Você está na página 1de 6

CURSO DE QUESTÕES

Filosofia – Ênio Mendes – Aula 2


Filosofia Antiga: Platão e Aristóteles

Questão 1
Sócrates era um cidadão comum de Atenas, até o oráculo de Delfos indicar
que ele era o homem mais sábio de seu tempo. A partir daí, ele tomou como
missão a Maiêutica, que significava a “arte de trazer à luz” (“parto das
ideias”), através de longas conversas com interlocutores de todas as
classes sociais. O que significava esta arte:
a) Sócrates, que também era médico, auxiliava nos partos de Atenas.
b) A luz do pensamento de Sócrates ofuscava todo o conhecimento da outra
pessoa.
c) Nenhuma das anteriores está correta.
d) Através do diálogo promovido por Sócrates, a pessoa podia formular suas
ideias e pensamentos.
e) A luz indicava que a pessoa não precisava se esforçar para adquirir
conhecimento.

Questão 2
(Uem 2012-Modificada) Os sofistas são conhecidos por serem os
“antifilósofos”, os adversários preferidos dos primeiros filósofos gregos.
Entre as acusações a eles endereçadas estava que “aboliram o critério,
porque afirmam que todas as aparências e todas as opiniões são
verdadeiras e que a verdade é algo relativo, pois que tudo o que é aparência
ou opinião para um indivíduo existe [deste modo] para ele.”
(MARQUES, M. P. Os sofistas: o saber em questão. In: FIGUEIREDO, V. de (Org.) Filósofos na
Sala de Aula. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2007, v. 2, p. 31).

Sobre a atitude filosófica dos sofistas, é correto afirmar que:


a) os sofistas se utilizavam da retórica para convencer seus interlocutores
b) os sofistas buscavam somente a verdade
c) os sofistas apresentavam, com suas contra-argumentações, problemas
relevantes para os religiosos.
d) filósofos e sofistas perfazem duas personagens relevantes da filosofia
medieval.
e) os sofistas pretendiam desmascarar os filósofos na sua capacidade de
desvirtuar e iludir a juventude.

Questão 3
(UFLA/MG-Modificada) No Fédon, Platão coloca na boca de Sócrates as
seguintes palavras: "admitamos pois – o que me servirá de ponto de
partida e de base – que existe um Belo em si e por si, um Bom, um Grande,
e assim por diante.Se admitires a existência dessas coisas, se
concordares comigo, esperarei que elas me permitirão tornar-te clara a
causa, que assim descobrirás, que faz com que a alma seja imortal".
No trecho, é exposta, inicialmente, a doutrina platônica das ideias. Dentre as
alternativas abaixo qual apresenta corretamente elementos dessa doutrina?
a) Superando o pensamento anterior, o mundo das ideias refere-se ao devir de
Heráclito, e o mundo dos fenômenos, ao ser de Parmênides.
b) O mundo sensível é o da permanência, o verdadeiro mundo.
c) O mundo das ideias, acima do ilusório mundo sensível, é o que se atinge pela
contemplação e pela purificação dos enganos dos sentidos.
d) As ideias são mutáveis e o mundo dos fenômenos só existe na medida em
que participa do mundo sensível.
e)Nenhum dos dois mundos, sensível ou inteligível, de fato existe. São apenas
ilusões perante o mundo fenomênico
Questão 4
(Colégio Pedro II – RJ-2009 Adaptada) Platão é um dos mais reconhecidos
pensadores da história humana. Dentre as suas obras mais fundamentais
encontramos a República, livro que se apresenta como um livro sobre a
justiça, mas seria absurdo reduzi-lo a apenas isso. Na República,
apresenta-se a "alegoria da caverna", em que se diz que, quando o homem
sai da caverna, ele vê o sol e esse corresponde à ideia do Bem. De acordo
com esse texto de Platão, pode-se afirmar que o conhecimento:
a) está vinculado a uma maneira de viver, mas tal alegoria mostra que não é
assim que se encontra a verdade.
b) não é pensado, na vida dos homens, como vinculado a um modo de vida; a
alegoria é apenas ilusória.
c) está vinculado a uma maneira de viver, e a educação oferece os meios para
a alma voltar-se para o Bem.
d) não é pensado, na vida dos homens, como vinculado a um modo de vida; a
alegoria mostra que o homem pode ser feliz
e) É relativo, como dizem os sofistas.

Questão 5
(Unioeste 2010) “Nós estimamos possuir a ciência de uma coisa de
maneira absoluta – e não, ao modo dos Sofistas, de uma maneira
puramente acidental, quando acreditamos que conhecemos a causa pela
qual a coisa é, que sabemos que essa causa é a da coisa e que, além disso,
não é possível que a coisa seja algo distinto do que ela o é. É evidente que
tal é a natureza do conhecimento científico. […] Mas o que chamamos aqui
saber é o conhecer por meio da demonstração. Por demonstração entendo
o silogismo científico e chamo científico um silogismo cuja posse em si
mesma constitui para nós a ciência” (Aristóteles).
Tendo em conta a teoria aristotélica da ciência, é incorreto afirmar que:
a) o conhecimento científico não trata apenas da causalidade e do que é
necessário, mas também do contingente, do provável e do individual.
b) o conhecimento científico é um tipo de conhecimento que adquirimos
exclusivamente por meio da demonstração, o silogismo científico.
c) os primeiros princípios não são conhecidos por demonstração; caso contrário,
teríamos uma regressão ao infinito.
d) o silogismo científico, por fornecer explicações causais, não trata do “quê” das
coisas, mas do seu “porquê”.
e) na ciência demonstrativa, as premissas, além de tratarem da causa, devem
ser verdadeiras, primeiras, imediatas e mais conhecidas que a conclusão.

Questão 6
Mas a cidade pareceu-nos justa, quando existiam dentro dela três espécies
de naturezas, que executavam cada uma a tarefa que lhe era própria; e, por
sua vez, temperante, corajosa e sábia, devido a outras disposições e
qualidades dessas mesmas espécies.
(PLATÃO. A república.Trad. de Maria Helena da Rocha Pereira. 7 ed. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian, 1993. p. 190.)

O trecho pertence a principal obra política de Platão, com base nele


respondas as próximas duas questões:
Sobre as formas de governo em Platão, podemos afirmar que:
a) Segundo o autor não existia forma ideal
b) Segundo o autor seria uma monarquia
c) Segundo o autor era a democracia
d) Segundo o autor deveria ser pensada a partir das virtudes
e) Segundo o autor deveria ser pensada a partir dos vícios.
Questão 7
Enem (2013) A felicidade é portanto, a melhor, a mais nobre e a mais
aprazível coisa do mundo, e esses atributos não devem estar separados
como na inscrição existente em Delfos “das coisas, a mais nobre é a mais
justa, e a melhor é a saúde; porém a mais doce é ter o que amamos”. Todos
estes atributos estão presentes nas mais excelentes atividades, e entre
essas a melhor, nós a identificamos como felicidade.
ARISTÓTELES. A Política. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.

Ao reconhecer na felicidade a reunião dos mais excelentes atributos,


Aristóteles a identifica como
a) busca por bens materiais e títulos de nobreza.
b) plenitude espiritual a ascese pessoal.
c) finalidade das ações e condutas humanas.
d) conhecimento de verdades imutáveis e perfeitas.
e) expressão do sucesso individual e reconhecimento público
Gabarito
1) d
2) a
3) c
4) c
5) a
6) d
7) c