Você está na página 1de 24

COMPOSIÇÃO COPORAL E

CONTROLE DE PESO

Universidade Federal de Minas Gerais


Disciplina: Fisiologia do Exercício
Professor: Ricardo de Freitas
• Fracionamento da Massa Corporal:
– Modelo de 4 compartimentos
• massa muscular
• massa gorda
• massa óssea
• massa visceral
– Modelo de 2 compartimentos
• massa magra (óssea + muscular + residual)
• massa gorda - gord. reserva ( 12% e  15%
+ essencial ( 3% e  12%).
• Padrões de adiposidade para saúde
Grau Masc. Fem.

Normal 18% 27%

Sobrepeso 18% - 23% 27% - 32%

Obeso acima 23% acima 32%

• Valores mínimo de gordura


 5% e  12% a 15%
• Métodos de Fracionamento
– Direto - dissecação
– Indireto - Físico: raio X, DEXA, pesagem
hidrostática e Químico: creatinina, potássio
radioativo.
– Duplamente Indireto - Antropometria
(perimetria, diâmetros, dobras cutâneas),
Infravermelho e Bio-Impedância.
Direto Erro
Erro
indireto

Duplamente indireto
2%

Erro
• Pesagem Hidrostática
– Equação para predição de densidade
corporal (Brozek 1963).
• DC - densidade corporal
• MC - massa corporal
• DH2O - densidade da H2O
• VR - Vol. Residual
• VGI - vol. Gastrointestinal
• Masc. VR= 0,0210 (id) + 0,023 (estatura) -
2,978
• Fem. VR = 0,0115 (id) + 0,019 (estatura) -
2,240
MC
DC = - VR + VGI
(MC - MC H2O)
D H2O

• SIRI % Gordura

% Gord. = ( 4,95 - 4,50)X 100


Dens.

• Modelos matemáticos para conversão dos valores de


densidade corporal em % de gordura (LOHMAN,
1986).
• DEXA
– Limitações
• Não indicado para obesos
• Adota a cabeça uma densidade constante
• Se o tórax passar de 25 cm não consegue
aferir
• Erros matemáticos
• Pletismografia
– Limitações
• Preço R$ ???
• Obeso
• Impedância Bio-elétrica
• Limitações
– Dificuldade de seguir os protocolos antes
do teste.
• 4 hs em jejum
• 24 hs sem exercício físico
• 48 hs sem álcool
• 7 dias sem utilizar diurético
• 30`minutos antes - urinar
• Não utilizar cafeína
• Para aceitar o resultado da bio-impedância o
%H2O na massa muscular deve estar entre
69% - 73%. Não é ruim mas mal utilizada.
• Antropometria
– Peso
– Estatura
– Diâmetros - (bi-estilóide, bi-condilar
femural, bi-maleolar, bi-epicondilial).
– Perímetros
– Dobras cutâneas
• Dobras cutâneas
– Utilização das medidas
– Valor absoluto
• Topografia da gordura
• Somatória de dobras
• Equações Preditivas
– Generalizadas
– Específicas
• Critérios de seleção da técnica
– Validade: é quando a técnica mede aquilo
que ela se propõe a medir. R  0,8 e
EPE  3,5
– Fidedignidade: reprodutibilidade
CCI  0,90
– Viabilidade: possibilidade de adaptação
dos métodos aos recursos materiais,
financeiros, etc.
– Objetividade: é grau de consistência das
medidas usadas pelas mesmas dobras
realizadas por avaliadores diferentes. CCI
 0,80
• Fontes de erro
– Impedância-bioelétrica
• instrumento
• o avaliado
• equações disponíveis
– Espessura de dobras cutâneas
• instrumento
• avaliador
• escolha da equação
• “Na Avaliação o importante é conhecer
as limitações do método escolhido e
seguir a padronização adequada, assim
é possível errar um pouco menos”.
• OBESIDADE
– É um acúmulo excessivo de gordura corporal
(Mc Ardle,Katch & Katch,1998).
– $ 35 bilhões/ano nos EUA
• Obesidade X excesso de comida
– Influências sociais, genéticas, ambientais e
raciais.
– Padrões alimentares, meio ambiente, imagem
corporal, TMR, termogênese, AVDs, temp.
corporal basal, lipoproteína e nível de enzimas.
• Genética X Obesidade
– reduz o limiar p/ o surgimento da doença
(Mc Ardle,Katch & Katch,1998).
– Genética 25%
– Transmissão cultural 30%
– Intransmissível 45%
• Gene mutante?
• Leptina - proteína da saciedade.
Hipotálamo
Adipócito
A leptina envia
O gene produz a
S1 ao
leptina
hipotálamo p/
reduzir o
Corrente
impulso de
sangüínea
comer
A Leptina
• Risco da Obesidade p/ a saúde
– colesterol elevado, hipertensão, cardiopatias,
AVC, câncer colorretal, mama, endométrio,
doença renal, doença pulmonar, osteoartrite,
coronariopatias, limitações nas AVDs, artrites,
diabetes, entre outras doenças (Mc Ardle,Katch &
Katch,1998).
• Critérios para a Obesidade
Grau Masc. Fem.
• % de Gordura
Normal 18% 27%

Sobrepeso 18% - 23% 27% - 32%

Obeso acima 23% acima 32%

(Mc Ardle,Katch & Katch,1998)


• Qual a melhor estratégia p/ o controle do
peso?
– Intervenção cirúrgica
– Intervenção farmacológica
– Exercício: tipo? Intensidade? Duração?
Freqüência?
– Dieta: calorias? Jejum? Macronutrientes?
• Qual seu peso ideal?
– Ponto de ajuste do peso
• Ajuste fisiológico
• Ajuste psicológico
(POWERS & HOWLEY, 2001)
• Ajuste Fisiológico

Sinais
Hipotálamo
Fisiológicos

Glicosato
Lipostato
Ponderostato Ingestão
• Ajuste Psicológico

Sinais
Sist.
Cognitivos Congnitivo

Como eu pareço?
Tamanho das
roupas
Dieta
Peso corporal
• Fome, Saciação e Saciedade

fome

Eu não quero
mais
apetite saciedade

Eu estou
satisfeito
saciação
• Por que a gordura seria problemática?
– > densidade energética
– > efeito saboroso
– < efeito teromogênico
– Suposta relação do apetite pelos carboidratos
www.ijo.com (international journal of obesid)
• Gasto energético
– Gasto energético de repouso
– Termogênese é afetada pela:
• quantidade de energia
• tipo de macronutrientes
• não pelo nº de refeições
• Atividade física
• Qual o efeito do exercício físico sobre o
apetite?
– Teoria: > intens. > o consumo de CHO > a fome e
> o consumo.
• Exercício, ingestão calórica, apetite e casto
energético
–  Não foi observado  no apetite e apenas o
grupo que treino intenso perdeu peso.
–  Não foi observado  no apetite e redução de
peso no grupo que treinou intenso e moderado.
– Conclusão: Os tem > capacidade em oxidar
gordura.
Stubbs et al 2002.
• Obesidade e Balanço Calórico
– 40% VO2máx
– 70% VO2máx
– Conclusão: Não alterou a oxidação de gordura
Baak, 1997
• Atividade física espontânea e Programada
– Aeróbia: 3 a 4 X / week - 45’
– Espontânea: 5 X / week - 30’
– Conclusão: Não houve  MM e MG
Andersen et al 2002
• Considerações
– Reduzir a ingestão calórica
– Déficit energético de 500kcal/dia
– Redução ponderal
– Considerar o tipo, volume freqüência, intensidade
e duração do treinamento