Você está na página 1de 10

Aluzena Amuza

Papel do administrador como gestor de organização

Instituto superior de ciências e educação


Nampula
2018
2

Aluzena Amuza

Papel do administrador como gestor de organização

Trabalho de caracter avaliativo a ser apresentado no


curso de gestão de recursos humanos, na cadeira de
fundamentos de recursos humanos, 1º ano ministrada
por tutor: Gisela Mapatse

Instituto superior de ciências e educação

Nampula

2018
3

Introdução
Introdução.................................................................................................................................... 4

Conceituação de termos .............................................................................................................. 5

A importância do papel do administrador como gestor de organizações públicas ou privadas .. 5

Avaliação de desempenho nas instituições Públicas Moçambicanas.......................................... 7

Fases do processo de avaliação ................................................................................................... 7

Indicadores de Avaliação ........................................................................................................... 8

Efeitos da avaliação .................................................................................................................... 8

Conclusão .................................................................................................................................... 9

Bibliografia................................................................................................................................ 10
4

Introdução
O presente trabalho subordina-se ao tema papel do administrador como gestor de organização.
Com este tema temos como objetivo geral fazer perceber e expor conhecimentos acerca do
fenômeno atrás em referência, e temos como objetivos específicos fazer uma análise minuciosa
passando por subtemas como: a importância do papel do administrador como gestor de
organizações públicas ou privadas e avaliação de desempenho nas instituições Públicas
Moçambicanas.

Para a composição deste trabalho foi necessário o método hermenêutico e de colheita de dados
baseado na consulta de obras que sustentam suficientemente o tema em causa.

Este e como também os outros trabalhos que são feitos nesta nossa instituição devem conter
infalivelmente: introdução, desenvolvimento, conclusão e bibliografia final, este não foge desta
regra.
5

1. Conceituação de termos
Administração

De com Maximiano apud Barreto (2017, p. 9) destaca que “Administração é o processo de tomar
decisões sobre objetivos e utilização de recursos. O processo administrativo abrange cinco tipos
de funções: planejamento, organização, liderança, execução e controle”.

Organização

Consiste em dispor dos recursos em uma estrutura que facilite a realização dos objetivos. Processo
de alocar, arrumar e/ou distribuir tarefas, responsabilidades e recursos entre os membros da
organização. (Idem)

Avaliação

De acordo com pilleti (2004, p 190): “Avaliação é um processo continuo de pesquisa que visa
interpretar os conhecimentos, habilidade e atitudes”.

Desempenho

Entende-se por desempenho o modo (negativo ou positivo) em um que membro activo duma
determinada organização executa uma determinada tarefa.

2. A importância do papel do administrador como gestor de organizações públicas ou


privadas
Hodiernamente, é reconhecível o papel dos recursos humanos nas organizações e a gerencia toma
isto como uma forma de fortalecer a organização.

O papel do profissional de recursos humanos está evoluindo, passando de assessor executivo para
gerenciador de ações, para uma vinculação mais próxima entre empregados e líderes de setores
(MILKOVICH; BOUDREAU, 2000 p 83).

Os nossos autores descrevem o papel do administrador como gestor o relacionando com seus pares
colegas, neste sentido o epicentro deste pensamento é de que o administrador como gestor das
organizações toma o papel de ser um ele entre os empregados e os da hierarquia superior. Neste
6

sentido o administrador precisa de ter um bom-senso, assim o administrador, dentro de suas


funções, estabelece rumos e dirige as pessoas que executam o trabalho.

Além disso, na visão de Lacombe e Heilborn (2006), “são indispensáveis para um bom
administrador ter experiência, conhecimento, habilidade em lidar com as pessoas,
responsabilidade e, acima de tudo, alto grau de compreensão de si próprio e da sua equipe”.

E ao passo deste nosso autor descreve o gestor através das competências que deve possuir e o
impacto destas competências dentro da gestão. A gestão das pessoas precisa ser exercidas por um
agente com habilidades de se relacionar com os outros, isto significa que se caso um gestor não
tiver uma capacidade de se lidar com os outros em vez de criar um ambiente organizacional e de
bom entendimento, cria tudo ao contrário. E a responsabilidade, neste sentido está na figuração do
gestor ser alguém comprometido em responder acerca da sua tarefa que referimos.

Para Drucker (1981):

“Uma das tarefas do administrador é harmonizar, em cada decisão, as condições futuras a curto
e longo prazo, sem sacrificar o futuro e sem colocar a empresa em perigo. Não sendo possível
harmonizar, deve pelo menos equilibrá-las, calcular sacrifícios a fim de proteger seus interesses
imediatos, ou verificar quais os sacrifícios de hoje em benefício do futuro”.

Dito duma forma sintética a importância do papel do administrador como gestor de organizações
são:

 Ser assessor executivo para gerenciador de ações, para uma vinculação mais próxima entre
empregados e líderes de setores;
 Ser um ser que deve procurar possuir conhecimento para a gestão harmoniosa das
organizações;
 Ser um agente com habilidades em lidar com as pessoas, procurando desta maneira ser
paciente ele procurar impor no espirito dos trabalhadores um espirito de paciência entre
eles;
 Ser responsável, no sentido de estar comprometido em responder questões necessário para
a gestão das relações entre os membros das organizações tanto publicas assim como as
privadas;
 Harmonizar e defender os interesses do membros.
7

 E acima de tudo, ter alto grau de compreensão de si próprio e da sua equipe.


3. Avaliação de desempenho nas instituições Públicas Moçambicanas
“Avaliar o desempenho é fundamental para se orientarem os esforços
profissionais de todos e cada um relativamente aos objetivos a atingir e
para a valorização dos próprios recursos humanos da Instituição. A
avaliação anual integra-se num processo cíclico de análise dos recursos
conjugando as necessidades do posto de trabalho, o desempenho de cada
profissional e as potencialidades destes”. (CIRE: 2004, P 11)

3.1.Partes intervenientes (artigo 9)


São partes intervenientes do processo de avaliação do desempenho:

3.1.1. As entidades com competência para homologar, nomeadamente:


 A nível central: o dirigente máximo, o Secretário Permanente, os titulares de institutos
públicos, instituições subordinadas e tuteladas;
 A nível provincial: o Governador Provincial, o Secretário Permanente Provincial, o
director provincial e o delegado de institutos públicos, instituições subordinadas e
tuteladas;
 A nível distrital: Administrador Distrital, o Secretário Permanente Distrital e o Chefe do
Posto Administrativo;
 Presidente do Conselho Municipal.
3.1.2. O avaliador, que é o superior hierárquico.
3.1.3. O avaliado, que pode ser o titular de cargo de direcção e chefia, funcionário ou
agente cujo desempenho se pretende avaliar.

3.2.Fases do processo de avaliação (artigo 11)


A avaliação do desempenho obedece as seguintes fases:

 Definição dos resultados esperados, mediante concertação entre o avaliador e o avaliado,


a partir de 1 de Novembro a 31 de Dezembro do ano anterior ao período em que será feita
a avaliação, com base nos planos de actividade.
 Acompanhamento semestral do desempenho do avaliado pelo avaliador, seguido pela
elaboração de um relatório onde conste a área de trabalho que carece de melhoria;
 Reajustamento semestral dos resultados esperados, caso haja necessidade imperiosa;
8

 Preenchimento da ficha de avaliação do desempenho individual, precedido de entrevista


com o avaliado;
 Notificação do resultado final ao avaliado;
 Reclamação e recurso;
 Homologação;
 Divulgação dos resultados finais;
 Atribuição de distinções, prémios e ou penalizações, se for o caso.
3.3.Indicadores de Avaliação (Artigo 12)
Os resultados esperados, a serem definidos nos termos da alínea a), do no1 do artigo 11 e os
elementos de avaliação estabelecidos no artigo 8, do presente SIGEDAP, constituem indicadores
de avaliação.

3.4.Efeitos da avaliação (Artigo 16)


 A avaliação de desempenho, que se situa nos níveis previstos nas alíneas a) e b), do artigo
14, do presente decreto, temos efeitos previstos no artigo 68 do Estatuto Geral dos
Funcionários e Agentes do Estado, no que concerne a distinções e prémios.
 Da avaliação, pode se identificar e direccionar com maior objectividade as necessidades
reais de formação ou capacitação geral ou específica do avaliado.
 O titular de cargo de direcção e chefia, funcionário ou agente do Estado cuja avaliação
final seja “não satisfaz os requisitos”, equivalente a Mau, pode, caso a caso, incorrer em:
1. Cessação de funções;
2. Rescisão de contrato;
3. Cessação da relação de trabalho, nos termos estabelecidos pelo EGFAE.
9

Conclusão
A importância do papel do administrador como um gestor das organizações é radicalmente
inegável por todos os pensadores e estudantes da economia em particular e da contabilidade em
geral visto que o sucesso das organizações é determinada pela boa gestão das mesmas, uma
organização sem administrador é como um carro com passageiros e sem motorista, isto é, a
dinâmica das organizações é estática e embaraçosa.

Uma organização sempre tem sido constituída por agentes que são integrados por meio de
contratação ou recrutamento, e para tal, não é algo tão intuitivo como muitos pensam, mas sim
requer um gestão com conhecimento de causa. Além disto após a constituição das organizações,
partindo no pressuposto de que o homem não é perfeito na sua totalidade, por esta imperfeição é
necessário que haja uma autoridade que coloque os ânimos dos trabalhadores na sua racionalidade
na medida em que surge problemas evitando desta forma a perda de quadros das organizações.
Traduzindo duma forma o gestor é aquele que sabe e procurar ultrapassar as dificuldades dos
agentes e as da própria empresa e procura ultrapassar, é aquele que serve elo que liga os
trabalhadores das entidades superiores das organizações
10

Bibliografia
MILKOVICH, George T.; BOUDREAU, John W. Administração de Recursos Humanos.
São Paulo: Atlas, 2000.
LACOMBE, Francisco J. M. & HEILBORN, José Masset. Administração: princípios e
tendências. São Paulo: Saraiva, 2006.
DRUCKER, Peter Ferdinand. A pratica da administração de empresas. São Paulo:
Pioneira, 1981.
CIRE. Recursos humanos – manual das políticas de gestão de recursos humanos. CIRE,
2004.
PILLETI, Claudino. Didática geral. 23ª edição, São Paulo: Ática editora, 2004.
BARRETO, Joao Marcelo. Introdução a administração. Bahia: UFBA, 2017.
Republica de Moçambique, Boletim da república. Sistema de Gestão de Desempenho
na Administração Pública. In: boletim da republica, decreto no 55/2009 de 12 de Outubro.
2009.