Você está na página 1de 27

Diabetes

Gestacional
Epidemiologia
•Tem etiologia desconhecida, mas menos de 10% manifestam
indício de auto imunidade das células beta, geralmente o defeito é
funcional e não imunológico na dificuldade em compensar a RI
da gravidez;
•Prevalência: 0,15% a 12,3% das gestantes dependendo do local e
da população em que é realizada a triagem; No Brasil, no SUS =
7,6%
•40 a 60% das mulheres com DG podem desenvolver DMII
após o período de 15 a 20 anos;
•Ainda maior o risco para aquelas que necessitaram de insulina
p/ controle glicêmico e as com IMC> 30

Accioly et al., 2003; Vitolo, 2008


Diabetes na Gestação
Desordens metabólicas caracterizada pela hiperglicemia resultante
de defeitos na secreção de insulina, ação desta ou ambos

Somastatina - 10% (célula delta)


Glucagon - 25% (célula alfa)
Insulina - 60% (célula beta)
Classificação da Diabetes

Classificação Características clínicas

• Diabetes Tipo I Predisposição à cetose:perda de cél.das ilhotas


com menor produção de insulina. Ocorre em qq
idade, porém é mais comum na juventude.

• Diabetes Tipo II Resistente à insulina, associada com obesidade.


Pode ocorrer em famílias com traço genético, geralmente
requer insulina durante a gestação.

• Diabetes Gestacional Quando a doença começa na gestação, risco de


complicações perinetais, intolerância transitória
à glicose. Diagnóstico com teste oral de tolerância
à glicose.
Fisiopatologia do Diabetes Gestacional

Gestação período de das necessidades energéticas visando os


ajustes fisiológicos e aumento dos tecidos maternos além de garantir
substratos para o desenvolvimento fetal

Feto utiliza preferencialmente Glicose


para suas necessidades energéticas

1ª metade da gestação período de intenso anabolismo


progest. Hiperplasia das células B-pancreáticas: níveis de insulina
estrogêno favorecendo os depósitos de Glicogênio / Triglicerídeos e Ptn

2ª metade da gestação período de catabolismo visando atender


as necessidades fetais crescentes.
A insulina plasmática mesmo elevada é menos eficiente não reduzindo os níveis de
CHO e aminoácidos séricos em comparação ao 1º T
Incapacidade da insulina em reduzir a glicemia aos níveis pré-gravídicos ou
da 1ª metade da gestação, está associado com o aumento da resistência
periférica tecidual, possivelmente devido a um defeito pós-receptor, mediado
pelas concentrações de glicose

da resistência periférica da insulina


+
A gestante normal consegue
progesterona, cortisol, prolactina e HpL
compensar este processo com
(hormônios que induzem à hiperglicemia)
o na produção de insulina.
A gestante com reserva
pancreática limitada não
Glicemia
consegue alcançar a
compensação e desenvolve a
da resistência
Diabetes Gestacional (DG)

Incapacidade da insulina em reduzir a


glicemia a níveis pré-gravídicos
Etiologia da Diabetes Gestacional
Principais sintomas do diabetes gestacional
• Feto maior do que o indicado para a idade gestacional
(é verificado medindo o comprimento da linha que vai do púbis
ao umbigo da mãe ou pelo ultra-som)

• Excesso ou muito pouco líquido aminiótico


(medidos pelo ultra-som)

• Ganho de peso elevado

• Polifagia, polidpsia e poliuria

• Visão turva

• Sangue na urina
Fatores de Risco para o Diabetes Gestacional

Fonte: Accioly et al., 2003; Vitolo, 2008


Complicações do Diabetes Mellitus sobre a Gestação

Diabetes Mellitus

Maternas Feto
• Distúrbios Hipertensivos (25%) • RCIU
• Polidramnia ( 25 a 30%) • Macrossomia (PN > 4,0 Kg)
• Infecções Urinárias e Pielonefrite • Asfixia
• Hipoglicemia • Sofrimento fetal durante o parto
• Cetoacidose • Óbito
• Trabalho de parto prematuro • Complicações pulmonares
• Necessidade de parto cirúrgico • Hipoglicemia
• Risco de desenvolver DM tipo 2 • Má formação congênita
Tratamento do Diabetes
Objetivos
• Manter o diabetes compensado
1) Glicemia normal
2) Ausência de Glicosúria
3) Poliuria
4) Polidpsia
5) Polifagia
Meios: 6) Evitar complicações agudas
• Dieta Adequada
• Insulinoterapia • Manter reservas de glicogênio
Evitar o consumo de proteínas e gordura como fontes
• Exercícios
energéticas evitando desnutrição e cetose
Físicos
• Educação • Proteger o pâncreas
Nutricional Evitando a sobrecarga contínua, levando a perda funcional
Terapia Nutricional na Diabetes Gestacional
Avaliação Nutricional - é o primeiro passo para a implementação da terapia
nutrional, devendo incluir:

1) Avaliação Antropométrica e ganho de peso recomendado (IMC)

2) Avaliação dietética

3) Avaliação Clínica: avaliar o funcionamento intestinal, sinais e sintomas


digestivos, patologias associadas, identificar sinais sugestivos de carência
nutricional, medida da altura uterina, pressão arterial

4) Avaliação dos exames complementares


Recomendações Nutricionais Macro e micronutrientes
USO DE ADOÇANTES NA GESTAÇAO
USO DE ADOÇANTES NA GESTAÇAO
Insulinoterapia
Cálculo para a dose Glicosúria total de 24 horas
de insulina 1,50

1 U - 1,5 a 3g de glicose na urina


1 U - 10 g de CHO
1 U - diminui a glicemia em aproximadamente 36 mg%
10g de glicose aumenta a glicemia em aproximadamente 36 mg%

Mulheres com atividade moderada = 0,6 U/Kg/dia podendo necessitar de


1,0 U/Kg/dia
Leitura de artigo científico:

O uso de adoçantes na gravidez: uma


análise dos produtos
disponíveis no Brasil.
Diabetes e Atividade Física

Vantagens:
• Proporciona bem estar físico e mental
• Auxilia na redução e manutenção do peso corporal
• Melhora a utilização da insulina endógena e exógena
• Aumenta o consumo de glicose pelo organismo
• Diminui os lipídeos sangüíneos