P. 1
PIAGET E VYGOTSKY NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR

PIAGET E VYGOTSKY NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR

|Views: 7.063|Likes:
RELATÓRIO CIENTÍFICO SOBRE PIAGET E VYGOTSKY NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR
RELATÓRIO CIENTÍFICO SOBRE PIAGET E VYGOTSKY NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR

More info:

Categories:Types, Research, Science
Published by: Edilene Alessandra Gil on Jul 08, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/13/2013

pdf

text

original

1

FECILCAM - FACULDADE ESTADUAL DE CIENCIAS E LETRAS DE CAMPO MOURÃO

ANE CAROLINE DA SILVA EDILENE ALESSANDRA GIL

PIAGET E VYGOTSKY NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR

CAMPO MOURÃO 2009

2

ANE CAROLINE DA SILVA EDILENE ALESSANDRA GIL

PIAGET E VYGOTSKY NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR

Relatório Científico apresentado à Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão - FECILCAM, como parte dos requisitos para obtenção de nota parcial na disciplina de Psicologia da Educação do 1º ano de Pedagogia noturno. Orientadora: Sonia Maria Yassu Okido Rodrigues.

CAMPO MOURÃO 2009

3

AGRADECIMENTOS

Aos meus colegas de equipe; Ana Paula, Valéria e Marcos; pelos momentos de aprendizagem constante e pela amizade solidificada, ao longo deste trabalho, que, certamente se eternizará.

Aos professores, especialmente à Professora Sonia Maria Yassu Okido Rodrigues e também à Professora Wanessa Gorri de Oliveira, pela contribuição, dentro de suas áreas, para o desenvolvimento de nosso relatório científico, e, principalmente pela dedicação e empenho que demonstraram no decorrer de suas atividades para com o grupo e com a sala.

À

todos

aqueles

que,

direta

ou

indiretamente,

colaboraram para que este trabalho consiga atingir aos objetivos propostos.

4

³O professor tem o papel explícito de interferir na zona de desenvolvimento proximal dos alunos, provocando avanços que não ocorreriam espontaneamente.´ Marta Koll Oliveira, 1993.

5

RESUMO

Este relatório científico, elaborado a partir de observações participantes ocorridas em uma 3ª série de em escola municipal de Campo Mourão, descreve como as relações de trabalho se materializam nos processos de ensino -aprendizagem da instituição escolar. Nessa tarefa, tomamos como base os pressupostos teóricos dos autores Jean Piaget e Lev Semenovitch Vygotsky. A partir daí, tecemos uma reflexão sobre os processos de ensino-aprendizagem, com o propósito de explicar a atuação da escola e dos professores de hoje, que reproduzem um sistema de formação ideológico que privilegia o mercado de trabalho , contribuindo para rever o posicionamento social da escola, que atua ou não, como reprodutora do sistema capitalista, e também incentivar o seu papel transformador . Palavras-chave: ensino-aprendizagem, operações concretas, zona de

desenvolvimento proximal.

6

SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS ................................ ................................ ......................... 7 2 A TEORIA JUNTO A PRÁTICA ................................ ................................ .................... 7 3 COLETA DE DOCUMENTOS: PROPOSTA POLÍTICA CURRICULAR .................. 9

3.1 COLETA DE DOCUMENTOS: REGIMENTO ESCOLAR ................................ ...... 10
4 RELACIONAMENTO DOS PRESSUPOSTOS TEÓRICOS DE VYGOTSKY COM A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE ................................ ................................ ........... 11 5 RELACIONAMENTO DOS PRESSUPOSTOS TEÓRICOS DE JEAN PIAGET COM A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE ................................ ................................ . 12 6 CONSIDERAÇOES FINAIS ................................ ................................ ......................... 14 7 REFERÊNCIAS ................................ ................................ ................................ ............. 15 8 APÊNDICE ................................ ................................ ................................ ..................... 16

7

1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Nossos questionamentos e apontamentos surgiram a partir de uma pesquisa feita, no nosso Estágio Curricular Supervisionado, em uma escola municipal, abrangendo a 3ª série do ensino fundamental e a instituição escolar como um todo. O objetivo geral é compreender como o processo de ensino-aprendizagem se desenvolve na instituição escolar, tendo em vista as relações de trabalho do siste ma capitalista. Para alcançar esse resultado é preciso unir o que foi coletado no s documentos: Proposta Política Curricular - PPC-, que nos foi fornecido como documento substituto do Projeto Político Pedagógico - PPP-, e no Regimento Escolar - RE, com as observações registradas no diário de campo. procedimentos documento PPC. Assim será possível analisar previamente se a instituição escolar intenciona formar um cidadão crítico ou apenas projetá -lo para a reprodução das relações de produção e exploração do sistema capitalista. E também perceber a importância da união entre teoria e prática.
2 A TEORIA JUNTO A PRÁTICA

Os

metodológicos

foram

realizados

a

partir

de

observações

participantes, coletas de depoimentos, entrevistas estruturadas e coletas do

Segundo Marques, entende-se que função teórica é todas as explicações de fatos observados e a função prática é a aplicação da teoria nos estágios. Não se pode separá-las, pois uma completa a outra. A teoria estuda as observações e a pratica aplica estes estudos na realidade do cotidiano. Entretanto não se pode praticar sem ter uma teoria. Por outro lado, jamais devemos confundi -las porque são diferentes entre si. Justifica-se esta idéia quando Marques (2003) propõe que
Não se podem, em nenhum momento, separar teoria e pratica, como não se podem elas confundir como se não fossem uma e outra distintas, quer em sua positividade, quer na negação em que fazem uma da outra [...]. A teoria nega a pratica em seu imediatismo, assim como a pratica nega a teoria dela desvinculada, exigindo se ambas ao negarem -se uma à outra. (MARQUES, 2003, p.93).

8

A primeira preocupação dos cursos é ensinar o aluno a solucionar todos os problemas. A função do estágio é proporcionar o acadêmico a p rocurar ele mesmo a resposta para suas dúvidas, através da pesquisa social, colocando em prática o que se aprendeu na teoria. O estágio deve servir de base para que o futuro profissional não seja qualquer um e sim um bom profissional com capacidade de ter suas próprias iniciativas e argumentações. Marques nos diz que:
Dirijam-se os alunos estagiários a seus possíveis campo de atuação profissional, não com o intuito de neles atuar para modificar algo, mas impulsionados pela necessidade de melhor conhecê-los, de buscar respostas as suas indagações sobre eles, de testar s uas hipóteses [...]. Busquem eles formas mais concretas de aprendizagem, sem a competência comunicativa e ampliada, as capacidades de observar e refletir, de elaborar suas próprias conclusões. (2003, p.95).

Nesse primeiro ano, iniciaremos a prática no ensino fundamental que de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacio nal - LDB-9394/96, em seu Artigo 32 ³O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando -se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão [...]´ e isso compreende o desenvolvimento da leitura, da escrita e do calculo; a compreensão do ambiente natural, social, e político; o desenvolvimento da formação de atitudes e valores e o fortalecimento dos vínculos de família. A educação infantil é a base para a criança aprender viver em consenso com a sociedade e iniciar o desenvolvimento de sua inteligência. Faz -se necessário prepará-la para a vida fora do ambiente escolar também, através de experiência e conhecimentos. Isso se mostra claro também na LDB-9394/96, em seu Art. 2
A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

Assim percebemos que toda criança precisa de uma educação que instrua como ela deverá agir na escola e em sua vida. É por essas finalidades que nos propomos observar a relação entre teoria e prática, pois é de suma importância

9

conciliar a Prática Pedagógica no Ensino Fundamental com a Teoria para verificarmos o que realmente acontece no cotidiano das escolas.
3 COLETA DE DOCUMENTOS: PROPOSTA POLÍTICA CURRICULAR

Na apresentação do PPC (2007) a instituição propõe uma educação transformadora
[...] sendo esta libertadora, critica e humanitária, oportunizando ao educando um conhecimento cientifico, político e cultural, visando formar um cidadão consciente de seus direitos e deveres, preparando para a vida. -o Um individuo capaz de interagir com o outro e com o meio ambiente de forma equilibrada, onde prevaleça o respeito e a dignidade humana. (PPC, 2007, p.4).

E diz ter como meta trabalhar com a diversidade humana, respeitando as potencialidades, limitações e especificidades de cada individuo, pois são a favor de uma sociedade sem exclusão social. Mas já nos primeiros dias de observações participantes tivemos um susto, porque muito se fala de inclusão social e em contrapartida a sala em que fizemo s a maior parte das observações se localiza no segundo andar da instituição, e para se ter acesso existe somente uma escada. Como falar de inclusão social se não existem rampas de acesso para a sala da 3ª série? Como irão matricular alguém que tenha alguma necessidade especial como, por exemplo, deficiência física? Ou seja, esta parte do PPC foi muito bem elaborada teoricamente, mas nesse atual momento não é possível ser colocado em pratica. Quem sabe futuramente eles consigam enxergar este erro e corrigi -lo. Quanto à metodologia, foi observado que ela vem se concretizando na pratica, proposta pelo trabalho interdisciplinar e observação das ações das crianças, na intenção de problematizar as intenções dos alunos, intervindo para que reflitam sobre o conhecimento. No que diz respeito à concepção de desenvolvimento humano, é citado no PPC os pensamentos de Lev Semenovitch Vygotsky
Segundo Vigotsky (1988) o desenvolvimento humano esta intrinsecamente ligado à aprendizagem, sendo por ele modificado. Quando o processo de aprendizagem esta adequadamente organizado resulta em

10

desenvolvimento e põe em movimento vários processos, que sem o ensino seriem impossíveis de acontecer. (2007, p.8).

Logo, o processo de desenvolvimento do ser humano caracteriza-se por ser continuo e integrado , abrangendo os aspectos físicos, emocional, cognitivo e social da vida humana. Isso significa que para os sujeitos se desenvolverem e aprenderem sobre o mundo, precisam interagir com o meio sócio-cultural em que estão inseridos. Na concepção de ensino-aprendizagem o PPC diz que esse processo articulado com um contexto tem como mediador o professor, e que este tem a responsabilidade de levar o aluno a tornar -se sujeito responsável pelo seu processo de aprendizagem.
Segundo VIGOTSKY é na relação com o outro que as experiências de aprendizagem criam o desenvolvimento proximal. A boa aprendizagem é aquela que consolida e, sobretudo, cria zonas de desenvolvimento proximal sucessivas, as quais podemos entender como ³funções emergentes´ no sujeito, as capacidades ainda manifestada com o apoio e recursos auxiliares oferecidos por outros. Portanto o professor deve orientar a interação, propondo situação problemáticas que estimulem a curiosidade discente e a busca de compreensão da teoria, envolvendo o aluno na construção do conhecimento, estimulando-o a participar permanentemente do processo educativo, o qual explica em: complexibilidade, diversidade, transformação, adaptação, significação afetiva, cognitiva, ética e social. (PPC, 2007, p. 10).

Assim, a aprendizagem deve provocar uma modificação na capacidade de pensar e agir do homem. Mediante a aprendizagem, o sujeito adquire e desenvolve conhecimentos, habilidades, atitudes e valores para compreender, melhorar e transformar o seu meio. 3.1 COLETA DE DOCUMENTOS: REGIMENTO ESCOLAR Durante a coleta do RE tivemos a oportunidade de comparar o antigo com o atual. E nessa comparação foi observado que os direitos dos alunos tem aumentado de forma desproporcional se comparado com os deveres. No atual RE (2009) são colocados 12 direitos dos alunos, entre eles, ser respeitado por seus educadores e ter acesso a escola pública e gratuita. Já os deveres são 7, e entre eles, executar as tarefas escolares e estudar; cooperar na manutenção da higiene e na conservação das instalações escolares e manter uma atitude ética na escola e na comunidade.

11

Encontramos uma falha durante a observação na sala de aula no que diz respeito a uma das 12 proibições aos alunos contida s no RE. Vigora -se que é proibido ³entrar e sair da sala de aula sem permissão do professor´, porém há um aluno com hiperatividade controlada pelo uso do medicamento Ritalina que entra e sai da sala de aula sem a permissão do professor e não é tomada nenhu ma atitude em respeito a essa ação. Quanto aos direitos e deveres dos pais é percebido que os pais tem alguns direitos que nem eles mesmos sabem que tem como, por exemplo, ³contestar os critérios avaliativos´. E nem todos os deveres são cumpridos, há um q ue diz ³comparecer a este estabelecimento quando solicitado.´ E foi afirmado pela coordenação pedagógica que muitos pais não comparecem quando solicitados. E é bem nessa ocasião que a escola joga a culpa de indisciplina dos alunos nas costas dos pais, pois afirmam que quem tem que educar e dar exemplos de valores morais é em primeiro lugar a família.
4 RELACIONAMENTO DOS PRESSUPOSTOS TEÓRICOS DE VYGOTSKY COM A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE

Segundo Marta K. Oliveira o psicólogo Vygotsky valoriza a ação e a intervenção pedagógica, pois ao contrario de Jean Piaget acredita que a aprendizagem promove o desenvolvimento e o mesmo ocorre de fora para dentro do individuo. O Interacionismo, ou seja, a interação entre o individuo e a cultura é fundamental para que o indivíduo se insira em determinado meio cultural para que aconteçam mudanças no seu desenvolvimento. É citado em seu livro que ³um conceito central par a a compreensão das concepções vygotskianas sobre o funcionamento psicológico é o conceito de mediação.´ (Oliveira, 1993, p.26) A mediação simbólica é a intermediação entre uma coisa e outra de forma indireta por meio de instrumentos (objetos de trabalho) e signos (linguagem). Não generalizando, posso dizer que a mediação ocorre também por lembranças de experiências anteriores que são compartilhadas historicamente no meio social. Pensamento e linguagem são signos que além de serem construídos por uma convenção cultural, são arbitrários e polissêmicos, sendo a língua o seu principal instrumento.

12

Para uma rica e eficiente intervenção pedagógica o profissional da educação deve ter claro em seus conhecimentos os conceitos de Zona de Desenvolvimento Proximal para que possa trazer a seus alunos novos obstáculos a vencerem que estejam dentro de seus níveis de desenvolvimento potencial, pois se estiverem dentro do nível de desenvolvimento real não será tão atrativo aos alunos. Na entrevista estruturada, que segue - Qual a sua concepção de aprendizagem? E obtivemos a resposta: - A aprendizagem é uma transformação, em que o meio social influi de maneira significativa, tanto negativa como positivamente. A aprendizagem pode ser formal ou informal. A educação e os educadores estão sobrecarregados, pois a família vem fugindo á sua responsabilidade. A família precisa se envolver, mas é necessário que se desenvolvam projetos para integrar sociedade e escola . Então percebemos que a resposta se desenvolve de maneira bem superficial , abrangendo vários aspectos e não focalizando apenas um de modo mais profundo. Porém não foge do que realmente ocorre na realidade da escola. Quanto a isso a escola não fica de braços cruzados, pois sempre desenvolve bazar, gincanas, palestras e outros atrativos na tentativa de aproximar a família da escola e também conhecer melhor o ambiente social em que vivem seus alunos para poder sempre estar trabalhando em suas Zona de Desenvolvimento Proximal com a intenção de mediar o conhecimento do aluno .
5 RELACIONAMENTO DOS PRESSUPOSTOS TEÓRICOS DE JEAN PIAGET COM A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE

em

apêndice, direcionada à

coordenação pedagógica, foi questionado o seguinte para a pedagoga:

Observamos, dentro da instituição onde se concretizou nosso estágio curricular supervisionado, uma iniciativa que vai de encontro ao que Jean Piaget propôs ao estabelecer e esquematizar os quatro estágios de desenvolvimento de uma criança. A iniciativa que citamos acima partiu da professora que leciona a disciplina de Psicomotricidade, disciplina esta que busca equilibrar o desenvolvimento mental e

13

físico da criança; conduzidos pela professora os alunos cultivam uma horta que produz hortaliças, folhas e vegetais, todos orgânicos; a mesma é cultivada em uma parte disponível do pátio escolar, e a partir do momento em que começaram a desenvolver esse projeto na escola, os alunos foram incentivados pela professora a também cultivarem outra horta, agora em suas casas, e com a ajuda da família, esta atitude possibilita uma maior aproximação entre pais e filhos e dá a estes a possibilidade de trocarem experiências, e a divisão de responsabilidades como propôs Piaget, se torna gratificante. Dentro da classe observada, constatamos que muitos alunos plantaram a sua horta com a ajuda dos pais, e demonstram grande contentamento ao comentar seus progressos. A nossa observação se procedeu de forma mais próxima com alunos matriculados na terceira série do ensino fundamental, com idades entre 8 e 9 anos, e de acordo com Barros (1996), Piaget esquematizou as fases de desenvolvimento de uma criança em quatro estágios, eles se encontram no terceiro estágio, que é o estágio das operações concretas, que abrange as idades de 7 a 12 anos; nesta idade ³[...] as operações mentais da criança ocorrem em resposta a objetos e situações reais. A criança usa a lógica e o raciocínio de modo elementar, mas os aplica apenas na manipulação de objetos concretos´ (p.61), ou seja absorvem com maior facilidade o que se materializa para ela, possuindo a devida compreensão dessas fases dentro do processo de desenvolvimento, o professor necessita de encontrar maneiras que façam com que a criança se de senvolva mediante as potencialidades de sua idade, e entendemos que a iniciativa do cultivo da horta, além de promover a aproximação da família com a escola, também dá possibilidade para este desenvolvimento, ³[...] As crianças devem ocupar-se com atividades apropriadas e não apenas em sentar -se e escutar ou observar os outros[...]´(p.63). Neste sentido não seria coerente e nem correto, colocarmos de lado, o ensino adquirido em sala de aula, mas sim exemplificarmos, que a associação entre prática e teoria, é possível. Nesta fase o pensamento da criança tem grande flexibilidade, o que potencializa diversas formas de aprendizagem, esta fase também é caracterizada pela melhor assimilação de ações que se materializam para criança, ou seja, ela vai assimilar melhor o que pode ver e o que possa tocar. Entendemos, partindo da perspectiva piagetiana, que o processo de desenvolvimento de uma criança por estar associado a diversas fases, necessita de

14

estímulos para que ela se desenvolva segundo suas condições e em seu tempo adequado, e podemos entender também, que o convívio familiar e o aprendizado adquirido no ambiente escolar são indissociáveis na formação, não só em termos de aprendizagem teórica, mais na formação do ser como um todo, sendo necessário que os envolvidos com este processo direta ou indiretamente, se conscientizem, da importância dele acontecer corretamente, pois se tratam de vidas, seres que irão dar continuidade no processo de desenvolvimento da humanidade.
6 CONSIDERAÇOES FINAIS

A partir das reflexões feitas acima, podemos concluir que, no quesito de processo ensino-aprendizagem, a escola observada, na teoria cita muito Vygotsky e na pratica utiliza Piaget. Dessa maneira consegue positivamente relacionar o processo de ensino-aprendizagem perfeitamente com as necessidades dos alunos observados, trazendo também, através da horta, uma aproximação da família com a escola. Percebemos também que uma das causas do desinteresse dos professores em aplicar um ensino de qualidade pode ser o baixo salário pelo desgastante serviço, já que para haver a aplicação do ensino de qualidade é necessária muita pesquisa em um chamado ³trabalho invisível´, pois não há tempo suficiente para fazer isso nas Hora Atividade e assim tem que ser fei to fora da instituição em horários que deveriam estar descansando com a família. Logo, essa pesquisa social nos possibilitou ver como é o cotidiano de uma escola. E assim, quando relacionamos a teoria e a prática, percebemos como é importante estarmos preparados e embasados teoricamente para poder desvendar os vários problemas educacionais que permeiam a instituição como um todo. Pois não adianta apenas acreditar nas justificações dos problemas, é preciso mais do que isso, é preciso duvidar do que é dito co mo verdade universal, buscando sempre uma educação democrática para todos. Enfim, podemos avaliar que mesmo com vários obstáculos a instituição observada vem conseguindo realizar um bom trabalho, pois consegue trabalhar em uma perspectiva piagetiana, com algumas caracteristicas vygotskiana relacionando com a realidade social de sua comunidade para poder associar a teoria e a pratica na hora de aplicar conteúdos .

15

7 REFERÊNCIAS

BARROS, Célia Silva Guimarães. Psicologia e construtivismo. São Paulo: Ática, 1996. BRASIL. Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelecer as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1996. Disponível em <www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/L9394.htm > Acesso em: 10 set.2007 MARQUES, Mario Osório. Formação do Profissional da Educação. 4.ed. Ijuí: Unijui, 2003. OLIVEIRA, Marta Koll. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento no processo sócio-historico. São Paulo: Scipione, 1993. PPC, Proposta Política Curricular, 2007. RE, Regimento Escolar, 2002. RE, Regimento Escolar, 2009.

16

8 APÊNDICE

Questionário direcionado na entrevista estruturada no encontro com a coordenação pedagógica da instituição. 1- Qual o tipo de gestão que existe na escola ? 2- O regimento escolar é conhecido por todos os membros da escola? 3- A escola tem conselho escolar? 4- Qual é o principal objetivo da coordenação pedagógica da escola? 5- Há uma atividade de assistência pedagógica com o professor? 6- Como é feita a assistência pedagógica aos alunos e aos pais? 7- Como é feito o acompanhamento do trabalho do professor e do rendimento do aluno? 8- Quais os problemas de indisciplinas ou infraçõ es mais freqüentes? 9- Há uma programação de hora atividade? 10- Há um efetivo acompanhamento das atividades pedagógicas e administrativas, em termos de sua eficácia e objetivos? 11- Quem elaborou o PPC? Os professores usam para organizar o seu plano de aula? 12- Há um levantamento de dados para a escola conhecer a realidade sócio cultural do aluno? Como é realizado? 13- Há escola desenvolve atividades envolvendo a comunidade? 14- É grande o índice de reprovação e desistência? 15- Quem é o mantenedor da escola e os recursos são suficientes? 16- Como seu trabalho é organizados? 17- Qual a sua concepção de aprendizagem?

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->