Você está na página 1de 6

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO


TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO
ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA
ACÓRDÃO REGISTRADO(A)SOBN°

'02263387*

Vistos, relatados e discutidos estes autos de

AGRAVO DE INSTRUMENTO n° 638.414-4/1-00, da Comarca de SÃO

PAULO, em que é agravante ALESSANDRA ALVES DOS SANTOS sendo

agravada COOPERATIVA HABITACIONAL DOS BANCÁRIOS DE SÃO PAULO

- BANCOOP:

ACORDAM, em Primeira Câmara de Direito Privado do

Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, proferir a

seguinte decisão: "DERAM PROVIMENTO AO RECURSO, V.U.", de

conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão.

O julgamento teve a participação dos

Desembargadores GUIMARÃES E SOUZA (Presidente), DE SANTI

RIBEIRO.

São Paulo, 07 de abril de 2009.


PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PRIMEIRA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

AGRAVO DE INSTRUMENTO N° 638.414-4/1-00 - SÃO PAULO.


Agravante: Alessandra Alves dos Santos.
Agravada: Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo -
BANCOOP.
Voto 4.650
AÇÃO DECLARATÓRIA DE 1NEXIGIBIL1DADE
DE DEBITO - Valor cobrado como aporte
financeiro (reforço de caixa) - Cobrança discutida -
Antecipação de tutela, suspensa exigibilidade desta -
Presentes requisitos do art. 273, caput e I, CPC -
Recurso provido.

1. É agravo de instrumento contra decisão que, em ação


declaratória de inexigibilidade de débito movida pela agravante à agravada,
indeferiu antecipação de tutela para suspender envio de cobrança de rateio de
final de obras e proceder qualquer restrição junto aos órgãos de proteção ao
crédito (fl. 22).

Presentes requisitos, diz-se - não recebeu cópia do estatuto da


agravada e sequer anuiu à transferência do financiamento. Ademais, não foi
comunicada da possibilidade de rateio final de obras, sendo manifestamente
abusiva e excessiva a cobrança. Por fim, a negativação de seu nome acarretará
prejuízos como a negativa de créditos bancários, empréstimos e operações
financeiras. Requer-se, pois, aquela antecipação - sob pena de multa diária.
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PRIMEIRA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

É o relatório.

2. Julgo já (início do processo). Recurso fundado. A agravante


adquiriu unidade no empreendimento por sistema de autofinanciamento
promovido pela agravada, a lhe cobrar, agora, aporte financeiro - reforço de
caixa - em razão da falta de recursos para término da construção, no valor
aproximado de R$23.753,47 (vide fl. 68 e 84). Porém, este é discutível e,
inclusive, esta Câmara já reconheceu, no Agravo de Instrumento n° 517.493-
4/8, que é "público e notório haver questões judiciais complexas a envolver a
cooperativa como um todo, não afastada a possibilidade de caracterização de
fatos que, até mesmo, possam ser definidos como crimes atribuíveis a seus
dirigentes". Nesse contexto, as publicações de fls. 96/106.

Na situação, pois, presentes requisitos do art. 273, caput e I, do


CPC. Há prova que convence da verossimilhança da alegação e configuração
de perigo de dano irreparável ou de difícil reparação - na medida em que,
além de eventual negativação de nome, pelo estatuto da Cooperativa, o não
pagamento do valor implicará eliminação e conseqüente perda do imóvel (fl.
88, cláusula 13a).

Aliás, a matéria já foi objeto de julgados neste Tribunal. A


respeito - mutatis mutandis:

Agravo de Instrumento n" 638.414-4/7-00 - São Paulo - Voto 4.650 - (CAL)

2
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PRIMEIRA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

CONTRATO - Compra e venda de imóvel - Cooperativa


Habitacional - Reforço de caixa - Decisão que deferiu os efeitos
da tutela para suspender a cobrança de reforço de caixa -
Alegação de que o aporte financeiro refere-se ao efetivo preço de
custo do imóvel - A cobrança de aporte de recursos (reforço de
caixa) não se confunde com o rateio do déficit final da obra
concluída, o que se dá ao realizar-se a apuração final do custo do
empreendimento - Hipótese em que a obra se acha incompleta e
paralisada, não havendo que se invocar a cláusula contratual que
cuida da apuração final, bem como o estatuto social e o art. 80,
da Lei n° 5764/71, para obtenção de aporte de recursos, pois não
se está diante de obra concluída - Questão que pode ser
reapreciada por ocasião da perícia - Recurso desprovido. (TJSP-
Agravo de Instrumento 5174934800 - Relator(a): Luiz Antônio
de Godoy - Comarca: São Paulo - Órgão julgador: Ia Câmara de
Direito Privado - Data do julgamento: 27/11/2007 - Data de
registro: 07/12/2007).

AGRAVO DE INSTRUMENTO. Ação declaratória de


inexigibilidade de débito. Decisão que antecipou os efeitos da
tutela, para determinar a suspensão da exigibilidade do débito,
até o desfecho da causa, por vislumbrar fundado receio de dano

>o de Instrumento n" 638.414-4/1-00 - São Paulo - Voto 4.650 - (CAL)

3
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PRIMEIRA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

de difícil reparação. Alegação de regularidade da cobrança.


Decisão mantida. Presença dos requisitos previstos no art. 273
CPC. Recurso improvido. (TJSP-Agravo de instrumento
4767264500 - Relator(a): Des. Carlos Teixeira Leite - Comarca:
Sã Paulo - Órgão julgador: 4a Câmara de Direito Privado - Data
do julgamento: 14/12/2006 - Data de registro: 27/12/2006).

ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA concedida para


suspender a exigibilidade de parcelas cobradas a título de
"reforço de caixa". Admissibilidade. Presença dos requisitos
legais. Legalidade duvidosa. Matéria a ser analisada por ocasião
da apreciação do mérito. Cláusula contratual prevendo a perda da
unidade adquirida na ocorrência de atraso de três parcelas, que
implica na existência de risco de dano irreparável. Decisão
mantida. Recurso desprovido. (TJSP-Agravo de Instrumento
5302744400 - Relator(a): Paulo Alcides - Comarca: São Paulo -
Órgão julgador: Ia Câmara de Direito Privado - Data do
julgamento: 13/05/2008 - Data de registro: 19/05/2008).

Note-se: conquanto de multa diária não se tenha referido na


petição inicial (fls. 33/34), nada impede - aqui e agora - sua fixação (art. 461,
§ 4o, CPC).

Agravo de Instrumento n"638 414-4/1-00 - São Paulo - Voto 4.650 - (CAL)


PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PRIMEIRA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

3. Pelo exposto, a este se prove para determinar à agravada


suspenda o envio de cobrança de rateio de final de obras, abstendo-se de
proceder qualquer restrição de nome junto aos órgãos de proteção ao crédito
(por conta daquele rateio), sob pena de multa diária de R$1.000,00 (mil reais).

Vicentini Barrosi

Agravo de Instrumento n"638.414-4/1-00 - São Paulo - Voto 4.650 - (CAL)