Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE VIRTUAL DO ESTADO DE SÃO

PAULO PEDAGOGIA

ELIZABETH BARBOSA

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL II

Atividade para avaliação - Semana 4

CIDADE/SP
2018
Fundamentos da educação - semana 4

Cena 1
Bruna é professora de um grupo de 25 crianças de 4 anos. Quando
chegam à escola, as crianças sentam na quadra e ficam esperando todos os
outros amigos chegarem para que possam entrar na sala juntos, de forma
organizada. Na sala, ao iniciar a rotina, fazem uma roda, em que cada criança
fala por sua vez, uma após a outra. Em seguida, a professora faz a chamada,
pedindo que cada criança coloque o seu nome no quadro de feltro. Depois,
convida uma criança para preencher a “janelinha do tempo”, perguntando se
chove ou faz sol lá fora, completando o dia da semana e o dia do mês. Como é
semana da páscoa, em seguida a professora entrega um desenho
mimeografado com coelhos e ovos. Enquanto as crianças pintam, a professora
está à sua mesa, preenchendo a caderneta de frequência.
Saem da sala, fazem a higiene das mãos e vão para o lanche. As crianças
fazem uma fila e vão para o refeitório. Ao chegar, cantam a música “meu
lanchinho vou comer...”. O cardápio é pão com salsicha e banana. A professora
serve um lanche e uma banana para cada criança. Depois do lanche, as crianças
vão escovar os dentes, e depois vão ao parque.
Enquanto brincam, a professora fica cuidando para que não se
machuquem.
Depois, voltam para a sala e Bruna conta uma história e pede para que
façam um desenho da história. Após o término, entrega massinha e depois de
trinta minutos cada um pega a sua mochila e vai embora. Fim do dia!

Cena 2
Juliana trabalha na mesma escola de Bruna e também com um grupo de
25 crianças de 4 anos. Quando chegam, as crianças penduram a mochila nos
ganchos do corredor e podem entrar na sala. Juliana organiza a cada semana
diferentes materiais em cantinhos da sala para que as crianças possam explorar
nesse momento. Os cantinhos são organizados, por exemplo, com livros; outro
com maquiagem, espelho, escovas, secador (salão de cabeleireiro); outro com
diferentes papéis, pincéis, canetinhas, tintas; outro com muita sucata, tesouras,
colas; outro com baralho, papéis e lápis; e um último com muitos brinquedos
para construção.
Também no corredor (para aproveitar o espaço que é pequeno na sala),
ela colocou uma prateleira com alguns jogos de percursos e de regras que
podem ser usados nesses momentos. As crianças se distribuem livremente
nessas atividades até que todas cheguem. Então, ela faz uma roda, em que cada
uma conta sobre o que fez em casa. Juliana incentiva para que todos participem,
mas não é obrigatório falar todos os dias. Em seguida, ainda na roda, ela lembra
às crianças o que tinham combinado para terminar naquele dia: a confecção de
brinquedos com sucata, fruto de uma pesquisa que fizeram juntos sobre
construção de brinquedos. Assim estão há vários dias pesquisando, separando
materiais, construindo e brincando com os brinquedos construídos.
Saem da sala, fazem a higiene das mãos e vão para o lanche. Na hora do
lanche, foram juntas para o refeitório (a regra é ninguém se separar, mas não
precisa fazer fila). Juliana diz o que tem de lanche e serve uma bandeja, para
que cada criança se sirva, se assim o desejar.
Depois do lanche, as crianças vão escovar os dentes e depois vão ao
parque. Juliana leva giz de lousa para fazer amarelinha no chão, além de papéis
e canetinhas. As crianças podem escolher onde e com o que desejam brincar.
Juliana brinca junto.
Depois, voltam para a sala. Uma história é contada por uma das crianças;
eles fazem combinações para o dia seguinte, cada um pega a sua mochila e vai
embora. Fim do dia!

Como você provavelmente constatou, há distinções nos trabalhos das


duas professoras. Valendo-se do que estudamos neste módulo, responda:

1. Quais as concepções de criança presentes nas cenas 1 e 2?

Cena 1
Na cena as crianças são vistas como passiva, sem particularidades ou
diferenciações, ou seja são homogeneizadas todas precisam da mesma coisa
da mesma forma, ex.: comer as mesmas coisas, farem as mesmas atividades.
Criança fica a disposição das ordens do professor, faça isso e agora faça aquilo,
sem autonomia, mesmo no momento que podem falar parece ser alguma coisa
mecânica por ser independente do interesse da criança, estão desenvolvendo
pessoas apáticas sem possibilidades de dizer ou se expressar, o dia que
tiverem esse espaço não saberão fazer, assim como o pássaro criado na gaiola,
aberta a gaiola ele não sai, não sabe mais ser livre.

Cena 2
As crianças da cena 2 estão no centro das atividades, as crianças são
consideradas como protagonistas na aprendizagem, tem a preocupação do
professor no interessa da criança, o tema levantado passa a ser o fio condutor
do processo , as crianças pesquisaram para construção do brinquedo de sucata,
podem realizar descobertas, as tornando autônomas e criticas.

2. Qual tipo de planejamento parece prevalecer na cena 1?

Planejamento baseado a listas de atividades, está presente atividades


para ocupar o tempo todo da aula, “O que o define é a necessidade de ocupar
as crianças durante o tempo em que permanecem na instituição.” P 179
De acordo com o Ostetto (2000) esse tipo de planejamento é o mais
utilizado, um planejamento sem uma intencionalidade, podendo ser classificada
como uma educação de má qualidade, encontramos também um planejamento
baseados em datas comemorativas, nesse caso a páscoa, de acordo com o
autora isso não é uma boa prática uma vez que não existe um pensamento critico
em relação às datas comemoradas, não é feita uma leitura da população com a
qual a escola está trabalhando, novamente existe um política de educação
hegemônica, com trabalhos descontextualizados e fragmentados, além de ser
uma repetição ano após ano, professores despreparados para um planejamento
adequado. Esse dois tipos de planejamento proporciona atividade, e não
experiências para as crianças, ou seja, não acresce nada no repertorio cultural,
social ou em outro repertorio positivo da criança, acrescenta tédio,
desmotivação.
São planejamentos não estão alinhados com o documento Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI) o qual estabelece três
os princípios éticos, políticos e estéticos que devem nortear as propostas
pedagógicas das creches e pré-escolas.

O planejamento da professora Juliana busca garantir qualidade para


as práticas cotidianas. Por quê? Explique.

O planejamento da Juliana é o planejamento baseado em temas, no


relado do dia o tema em questão são brinquedos construídos com sucatas. Neste
planejamento o trabalho é direcionado para as crianças, possibilita através do
planejamento do espaço, do tempo, dos materiais a criação de espaços
propícios para desenvolver aspectos físico-motor, afetivo, social e cognitivo da
criança.
Houve uma preocupação da professora em trabalhar aspectos que
fizessem parte da realidade da criança, os brinquedos e os materiais que seriam
descartados, são delimitados conteúdos considerados significativos para a
aprendizagem dos alunos, o meio ambiente a reciclagem podem ser temas
abordados nesse processo.
Ostetto (2000) coloca como um problema desse planejamento encontrar
um tema que contemple a todos, ou seja crianças de 2 aos 5 anos, e esse é
um tema que está presente na vida dessas crianças, assim como os materiais a
possibilidade de explorar diferentes materiais e a sua utilização para fins
diferentes.

Referência Bibliográfica

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes


curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica.
– Brasília : MEC, SEB, 2010.

OSTETTO, Luciana E. (org.) Encontros e Encantamentos na Educação Infantil:


Partilhando experiências de estágios. Campinas, SP: Papirus, 2000.

Você também pode gostar