br
Brasil Multimídia 73 (11) 5678-7798 www.brasilmultimidia.com.br
Catuaí Print 37 (43) 3552-1186 www.catuaiprint.com.br
CCL Label 69 (19) 3876-9300 www.ccllabel.com.br
CIV 7 (81) 3272-4484 www.civ.com.br
Cobrirel 11 (11) 6291-3155 www.cobrirel.com.br
Colacril 61 (44) 3518-3500 www.colacril.com.br
Comprint 53 (11) 3371-3371 www.comprint.com.br
Easy Pack 11 (11) 4582-9188 www.easypack-brasil.com.br
Emibra 35 (11) 4748-2199 www.emibra.com.br
Emplal 31 (11) 4186-9700 www.emplal.com.br
Frasquim 13 (11) 6412-8261 www.frasquim.com.br
Gumtac 49 0800 260 434 www.gumtac.com.br
Ibema 3 (42) 3220-7400 www.ibema.com.br
Imaje 33 (11) 3305-9455 www.imaje.com.br
Indexflex 41 (11) 3618-7100 www.indexflex.com.br
inLab Design 13 (11) 3088-4232 www.inlabdesign.com.br
Itap Bemis 15 (11) 5516-2000 www.dixietoga.com.br
Loop 11 (11) 3404-6700 www.loop.ind.br
Markem 37 0800 13 2020 www.markem.ind.br
Metalgráfica Renner 23 (51) 3489-9700 www.metalgraficarenner.com.br
Moltec 9 (11) 5523-4011 www.moltec.com.br
Nelxon 51 (19) 3542-0909 www.nelxon.com.br
Novelprint 13 (11) 3768-4111 www.noveltech.com.br
Plastimagen 43 +52 (55) 1087-1650 www.plastimagen.com.mx
Plex 59 (41) 3398-2033 www.plexadesivos.com.br
Propack 11 (11) 4785-3700 www.propack.com.br
Qualy Print 9 (11) 4071-1782 www.qualyprint.com.br
Rio Polímeros 5 (21) 2157-7777 www.riopol.com.br
Set Print 9 (11) 2133-0007 www.setprint.com.br
Simbios-Pack 13 (11) 5687-1781 www.simbios-pack.com.br
SPL Dessecantes 9 (11) 2119-1230 www.spldessecantes.com.br
StarLaser 55 (11) 3365-3890 www.starlaser.com.br
Starpac 47 (11) 6480-4046 www.starpac.com.br
Suzano Papel e Celulose 63 0800 722 7008 www.suzano.com.br
Technopack 55 (51) 3470-6889 www.technopack.com.br
Tetra Pak 21 (11) 5501-3205 www.tetrapak.com.br
Wheaton 17 (11) 4355-1800 www.wheatonbrasil.com.br

72 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007


Almanaque
Francisca, mulata sessentona Gotas no mar
Lançado em 1942 e sinônimo de sor- no Rio de Janeiro (onde ficava a fábri- Quando fez 200 anos, em 1959, a
vete de chocolate, o Chicabon com- ca), chamada Francisca, a “Chica”, cerveja Guinness, hoje pertencente
pleta 65 anos. Inicialmente, a marca cuja beleza o encantava. à Diageo, adotou uma criativa ação
era produzida pela U.S. Harkson do Ao longo dos anos, Chicabon passou de marketing para marcar a data:
Brasil, que adotava o nome fantasia por diversas modificações, no visual 150 000 garrafas foram jogadas em
de Sorvex-Kibon. A assinatura Kibon e no sabor. Para marcar os 65 anos diversos pontos do Oceano Atlân-
passou a integrar as embalagens ape- do sorvete, a fórmula original, de tico. A ação durou seis semanas e
nas em 1950. Diz a lenda que o nome chocolate e malte, foi ressuscitada e envolveu 38 embarcações. Dentro
Chicabon foi uma homenagem de embalagens comemorativas acabam das garrafas havia um rótulo doura-
John Kent Lutey, dono da Harkson, a de ser criadas pela Matriz Escritório do comemorativo, um livreto con-
uma mulata do Morro da Mangueira, de Desenho. tando a história da Guinness, instru-
ções de como transformar a garrafa
em uma luminária e um vale para
trocar por uma caixa de cerveja,
além de informações sobre o navio
que lançou a garrafa. Batizadas de
garrafas-gota, as embalagens não
eram rotuladas. Em alto relevo havia
a inscrição: “1759-1959. Garrafa-gota
especial (Oceano Atlântico) para
celebrar e comemorar o bicentená-
1956 1959 1970 1975 1985 1993 rio da Guinness”. A empresa garan-
te que ainda há vasilhames à deriva.
A expectativa dos fãs da Guinness
é grande, pois a cervejaria promete
outra grande ação em 2009, quando
a marca completa 250 anos.
Agradecimento: Eduardo Lima, do
blog baresefutilidades.blogspot.com
FOTOS: DIVULGAÇÃO

1997 1999 2002 2004 2007

Bombril de americano
WD-40 nasceu nos Estados Unidos em tentativa. Não demorou muito para
1953, inicialmente concebido para uso os funcionários perceberem que o
em mísseis da NASA e na fuselagem produto tinha “1001 utilidades”, como Inscrição em relevo identificava
garrafa comemorativa, que
de aeronaves, como protetor contra a famosa lã de aço brasileira: limpava
trazia rótulo como brinde
a ferrugem. O nome WD-40 vem de quadros negros, conservava artigos de
water displace- couro, removia cola-tudo e adesivos,
ment (dispersor matava baratas e, claro, tirava ferru-
de água, em gem. O WD-40 se tornou um sucesso
inglês), e do nos EUA quando começou a ser ven-
número relativo dido em aerossol, em 1958. Segundo
ao alcance do a WD-40 Company, a composição do
êxito da fórmula, produto só é conhecida por três execu-
que só ocorreu tivos da empresa e permanece inaltera-
na quadragésima da desde sua invenção.

74 >>> EmbalagemMarca >>> novembro 2007