Você está na página 1de 51

Ano V • Nº 44 • Abril 2003 • R$ 6,00

www.embalagemmarca.com.br

A palavra de
ordem em
embalagens
é inovar e
surpreender

CORTE A LASER SUBSTITUI FACAS PARA RÓTULOS • A VOLTA DO CELOFANE


Um campo para a criatividade
P aíses desenvolvidos
têm, dentre outros,
um ponto em comum: le-
quedos é coisa de enge-
nheiro especializado.
No Brasil ainda não se
ção, de autoria de Leandro
Haberli, passados certos
equívocos cambiais e co-
vam tudo a sério – até brin- chegou a tanto. Por falta de merciais postos em prática
quedos, para repetirmos capital ou por comodismo, em anos recentes, há cam-
um clichê jornalístico. sempre foi mais fácil co- po para que também nessa
Muito cedo os empresários piar ou importar o produto área o país se fortaleça.
das terras onde a Revolu- pronto, ou seu molde. Isso Isso é válido sobretudo
ção Industrial se efetivou vale para incontáveis seg- para as embalagens, que
perceberam que fornecer mentos industriais, mas começam a mostrar certo
produtos para povoar a falemos de brinquedos. aquecimento no segmento.
imaginação das crianças São até compreensíveis a Talvez mais do que em
era um excelente negócio. falta de investimentos em qualquer outra categoria
Assim, desenvolveram po- pesquisa e o modesto do- de produto, a produção de
derosas indústrias que pas- mínio da tecnologia neces- embalagens para brinque-
Por comodismo ou saram a fabricar em série sária para criar brinquedos dos abre imenso campo
por falta de capital, jogos, réplicas e miniatu- capazes de competir com o para o design, para a tão
sempre foi mais ras de artigos existentes que é pirateado ou vem de decantada criatividade bra-
em “tamanho real” no dia- fora, em parte legalmente, sileira.
fácil importar
a-dia das pessoas. O negó- em parte por contrabando. Até maio.
brinquedo pronto, cio era e é tão bom que, em Mas, como mostra a repor-
ou seu molde países ricos, projetar brin- tagem de capa desta edi- Wilson Palhares
abril 2003
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

Reportagem

6 DEPOIMENTO:
LUCIANA PELLEGRINO
Diretora executiva da
22 METÁLICAS
Prada entra no
mercado de pescados
redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
flavio@embalagemmarca.com.br
Guilherme Kamio
Abre relata o que e espera ampliar guma@embalagemmarca.com.br
aconteceu no Packaging negócios fora do país Leandro Haberli
Strategies, em São leandro@embalagemmarca.com.br

Francisco (EUA).
24 MATERIAIS
Fabricante belga
de filmes aposta
Colaboradores
Josué Machado e Luiz Antonio Maciel
Diretor de Arte
Carlos Gustavo Curado

12 MARCAS
Unilever cria grande
marca de alimentos com
na revalorização
do celofane
arte@embalagemmarca.com.br

Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
unificação das
tradicionais Cica e Knorr 28 MÁQUINAS
Laser surge como
alternativa às facas
Eunice Fruet (Diretora Financeira)
Departamento Comercial
comercial@embalagemmarca.com.br
de corte de rótulos Wagner Ferreira

14 CAPA
Sem mágicas
ou brincadeiras,
e etiquetas Circulação e Assinaturas
Marcella de Freitas Monteiro
assinaturas@embalagemmarca.com.br
Assinatura anual: R$ 60,00
fabricantes de
brinquedos Público-Alvo
EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais que
retomam ritmo ocupam cargos técnicos, de direção, gerência
de lançamen- e supervisão em empresas fornecedoras, con-
vertedoras e usuárias de embalagens para ali-
tos e investem mentos, bebidas, cosméticos, medicamentos,
cada vez materiais de limpeza e home service, bem
como prestadores de serviços relacionados
mais em com a cadeia de embalagem.
novas apresen-
Tiragem desta edição
tações nas
gôndolas 30 PERSONAL CARE
Para aumentar margens,
indústria de sabonetes
7 500 exemplares
Filiada ao

investe no segmento

20 MEMÓRIA
Coleção de brinquedos
de sabonetes líquidos

antigos mostra evolução


da indústria no setor 48 IMAGEM
Para crescer em nichos
de maior valor agrega-
Impressa em
Couché Mate 150 g/m2
da Suzano (capa)
do, Votorantim muda e Couché Mate120 g/m2
padrão de embalagens da Suzano (miolo)
de cimento
Impressão: Congraf

34 Especial: BrasilPlast 42 Painel gráfico: Fiepag


EMBALAGEMMARCA é uma publicação
Setor plástico apresenta novi- Novidades do setor, da criação ao mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
dades durante feira em São Paulo acabamento de embalagens Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
Antonio - CEP 04718-040 • São Paulo, SP

38 Panorama 44 Display
Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
FOTO DE CAPA: STUDIO AG

www.embalagemmarca.com.br
Movimentação na indústria de Lançamentos e novidades – e
O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
embalagens e seus lançamentos seus sistemas de embalagem resguardado por direitos autorais. Não é permi-
tida a reprodução de matérias editoriais publi-
40 Estratégia 50 Almanaque cadas nesta revista sem autorização da Bloco
de Comunicação Ltda. Opiniões expressas em
Grupo MBP instala-se no Fatos e curiosidades do mundo matérias assinadas não refletem necessaria-
condomínio da Clariant das marcas e das embalagens mente a opinião da revista.
Packaging Strategies 2003

Clima de otimismo
Uma vez por ano, a empresa sença de Luciana Pellegrino, mento em que o Brasil se esfor-
norte-americana Packaging diretora executiva da Abre – As- ça para aumentar suas exporta-
Strategies, especializada no es- sociação Brasileira de Embala- ções. Quando se preparava para
tudo de tendências mundiais em gem, que esteve lá conferindo as embarcar para Pequim, com a
embalagens, realiza um seminá- informações. bagagem já encaminhada, Lu-
rio que reúne empresários e Dos Estados Unidos, Lucia- ciana foi informada do cancela-
executivos de empresas fabri- na seguiria para a China, para mento do evento, devido à
cantes e usuárias do setor, vin- representar a Abre na Packtech “pneumonia asiática” que a-
dos do mundo inteiro, para dis- & Foodtech/Sial, que se realiza- meaçava aquele país. Na véspe-
cutir os rumos do negócio. O ria em Xangai. O evento vinha ra, ela enviou a EMBALAGEM-
Packaging Strategies 2003, rea- sendo considerado de grande MARCA. o depoimento abaixo,
lizado nos dias 31 de março, 1º importância pela abrangência que substitui nesta edição a en-
e 2 de abril em Atlanta, nos Es- que tem na Ásia e pela oportuni- trevista publicada todos os me-
tados Unidos, contou com a pre- dade que representa neste mo- ses pela revista.

clima no mercado mundial de emba-

O lagem é de otimismo, apesar de, no


mundo inteiro, a indústria de transfor-
mação estar atravessando um momen-
to especialmente difícil, segundo o economista
de produção John McDevitt, que fez a palestra de
abertura do seminário Packaging Strategies. Ele
lembrou que, apesar do cenário instável e do con-
sumo contido, a economia mundial cresceu 1,7%
em 2002, e espera-se que os países economica-
mente mais ativos alcancem o índice de 2,5% de
crescimento em 2003.
Poderia até parecer repetitivo, mas tem um
significado expressivo o fato de que países asiá-
ticos, sobretudo a China, tenham sido insistente-
mente lembrados no seminário como grandes im-
pulsionadores da atividade econômica mundial.
Nesse quadro, o Brasil foi citado por inúmeros
apresentadores do evento, altos executivos de
grandes corporações, como o próximo grande depois do colapso da Enron, da generalização da
mercado mundial. incerteza em relação à contabilidade das empre-
Dois aspectos foram discutidos com grande sas e da relativa retração das vendas em geral, os
ênfase e profundidade durante o Packaging Stra- dirigentes de companhias passaram a ser crescen-
tegies 2003: o impacto das fusões e aquisicões de temente pressionados e cobrados por performan-
indústrias fabricantes de produtos e de embala- ces positivas. Em lugar de relatórios anuais, a pe-
gens no desenvolvimento do setor, bem como a riodicidade passou a ser semestral. A pressão por
importância da busca por inovações como ala- bons resultados tornou-se tão forte que, segundo
vanca para a expansão e o crescimento. São dois artigo da revista Business Week, a média de per-
fatores que exercem pressão sobre os responsá- manência de um CEO numa empresa tem sido de
veis pelo desempenho da empresa, na medida em treze meses.
que elevam a expectativa de resultados. Nesse panorama, o processo de fusões e aqui-
O ambiente corporativo passou por grandes sições em indústrias de embalagens e bens de
mudanças nos últimos três anos. Na década de consumo não parou. De acordo com dados da Er-
90, os acionistas buscavam crescimento de ao nest & Young, citados entre outros exemplos du-
menos dois dígitos no valor das suas ações. Mas, rante o evento, a Kraft Foods adquiriu a Nabisco;

6 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


a General Mills, a Pillsbury; a Nestlé, a Ralston oportunidade de sobreviver – e crescer – ao lado
Purina, a Chef America e a Dreyer; a PepsiCo ab- das gigantes, sem ser engolido por elas, fica para
sorveu a Quaker Oats; a Cadbury-Schweppes in- empresas pequenas e ágeis, dedicadas a apresen-
corporou a Snapple Beverage Group; a L’Oreal tar novas soluções e, principalmente, responder
engoliu a Carson. às exigências do consumidor por novidades.
No setor de embalagens, os exemplos lembra- Segundo Mary Ellen Reis, presidente da
dos foram os da Ball, que adquiriu a Schmal- Packnology, o que agrava essa situação é algo em
bach-Lubeca; da Bemis Co, que absorveu a que os brasileiros sem dúvida têm larga experiên-
UPM-Kymmene (unidade de filmes); da Rexam, cia: o varejo não está interessado em inovações,
à qual se integrou a Luner Glas; e da Alcoa, que mas sim em redução de custos para atrair os con-
incorporou a Ivex Packaging. Trata-se de um ce- sumidores. A pressão por vendas é muito maior
nário que deve ser atentamente observado, pois do que pela inovação, segundo o presidente de
pode resultar na necessidade de uma grande indústria multinacio-
mexer em antigos procedimentos e nal de bebidas entrevistado por ela.
mudar posturas de relacionamento Como lembrou a presidente da
com clientes, para reforçar e am- Packnology, “as únicas inovações
pliar negócios ou no mínimo para benvindas são aquelas que não
evitar perdas. acarretem nenhum aumento de cus-
to ou, melhor ainda, tornem o pro-
Cortes naturais – Normalmen- duto mais barato”.
te, em fusões e incorporações, Na opinião de Russ Napolitano,
quando a direção da empresa é mu- “Em fusões e vice-presidente do Bailey Design
dada, ou quando ela começa a fazer
incorporações, a Group, o cenário de consolidação
parte de outro grupo, o direciona- de empresas reforça a necessidade
mento, a estratégia e o posiciona- estratégia e o de uma política ainda mais forte de
mento que vinham sendo adotados posicionamento comunicação do setor. Outros pa-
sofrem grandes mudanças. Os for- sofrem grandes lestrantes reiteraram o ponto de
necedores de embalagens e insu- vista de Napolitano. Bill West-
mos são reavaliados, e os contratos mudanças. wood, CEO da Amcor Global PET
em vigor, revistos. Naturalmente, Muitas vezes, Packaging, por exemplo, afirmou:
acontecem inúmeros cortes, com o as próprias “Economizaríamos muito se colo-
objetivo de evitar duplicidades e cássemos as pessoas certas em con-
baixar custos. Muitas vezes, as pró-
embalagens tato e otimizássemos a comunica-
prias embalagens precisam ser rea- precisam ser ção entre nossas empresas e o se-
daptadas, para passarem a ser feitas readaptadas” tor”. Em experiência feita na pró-
numa nova linha de produção. pria Amcor, ele contou, uma infor-
Dentre as mudanças que este quadro apresen- mação estratégica relevante dada a um funcioná-
ta, foram alvo de maior preocupação dos partici- rio em um país demorou dez dias para chegar à
pantes do seminário as relacionadas a inovações fabrica localizada em outro.
em andamento que deixam de ser valorizadas
pela nova direção. A mesma ótica incide sobre as Comunicação clara – Procurando sintetizar,
inovações que deixam de ser levadas adiante de- Russ Napolitano considerou que “num processo
vido à redução da concorrência no setor. de mudança a chave está em conciliar todas as
O novo grupo corporativo ganha na otimiza- etapas de transformação com as empresas clien-
ção de seu processo produtivo, administrativo e tes, varejistas, fornecedores e consumidores, sem
de distribuição. Além disso, tem concentrado e perder de vista ainda os concorrentes, por meio
reforçado o seu desenvolvimento tecnológico, de uma comunicação clara e direta”.
ganha maior poder de negociação na compra de O ciclo de vida desse processo global de fu-
insumos e aumenta sua força para desenvolver sões e aquisições divide-se da seguinte maneira,
tanto fornecedores quanto clientes globais. Ao segundo Ken Brooks, da Ernest Young:
mesmo tempo, o número de seus concorrentes di- • mercado fragmentado, com pouca concen-
minui. Desemboca-se então na conclusão a que tração (exemplo: setor de equipamentos);
crescente número de analistas chega a cada dia: a • em seguida, um estágio um pouco menos

abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 7


A qualidade Cong
Promocionais

Rótulos Setor Farmacêutico Estojos e Berços


raf ao seu alcance

Tecnologia,
Criatividade,
Qualidade,
Atendimento Pers
onalizado,
Bons Preços

Cosméticos Setor Alimentício


fragmentado, com estratégia de mercado determi- to, Lynn Dornblaser, diretora editorial da Global
nada (segmento de papelão ondulado); News Products Database, observou que a embala-
• num estágio médio está o setor de plásticos gem tanto guia as tendências quanto as torna pos-
flexíveis, seguido pelo de plásticos rígidos, com síveis, ao atender as demandas que são colocadas.
grande potencial de negócios e market share Ela exemplificou com o ocorrido no mercado de
• por último vêm os mercados já consolidados, snacks ou “food to go”, que nos Estados Unidos,
com poucas grandes empresas atuando, como é o de 1997 a 2002, saltou de US$ 11 bilhões para
caso do setor de vidro e de embalagens metálicas. US$ 16 bilhões.
Esse mercado, também apontado como grande
Capital disponível – E por que a indústria de tendência pelo CEO da Nestlé Canadá, Ed Marra,
embalagem tem sido alvo dessas consolidações? pode ser mensurado, segundo ele, pelo fato de
Ken Brooks explica que existe no mercado uma que 20% dos americanos fazem suas refeições no
grande disponibilidade de capital automóvel. Por isso esse segmento
para investimento em empresas, ao tem buscado inovações, incluindo
passo que as boas oportunidades maior diversidade de produtos, en-
são escassas. Há, ainda, outros fa- tre eles maior variedade de sopas.
tores que chamam a atenção no se- O consumidor tem cada vez menos
tor: as indústrias de embalagens re- tempo e quer levar o produto consi-
gistram altas taxas de crescimento; go, para consumi-lo quando puder.
sofrem pouca influência de sazona- Assim, certas características passa-
bilidade, por estarem em grande ram a ter maior importância nas
parte dedicadas ao fornecimento “Cada vez mais embalagens. Algumas delas: terem
para o setor de bens de consumo, sistema de abertura e fechamento
se alimentando
cujo desempenho é bastante está- eficientes, caberem no porta-copos
vel; suas margens de lucro são no automóvel, o dos automóveis e, principalmente,
atraentes; e têm alto nivel tecnoló- consumidor serem “hand-free”, ou seja, permi-
gico, o que dificulta a entrada de tirem que os produtos sejam consu-
valoriza as
concorrentes no mercado. midos sem necessidade de contato
Para se obter sucesso nesse mer- embalagens que direto das mãos, de modo que o
cado em constante transação, é im- permitam consumidor não suje o volante de
portante focar em alguns aspectos, consumir os seu veículo, o teclado de seu com-
segundo Ken Brooks: putador, ou o que for.
1) estabelecer uma posição forte produtos sem Outro exemplo de tendências
em setores que podem ser consoli- contato direto que demandaram alterações nas
dados das mãos” embalagens foi a sofisticação dos
2) estabelecer uma estratégia cosméticos, entre eles os bronzea-
consistente e disciplinada de fusões e aquisições dores e os protetores de sol. Por apresentarem
3) estabelecer uma posição de liderança em substâncias que em geral devem ser aplicadas em
mercados com alto potencial de crescimento e conjunto, as embalagens passaram a oferecer um
alto valor agregado duplo compartimento, bem como aplicações dife-
4) ter economia de escala e, ao mesmo tempo, renciadas, incluindo o sistema “hand-free”.
flexibilidade para enfrentar um desaquecimento
da economia Revolução pela inovação – Um aspecto re-
5) trabalhar sempre com tecnologia de ponta, corrente nas palestras foi o de que a inovação em
própria ou licenciada, e tornar-se tão forte quan- embalagens é capaz de revolucionar uma catego-
to os concorrentes, adquirindo outras empresas ria de produtos. Quando isso acontece, a nova
6) tornar-se um fornecedor global de seus tecnologia migra rapidamente para outras catego-
clientes multinacionais e ter muito foco no seu rias, proporcionando maior diferenciação dos
nicho de mercado, entendendo as características e produtos e ganho de market share.
particularidades de cada mercado, região, consu- Na visão de Leonard Jenkings, gerente de ino-
midor, linha de produto vação de embalagens da Coca-Cola para a Amé-
7) estar sempre atento às novas tendências. rica do Norte, um case que exemplifica bem a
Aproveitando a referência a este último aspec- possibilidade de ganho de mercado por meio de

10 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


uma nova embalagem é o do tradicional suco valor, como produtos saudáveis e naturais, hoje a
americano Minute Made, vendido por muito tem- grande tendência de consumo mundial.
po apenas refrigerado. Após modificaões no pro- Especificamente quanto ao Brasil, o país foi
cesso e na linha de enchimento, que foi adequado amplamente citado por diversos palestrantes,
a novas embalagens, o suco saiu da geladeira e aparecendo mesmo como idealizador de novas
foi para a gôndola. Deixou de ser um produto sa- soluções em embalagens. Por outro lado, as pre-
zonal e ocasional, podendo ser consumido em visões são de que algumas novidades surgidas em
maior número de oportunidades. outros países, como a garrafa de alumínio com
O importante, aconselha Ed Marra, CEO da tampa de rosca, demorarão a chegar ao país. O
Nestlé Canadá, é que as inovações sejam muito importante, na opinião do CEO da Nestlé cana-
focadas nas características de cada grupo consu- dense, é que esteja muito claro o perfil do públi-
midor, levando em consideração que, em certo co alvo, sua faixa etária, seu poder aquisitivo,
estágio da vida do produto, o único instrumento seus hábitos de consumo – e que a embalagem
capaz de agregar valor e fazê-lo crescer em sua acompanhe esse perfil. O que não pode acontecer,
categoria é a embalagem. Para ele, as inovações adverte Marra, é uma empresa ter o produto cer-
abrem espaço para elevar o preço e ampliar as to na embalagem errada. Em outras palavras, a
margens de ganho, uma vez que o consumidor irá embalagem deve não só atender plenamente aos
reavaliar a relação custo-benefício do produto em anseios do consumidor, mas também evidenciar
questão. Marra recomenda prestar especial aten- claramente as características que são importantes
ção às categorias que comportem maior adição de para ele.

O mercado de embalagem no mundo


Hoje o setor de embalagem no mundo movimenta 412 bilhões de dólares, segundo a apresentação de Ken Brooks,
vice-presidente senior da Ernerst & Young, no seminário. O bolo está assim dividido, em bilhões de dólares:

Papelão ondulado 80
Plásticos rígidos e semi-rígidos 75
Filmes, laminados e flexiveis 60
Papel cartão 42
Metálicas 40
Vidro 25
Sacos, bags e rótulos 25
Equipamentos 23
Tampas e lacres 16
Outros 26

Por mercados usuários, o consumo de embalagens no mundo divide-se assim, em porcentagem:

Alimentício 50
Bebidas 15
Saúde e cuidados pessoais (healthcare) 16
Beleza 5
Outros 14

AS DEZ MAIS
As maiores empresas de embalagens do mundo, em vendas, segundo Bill Barker, presidente da Rexam Be-
verage Can Americas, são: Crown Cork, Tetra Pak, Owens-Illinois, Rexam, Toyo Seikam, Amcor, Saint Go-
bain, Ball, Alcan e Huhtamaki.

abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 11


marcas

De muito peso
Unilever cria supermarca em alimentos ao unir Knorr e Cica

DIVULGAÇÃO
radição é algo que não se pode

T subestimar quando o assunto é


gerenciamento de marcas.
Exemplo prático dessa ponde-
ração é o caso da Cica, chancela presente no
cotidiano do brasileiro há mais de sessenta
anos. Desde a sua incorporação pela Unile-
ver, em 1993, sua retirada do mercado,
em consonância com a ascensão das
marcas globalizadas, já foi prenun-
ciada diversas vezes. O presságio
da extrema-unção ganhou força nos
últimos anos, nos quais a estratégia de
enxugamento de portfólio da multina-
cional anglo-holandesa recrudesceu.
Só que, a despeito dos rumores, a Cica
vem sendo mantida, e não sem bons moti-
vos. Pesquisas encomendadas pela Unile-
Lançamentos,
ver constataram que a marca é uma das que em uma variedade
nova marca, cuja estrela será o indefectível
possuem maior recall entre os consumido- de embalagens, Elefante da Cica, representado pelo perso-
res na área de alimentos. As vendas também já trazem a nagem Jotalhão, de Maurício de Sousa.
nova chancela
têm sido dignas de registro. Basta lembrar No tocante a novidades, seis delas já es-
que a marca cresceu 20% em 2002. tão chegando às gôndolas: o Pomarola com
Os que sentiam cheiro de mudança no Caldo de Galinha Knorr e o Extrato de To-
ar, porém, não estavam totalmente errados: mate Elefante com Caldo de Carne Knorr,
a Unilever acaba de anunciar a unificação em latas da Rojek, com sua tampa Abre-Fá-
da Cica e outra marca tradicional de seu do- cil; o Pomarola com Caldo de Carne Knorr,
mínio, a quarentona Knorr. A “solução ca- em caixinha Tetra Brik de 520g, da Tetra
seira” da marca única parece equacionar a Pak; o Caldo Knorr de Tomate Elefante, em
necessidade de racionalizar o contingente cartuchos da Brasilgráfica; os Molhos Espe-
de marcas com a vontade de preservar o ciais, em potes de vidro de 340g, com boca
importante traço regional da Cica. larga e medidor; e a nova linha Sopas da
Natureza Knorr, com cinco variedades,
Brasilgráfica
Elefante não se esquece (11) 4133-7777
acondicionada em sachês de 38g da Inapel.
“Ao unir a Knorr com a Cica, estamos www.brasilgrafica.com.br Por fim, vale ressaltar que a Knorr-Cica
criando uma marca e um case de marke- nasce para ocupar um lugar vital e bem
Inapel
ting”, diz, sem modéstia, Pedro Falsarella, (11) 6462-8800
definido na carteira da Unilever. Na
diretor de marketing da Unilever Bestfoods, www.inapel.com.br condição de maior madrinha de produtos
braço alimentício da Unilever. culinários do país, ela ficará atrás apenas de
Metalgráfica Rojek
Com a iniciativa, a fabricante pretende (11) 4447-7900
Omo, baluarte da área de limpeza (house-
alavancar o negócio de produtos culinários www.rojek.com.br hold), e de Seda, principal guarda-chuva da
em mais de 10% ainda no primeiro ano. divisão Elida Gibbs, que abarca cosméticos
Tetra Pak
Para tanto, está investindo 40 milhões de (11) 5501-3200 e produtos de higiene pessoal. Vê-se que a
reais em pesquisas, desenvolvimento de no- www.tetrapak.com.br aposta na marca, de porte verdadeiramente
vos produtos, publicidade e marketing da elefantino, é pesada.

12 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


capa

Diversão
estabilizada
Indústria de brinquedos
reage às importações e dos”, diz Synésio Batista
om crescentes

C investimentos
em moderniza-
ção e um esti-
mulante número de lança-
diferencia embalagens
Por Leandro Haberli
da Costa, presidente da
Abrinq – Associação
Brasileira dos Fabrican-
tes de Brinquedos. “Mas
mentos, a indústria brasileira de brin- a situação se alterou, e o mercado está
quedos vive um clima de boas expecta- praticamente consolidado atualmente.”
tivas e renovação. Depois de um surto O apontado fortalecimento ocorreu
de contrabando e do aumento das im- em paralelo à queda de partici-
portações formais, que chegaram a aca- pação dos produtos estrangei-
bar com a alegria dos fabricantes nacio- ros: com dólar alto e alíquo-
nais, o setor se mobiliza para retomar ta maior que a média (ver
participação num segmento em expan- quadro), a importação de
são. brinquedos encolheu 19%
Ainda que a entrada clandestina de no Brasil só em 2001. Com
produtos estrangeiros implique uma menos concorrência, o mer-
concorrência pouco divertida, em 2003 cado interno se movimenta.
o mercado brasileiro,
que não parou de Inovações nas gôndolas
crescer nos últimos Na parte das embalagens, os in-
seis anos, deverá dícios de que a indústria de brin-
movimentar 1,050 quedos atravessa uma perspec-
bilhão de reais, va- tiva sorridente também são
lor 4,5% maior que no últi- numerosos. Em número
mo exercício. Os números crescente, fabricantes ado-
servem como pano de fun- tam novos processos de
do para um otimismo que produção, que às vezes
se espalha por toda a ca- permitem apresentações
deia produtiva de brinque- diferenciadas e sur-
dos, abrindo mais oportu- preendentes mesmo
nidades também para for- em materiais aparen-
necedores de embalagens. temente similares.
Gerando quase três ve- A começar pelo campo
zes mais empregos do que dos celulósicos, materiais predomi-
em 1996, o setor vem con- nantes nas embalagens de brinquedos, o
seguindo expandir as ven- que se vê é o surgimento de caixas mais
das lá fora, que devem duras e resistentes, cartões produzidos
chegar a 30 milhões de dó- com novas matérias-primas e papelão
FOTO: STUDIO AG

lares em 2003. “O aumen- com ondulações cada vez menores. Em


to das importações chegou meio à movimentação, fica claro que a
a nos deixar enfraqueci- aposta em novas idéias pode significar

14 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


sair ganhando no sério jogo com a con-
corrência.
No que concerne às técnicas de pro-
dução, uma tendência clara para se dife-
renciar tem sido a compactação dos ma-
teriais. No mercado de papelão mi-
croondulado, há disponíveis substratos
mais finos, porém com a resistência for-
talecida. Uma das alternativas é ofereci-
da pela Lingraf, que desenvolveu um
sistema chamado de Onda F, numa alu-
são à fina espessura que pode ser obtida
no papelão microondulado.
Já vista em embalagens de telefones
celulares, normalmente com acabamen-
to metalizado, a onda fina da Lingraf
começa a ganhar espaço também no
mercado de brinquedos. Produtos como
o P@l-mate da Susi, feito pela Estrela, e
linhas de marcas mais regionais, como a
Brinquedos Anjo e a Brinquedos Cardo-
so, utilizam o sistema. “O custo é o
mesmo do microondulado comum”, ga-
rante João Élcio Luongo Jr., diretor-co-
mercial da Lingraf.
“Com a Onda F, a parede do papelão
pode ficar com meio milímetro a menos Lavoro Projetos e Representações Ltda.
de espessura do que a de um microon-
dulado, sem comprometer a resistência
Reginaldo Baggio
da embalagem”, prossegue Luongo. Quanto a sua empresa gasta com Embalagem?
Com mais de 400 ondas por metro li- Pode-se conseguir economias e melhorias?
near de papelão, contra em média 280
Efetuamos projetos e estudos que podem ajudar no
nos microondulados comuns, a Onda F
pode, num exame superficial, passar por
crescimento da rentabilidade da sua empresa, reduzindo
um papel cartão. “Além de ser difícil
gastos com materiais e processos de Embalagem, e/ou
enxergar as ondas, as várias possibilida-
aumentando as vendas:
Cartuchos que utilizam • Análise para redução dos gastos com o sistema
Onda F, da Lingraf: Embalagem de forma integrada.
menos espessura,
mesma resistência • Projetos para Adequação e Melhoria Técnica.
• Consultoria para otimizar os sistemas para desenvolvi-
mento e a avaliação da qualidade.
• Execução de especificações e procedimentos adequa-
dos aos fornecedores e certificadores.
• Análise do impacto visual da embalagem no PDV.
Projetos: Programação Visual • Protótipos • Facas • Tecnologia •
Economia • Qualidade • PDV
Embalagens: Aplicações especiais • Sacos de papel • Fitas têxteis
personalizadas
Embalamento: Fechamento de caixas e cartuchos • Automatização
STUDIO AG

de linhas e sistemas • Máquinas de sopro para PET

Fone/fax (11) 6461-2243 • cel (11) 9246-9380


lavoro@ieg.com.br • Guarulhos • São Paulo
des de acabamento conferem ao mate-
rial uma apresentação mais nobre”, con- Não só as bonecas
ta o diretor da Lingraf.
são fashion
No mercado formal de brinquedos, esti-
Guerra de preços mais amena
ma-se que cerca de 30% das vendas fi-
Para muitos, a disposição de investir em
quem com as fashion dolls - aquelas bo-
novos sistemas de embalagem mostra
necas com corpo de mulher e muitos
que a severa guerra de preços nos orça- acessórios. Quem domina essa lucrativa
mentos, ainda apontada pelos fornece- brincadeira por aqui são duas quarento-
dores como um fator que inviabiliza nas: a Barbie, lançada pela americana
grandes novidades em embalagens de Mattel em 1959, e a brasileira Susi, criada

DIVULGAÇÃO
brinquedos, vem esmorecendo. Com o em 1962 pela Estrela. Mas as duas já não
enfraquecimento da concorrência exter- reinam absolutas entre as meninas ante-
na, a demanda tem se estabilizado mes- nadas com a mulher moderna. De-
mo longe de datas como o Natal e o Dia pois de fazer barulho nos Es-
das Crianças, que tradicionalmente fa- tados Unidos, a linha
Bratz começa a virar fe-
zem a festa da indústria de brinquedos.
bre no Brasil. Importa-
“A sazonalidade é inegável, mas re-
das pela Gulliver e com
centemente os pedidos passaram a apre-
visual bem mais carica-
sentar menores variações durante o turizado do que as pionei-
ano”, diz Edmar Bassi, gerente comer- ras Barbie e Susi, as Bratz
cial da Flor de Maio, empresa que for- também se diferenciam
nece embalagens para mais de sessenta pelas embalagens: no lu-
fabricantes de brinquedos do país. “Em gar das caixas celulósicas
alguns nichos o mercado já não nivela com janelas transparen-
os preços de embalagem tão por baixo”, tes, elas são vendidas em
acrescenta Luongo, da Lingraf. maletas plásticas tão fas-
Com menos incertezas influindo no hion quanto os produtos
que acondicionam.
planejamento das empresas, boas ex-
pectativas se estendem a outros mate-
riais de embalagem além dos celulósi-
cos. Um bom exemplo é o avanço do
PVC, hoje muito usado em cartuchos e
Aplicações de janelas e
estojos, além de marcar presença nas li-
blisters abrem campo para nhas acondicionadas em cartelas e blis-
cartonados e materiais plásticos ters.
Versátil, o
material pode
ser visto na em-
balagem da bo-
neca Turma da
Mônica Páscoa,
da Multibrink.
Fornecido pela
Flor de Maio, o
sistema é forma-
do por uma estru-
tura de papel car-
tão que circunda
uma bolha de
STUDIO AG

PVC moldada na
forma de um ovo.

16 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


DIVULGAÇÃO

STUDIO AG
Em bom português
Entre especialistas em comércio exterior, o
fato pode não causar estranheza, mas é difí-
cil não se surpreender ante o vasto número
Esmero doméstico: embalagens do de brinquedos estrangeiros que desembar-
War são impressas pela própria Grow cam no Brasil já acondicionados em embala-
gens impressas em português. Ainda que
A idéia é explorar o apelo de negócios
mine possibilidades de atuação para a ca-
da Páscoa, data que se torna cada vez deia brasileira, tal fenômeno traz novas ten-
mais estratégica para as vendas de brin- dências em embalagens de brinquedos. É o
quedos. caso do brinquedo Super Carro, um legítimo
Com boas possibilidades de variação made in China, que é distribuído no Brasil
de formatos, os materiais plásticos são pela Long Jump. Acondicionado num tubo
de fato cada vez mais empregados em de PET feito fora do Brasil, o produto tem um
aplicações de janelas, agregando novos rótulo em português, e dispensa as tradicio-
apelos visuais às embalagens de brin- nais etiquetas tradutoras.
quedos. “Já a grande presença dos celu- Para as empresas de criação, as embalagens
lósicos pode ser explicada pelas facili- feitas lá fora sob medida para o mercado
brasileiro podem representar oportunidades.
dades de armazenamento, boa área de
A agência Live Design já criou vários cartu-
impressão e garantia de proteção”, diz
chos de papel cartão para os brinquedos dis-
Célio Coelho de Magalhães, diretor de tribuídos no Brasil pela Gemini. “Fazemos
marketing da Brasilgráfica, empresa desde a logotipia até a faca das embala-
que já criou embalagens como a do clás- gens”, diz Roney Camelo, diretor da agência.
sico jogo Banco Imobiliário, da Estrela. “Os arquivos são enviados fechados para as
gráficas e convertedoras da China, que só
Ecologia levada a sério têm o trabalho de imprimi-los”.
Outra vantagem dos celulósicos que Apesar da aparente praticidade, o designer
vem sendo explorada também nas em- explica que, pela distância, problemas como
balagens de brinquedos é o apelo am- ajuste de cores podem complicar todo o tra-
balho. “Por isso, a idéia é imprimir todas as
Novos formatos embalagens no Brasil”, diz Roney. A naciona-
de embalagens ajudam lização começou com a embalagem do Game
a diferenciar produtos Star, que conta com uma alça para facilitar o
da Toyster
transporte, e é produzida no Brasil pela Jofer.
DIVULGAÇÃO
STUDIO AG

abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 17


biental. Sem encarar a ecologia como Boa área de

DIVULGAÇÃO
impressão e alta
uma brincadeira, a Itapagé, do Grupo resistência são
Industrial João Santos, está utilizando algumas das
bambu como principal matéria-prima vantagens dos
materiais
para produção de cartões para embala- celulósicos
gens. “O bambu oxigena quatro vezes
mais a atmosfera do que florestas lenho-
sas, e ajuda na preservação de manan-
ciais e leitos de rios”, diz George Barros
Leal, diretor comercial da Itapagé.
Ele também defende que, por ser
produzido com fibra longa, o cartão fei-
to a partir de bambu apresenta alta resis-
tência físico-mecânica. No mercado de
brinquedos, o material já acondiciona a
Boneca Kelly, da Estrela, e a linha da
Roma Jensen Brinquedos. “Para revestir
o microondulado, pode-se usar grama-
tura menor do que a do cartão feito com
aparas”, acrescenta o diretor comercial
da Itapagé. “Apesar disso, a qualidade
de impressão é muito boa, e o preço,
competitivo”, finaliza Barros. responsabilidade no apoio ao desenvol-
vimento intelectual das crianças, as em-
Produção interna balagens de brinquedos também passa-
Outra clara tendência do mercado de ram a ser encaradas como uma eficiente
brinquedos é o crescimento de estrutu- arma na briga entre a indústria nacional
ras internas de produção de embalagens. e os fabricantes estrangeiros. E isso sem
Grandes fabricantes possuem parques dúvida pode render muita diversão para
gráficos próprios, às vezes com ótimos a cadeia de embalagem.
recursos de acabamento. Um exemplo
de esmero doméstico pode ser visto nas
embalagens do tradicional jogo War,
Fim da proteção
impressas pela própria fabricante, a Abrinq A indústria brasileira de brinquedos teme
www.abrinq.com.br
Grow (veja um histórico sobre o War na (11) 3816-3644
uma nova onda de importações, que, ape-
pág. 50 e, na reportagem a seguir, sar da recente valorização do Real, não
embalagens de brinquedos antigos). Brasilgráfica tem ligação com a queda do dólar. A razão
www.brasilgrafica.com.br da preocupação é o término, previsto para
Para o mercado de blocos de montar (11) 4133-7777
o dia 31 de dezembro deste ano, do prazo
foi desenvolvido um cartucho de papel
Flor de Maio de validade da salvaguarda que determina
cartão sextavado, que acondiciona uma
www.flordemaio.com.br alíquota maior que a média no Imposto de
das linhas de blocos da Toyster. Nas (11) 6948-8220 Importação (II) de brinquedos. Para os em-
gôndolas, a embalagem permite que o presários brasileiros, a medida, que entrou
produto se diferencie dos concorrentes, Itapagé
www.itapage.com em vigor em 1996, e teve apenas um perío-
normalmente vendidos em potes plásti- (11) 6412-2028 do de interrupção, em 1999, foi vital para a
cos com forma de balde. indústria nacional.“Desde o início da sal-
Jofer
A princípio, o crescimento de pro- vaguarda, o setor pôde investir 785 mi-
www.jofer.com.br
cessos in-house parece negativo para o (18) 643-4000 lhões de reais para elevar e aprimorar sua
mercado de embalagem, já que indicaria competitividade”, diz Synésio Batista da
Lingraf Costa, presidente da Abrinq. Ainda não há
uma diminuição de oportunidades para www.lingraf.com.br
gráficas independentes. Por outro lado, definição quanto ao valor que será conferi-
(11) 6525-9800
do pelo governo à nova alíquota de impor-
por serem encarados como uma ação es-
Live Design tação de brinquedos. Atualmente, o índice
tratégica, tais investimentos dos fabri- www.livedesign.com.br é de 33%.
cantes provam que, se não bastasse a (11) 3845-1629

18 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


memória

Uma fonte de nosta


Empresa de restauração em São Paulo mantém vasta

Rótulo da caixa rinquedos industrializados


Laboratório Quimico
Juvenil, fabricado
na década de 50
pela Kiehl, Brasil.
Artista: Kraus
B antigos são uma fonte de en-
sinamentos em variados
campos, sem falar em seu
conteúdo de nostalgia e romance. Na
verdade, a miniaturização de artefatos
feitos em série, ela própria fruto da Re-
volução Industrial, é um registro muitas
Caixa do Kit do
Volkswagen Sedan vezes fidelíssimo das conquistas do
fabricado pela Atma, homo faber ao longo dos últimos 150
Brasil, na década anos, ou ainda mais.
de 60. O cenário:
Brasília, nova
Em São Paulo, Sidnei Paulo Diana,
capital do Brasil mantém um acervo que é uma prova
disso. Há cerca de trinta anos, não mui-
to tempo depois de sair da faculdade, ele
trocou o diploma de Arquitetura por uma
Rótulo da caixa
profissão na qual é um dos únicos no
do trem elétrico
fabricado em 1945 mundo: restaurador – além de estudioso
pela Fleischmann, e colecionador apaixonado – de brinque-
da Alemanha. dos industrializados antigos. É comum
Trabalho assinado
pelo artista Kuch ele receber em sua empresa, a Brinque-
dos Raros, peças de coleção vindas de
países distantes para que voltem a ter a
aparência original, às vezes centenária.

Caixa do Jogo Mais de 3 800 peças – Na sede da


Palavras Cruzadas,
fabricado pela Brinquedos Raros, Sidnei acumulou um
Coluna, Brasil, na acervo de mais de 3 800 peças, que vão
década de 60 de soldadinhos de chumbo a miniaturas
de trens, de automóveis, de navios e de
outros tipos de brinquedos que certa-
mente proporcionaram momentos feli-
Caixa do Astronauta Johnny Apollo, zes para muitos de nós, de nossos pais e
fabricado pela americana Marx em tios e até de nossos avós (ou bisavós).
1968 em comemoração ao projeto
Aqui, com autorização dele, reproduzi-
Apollo que levou o homem à Lua
mos fotos de algumas embalagens de
brinquedos, que estão na coleção e que
IMAGENS: ARQUIVO BRINQUEDOS RAROS

aparecem no site que ele próprio criou


Caixa do
(www.brinquedosantigos.com.br).
Brinquedo Pato Nesse endereço há um capítulo sobre
Malabarista, embalagens. Ali se informa que “das pri-
fabricado pela
meiras caixas de brinquedo pouco se
Estrela, Brasil, na
década de 70 sabe, apenas que eram de madeira, devi-
do ao peso e ao tamanho” das peças. Há
também a informação de que por volta

20 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


lgia e ensinamentos
coleção de brinquedos e de parte de suas embalagens
de 1910 os brinquedos diminuíram de Caixa do conjunto
tamanho e, assim, foi possível utilizar básico de trem
elétrico da fabrica
papelão em suas caixas. Mas há muito
Märklin nos anos 70
mais informações para quem se interes-
sa pela evolução da indústria, do design
e da arte existente por trás dos brinque-
dos e de suas embalagens.
Para quem gosta de brinquedos, vale
a pena uma visita. Se há quem não gos- Rótulo da caixa de
te, recomenda-se também o acesso, pois Animais Selvagens,
trata-se também de um site de negócios. fabricado pela
Crescent, da
Na pior das hipóteses poderá aprender Inglaterra, na
coisas interessantes da história dos brin- década de 40
quedos e, quem sabe, a gostar deles.

Brinquedos Raros
www.brinquedosantigos.com.br
metálicas

Mão nos canecos


Prada investe no mercado de pescados para crescer
al assentada a poeira da troca

STUDIO AG
M
Embalagens da GDC:
de comando, com a sua aqui- latas agora são da Prada
sição pelo engenheiro meta-
lurgista Jaime Schreier con-
cluída em setembro de 2002, a Prada já se
prepara para uma nova e ambiciosa transi-
ção. De maior do Brasil, a empresa também
quer se tornar líder continental na produção
de embalagens de aço. O primeiro passo
nesse projeto acaba de ser anunciado: a en-
trada da companhia no mercado de embala-
gens de pescados, através de um contrato de
fornecimento fechado com a GDC Alimen-
tos, detentora da marca Gomes da Costa. crescimento de mercado. “O Brasil tem uma
O negócio, que prevê cinco anos de das maiores costas do mundo e é o único
abastecimento do cliente, foi firmado após a produtor de sardinha do Mercosul, por isso
Prada comprar a linha de latas para sardi- vemos vários outros produtos em potencial
nhas – canecos de aço, como tais recipientes que podem ser desenvolvidos, merecendo
são chamados no jargão da metalurgia – da destaque a linha de atum para os mercados
Real Embalagens em Cordovil (RJ), por 7,5 interno e externo”, comenta Adriano Mar-
milhões de reais. A linha será remontada son, da área de marketing da Prada.
numa planta no pólo pesqueiro de Itajaí Outra novidade que em breve deverá es-
(SC), próxima à fábrica da GDC, consumi- tar sendo anunciada em caráter oficial pela
dora de cerca de 168 milhões de canecos por Alcan Prada é a incorporação do restante dos equi-
ano. Sua inauguração é prevista para agosto. (11) 5503-0808 pamentos da Real Embalagens, que também
www.alcan.com.br
lhe foi oferecido. O negócio está pratica-
Tiro certo Prada mente fechado. Comenta-se no mercado
A aposta da Prada no mercado de pescados (11) 5682-1100 que a Real passa por dificuldades financei-
www.prada.com.br
não é um tiro a esmo. Estimativas da Data- ras e está se desfazendo de seus ativos. Se
mark dão conta que só o mercado de sardi- concretizado, o negócio, que deverá ultra-
nhas tem uma demanda na ordem de mais passar a casa dos 30 milhões de reais, dará
de 400 milhões de latas anuais, e a tendên- ainda maior poder de fogo à Prada em seg-
cia, que se estende a outros pescados, é de mentos como os de tintas e alimentos.

Alumínio também quer comer sua fatia


No córner oposto na seara dos reci- baseada numa liga de alumínio com “Tampas de easy opening, mais fun-
pientes metálicos, o alumínio vem la- composição especial, de custo eleva- cionais e sem bordas cortantes, irão
pidando um vultoso projeto para a do – desfavoreceria a competitivida- inovar nessas latas”, adianta Adriana.
área de alimentos. A entrada do mate- de, a Alcan optou por criar latas de Segundo ela, a intenção da Alcan é ter
rial no segmento, ventilada em mea- duas peças para alimentos com a a novidade aplicada a nichos pre-
dos do ano passado, é agora iminen- mesma liga utilizada por aqui nas la- mium, e um trabalho de prospecção já
te, garante Adriana Stecca, gerente de tas de bebidas. Elas já estão prontas. está sendo feito junto a fabricantes de
desenvolvimento de mercado da Al- Através de mínimas adaptações, elas pescados e de pet food. “Faltam ape-
can. Como a simples importação da poderão ser processadas nas mes- nas detalhes para fecharmos contra-
tecnologia usada em outros países – mas linhas de enlatamento de aço. tos, quem sabe até de exclusividade.”

22 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


A solução: SIG Combibloc

Nossas soluções inovadoras para embalagens fazem a diferença. Idéias como a nova
embalagem combifit ou a tampa de rosca combiTwist fazem seu produto se destacar
no ponto de venda – e assim dão aos seus produtos uma vantagem decisiva em
relação aos concorrentes. SIG Combibloc – the system for success.

SIG Combibloc SIG Combibloc do Brasil Ltda.


Rua Iguatemi 192, cj. 14
01451-010 São Paulo – SP
Tel. +55 (11) 31 68-40 29
Fax +55 (11) 31 68-40 18
sigcombi.cbwebra@sig-group.com
www.sigcombibloc.com
materiais

Ele não morreu


Aperfeiçoado, celofane quer retomar mercados perdidos
nventado pelo engenheiro têxtil

FOTOS: DIVULGAÇÃO
I suíço Jacques Brandenberger em
1908 e aperfeiçoado na década de
20 pela DuPont, o filme de celulo-
se regenerada, mais conhecido como ce-
lofane, logo tornou-se uma vedete para
acondicionar produtos, devido a seus atri-
butos de transparência e impermeabilida-
de. Os dias de glória do material acaba-
riam na década de 60, quando os filmes
plásticos invadiram o mercado e, com
preços mais baixos, paulatinamente o jo-
garam a escanteio. O negócio do celofane
definhou mundialmente. Em muitos paí-
ses, como o Brasil, o material foi pratica- custo, as empresas ignoram as virtudes do Os filmes de
celofane da UCB
mente riscado do mapa da embalagem. material, entre elas a torção imbatível,
deixam o produto
Há, no entanto, quem aposte firme pela ausência da memória comum aos fil- “respirar”, não
numa revalorização do celofane. Exem- mes plásticos, a sua permeabilidade – que embaçam e
plo é a fabricante belga de filmes UCB, pode inclusive ser controlada – e os seus permitem o
aquecimento do
que nos últimos anos vem apresentando atributos pró-ambientais. produto em forno
desenvolvimentos de alto valor agregado de microondas –
com o material. Depois de boa receptivi- Sem efeito estufa com a promessa
de que ficam
dade na Europa, a empresa quer reavivar Essas características são exploradas de crocantes
o celofane no Brasil. “É curioso como na maneira elevada pelas especialidades ce-
Argentina o material ainda tem prestígio, lulósicas da UCB. Uma delas é a linha
mas aqui seu uso foi reduzido, talvez pela CelloTherm, que compreende filmes re-
acentuada guerra por preços”, comenta sistentes ao calor, consentâneos à criação
José Antônio Rufato, gerente de vendas de embalagens que podem ir ao forno de
da UCB para a América do Sul. microondas. “Os filmes CelloTherm per-
Para ele, ao levar em conta somente o mitem que os produtos ‘respirem’, preve-

E só sobrou uma no Brasil


A indústria nacional do celofane vem sendo restrito a nichos como os de envoltórios de
castigada nas últimas décadas, mas ainda doces e balas artesanais e de fermentos, a
não foi a nocaute. Uma fábrica nacional, a empresa não perde a esperança em melho-
Coopercel-Celosul, resiste – trata-se, aliás, res dias. “O clamor por materiais ecologica-
da única em atividade em toda a América mente corretos ainda é incipiente no Brasil,
do Sul. Antigo negócio das Indústrias Mata- mas num médio prazo os apelos do celofa-
razzo de Embalagens, a empresa é hoje to- ne se tornarão diferenciais importantes em
cada por uma cooperativa de funcionários relação aos plásticos”, acredita Ivan Luís
formada em 1994, com o fechamento da Faitarone, gerente comercial da empresa.
empregadora, para a recuperação de seu Segundo ele, um segmento que já acena
passivo trabalhista. Apesar do fornecimento para o material no país, em virtude desses
para embalagens hoje bastante diminuído, aspectos, é o de produtos orgânicos.

24 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


nindo o amolecimento típico do aqueci-
mento em microondas”, explica Rufato.
Logo, tais filmes têm apelo especial
para acondicionar pães, tortas e massas
diversas, além de pipoca e até congela-
dos. Um case da irlandesa Big Al ilustra
essa última aplicação: seu sanduíche de
hambúrguer vai do freezer ao forno de
microondas na embalagem flexível, e fica
pronto em menos de quatro minutos, gra-
ças ao CelloTherm P, variação revestida
com poliéster metalizado.
Nos produtos frescos, a permeabilida-
de à umidade, que pode ser controlada,
também contribui para aumentar a shelf
life, protegendo-os de bactérias e do apa-
recimento de bolor. Os filmes também
têm propriedade antiembaçamento (anti- resistência a um possível custo maior do Experiência
bem-sucedida
mist), para não comprometer a apresenta- material é amortizada na hora da dispo-
na Irlanda: o
ção na gôndola. sição dos resíduos: na Alemanha, por sanduíche,
exemplo, a chamada Ecotaxa para polí- completo, vai
do freezer ao
Atributos verdes meros beira a 1 400 euros por tonelada
microondas
Já uma outra linha de celofanes espe- para materiais plásticos, enquanto o e fica pronto em
ciais da UCB, a NatureFlex, destaca-se mesmo volume de produtos compostá- quatro minutos
pelo forte apelo ecológico. Os filmes são veis paga 400 euros.
totalmente biodegradáveis e compostá- Além dos “atributos verdes”, a linha
veis, ou seja, decompõem-se rapidamen- NatureFlex também ressalta o alto bri-
te, gerando nutrientes para o solo. Na lho, barreiras ajustáveis a vapores e aro- Coopercel-Celosul
Europa, a linha já vem sendo utilizada mas, a impermeabilidade a óleos e gor- (11) 6546-4224
www.coopercel.com.br
como um “plus” de marketing para pro- duras e a boa maquinabilidade. “Vale
dutos orgânicos. Ademais, lá qualquer destacar que os filmes NatureFlex têm UCB Films
desempenho em máquina similar ao dos (11) 3038-0802
www.ucb-group.com
filmes orientados, podendo rodar nos
mesmos equipamentos, em alta velocida-
de, e serem selados a quente em ambos
os lados”, esclarece Rufato.
Ao lado, balas mostram a alta torção do celofane;
abaixo, o filme NatureFlex, usado pela rede varejista
inglesa Sainsbury’s para embalar produtos orgânicos

abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 25


máquinas

Adeus às facas
Máquina nacional inova ao cortar rótulos e etiquetas a laser
odernidade que vem ajudan- atenção no tocante aos atributos técnicos do

M do as mais diversas ativida-


des, a tecnologia laser está se
espraiando também para a
rotulagem. A responsável é a catarinense
Electronic Imaging Integration
(11) 3872-5912
www.electronic.srv.br

Range
HC. “Conhecemos uma máquina italiana si-
milar, mas a nossa é a única no mundo a
apresentar recorte ‘on the fly’ das etiquetas,
ou seja, que dispensa as paradas para corte,
Range, que, após quatro anos de pesquisas (47) 334-0300
trabalhando continuamente durante a ali-
e desenvolvimento, está apresentando ao www.range.com.br mentação do rolo”, destaca Péricas.
mercado o HC, equipamento para corte a A máquina importa arquivos dos mais
laser de rótulos e etiquetas. Com a novida- variados softwares de CAD e de desenho,
de, o uso das tradicionais facas trabalhando numa área máxima
para corte é dispensado. Porém, de 250mm x 250mm, com
salienta a fabricante, as vanta- 0,1mm de margem de erro, auxi-
gens para o convertedor – e, em liada por um sistema de inspeção
extensão, para os usuários dos ró- do corte por câmera de vídeo.
tulos – vão além da elementar O corte é feito com parada por
economia com ferramental. distância ou por sensor de cor, e
O sistema obtido pela empre- pára automaticamente no caso de
sa brasileira permite grande fle- falha, graças a um sensor de fibra
xibilidade no corte de rótulos de ótica. As áreas de trabalho e as
variados formatos e substratos e, potências de corte são intercam-
Acima, tela do biáveis, e o equipamento ainda apresenta
com a possibilidade de conjugar impressão
software de corte,
a laser, pode também trabalhar com dados que permite um sistema ejetor de etiquetas cortadas por
variáveis. Velozes cabeçotes galvanométri- controle total do jato de ar, um desbobinador com controle
cos, que controlam o feixe laser, permitem processo; abaixo, de tensão da fita por freio eletromagnético e
o gabinete
o recorte de até 20 000 etiquetas por hora, da máquina
um rebobinador com motor pneumático.
sejam rótulos com meio- Todo o processo é controla-
corte, corte serrilhado ou do por software.
corte completo, com dupla- “Energia elétrica e um
face, entretela, cola ou ou- pouco de ar comprimido,
tras características. para refrigerar a área de cor-
te, são os únicos insumos
Sem paradas que a máquina consome”,
“Essa versatilidade faz com explica o técnico da Range.
que o equipamento seja um Ainda de acordo com ele, os
complemento ideal para tubos laser, selados, são li-
impressoras digitais, for- vres de manutenção, e o fei-
mando um conjunto de ape- xe tem vida útil de 15 000
lo para tiragens pequenas horas, renovada por uma re-
ou médias e ações promo- carga administrada pela pró-
cionais, com rótulos perso- pria fabricante. Em tempo: o
nalizados”, afirma Carlos equipamento é comerciali-
Péricas, responsável técni- zado no território nacional
DIVULGAÇÃO

co da Range. por uma representante pau-


Todavia, uma peculiari- lista da Range, a Electronic
dade em especial chama a Imaging Integration.

28 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


higiene pessoal

Líquidos em alta
Em frascos, sabonetes ganham maior nobreza – e lucram mais
ais um pouco e, a depender

M do movimento do mercado,
o verbete saboneteira, nos
dicionários, terá que se fle-
xibilizar para também indicar o sinônimo
de frasco. Isso porque aumenta a cada dia
Dedicados ao
o número de lares em que os sabonetes banho, sabonetes
em barra vêm sendo aposentados pelos Phebo podem
sabonetes líquidos – ou cremosos, como ser pendurados
no box pela tampa
informam os rótulos de algumas das mar-
cas dessa seara. O produto definitivamen-
te caiu no gosto do consumidor.
Nas palavras de Priya Patel, gerente
de categorias da Unilever Higiene e Bele-
za, a ascensão das versões líquidas é um
desdobramento natural da evolução, cen-
trada no acompanhamento das tendências te, vem sendo capitalizado por apelos pro-
da cosmética, pela qual tem passado o porcionados pelas embalagens.
mercado de sabonetes. “Do foco apenas Os perfis dos recipientes adequados
na limpeza da pele, as fragrâncias foram aos sabonetes líquidos já são claros para a
aprimoradas e novos benefícios vêm sen- indústria e o fornecedor e revelam o cami-
do incluídos nos produtos”, ele resume. nho do mercado.
Esses benefícios não se restringem às
propriedades tônicas ou de limpeza. Não Perfis claros
se pode deixar de apontar que a facilida- “As embalagens de sabonetes líquidos já
de de transporte e a maior praticidade, no têm nome e sobrenome, ou seja, uma
caso das versões para banho, e o ar re- identidade própria”, aponta Ricardo Da-
quintado que as linhas “de mesa” confe- vid, gerente de engenharia da Sinimplast,
rem às pias dos toaletes vêm contando grande fornecedora de frascos para esse
muitos pontos a favor dos sabonetes lí- segmento. “Para os sabonetes para banho,
quidos. Em outras palavras, trata-se de Francis Hydratta, da do tipo shower gel, a tendência é o uso de
um produto cujo sucesso, em grande par- Unisoap, estréia em frascos práticos, de pequeno volume. Já
junho para competir os sabonetes para a pia preconizam válvu-
com o Dove
las dispensadoras e geralmente uma deco-
ração mais sofisticada”, ele resume.
Tal análise encontra boas evidências
entre novidades do mercado. Um exem-
plo é a linha de sabonetes líquidos da Phe-
bo, marca controlada pela multinacional
americana Sara Lee e tradicional em sa-
bonetes glicerinados em barra. O design
FOTOS: DIVULGAÇÃO

das embalagens revela o apelo especial


Granado tem novos
sabonetes líquidos,
para o uso durante o banho: o frasco da
com frasco da Spil Tag Sinimplast, decorado com rótulo da
e tampa flip-top Baumgarten, se acopla a uma tampa im-

30 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


Fechamos
Ao lado e no canto
sempre ótimos
negócios.
inferior da página,
exemplos de rótu-
los auto-adesivos
da Prodesmaq para
sabonetes líqui-
dos. Os dos produ-
tos da Nivea são
impressos em poli-
propileno branco,
com detalhes em
hot stamping; já os
do Lux Skincare
são produzidos em
portada especial que, aberta, provê um polietileno transpa-
gancho para pendurar o produto no box rente, valorizando
ou na torneira do chuveiro. as cores dos fras-
cos e dos produtos
Quem segue orientação similar são os
Laboratórios Granado, que estão relan-
çando sua linha de sabonetes líquidos.
Para as mãos e o rosto, a empresa ofere-
ce uma versão de sabonete vegetal de gli-
cerina neutro, com frasco de formato re-
tangular e válvula pump. Outras versões,
com extratos de amêndoas, mel e algas,
têm formato mais ergonômico, com tam-
pas tipo flip-top da Exaplás Resinta, que
favorecem o momento do banho. Os fras-
cos são confeccionados pela Spil Tag, de
Marília (SP), e levam rótulos da Prakolar.
As maiores companhias do mercado
de sabonetes em barra estrategicamente
se anteciparam e já oferecem grande va-
riedade de sabonetes líquidos, seguindo
TAMPAS 38 MM
os ditames de apresentação do mercado. A Alcoa tem sempre a solução que a sua empresa
precisa para o lacre de embalagens plásticas (PET,
Líderes também PVC, PEAD e PP) e embalagens de vidro, em diver-
sos segmentos, como alimentício, temperos,
Para elas, há uma vantagem óbvia na
bebidas, alcoólicos, farmacêutico e químicos.
transição: os produtos já nascem sob o 38 MM EXTRA LOK
prestígio de marcas conhecidas no mer- • Bebidas sem gás
cado de higiene pessoal, no que configu- envasadas a quente ou a frio.
ra uma quase-extensão de linha. • Lacre Anti-violação.
• Pode ser fornecida
com ou sem vedante.
38 MM DOUBLE LOK
• Duplo sistema 0800 12 3727
de travamento, www.alcoa.com.br
com maior segurança. Fone: 4195.3727 Ramais:
Luiz Mello: 2315
• Para bebidas com gás, Marijosy Silva: 2327
fornecida sempre com vedante. Fábio Spinola: 2336
TOTALITY
Entre os hidratantes, uma disputa quente
Lançada há trinta anos pelas Indús- creme hidratante, porém, que guarda pomba, símbolo do Dove. Veio o re-
trias Matarazzo, a Francis vem agitan- a maior ambição da Unisoap. A em- truque da Unisoap, num filme em que
do o mercado de sabonetes nos últi- presa declara, sem pudor, que quer uma pomba tinha uma lágrima enxu-
mos meses. Investimentos em marke- tomar o posto de líder do Dove, da gada com o lenço que envolve a bar-
ting e relacionamento com o trade fei- Unilever, com o seu Francis Hydratta. ra do Hydratta no interior de sua em-
tos pela sua controladora Unisoap, Tal disputa já rendeu uma polêmica balagem. A apresentação, aliás, deixa
administrada por herdeiros do clã em TV aberta no ano passado, quan- evidente a intenção do Hydratta em
Matarazzo, deram novo vigor à mar- do um filme publicitário da Unisoap brigar com o pioneiro Dove: o sabo-
ca. A estratégia deu resultado: a foi considerado ofensivo pela Unile- nete em barra da Unisoap também é
Francis fincou pé no segundo lugar ver. A multinacional entrou com re- acondicionado em cartucho de papel-
do ranking de marcas de sabonetes, presentação no Conselho Nacional cartão – confeccionados pela Ibratec
ultrapassando a Palmolive, da Colga- de Auto-Regulamentação Publicitária e pela Ápice –, com cores e demais
te-Palmolive. (Conar) e contra-atacou com uma elementos visuais que lembram mui-
É o nobre nicho dos sabonetes com propaganda exaltando a nobreza da to os da marca da Unilever.

Na Colgate-Palmolive, por exemplo,


a principal marca trabalhada em sabone-
tes, a Palmolive, já tem suas versões em
frasco, nas variantes Palmolive Botani-
cals e Palmolive Naturals. O nicho mais
funcional é ocupado pela variante líquida
do Protex: um sabonete com pH balan-
ceado, 90% mais eficiente no combate a
Colgate-Palmolive
proliferação de bactérias que os sabone- marca da Unisoap vem abocanhando fa-
aposta nos decora-
tes comuns. dos frascos de sua tias do mercado de sabonetes com hidra-
Por sua vez, a Unilever deposita fi- linha Botanicals tante, nas quais o Dove anteriormente
chas nos sabonetes líquidos Skincare, reinava absoluto.
apadrinhados pela Lux, a líder geral de E embates mais ríspidos entre marcas
mercado, e pelo Dove, o precursor da ca- de sabonetes líquidos certamente não se
tegoria de sabonetes com creme hidratan- restringirão ao nicho dos que possuem
te no país. propriedades hidratantes. Por se tratar de
A propósito, este último deverá sofrer um segmento atrativo para a indústria,
maior concorrência direta a partir de ju- por proporcionar maiores margens, e ter
nho, quando estréia no mercado a versão se popularizado em maior escala só re-
líquida do sabonete Francis Hydratta, da centemente, a competitividade irá se acir-
Unisoap, em frasco injetado pela catari- rar – o que já é percebido por participan-
nense AB Plast e com rótulo da Grif. A tes da cadeia de embalagem. “O aumento
do volume de nossos trabalhos mostra
Dove, pioneiro que essa área cresce de maneira geral,
entre os sabonetes sendo que até indústrias farmacêuticas
com hidratante,
também em frasco vêm lançando produtos dessa natureza”,
conta Rosa Maria Muniz, do departamen-
to de marketing da Prodesmaq, cujos ró-
tulos auto-adesivos decoram frascos de
sabonetes da Unilever, Nivea, Johnson &
Johnson e Granado, entre outras.

Cenário mais duro


Diante desse previsível cenário mais
duro para os fabricantes e suas marcas,
no qual a importância da embalagem
para o sucesso dos produtos tenderá a

32 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


aumentar, vem sendo va-
lorizada como nunca a alta AB Plast
(47) 451-9103
sinergia entre usuários e ab.plast@netvision.com.br
fornecedores.
A Prodesmaq, aliás, da Ápice Artes Gráficas
(11) 4221-7000
mesma forma que as já ci- www.apice.ind.br
tadas Sinimplast e Baum-
garten, entre outros atuan- Baumgarten
(47) 321-6666
tes da cadeia do packaging, www.baumgarten.com.br
preconiza essa relação es-
treita com os clientes. Exaplás Resinta
(21) 2560-8861
“O volume de produção
aumenta a cada dia e é pre- Grif
ciso que a tecnologia de (11) 6983-2299
www.grifetiquetas.com.br
produção de embalagens
atenda as demandas de Ibratec
(11) 4789-4200
Lux Shower Gel,
qualidade, de agilidade, de
ibratec@ibratec.com
com rótulo da um mercado de massa que
Prodesmaq, tem precisa sempre manter o Prakolar
frasco ergonômico (11) 291-6033
preço acessível ao consu- www.prakolar.com.br
midor”, relata Alexandre Garcia, coorde-
nador de desenvolvimento de embalagem Prodesmaq
(19) 3876-9300
da Unilever Higiene e Beleza. “Essas par- www.prodesmaq.com.br
cerias são uma tendência cada vez maior,
pois permitem a redução de custos e Sinimplast
(11) 4061-8300
maior agilidade, e os fornecedores pas- www.sinimplast.com.br
sam a ter um conhecimento mais profun-
do dos projetos da empresa e participam Spil Tag
(14) 425-1003
deles desde o início.” www.spiltag.ind.br
Tal cuidado na produção das embala-
gens deixa claro que aqueles que apre-
sentarem seus sabonetes líquidos sem
capricho poderão ter uma cruel – porém
previsível – resposta do mercado: baixa
liquidez.

Segmentação como nunca


O grande mercado dos sabonetes em barra também está longe da
estagnação. Nele, a segmentação de produtos é definitivamente a
bola da vez em termos de estratégia de marketing. “A tendência é
a continuidade da evolução do mercado, com novos ingredientes
e benefícios atendendo públicos que ainda não foram olhados”,
acredita Priya Patel, gerente de categorias da Unilever Higiene e
Beleza. “Nesse sentido, podemos citar o lançamento do sabonete
Lux Skincare Uniformidade da Pele Morena e Negra, em maio de
2002, e também a edição limitada Dove Verão, formulação especial
com óleo de girassol, que ajuda a prolongar o bronzeado”. Patel
ainda destaca a tendência de uma maior atenção às embalagens
que acompanhem o conceito do produto. É o caso, entre produtos
recém-lançados pela Unilever, dos sabonetes Lux Glicerina: sua
embalagem é transparente, evocando a translucidez do produto.
“É um recurso que ajuda a aguçar os sentidos”, diz Patel.
BrasilPlast 2003
De 10 a 14 de março a Feira Inter-
nacional da Indústria do Plástico –
Brasilplast 2003, ocupou o Pavilhão
de Exposições do Anhembi, em
São Paulo (SP). Organizada pela
Alcântara Machado, a feira atraiu
48 737 visitantes e teve 1 205 ex-
positores.
A seguir, EMBALAGEMMARCA apre-
senta algumas das novidades que
conferiu no evento.

Cadeia unida
O Projeto UNI, que consiste na que se torna possível agrupar obje-
união de esforços de diferentes elos tos de tamanhos diferentes, fato co-
da cadeia produtiva de embalagens mum em promoções”, diz José
plásticas para tornar o filme encolhí- Boaventura, da área de marketing
vel de PEBD uma alternativa com- da Triunfo. Além da petroquímica, o
petitiva ao papel-cartão na produção Projeto UNI – iniciado em outubro
de multipacks, foi destacado pela de 2002 – envolve a Promo 5, em-
Petroquímica Triunfo na BrasilPlast. presa de representação técnica, a
A idéia é integrar clientes e fornece- Sidel (fornecedora de um túnel de
dores, possibilitando a realização de encolhimento), a Ladal (transforma-
simulações em todas as etapas da dora) e usuários finais, como a Am-
cadeia produtiva. “Uma das vanta- Bev e a Diageo.
gens do filme sobre o papel-cartão é (11) 5501-7077 • www.ptriunfo.com.br

Novas utilizações
A DuPont apresentou novos usos
Por garrafões melhores
para alguns de seus produtos já co- A Braskem elegeu como sua vede- cado, que vem tendo um alto cres-
nhecidos. Um bom exemplo é a apli- te na feira uma nova resina de po- cimento nos últimos anos, é domi-
cação da linha de resinas Selar PA, lipropileno (PP) destinada à fabri- nado atualmente por garrafões de
antes usada como agente de barreira cação de garrafões de 20 litros policarbonato (PC), e tem sido cor-
em embalagens de defensivos agrí- para águas minerais. Esse seg- tejado pelo PET (ver EMBALA-
colas, em embalagens para cosméti- mento de mer- GEMMARCA 39). Mas a Bras-

cos. A alta resistência e a barreira kem acredita no sucesso do


contra gases proporcionada pela re- PP, como corolário do resul-
sina revertem numa boa alternativa tado de testes feitos pela As-
para embalagens de máscaras de sociação Brasileira de Nor-
olho à prova d’água. Outra possível mas Técnicas (ABNT) no fi-
aplicação é em frascos de esmaltes, nal de 2002, que constata-
pois o material consegue uma trans- ram baixa qualidade na
parência próxima à do vidro com um maioria dos garrafões no
peso menor. A DuPont lançou tam- mercado. “A nova resina
bém a linha Surlyn TF para extrusão atende às normas e deve ser
de tubos de alta transparência. Além procurada por um volume conside-
de translúcidas, as embalagens rável de petroquímicas de terceira
feitas com essa resina mantêm um geração”, aposta Luís Fernando
toque macio e boa flexibilidade. Cassinelli, diretor de tecnologia da
www.pack.dupont.com.br Braskem.
0800-171715 (11) 3443-9999 • www.braskem.com.br

34 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


Portfólio maior Com dois cômodos
Uma das novidades apresenta-
A Kraton aproveitou a BrasilPlast
das pela Unipac na Brasil-
para lançar novos grades de seu
plast foi a Twin-Pack, emba-
portfólio de produtos. Uma das no-
lagem desenvolvida para
vidades é a série Kraton D-1400,
acondicionar – e manter se-
adequada a processos diversos
paradas – duas substâncias
como moldagem, injeção, extru-
distintas dentro de um mes-
são, termoformagem e sopro e
mo recipiente plástico. A em-
apropriada para aplicações como
balagem permite o uso con-
embalagens descartáveis para io-
jugado das substâncias (uma
gurtes, saladas e refeições pron-
após a outra) ou a mistura no mo-
tas. Também foi mostrado o polí- pressão criada pela formação de ga-
mento da aplicação, já que a emba-
mero Kraton G, que pode ser usa- ses. Atualmente, a Twin-Pack está
lagem pode ter um ou dois bocais.
do para fabricação de filmes multi- disponível nos tamanhos 4,5 litros x
O fechamento é feito por tampas
camada coextrudados concorren- 0,5 litro e 15 litros x 5 litros.
auto-lacráveis, que podem ser dota-
tes dos filmes poliolefínicos e de (11) 4166-4260 / www.unipac.com.br
das de uma válvula para aliviar a
PVC na área de alimentos (ver
EmbalagemMarca 43).
(11) 3486-3262 • www.kraton.com.br
Aposta no
relacionamento
A participação da Innova na Brasil-
Plast 2003 foi institucional. Segundo
Luciano Rolla, gerente de marketing
da empresa, fidelização de clientes
e manutenção da marca eram os ob-
jetivos principais. Uma das maiores
petroquímicas de segunda geração
do país, a Innova detém hoje cerca
de 30% do mercado interno de po-
EPS de ciclo rápido
liestireno. A BASF apresentou durante a Brasil-
(51) 3378-2300 • (11) 5507-6227 plast uma renovação de seu poliestire-
www.innova.ind.br no expandido Styropor. O novo EPS
tem ciclo de transformação reduzido, o
Resinas de alta performance que reverte em ganho de capacidade
de produção, sem necessidade de in-
Apostando em resinas de alta per- perior. Para o mercado de EVA, a
vestimentos, quando comparado com
formance, a Politeno teve a linha Politeno destacou a resina Evateno
EPS’s convencionais. Totalmente iner-
Suplex Advanced como grande 0312-SP, voltada à fabricação de
te, atóxico e reciclável e inofensivo à
atração de seu estande. Destinada filmes.
camada de ozônio, o Styropor tem
aos setores de empacotamento (11) 3704-6900 • www.politeno.com.br
como principais aplicações na indús-
automático, coextrusão, lamina-
tria de embalagens na forma de prote-
ção, de filme stretch e sacaria
tor de eletroeletrônicos e da linha
industrial, ela oferece maior
branca e como material para a obten-
qualidade na solda, brilho e
ção de recipientes térmicos para ali-
produtividade em máquinas de
mentos e bebidas. Também chama-
envase, além de resistência su-
ram a atenção, na área de embala-
gens para transporte, as mantas e
redes de PE expandido da Joongbo,
comercializados pela Vick, para a pro-
teção de itens diversos (foto acima).
0800 19 45 00 • www.basf.com.br
(11) 3871-7888 • www.vick.com.br
Aço quer mais Nacional, logo mais barata
O presidente da CSN, Benjamin
A 451 Industrial é a impressora térmi- me de 70mm a 100mm por segundo
Steinbruch, anunciou que será
ca de código de barras para uso in- e possui rebobinador automático do
aberta na região Centro-Sul do
dustrial que a Toledo do Brasil está liner, que facilita a trocas de rolos. A
país uma filial de sua subsidiária
lançando no mercado. Ela funciona Toledo diz que a 451 custa a metade
Metalic, situada no Ceará. A idéia
acoplada a balanças e sistemas de da versão similar importada.
é aumentar o uso das latas de aço
pesagem e imprime dados de peso, (11) 6160-9000
por cervejas e refrigerantes.
código do produto, data, hora e ou- www.toledobrasil.com.br
tros itens em etiquetas adesivas. Se-
Subida
gundo Paulo Haegler, gerente de
A Associação Brasileira de Celulo-
vendas da Toledo, a 451 é a primeira
se e Papel (Bracelpa) anunciou
máquina no mercado a imprimir códi-
que, devido a aumentos médios
gos de barra no padrão 128, e “é a
de 17% em custos industriais em
única que aceita etiquetas com largu-
2003, os preços do papel-cartão
ra de até 80mm”. A impressora tam-
sofrerão reajustes de 20% a 25%
bém trabalha com caracteres alfanu-
a partir de abril.
méricos e códigos de barras nos pa-
drões EAN13 e Código 39. Fabricada
Admiração
em ABS de alto impacto, a 451 impri-
A Sonoco, que atua no Brasil atra-
vés da Sonoco For-Plas, aparece
em ranking anual da revista For- Sono tranqüilo com
tune como uma das empresas almofadas de ar
mais admiradas dos EUA. Uma boa solução para a proteção no
transporte de produtos está sendo trazi-
SIG lucra da ao país pela Best-Pack Brasil. São as
O grupo SIG anunciou que seus pe- máquinas suíças Best-Pack, que produ-
didos e vendas aumentaram em zem Air Pads – almofadas de filme plás-
2002, alcançando, respectivamen- tico preenchidas com ar – de diferentes Brasil e Argentina
te, 1,873 bilhão de euros e 1,877 tamanhos, para a ocupação de espaços
bilhão de euros. O lucro operacio-
com a mesma
vazios no acondicionamento irregular
nal do grupo cresceu 24%, atingin- de mercadorias. As máquinas, segundo
atenção
do 97 milhões de euros. a empresa, são as únicas compactas no A recém-criada agência Pande-
mercado mundial (pesam 26 kg), e po- sign anunciou sua associação
Mais vagas dem operar em comodato, a custo zero, com a Randall Stewart Group
Devido à grande procura, a Novel- em atividades logísticas e linhas de pro- (RSG), uma das principais
print irá promover, nos dias 22 e dução dos usuários. Os Air Pads supor- agências argentinas no segmen-
23 de maio, uma segunda edição tam até 120 kg em carga distribuída e to de design e branding. A união
de seu gratuito Curso Básico de ajudam na sustentação das caixas de visa posicionar as duas agên-
Tecnologia do Auto-Adesivo. Ela papelão, garantindo proteção interna de cias de forma diferenciada no
terá 8 horas, divididas em dois embalagens estocadas e transportadas mercado de design e prevê o
dias, com aula prática e teórica. em posição de empilhamento. desenvolvimento de serviços in-
Informações: (11) 3768-4111. (11) 5574-8401 tegrados no eixo Brasil-Argenti-
na, segundo a sócia-diretora da
Jurada
Margarete Takeda, diretora da Pandesign, Marta Cardoso (ex-
a10 design, será a primeira brasi- Mazz Design). Entre clientes ati-
leira a presidir o júri de Package vos a Pandesign conta com
& Design do festival London Inter- Nestlé, Blockbuster, Arcor, Bun-
national Advertising Awards, que ge Alimentos e Café Bom Dia,
acontecerá na capital inglesa em entre outros.
novembro. (11) 3849-9099

38 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


Retorno com economia Anuário destaca
ganho de mercado
A Associação Brasileira das Indús-
trias de Vidro (Abividro) está publi-
cando o seu Anuário 2003, que con-
tém os números consolidados e o
balanço do setor em 2002. Entre os
destaques, há a constatação de que
o vidro ganhou market share no seg-
mento de embalagens, principal-
mente a partir do segundo semestre
As Caixas Pallet Dobráveis são a novi- Giulio Frascari, as caixas podem ser de 2002, pois a desvalorização cam-
dade da Marfinite para movimentação feitas de polipropileno, para uso em bial deu maior fôlego competitivo
e armazenagem dos mais variados temperatura ambiente, e em polietile- aos recipientes do material em rela-
produtos. Com capacidade para 750 li- no, para uso sob baixas temperaturas. ção aos concorrentes, mais depen-
tros, elas são desmontáveis. Assim, Laváveis, elas dispõem de deslizado-
dentes de insumos atrelados ao dó-
três caixas fora de uso, dobradas e res metálicos, para propiciar seu uso
lar. A presente edição marca a tran-
empilhadas, ocupam o espaço de uma, em estruturas porta-paletes, e podem
sição da presidência de José Antô-
permitindo uma economia de 66,6% de receber portinholas nas laterais, para
nio Ramos Lorente, da Cisper, para
espaço no retorno. Desenvolvidas com facilitar o acesso ao conteúdo.
tecnologia própria e com design de a de Jean-Claude Breffort, da área
(11) 6166-2300
de vidros planos da Saint-Gobain,
que ocupará o biênio 2003-2004.
Mais uma alternativa da Rigesa (11) 3255-3033 • www.abividro.org.br
Numa ampliação de seu portfólio de
produtos, a Rigesa MeadWestvaco im-
portou tecnologia de sua matriz ameri-
cana e agora passa a disponibilizar ao
mercado nacional cartuchos e outros re-
cipientes de plásticos semi-rígidos. Além
de contar com sistemas modernos de
corte, vinco e colagem, tais embalagens
podem ser impressas em off-set com tin-
ta UV tanto em sua parte interna quanto
na externa, permitindo ainda acaba-
mentos opacos, em degradê, com verni-
zes ou em hot stamping. Segundo a Ri-
gesa, um dos diferenciais de seu sistema
é o uso de colas incolores especiais, de
alta aderência e resistência a variações
de temperatura e umidade.
(19) 3869-9330 • www.rigesa.com.br
estratégia

Bons vizinhos
Gestão de condomínio deixa bombonas mais próximas da Clariant
ncurtar a distância entre for-

E necedor de embalagens e a
empresa usuária é uma preo-
cupação sensível diante da
busca por competitividade e de redução
dos custos de produção na indústria. Uma
ação que espelha essa busca foi apresen-
tada no dia 4 de fevereiro pela Clariant,
gigante em especialidades químicas, e
pelo seu fornecedor de bombonas plásti-
cas, o Grupo MBP, controlador das em-
presas de embalagens Metalúrgica Barra
do Piraí, Cemibra, Epema e Girona.
O fabricante das embalagens inaugu-
rou uma unidade, com 4 000 metros qua-

DIVULGAÇÃO
drados construídos, dentro do sítio indus-
trial de Suzano (SP) da Clariant. A inicia-
tiva não pode ser vista, porém, como uma Unidade do Grupo para o gás, vapor, gelo, ar comprimido,
MBP no interior nitrogênio e outros insumos também so-
simples implementação de uma solução
do site da Clariant
in-house. Apesar de a Clariant ser o prin- já está produzindo frem abates vantajosos.
cipal cliente do Grupo MBP, e da estima- bombonas Com tal compartilhamento das despe-
tiva de que irá consumir 70% das 330 to- sas e da infra-estrutura pré-existente, no
neladas de polietileno a serem processa- sistema de condomínio, Ronald de Carva-
das mensalmente pelo convertedor, não lho, presidente do Grupo MBP, espera
haverá exclusividade no fornecimento. O uma economia de 8% nos custos fixos da
excedente da produção será direcionado a nova instalação.
outros clientes paulistas. O Grupo MBP, que divide entre suas
empresas as atuações nos mercados de
Custos compartilhados bombonas, baldes e similares plásticos,
“A grande vantagem da instalação é a re- barricas de fibra de papel, tambores e cha-
dução dos custos fixos, que passam a ser pas de aço, telhas e fechamentos metáli-
compartilhados”, explica Daniel Sindicic, cos, embalagens agroindustriais, recupe-
gerente de infra-estrutura do site da Cla- ração e reciclagem de plástico e serviços
riant em Suzano. em aço e resinas plásticas, é a sexta em-
Clariant
Segundo ele, exemplos práticos desses (11) 5683-7600 presa a se instalar no site da Clariant.
benefícios são a redução nos gastos com www.clariant.com.br Depois da fusão entre a Hoechst e a
água, que pode chegar a até 20% em rela- Sandoz, que originou a Clariant em 1997,
Grupo MBP
ção aos preços de São Paulo, já que é a (24) 2447-9797 algumas divisões e negócios foram des-
própria Clariant quem capta e trata a água www.mbp.com.br continuados no site, abrindo espaço para a
do rio Tietê para fornecer ao complexo, e gestão de condomínio, na qual espaços
a economia na conta de energia elétrica, são cedidos em comodato. Por isso, a Cla-
que pode atingir um índice de 20% a riant busca outros “inquilinos” para ocu-
30%, pela tarifa diferenciada para gran- par os mais de 350 000 metros quadrados
des consumidores. Outrossim, os preços ainda disponíveis em seu terreno.

40 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


A seção Painel Gráfico desta edição é dedicada à
cobertura das novidades da mais recente Fiepag – Feira
Internacional de Papel e Indústria Gráfica, realizada entre
25 e 29 de março, em São Paulo. A seguir, um apanhado dos
lançamentos da feira, que este ano contou com 525 expositores.

Um Plus a mais Mais opções em tubos


Focado no mercado de pa- com diversas opções de Interessada principalmente no mercado de materiais de es-
péis especiais e presente no texturas, cores e gramatu- critório, a Tuboleve mostrou sua linha de latas multifolha-
Brasil desde 1977, o grupo ras. Com a marca Rives, das (embalagens cilíndricas compostas por uma parede de
franco-britânico ArjoWiggins disponível nas versões Tra- cartão normalmente enrolada em espiral). A empresa quer
expôs durante a Fiepag a dition e Linear/Design, a fa- fornecer a solução a fabricantes de itens como bobinas de
Linha Plus, uma coleção de mília de papéis especiais da fax e ribbons. Mas vale lembrar que na área alimentícia
papéis coloridos na massa, ArjoWiggins ganhou um as perspectivas de adoção do sistema também se mostram
novo membro. A empresa favoráveis, considerando que lá
diz que, pela ausência de fora mercados como o de
revestimento, os papéis da snacks são grandes consumido-
Linha Plus secam mais rápi- res de multifolhadas. Neste
do, mesmo com o uso de caso, porém, a parte inter-
tintas concentradas. Outra na da embalagem preci-
característica comum aos sa ser revestida com
diversos produtos que com- um liner normalmente
põem a Linha Plus é a utili- feito à base de papel
zação de no mínimo 10% e polietileno (PE).
de celulose reciclada. tuboleve@tubole-

www.arjowiggins.com.br ve.com.br

0800-100648 (11) 6121-7979

Joint-venture preventiva Parceria digital


Também conhecida por sua atuação francesa com forte atuação no forneci- A HP anunciou a Digigraf como novo
no mercado de etiquetas auto-adesi- mento de selos holográficos para pa- distribuidor das linhas de equipamen-
vas e de in-mold labels, a Multilabel do pel-moeda, traveller’s cheques e docu- tos hp indigo press no mercado brasi-
Brasil vem investindo cada vez mais mentos de identificação em geral. Com leiro. O acordo estende a atuação da
na área de autenticação e proteção de o acordo, a Multilabel espera fortalecer Digigraf, que já comercializava pro-
marcas, onde conta com a Divisão sua atuação no mercado latino-ameri- dutos de tecnologias laser e jato de
TOP (Tecnologia Óptica Protetiva). cano, onde o surto de pirataria abre tinta da HP, aos equipamentos da divi-
Nesse sentido, a empresa aproveitou a cada vez mais oportunidades no cam- são de impressão digital da compa-
Fiepag para divulgar uma joint-venture po da proteção de marcas. nhia americana.“A Digigraf já tem
com a Hologram Industries, companhia www.multilabel.com • (11) 5641-4573 uma longa história de sucesso conos-
co”, diz Jack Strimber, diretor de ne-
Reforço estratégico gócios para América Latina da HP.
A MD Papéis aproveitou a Fiepag empresa para 30 000 toneladas/ano. “Acreditamos que ela também será um
2003 para reforçar a oferta de um Com o MP 8, a idéia é trabalhar os grande parceiro na consolidação da
de seus mais recentes lançamen- mercados de laminados plásticos nossa terceira tecnologia de impres-
tos, a máquina MP 8, que começou de alta e baixa pressão, além do se- são”, completa o executivo, referindo-
a ser utilizada no segundo semes- tor de papéis decorativos, um dos se à tecnologia LEP – Liquid Electro
tre do ano passado. mais importantes dentro da estraté- Photography usada nas impressoras
Fruto de investimentos de 25 mi- gia da MD Papéis. hp indigo press.
lhões de dólares, o equipamento www.mdpapeis.com.br www.hp.com.br • (11) 5502-5680
elevou a capacidade produtiva da (11) 4605-2195 www.digigraf.com.br • (11) 3044-4664

42 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


Agilidade na colagem de cartuchos
Com experiência em assistência seio, o equipamento faz colagem de
técnica de máquinas de corte e vin- lateral e fundo, com velocidade que
co e atuando desde o ano passado varia de 18 a 300 metros por minu-
como fornecedora de equipamen- to. Há três larguras de entrada dis-
tos, a AF Máquinas Gráficas apre- poníveis (60, 90 e 105cm), mas a
sentou durante a Fiepag uma do- empresa informa que, sob enco-
bradeira e coladeira para cartuchos menda, pode desenvolver máquinas
de papel cartão e microondulado. com outras dimensões.
Produzido pela própria empresa e www.afmáquinas.com.br
dispensando operações de manu- (11) 6910-4053

Novidades Movimentação em auto-adesivos


em off-set A Braga Produtos Adesivos aprovei- flex e adesivos hot melt UV. O pri-

A Day Brasil mostrou as novidades da tou a Fiepag para mostrar a sua linha meiro é um material que combina
linha Printec de blanquetas para má- de papéis com adesivos espe- propriedades de polietileno
quinas de impressão off-set. ciais para diferentes aplicações. (PE) e polipropileno (PP), e é
Entre os destaques, há a marca Oran- A empresa também apresen- voltado para o segmento de
ge UV, composta por blanquetas auto- tou seu portfólio de filmes de cosméticos. Já os adesivos
adesivas de várias espessuras, disponí- BOPP, material em alta no hot melt UV foram desenvol-
veis em rolos de 1,05m de largura. mercado de rotulagem. vidos para substituir aplica-
Outro lançamento é a Endurance, Já a finlandesa Raflatac, for- ções de adesivos à base de
blanqueta especialmente desenvolvida
necedora de bobinas auto- solvente.
para usuários com necessidade de tro-
adesivas para gráficas e con- www.braga.com.br
cas freqüentes de formatos ou que im-
vertedores de embalagens, (19) 3241-4244
primem em substratos de alta gramatu-
divulgou seu novo filme Ra- www.raflatac.com
ra. A empresa também divulgou um
sistema de recuperação de solventes
que foi instalado na sua própria unida-
de produtiva, em Jandira, São Paulo.
Cortes certeiros
A partir de um investimento anunciado A MLC Facas de Precisão mostrou
de um milhão de dólares, a idéia é um pouco do seu portfólio de produ-
minimizar o impacto ambiental decor- tos, que inclui ferramentas de corte,
rente da produção das blanquetas. discos para refile e picote longitudi-
www.daybrasil.com.br nal, além das linhas de cilindros
(11) 3613-7744 para impressão flexográfica. Nesta
última área, os destaques foram
as ferramentas de impressão
em hot stamping, oferecidas
em formato cilíndrico e plano.
Sobre estes produtos, a empre-
sa garante que a nitidez dos deta-
lhes independe das dimensões pre-
tendidas. Outros produtos oferecidos
durante a Fiepag foram as facas
flexíveis para cilindros magnéti-
cos, linha que a empresa definiu
como “um novo caminho no pro-
cesso de corte flexográfico”.
www.mlc.com.br
(11) 6621-2721
abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 43
Packs menores Garrafa mais jovial
para a criançada Prateleiras de bares, restaurantes e supermerca-
dos recebem a partir de abril a nova embalagem
A linha Mini é a novidade pela Imã Design, traz
do fernet Underberg. Uma garrafa de design mais
da Ebicen desenvolvida como mascote um
moderno foi criada pela Cisper, trazendo o nome
especialmente para con- garotinho com traços
do produto gravado em alto relevo na lateral.
quistar as crianças. Nas orientais e pose de
Ademais, o produto tem nova tampa de rosca e
variantes Camarão lutador de caratê.
conta-gotas, para garantir maior praticidade aos
e Requeijão, os salgadi- As flow-packs de 27g,
consumidores. “As mudanças proporcionam um
nhos têm sabor mais na cor vermelha para a
perfil mais moderno e dinâmico ao produto”, diz
suave, textura macia e versão Camarão e em
Hugo Aquino Neto, da Thoquino Comércio e Re-
embalagens de fácil azul para o sabor requei-
presentação, que comercializa a bebida no Brasil.
abertura. O visual da jão, são impressas pela
Com as inovações no visual, o fabricante espera
embalagem, assinado Shellmar.
vender 8% a mais do que no inverno de 2002,
estação de maior consumo de Underberg, que fa-
turou 7 milhões de reais no ano passado.

Frascos
transparecem
TAMPA DISPENSADA
A Natura apostou em frascos de 100ml,
novas cores metálicas
frascos de vidro com um fornecidos pela Saint- A Impala está lançando com D-Pantenol ou com sili-
exclusivo sistema de Gobain, conservam o quatro novas cores da sua cone. Na primeira, os fras-
válvula que dispensa o design atual da linha linha de esmaltes cromados cos de vidro de 12,5ml
uso de tampa para colo- Sintonia de Natura, e di- Cromo, que apresentam são da Expack, enquanto
car no mer- ferenciam-se pelas co- tecnologia única no merca- na segunda os frascos de
cado as no- res – vermelho e branco do nacional. São elas: 11,5ml são da Vidraria
vas fragrân- na colônia feminina, e Framboesa, Tamarillo, Beri- Anchieta. Ambas as ver-
cias da co- preto e branco na mas- lo e Tantalita. Elas se jun- sões têm acabamento do
lônia Sinto- culina. O sistema de tam às outras tonalidades frasco da Mega Plast, rótu-
nia Total de fechamento é da Rexam, já disponíveis, somando lo da Projetick, tampas da
Natura, que e a válvula interna da um total de 16 cores de Zeviplast e da Thomriss e
tem versões Valois. As colônias vêm alto brilho metálico. A li- embalagens secundárias
diferentes numa lata de aço bran- nha Impala Cromo é en- da Gráfica Planície, Car-
para ho- ca, produzida pela contrada em duas versões, tonpel e Net Caixas.
mens e mu- Tapon Corona.
lheres. Os Thierry Baschmacoff, do
Aesthete
Ateliê, foi o
designer
responsável
pela criação
do projeto.

44 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


CREMOSIDADE EM
Utensílios viram embalagens – e vice-e-versa GRAFISMO MAIS FORTE
Embalagens reutilizáveis são
A embalagem do Doce de Leite
sempre um apelo extra para
Long, novidade da CCL, adota um
qualquer produto. Pensando nis-
conceito diferente em relação à con-
so, a Tramontina está apresen-
corrência. Um grafismo mais forte e
tando suas novas linhas de ta-
de impacto foi utilizado pela Sapien
lheres Leblon e Ipanema de ma- Design, com a presença de cores em
neira criativa: elas vão às gôn- grandes áreas. Segundo a agência,
dolas no interior de utensílios isso facilita a identificação do sabor e
domésticos, que servem de em- da marca e mantém o aspecto de
balagem. O conjunto de 25 pe- cremosidade que o produto deve
ças Leblon, por exemplo, pode transmitir. O doce é vendido em lata
ser encontrado em uma embala- de aço, fabricada pela Prada.
gem-jarra em acrílico transpa-
rente, envolta por um rótulo
auto-adesivo. Por sua vez, o
conjunto Ipanema, de 24 peças,
vem em caixas de acrílico
com dois comparti-
mentos, ideais
para o armazena-
mento de frios na
geladeira. Uma cartela
de papel-cartão duplex
rotula o produto. A Tra-
montina não divulga seus
SENSIBILIDADE PRESERVADA
fornecedores de embalagens.
O Jontex Sensi-
tive é a novida-
Cores mais suaves na caixa do Pettilé de da Johnson
& Johnson no
A indústria de laticínios Cotochés
mercado de pre-
está reformulando as embalagens de
servativos. Ele é
seus produtos. O plano é que todo o
muito mais fino
seu mix esteja de cara nova até o fi-
que as outras
nal de 2003. Entre os itens que che-
versões da mar-
garam às gôndolas de cara nova em
ca, o que pro-
março, o destaque é a bebida láctea
porciona maior
Pettilé, nos sabores morango e pêsse-
sensibilidade
go. O novo visual da embalagem da
nas relações se-
bebida, uma caixa Tetra Rex de 1 li-
xuais, mas com
tro, da Tetra Pak, foi concebido pela
segurança: o
agência New Design, com base em
produto, que le- e pelo Instituto
uma pesquisa realizada pela Vox Po-
vou anos para Falcon Bauer. A
puli junto aos consumidores, para
ser desenvolvido flow pack cinza e
avaliar qual conceito os clientes ti-
e é fabricado azul do produto,
nham da empresa. Assim, a embala-
com formulação que acondiciona
gem ganhou cores mais suaves e ilus-
especial, tem 3 unidades, é
trações de frutas no painel principal,
qualidade atesta- fornecida pela
além de fontes e cores pensadas
da pelo Inmetro Santa Rosa.
para remeter a um produto líquido.

abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 45


Para vender na web
A Skol colocou no merca- marca (www.skol.com.br),
do uma série de latinhas onde as roupas e acessó-
alusivas à Skol Web Sto- rios são comercializados
re. Na embalagem, apare- com exclusividade. As lati-
cem objetos como jaque- nhas apresentam duas
ta, bolsa e óculos de sol. versões: uma traz a ima-
No centro, uma faixa preta gem de um homem e ou-
traz o endereço do site da tra a de uma mulher.
A loja virtual da Skol co- Mais sabores do Sukest em sachês
mercializa uma linha de A linha de pó para refrescos vas frutas na moldura, apli-
produtos desenvolvida Sukest ganhou novos cadas sobre fundo azul.
com consultoria de Beto sabores: laranja-manga e São sachês multicamadas
Lago (Mercado Mundo laranja-acerola. As embala- (PE+PET+Al) de 35g, confec-
Mix) com mais de 50 pe- gens foram redesenhadas cionados pela Andes
ças entre bermudas, cami- pela MR/Tempo Artefatos de Papel, de
setas, bonés, chaveiros, Propaganda e Design, de Recife. As caixas auto-dis-
jaquetas, calças e óculos Bauru (SP), e trazem as play seguem o mesmo visual
de sol. cores e as fotos das respecti- das embalagens.

Mais um Linha Traty


na linha ganha mais
da Dove um item
Aumentando a sua linha A Shizen, empresa fabri-
de desodorantes Dove, cante de cosméticos,
a Unilever lançou uma aumentou a sua linha de
nova versão – Sem Per- xampus e condicionadores
fume –, que se junta à Traty ao lançar produtos
Regular e à Sensitive. específicos para cabelos
A novidade vem em em- oleosos. A novidade é
balagem plástica branca, embalada em frascos de
de polipropileno,sobre a polietileno, com tampas
qual vão aplicados rótulo Brincadeira com segurança de polipropileno. Tudo
e contra-rótulo auto-ade- fornecido pela Vibraço.
A linha de cosméticos Amor tes produtos da linha. A fi-
sivos. O Dove Sem Per-
e Vida, da Avon, lançada re- gura de uma mulher com
fume é disponibilizado
centemente, foi desenvolvi- seu bebê aparece nos pro-
para os consumidores
da com o intuito de intensi- dutos direcionados às
em dois aplicadores:
ficar os vínculos entre mães, e animais marinhos
creme e roll-on.
mães e seus bebês. São, ao com seus filhotes dão o
todo, sete produtos. O de- tom nos produtos para os
sign e ficou a cargo da M bebês. Questões de segu-
Forma (unidade de serviços rança, entretanto, também
da M Design), e os frascos foram consideradas. As
foram desenvolvidos em tampas não possuem can-
parceria com o designer tos e propiciam bom fecha-
francês Jean-Cristophe mento, para evitar aciden-
Gaydon. Inspirou a criação tes. O cartucho em que os
das embalagens o aspecto produtos são acondiciona-
lúdico da relação maternal, dos possui janelas na fren-
que se traduz nos diferen- te e no verso.

46 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


Envelopes ilustrados para a gurizada
A empresa Da Granja Alimentos, que pe traz a mesma imagem de corpo in-
atua no mercado gaúcho, lança seus teiro, com o respectivo nome. Os per-
primeiros produtos com apelo voltado sonagens foram desenvolvidos pelo
ao público infantil. A empresa está co- quadrinista Daniel HDR.
locando no mercado o refresco da Tur- Para acondicionamento e exposição
ma Da Granja, que chega em 8 sabo- do produto no ponto-de-venda foi
res em embalagens de 120ml. desenvolvida uma caixa-dis-
Para ilustrar a linha infantil foram de- play colorida. Os filmes
senvolvidos 12 personagens ao estilo foram impressos em
“anos de ouro” ao contrário de traços estrutura de poliés-
mais simples e geométricos, usados ter em rotogravura e
nos cartoons atuais. As embalagens fo- laminado com alumínio
ram desenvolvidas pelo designer Ro- pela Shellmar e as caixas-dis-
gério Casacurta, responsável por toda plays foram confeccionadas pela Car-
a linha Da Granja. O verso do envelo- tonagem Anapolina.

Homenagem às mulheres
A Água de Cheiro lan- A/B/C, sobre seus há- gal. O cartucho, assi-
ça uma fragrância bitos de consumo e ten- nado pela designer An-
para homenagear a dências. O resultado dréia Gomes, foi de-
mulher. “Homenagem” mostrou mulheres de senvolvido pela New-
é um perfume fresco e personalidade forte, Design, de Belo Hori-
suave. Para desenvol- sensíveis e que procu- zonte. O investimento
ver a colônia, a Água ram praticidade. O da Água de Cheiro no
de Cheiro realizou frasco de Homenagem Homenagem, incluindo
uma extensa pesquisa foi criado pelas desig- pesquisa e desenvolvi-
com mulheres de 25 a ners paranaenses Têre mento do produto, foi
45 anos, de classes Zagonel e Izabel Portu- de R$ 300 mil.

Hulk arrasa em chicles RÓTULOS NOBRES PARA O


A Adams, com a goma de mascar Ping Pong Ploc, PRIMEIRO ICE DE TEQUILA
acaba de lançar a nova coleção de figurinhas do Hulk, A Tequila Sauza, graduação alcoó-
super herói infantil de enorme sucesso na tevê e histó- marca da Allied lica de 5%. A
rias em quadrinhos, que em breve estará nos cinemas. Domecq, está en- bebida é apre-
Os quatro sabores do chicle (tutti-frutti, morango, trando no merca- sentada em gar-
hortelã e o novo, laranja) estarão no “clima” do perso- do brasileiro de rafas long neck
nagem, ou seja, ganharam uma cobertura verde, mas bebidas ice atra- de 300ml, deco-
sem perder o sabor original. O herói verde também é vés da Sauza In- radas com dois
ferno, primeiro rótulos auto-ade-
destacado nas embalagens dos produtos.
ice de tequila. sivos da Prodes-
O produto já foi maq – que com-
lançado nos Esta- binam diversos
dos Unidos, onde processos de im-
se chama Sauza pressão. O da
Diablo. Feito fronte inclui infor-
com tequila im- mações em sua
portada do Méxi- lateral, dispen-
co e refrigerante sando o contra-
sabor citrus, tem rótulo.

abr 2003 • EMBALAGEMMARCA – 47


imagem

Imagem reforçada
Votorantim padroniza visual de suas embalagens de cimento
Votorantim Cimentos anun- Votorantin Cimentos valor agregado, provando que cimento

A ciou a padronização visual da


sua linha de cimentos, que en-
globa as marcas Votoran, Itaú,
Tocantins, Poty e Aratu. As novas embala-
0800 55 82 82
www.votoran.com.br
não é commodity”. Um dos principais
objetivos é mostrar aos consumidores
que a companhia é responsável pelos pro-
dutos em cada Estado. Na Bahia, por
gens chegaram ao mercado no final de exemplo, o carro-chefe é o cimento Ara-
março, com novos logotipos. O objetivo tu, e em São Paulo, o Votoran. “Agora”,
da padronização é associar as marcas re- diz Chamma, “se for de um lugar para
gionais à Votorantim Cimentos, reforçan- outro, a pessoa identifica os dois produ-
do a imagem de empresa única. tos com a Votorantim.”
As novas embalagens apresentam for- A Votorantim Cimentos trabalhou com
mato horizontal, contrariando o padrão duas agências de publicidade na criação
vertical utilizado na categoria. Além disso, das novas embalagens. A BCH Future
para cada tipo de cimento foi adotada uma Brand, desenvolveu a identidade visual
cor diferente. Outra novidade é a reserva das empresas do Grupo Votorantim e da
de um espaço no verso da embalagem para linha de cimentos. A Weega Consulting
a divulgação de campanhas sociais desen- criou a campanha publicitária para mídia
volvidas pela empresa. especializada do setor da construção e
De acordo com o diretor comercial da materiais de ponto-de-venda. A empresa
Votorantim, Marcelo Chamma, “a nova tem seis fornecedores de embalagens:
identidade visual indica que a empresa Klabin, Trombini, Cocelpa, Iguaçu,
está implementando uma agressiva estra- Conpel e Portela
tégia de crescimento em nichos de maior
Identidade na cor
A Votorantim tem quatro tipos de cimen-
to cinza. O CP II, que passa a ser identifi-
cado pela cor azul escuro, é indicado
para uso onde não há necessidade de re-
sistência muito elevada. Para obras de
concreto-massa e expostas ao ambiente
que exijam baixo calor de hidratação e
alta resistência final, os cimentos indica-
dos são o CP III, cujas embalagens têm
uma tarja vermelha, e o CP IV, que é
identificado pela cor azul claro. O cimen-
to CP V, indicado para situações que exi-
gem alta resistência final e desforma rá-
pida, tem embalagem cor de abóbora.
CP IV
CP III

CP V
CP II

Votoran,
Aratu,
Tocantins,
Poty e Itaú:
uma cara só
DIVULGAÇÃO

para nomes
diferentes

48 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003


Almanaque
O pó preferido do imperador
Ao desembarcar no Rio assim, a Casa Granado. Em 1903 ele criou, com
de Janeiro aos 14 anos e Graças à qualidade de a ajuda de um irmão far-
com parcas economias, seus produtos, a loja tor- macêutico, o famoso
em 1860, o português nou-se fornecedora da Polvilho Antisséptico
José Antônio Coxito corte imperial, instalada Granado, um sucesso
Granado conseguiu um na então capital do Bra- que continua até hoje no
emprego de lavador de sil. Granado virou até mercado. Sua embala-
frascos em uma pequena amigo pessoal de Dom gem, aliás, passou por
botica. Logo foi convi- Pedro II e teve, entre ou- uma reformulação re-
dado a dirigi-la e, em tros clientes ilustres, Rui cente, e agora tem até
1870, arrematou-a por 7 Barbosa, José do Patro- rótulo auto-adesivo, da
contos de réis. Fundou, cínio e Oswaldo Cruz. Prodesmaq. Ontem Hoje

Desenrolares mais amenos das cizânias


Num momento em que a guerra é o centro das atenções, EMBALAGEMMARCA lembra
algumas curiosidades sobre marcas e produtos relacionadas ao tema

Grito de liberdade do coquetel


Virada do século 19 para o 20, Guerra His- fantes também pediram uma rodada da
pano-Americana, na Cuba ocupada pelos exótica bebida. Quando o pedido chegou à
Estados Unidos. Numa tarde de folga num mesa, um dos soldados sugeriu um brinde,
bar, soldados do corpo do Exército Notável ao que o capitão elevou seu copo e gritou
americano observaram um capitão adentrar “Cuba Libre!”, apropriando-se do grito de
o recinto e pedir rum Bacardi com Coca- guerra que tinha inspirado os cubanos vito-
Cola, gelo e uma rodela de limão. O oficial riosos em sua Guerra de Independência. O
sorveu a mistura com tal prazer que os in- coquetel ganhou nome, fama e o mundo.

Batalhas só no tabuleiro
No fim dos anos 60, quatro amigos re- então, a Grow. Seu primeiro produto foi
cém-formados engenheiros pela Univer- o jogo de tabuleiro WAR, lançado em
sidade de São Paulo decidiram abrir um 1972. Com produção inicial de 5 000
negócio em conjunto. Pensaram em unidades e vendido pelos quatro sócios
confecção, corretora de valores ou em- de loja em loja, o jogo logo se tornou
presa de instrumentos de precisão, mas, um sucesso estrondoso ao combinar es-
vendo que as opções em jogos para tratégia e simulação de guerra. Trinta
adultos eram parcas e, mormente, im- anos após o seu nascimento, o WAR ain-
portadas, decidiram aventurar-se no da é um hit, e conta com quatro versões
campo do entretenimento. Fundaram, no mercado, para todos os gostos.

Publicidade bélica dá retorno


Em 1990, para homenagear o cinqüente- Force), vital para ajudar a derrotar a temi-
nário da Batalha da Bretanha, ocorrida na da Luftwaffe, a força aérea nazista. O tema
Segunda Guerra, a cervejaria inglesa She- da guerra utilizado na campanha de lança-
pherd Neame lançou a marca Spitfire, to- mento do produto agradou, e é usado até
mando emprestado o nome do famoso hoje – como no pôster aqui reproduzido,
avião “cuspidor de fogo” da RAF (Royal Air estrelado pelo célebre Winston Churchill.

50 – EMBALAGEMMARCA • abr 2003