Você está na página 1de 4

AV2- TOM JOBIM

01.Em dificuldade para saldar seus débitos, inclusive tributários, a sociedade Minimok
Ltda., decidiu cerrar suas portas sumariamente, deixando de dar baixa regular em seus
registros e obrigações comerciais e fiscais. Tomando conhecimento do fato, fiscais da
Receita Federal verificaram não ter sido recolhido o Imposto de Renda dos dois últimos
exercícios, tendo em consequência procedido ao lançamento. Notificada regularmente a
empresa, na pessoa de seu sócio-gerente, deixou de defender-se administrativamente,
correndo o processo administrativo-fiscal à revelia e culminando com a inscrição do
crédito tributário em dívida ativa e imediato ajuizamento da execução fiscal. Alertado
por seu antigo contador, o sócio-gerente aliena vários bens sociais.

Pergunta-se: a) São válidos esses atos de alienação? Em que circunstâncias?

Resposta: Depende, os atos de alienação podem ser válidos, se existir reserva de


bens que satisfaçam o crédito tributário. Essa alienação seria fraudulenta, pois, ela
faz o desfazimento de bens com o propósito de não pagar o tributo. Mas, essa
alienação deixa de ser fraudulenta se existir reserva de bens à quitação da dívida.

b) Pode a Fazenda Pública requerer a falência da sociedade?

Resposta: A Fazenda Pública não é parte interessada no processo de falência, por


isso não é legitimada para requerer a decretação da falência da empresa, pois ela
não se habilita no concurso de credores e o instrumento para buscar a satisfação
do crédito continua sendo a execução fiscal.

c) É possível ao fisco determinar à instituição bancária que lhe forneça os dados das
movimentações da sociedade e do sócio gerente para buscar identificar as
irregularidades, independente de autorização judicial?

Resposta: Sim, pois, se no interesse da administração tributária for necessária a


busca dessas informações, elas lá permanecerão em sigilo, com o fim de identificar
as irregularidades, é possível que as informações sejam alcançadas sem que isso
caracterize quebra de sigilo.

02- A União, por não ter recursos suficientes para cobrir despesas referentes a
investimento público urgente e de relevante interesse nacional, instituiu, por meio da
Lei Ordinária nº 1.234, publicada em 01 de janeiro de 2014, empréstimo compulsório.
O fato gerador do citado empréstimo compulsório é a propriedade de imóveis rurais e o
tributo somente será devido de maio a dezembro de 2014. Caio, proprietário de imóvel
rural situado no Estado X, após receber a notificação do lançamento do crédito
tributário referente ao empréstimo compulsório dos meses de maio a dezembro de 2014,
realiza o pagamento do tributo cobrado. Posteriormente, tendo em vista notícias
veiculadas a respeito da possibilidade desse pagamento ter sido indevido, Caio decide
procurá-lo (a) com o objetivo de obter a restituição dos valores pagos indevidamente.
Resposta: Deverá ajuizar ação de repetição de indébito, pois o empréstimo
compulsório é inconstitucional, uma vez que este tributo deve ser instituído por lei
complementar, conforme o Art. 148, caput, da CRFB/88. Sem falar na violação ao
princípio da anterioridade, uma vez que o empréstimo compulsório referente a
investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional somente
pode ser cobrado no exercício financeiro seguinte ao da publicação da lei, no caso
somente em 2015, conforme o Art. 148, inciso II c/c o Art. 150, inciso III, alínea b,
ambos da CRFB/88.
03- A pessoa jurídica Bom Porto S.A., domiciliada no Município A, prestou serviços
portuários no Município B, onde se localiza o Porto de Ferro. A pessoa jurídica não
realizou o pagamento do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza ¿ ISS, e os dois
Municípios lavraram auto de infração visando à cobrança do ISS.
A) Qual o Município competente para a cobrança do ISS? Justifique.
Resposta: Segundo o Art. 3º, inciso XXII, da Lei Complementar nº 116/2003, o
serviço considera-se prestado no local do porto, no caso dos serviços descritos pelo
item 20 da lista anexa (Serviços portuários, aeroportuários, ferroportuários, de
terminais rodoviários, ferroviários e metroviários). Sendo assim, o Município B,
onde se localiza o Porto de Ferro, é o competente para cobrança do ISS na
hipótese.
B) qual a medida judicial mais adequada para dirimir, na hipótese, o conflito de
competência tributária relativo ao ISS?
Resposta: A medida judicial mais adequada é a ação de consignação em
pagamento, nos termos do Art. 164, inciso III, do CTN.
04- Em 2015, devido a uma grande enchente que assolou o município X, foi aprovada
uma lei que reabria, por um ano, o prazo de pagamento do IPTU já vencido dos
contribuintes proprietários de imóveis localizados nas áreas atingidas pela enchente.
Com base nessa situação, responda aos itens a seguir.
A) qual o instituto tributário utilizado para ajudar os contribuintes das áreas mais
atingidas pela enchente? Justifique.
Resposta: O instituto é o da moratória, que é uma das modalidades de suspensão
de exigibilidade do crédito tributário. Caracteriza-se por ser uma prorrogação do
prazo de pagamento de tributo pelo ente competente para instituí-lo. Está previsto
no Art. 151, inciso I, e nos artigos 152 a 155, todos do CTN. 
B) A lei poderia ter delimitado a aplicação desse instituto a apenas um conjunto de
sujeitos passivos, como fez neste caso, aplicando-o somente aos contribuintes das áreas
mais atingidas? Justifique.
Resposta: Sim, a lei que institui a moratória pode delimitar os sujeitos passivos que
dela se beneficiarão, na forma do Art. 152, parágrafo único, do CTN.
05- A respeito da certidão de dívida ativa, assinale a alternativa correta:
a) A Fazenda Pública, na execução fiscal, só poderá substituir a Certidão da Dívida
Ativa para a correção de erro material e formal, podendo modificar o sujeito passivo da
execução.
b) A Fazenda Pública, na execução fiscal, só poderá substituir a Certidão da Dívida
Ativa até a prolação da sentença de embargos, em qualquer hipótese.
c) (X) A Fazenda Pública, na execução fiscal, poderá substituir a Certidão da
Dívida Ativa até a prolação da sentença de embargos, quando se tratar de correção
de erro material e formal, vedada a modificação do sujeito passivo da execução.
d) A Fazenda Pública, ajuizada a execução fiscal, só poderá substituir a Certidão da
Dívida Ativa até a citação do devedor.
e) A Fazenda Pública, na execução fiscal, poderá substituir a Certidão da Dívida Ativa,
mesmo após a sentença de embargos, enquanto não transitar em julgado e modificar o
sujeito passivo da execução.
06 - Sobre a prescrição e a decadência em matéria tributária, assinale a alternativa
CORRETA.
(X)A suspensão da exigibilidade do crédito tributário na via judicial não
impossibilita a Fazenda Pública de proceder à regular constituição do crédito
tributário com vistas a prevenir a decadência do direito de lançar.
O direito de a Fazenda Pública constituir o crédito tributário extingue-se após 05 (cinco)
anos, contados da data em que se tornar definitiva a decisão que houver anulado, por
vício material, o lançamento anteriormente efetuado.
O protesto de certidão de dívida ativa é causa interruptiva da prescrição tributária.
O termo inicial da prescrição tributária é a data da constituição definitiva do crédito, que
se dá, nos casos de lançamento de ofício, no primeiro dia do exercício financeiro
seguinte ao do lançamento.
Declarado e não pago o tributo sujeito a lançamento por homologação, tem-se como
início do prazo decadencial de 05 (cinco) anos o dia do vencimento da obrigação.

07- De acordo com o CTN, constitui caso de extinção do crédito tributário:


(X)a) Nenhuma das hipóteses acima.
b) a concessão de anistia.
c) moratória.
d) a dação em pagamento em bens imóveis.
e) a concessão de isenção tributária.
08- Acerca da constituição do crédito tributário, à luz das disposições do Código
Tributário Nacional, é INCORRETO afirmar que:
a) O lançamento regularmente notificado pode ser alterado em virtude de iniciativa de
ofício.
b) A modificação introduzida, de ofício ou em consequência de decisão administrativa
ou judicial, nos critérios jurídicos adotados pela autoridade administrativa no exercício
do lançamento somente pode ser efetivada, em relação a um mesmo sujeito passivo,
quanto a fato gerador ocorrido posteriormente à sua introdução.
c) O lançamento regularmente notificado pode ser alterado em virtude de impugnação
do sujeito passivo.
d) A atividade administrativa de lançamento é vinculada e obrigatória, sob pena de
responsabilidade funcional.
(X) e) O lançamento rege-se pela lei vigente na data de sua efetivação.
9- NÃO é causa de suspensão da exigibilidade do crédito tributário:
a) a compensação.
(X) b) o recurso administrativo.
c) a moratória.
d) o parcelamento.
e) a concessão de medida liminar em mandado de segurança.
10- Após verificar que realizou o pagamento indevido de Imposto sobre Circulação de
Mercadorias e Serviços - ICMS, determinado contribuinte requer administrativamente a
restituição do valor recolhido. O órgão administrativo competente denega o pedido de
restituição. Qual é a ação judicial cabível para a restituição?
a) Mandado de Segurança c/ Liminar.
b) Ação Consignatória.
c) Ação de Indenização por danos morais.
(X) d) Ação de Repetição de Indébito.
e) Ação de Obrigação de Fazer c/c Liminar.